Categoria "Saúde & Literatura"
09 nov 2015

“A Caminhada”: livro ajuda crianças na hora de dormir

Arquivado em Saúde & Literatura

image008

A cena se repete cotidianamente na casa de grande parte das famílias com crianças pequenas. À noite, mesmo depois de colocar o pijama, escovar os dentes e ir para cama, elas continuam com a “corda toda”, cheias de energia para brincar e conversar. O sono não vem e a paciência dos pais se vai.

Com o norte-americano Grant Maxwell, Ph.D. em Língua Inglesa e pai de um menino muito ativo, não era diferente. Noite após noite ele se sentava ao lado da cama do pequeno Mason, procurando maneiras de ajudá-lo a se acalmar e adormecer. A partir dessa experiência pessoal e estudos sobre desenvolvimento infantil e psicologia, Maxwell escreveu o livro “A Caminhada”, que desde o lançamento em 2013, foi bem acolhido por pais e filhos e recentemente ganhou enorme popularidade nos Estados Unidos. A edição brasileira, está sendo lançada pela Coquetel e chega às bancas, livrarias e lojas virtuais em outubro, por R$ 14,90.

O livro conta a aventura do garotinho Mason, seus dois cachorrinhos, Rex e Totó, e um novo amigo (a criança que escuta a história) em meio a uma longa jornada por florestas, cavernas, lagos, montanhas, pedras preciosas, que o faz relaxar e embarcar em um mundo de sonhos.

Além da narrativa envolvente, o autor dá dicas aos pais de como fazer a leitura para embalar o sono das crianças, como deitá-las para relaxar o corpo e como pronunciar as palavras de maneira segura e suave, inclusive bocejando de vez em quando. Ao longo do texto, se encontram indicações sobre qual é o melhor momento para se usar diferentes técnicas: quando aparece a indicação “nome” entre parênteses, quem lê deve pronunciar o nome da criança que está ouvindo a história; nos pontos grafados em itálico, a leitura deve ser em um tom de voz baixo e relaxante, e naqueles em que há a indicação “bocejo”, deve-se emitir um leve bocejo para induzir a criança ao sono.

O autor conta que durante seus estudos leu muito sobre a análise de sonhos junguiana, e lhe pareceu natural aplicar suas pesquisas para tornar o adormecer uma tarefa mais tranquila. “Eu descobri que induzir um estado de sonho engana o cérebro, fazendo-o pensar que está adormecido e levando o corpo a relaxar. Com base nessa teoria, criei a história de um menino que sai para uma caminhada, que o faz percorrer um mundo de sonhos, tornando, dessa forma, mais fácil para a criança chegar ao inconsciente”, explica Maxwell.

Conversei, por e-mail, com o autor Grant Maxwell. Confira:

Grant Maxwell com o filho

Adriana Santos: Como a leitura direcionada por ajudar a acalmar as crianças mais agitadas?

Grant Maxwell: “A Caminhada” ajuda crianças a adormecer porque as leva para um estado de sonho, que provoca o sono. A história conduz suavemente as crianças ao sonho porque a repetição de palavras as acalma.   O caminho é similar ao de algumas medicações para dormir: o cérebro pensa que está sonhando e faz com que a pessoa adormeça mais facilmente. Mas, ao invés de usar medicamentos, no livro nós usamos palavras e imagens.

Adriana Santos: A criança é convidada a interagir com o livro?

Grant Maxwell: Na narrativa há indicações onde a pessoa que está lendo insere o nome da criança que está ouvindo a história. Usando o nome da criança, convida-a a imaginar que eles estão caminhado com Mason (personagem principal) e seus dois cachorros. A técnica ajuda as crianças a se identificarem  com a narrativa e  faz com que elas se sintam dentro da história. Elas são puxadas para a história pelas aventuras e pela qualidade exploratória do conto. Quando Mason e seus cachorros estão cansados e vão dormir, as crianças naturalmente experimentam a mesma sonolência física e mental dos personagens. Como as crianças querem fazer parte da história, então eles se sentem sonolentas também.

