Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
11 jun 2015

Bagagem de mão nos aviões pode ficar ainda menor

bagagem

Foto: Alamy

Associação Internacional de Transporte Aéreo prepara-se para aprovar recomendação que obriga a reduzir medidas das malas que vão junto dos passageiros.

Regras mais rígidas no que diz respeito à bagagem de mão nos aviões podem ser adotadas em breve pelas principais companhias aéreas. Segundo a edição online do jornal britânico Telegraph, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), que representa 260 companhias de todo o mundo – cerca de 80% do total do tráfego aéreo – prepara-se para fazer uma recomendação no sentido de reduzir as medidas das malas que podem viajar junto dos passageiros.

Caso a proposta seja aceita, as malas de mão autorizadas terão 55cm de altura por 35cm de largura e 19cm de profundidade. Uma diminuição significativa, já que atualmente algumas empresas permitem malas com 56cm de altura, 45cm de largura e 25cm de profundidade.

As medidas variam de companhia para companhia e algumas permitem mesmo que os passageiros levem uma segunda mala menor com os pertences pessoais – categoria onde se enquadram, por exemplo, as bolsas femininas. Porém, pelo menos oito transportadoras já manifestaram disponibilidade para seguir as indicações da IATA, nomeadamente a Avianca e a Azul, cujos proprietários são candidatos à privatização da TAP.

Aos passageiros restarão então duas opções: comprar a bagagem de mão adaptada à diretiva da IATA, ou viajar com as malas no porão, o que normalmente significa um custo adicional no bilhete. A recomendação da associação internacional começou a ser desenhada após conversações com a Airbus e a Boeing, as duas maiores empresas da indústria da aviação.

O vice-presidente da IATA para os aeroportos, Thomas Windmuller, disse ao Telegraph que a medida poderá contribuir para um embarque mais rápido, uma vez que as malas menores deverão acabar com os conflitos em relação à falta de espaço nos compartimentos destinados à bagagem na cabina do avião.

Crédito: Diário de Notícias

Saúde nas férias

As férias escolares estão chegando, período em que há um aumento considerável no número de viagens para dentro e fora do país. Tudo é organizando com antecedência: o pacote de turismo, o roteiro, seguro de vida, mas a maioria das pessoas se esquece de um item primordial para que as férias sejam tranquilas: a saúde em dia.

Especialistas alertam para que antes de colocar o pé na estrada é fundamental que o viajante e sua família procurem ajuda médica para avaliar as suas condições de saúde.  Medidas como realizar exames de rotina (check-up), orientação nutricional e atualização do cartão de vacinas são importantes para evitar situações desagradáveis durante a viagem.  “É importante lembrar que quando viajamos estamos, em grande maioria, indo para destinos que fogem da nossa rotina, com cultura, alimentação e clima diferentes. E isso pode influenciar na saúde. Por isso é recomendado que a pessoa procure o seu médico e realize um check-up antes de viajar”, ressalta do Dr. Ariovaldo Mendonça, médico do Check-up do Grupo Hermes Pardini.

Os exames recomendados antes de viajar são procedimentos simples, de rotina, mas que podem prevenir a ocorrência de situações desagradáveis. O Dr. Ariovaldo explica que esses exames são realizados num período de seis horas e que levam cerca de seis dias para ficarem prontos. “O check-up é a garantia de que a pessoa está viajando em boas condições de saúde e com as recomendações médicas adequadas no caso da identificação de algum risco”, diz o médico que alerta para a importância da avaliação dos pacientes crônicos. “Os pacientes crônicos como, por exemplo, diabéticos, obesos, hipertensos, cardíacos, exigem cuidados e orientações específicas antes da viagem. As medicações já utilizadas devem ser mantidas, por isso é importantíssimo que a pessoa leve a prescrição médica.  Em alguns casos (mais específicos) o médico pode até não recomendar a viagem”, alerta.

*