Adriana Santos: Como seu filho se relaciona com os livros

Grant Maxwell: Meu filho ama os meus livros. Ele está extremamente orgulhoso que há um livro sobre ele. Ele chama A Caminhada “do livro dele”. Nós ainda lemos o livro frequentemente (o livro foi lançado em 2013 nos Estados Unidos com o título The Walk). O divertido é que agora ele mesmo me conta a história. Nós também lemos juntos diversas outras histórias. Ele tem seis anos e, diariamente, traz livros da biblioteca da escola. Especialmente, os que envolvem Star Wars e outros super-heróis. Como a maioria dos pequenos garotos, ele passa boa parte do tempo imaginando que é Luke Skywalker (personagem do Star Wars) ou Spider-Man. Mas, sempre que ele está inquieto para dormir, nós lemos A Caminhada para acalmá-lo.

Adriana Santos: Qual a linguagem utilizada no livro?

Grant Maxwell: Eu tentei usar uma linguagem simples, mas evocativa com muitas repetições e similar a um poema ou uma música, incluindo nomes de várias árvores, pedras e animais. Dessa forma, a obra, além de ajudar a relaxar, ensina as crianças. Eu vejo o livro como uma jornada interna dentro da profunda inconsciência. Este é o lugar onde nós vamos nos nossos sonhos todas as noites, onde nos transformamos em animais e somos livres dos regras da vida diária. Nós passamos muito tempo ensinando as crianças a agirem como adultos: como andar, pensar, se comportar. Mas, me parece que eles têm muito para nos ensinar sobre valores profundos e imaginação e é importante para nós embarcarmos com eles e mostrarmos que há histórias onde as regras do dia a dia não se aplicam. O uso da imaginação permite que não apenas crianças, mas também seus pais sejam mais felizes e mais saudáveis. Não apenas comprometidos com o lado racional e prático da vida, mas também para experimentar o admirável e profundo mundo da infância. Minha esperança com “A Caminhada” é ajudar as pessoas a encontrarem esse espaço imaginativo com seus filhos. Não apenas na hora de colocá-los para dormir, mas para ajudá-los a fazer os sonhos e a vida dos filhos um pouco mais doce.

Adriana Santos: Qual o seu conselho para os pais que gostaria de vivenciar experiências na arte de contar histórias?

Grant Maxwell: O livro A Caminhada foi criado como uma ferramenta para ajudar pais, avós e aqueles que cuidam das crianças. A obra funciona melhor se a pessoa é calma e presente na vida da criança. Se o pai está distraído ou fica pensando no trabalho ou no que ele vai assistir na TV depois que colocar a criança para dormir, não vai estar tão envolvido como um pai que está dando total atenção ao filho e prestando atenção em seu tom de voz e respiração enquanto lê a história. A tia da minha mulher disse uma vez “A criança faz o que você faz e não o que você diz”. Esse foi o melhor conselho que eu já recebi. No caso da história, se o leitor está agitado, a criança ficará igualmente agitada. Pedir para ela se acalmar e relaxar enquanto você adulto está inquieto não vai funcionar. Mas se o leitor está confortável, deitado no travesseiro, lendo com uma voz calma, então a criança terá a mesma atitude. O livro é para ajudar não apenas as crianças a relaxar, mas também seus pais.

06 nov 2015

Pediatria moderna receita amor, disciplina e altruísmo para o desenvolvimento da criança

Arquivado em Saúde & Literatura

pediatria

O Saúde&Literatura apresenta:  Pediatria hoje. Orientações fundamentais para mães, pais e cuidadores. Nesta obra, o pediatra Sylvio Renan Monteiro de Barros selecionou os principais textos publicados em seu site, o Blog do Pediatra, e no portal Minha Vida. Seu olhar cuidadoso e sensato, permeado pelos ensinamentos de D. W. Winnicott e também pelas mais recentes atualizações da medicina, constitui um farol no caminho de pais, mães, cuidadores, educadores e profissionais de saúde.

A pediatria é a medicina do ser em crescimento. Mas, afinal, até que idade os pais devem levar os filhos ao pediatra? Para o dr. Sylvio Renan Monteiro de Barros, o especialista deve acompanhar o paciente e cuidar dele desde seu nascimento até que se transforme em um adulto.

O objetivo do livro é facilitar a compreensão dos leitores da necessidade de zelar pelo crescimento e desenvolvimento dos filhos por meio do amor, da proteção, do altruísmo e da disciplina.

Dividido em seis seções, o livro aborda questões como o mundo dos bebês, mitos e verdades sobre a imunização, saúde, bem-estar e alimentação infantil. O pediatra mostra ainda que a criança que brinca e aprende vive feliz e faz considerações sobre os dilemas da modernidade. Ao longo da obra, os temas se misturam, e a leitura cruzada dos artigos favorece a construção de uma estrutura fundamental para o bem-estar de bebês, crianças e adolescentes.

Temas polêmicos, como a escolha do parto normal ou cesáreo, também são avaliados pelo autor. A obra inclui ainda argumentações sobre a importância da amamentação para a saúde das crianças. Na avaliação do autor, enquanto o bebê se alimenta apenas com leite materno, a introdução de outros alimentos deve ser adiada, pelo menos, até o sexto mês de vida. Afinal, diz ele, o leite materno tem todos os nutrientes de que ele precisa. Pesquisas realizadas em vários países indicam que a mortalidade infantil está altamente relacionada com a passagem precoce do aleitamento materno para a introdução dos chamados alimentos complementares.

O livro traz também uma seção dedicada à obesidade. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que 35% das crianças entre 5 e 9 anos estão obesas.  A seleção de textos contemplados na obra inclui também orientações do pediatra sobre a importância das brincadeiras saudáveis para as crianças, da leitura desde a barriga e da organização para o desenvolvimento dos pequenos. Nos artigos sobre os dilemas da modernidade, o autor alerta para questões delicadas, como a ditadura da beleza, os cuidados exagerados e o consumismo desnecessário na hora de presentear.

Conversei com o autor Sylvio Renan Monteiro de Barros, médico e especialista em Pediatria. Atua em consultório na cidade de São Paulo desde 1976. Confira:

Adriana Santos: Qual é o papel do pediatra no desenvolvimento físico e mental da criança?

Sylvio Renan: O papel do pediatra, além de tratar das doenças da crianças, é fornecer todas as orientações sobre alimentação, vacinações, medicações e orientações para que a criança venha a ser um adulto saudável, digno e socialmente integrado.

Adriana Santos: Falta pediatra no Brasil?

Sylvio Renan: Nos últimos anos houve uma diminuição expressiva do número de médicos que optavam pela pediatria, levando à falta destes profissionais em nosso país. Tal diminuição teve como consequência um aumento do valor pago aos profissionais. Tal compensação estimulou um maior número de médicos recém formados optando pela pediatria. Acredita-se que nos próximos anos tal deficiência não seja mais considerável.

Adriana Santos:  Até quando os pais, mães e responsáveis devem levar as crianças ao pediatra:

Sylvio Renan: Muito embora tenha-se no Brasil o hábito de levar as crianças ao pediatra em seu início de vida (principalmente no primeiro ano), as associações de pediatria, tanto no Brasil quanto em outros países, recomendam que o paciente pediátrico seja seguido regularmente até completar 21 anos de idade.Cabe aqui reforçar que a pediatria é a medicina do ser em crescimento

Adriana Santos: Cesária ou parto normal?

Sylvio Renan: Na visão do pediatra, sem dúvida alguma: PARTO NORMAL. No parto normal usualmente o bebê nasce no pico de maturidade fetal, pronto para evitar as agressões do meio externo ao qual ele não está habituado. Durante a passagem pelo canal vaginal o bebê sofre expressão total de seu tórax, eliminando praticamente todo o líquido (amniótico) que ele mantinha em seus pulmões, estimulando e facilitando ao início da respiração. Praticamente todos seus órgão já estão em condições de suportar o meio externo, evitando-se assim icterícias, intolerâncias, além de apresentar uma maior imunidade recebida da mãe.

Adriana Santos: Por que muitas mães ainda temem as vacinas?

Sylvio Renan: Eu considero as vacinas como a maior contribuição que a medicina já trouxe ao ser humano. Graças a elas, muitas doenças já diminuiram importantemente sua morbidade e letalidade. Como exemplo cito a varíola, doença comum no passado que foi plenamente eliminada, não havendo há vários anos qualquer caso de varíola em nosso planeta. O mesmo se projeta para a poliomielite, já bem controlada, presente atualmente só em alguns países da  Africa. Minha visão é: toda vacina que não apresentar risco importante à saúde humana e que tenha um risco/benefício positivo deve ser tomada por todos para os quais ela é indicada.

Adriana Santos:  Há alguma contra indicação?

Sylvio Renan: Existem atualmente 2 contraindicações formais à vacinação:

1. alergia a um de seus componentes.

2. qualquer deficiência de imunidade, seja ela congênita, adquirida ou terapêutica (transplantes, oncoterapias, etc.)

Adriana Santos: A obesidade infantil é responsabilidade dos pais?

Sylvio Renan: A obesidade infantil é responsabilidade de todos:

* pais, que devem educá-los para uma boa e equilibrada alimentação, e utilizar tal alimentação com forma de receber nutrientes, e não como prêmio por algum feito realizado ou respondendo aos apelos publicitários.

* pediatras, dando aos pais e cuidadores as orientações das melhores formas de nutrição, com relação ao alimento em si, aos horários de alimentação e aos excessos que deverão ser sempre evitados.

Estado, fiscalizando a produção de alimentos, monitorizando publicidades exageradas, que mostram o alimento não como fonte de nutrição, e sim como o melhor atalho para a felicidade.

Todos somos responsáveis pelo aumento da obesidade infantil, que tem conexão direta com o aumento da hipertensão arterial no adulto, com aumento dos casos de doenças cardio-vasculares (AVCsa, infartos), bem como o diabetes.

Adriana Santos: Qual o seu conselho para os pais e mães de primeira viagem?

Sylvio Renan: Alimentem-se com equilíbrio, moderação. Escolham sempre pratos saudáveis, com balanço de proteínas, carboidratos e gordura. Se os pais se alimentarem bem (não no sentido de quantidade, e sim da qualidade), seus filhos automaticamente se tornarão também moderados ao comer. Bem sabemos que a criança não aprende com o que lhe dissemos, e sim como o fazemos.

13 out 2015

Terapia para além da neutralidade ajuda uma nova identidade familiar

Arquivado em Saúde & Literatura
famílias

Reprodução

Um dos temas mais controvertidos e em ebulição na sociedade atual, a família vem passando por grandes transformações, a partir de novas experiências, levando-se em conta laços de parentesco biológico e social, de afeto e de contratos formais e informais, entre outros. Diante desse variado leque de configurações, os psicoterapeutas somam esforços, compartilhando estudos e experiências com o intuito de suprir as demandas familiares. Organizado pela professora Vanda Lucia Di Yorio Benedito, o livro Terapia de casal e de família na clínica junguiana – Teoria e prática preenche uma lacuna existente na literatura da psicologia analítica no que se refere ao atendimento de casais e de famílias.

Os primórdios da psicoterapia de casal e de família deram-se na década de 1950 e sua grande expansão, nos anos 1970 e 1980, quando surgiram várias escolas e institutos de formação de terapeutas dentro dessa especialidade em diferentes partes do mundo. “Esse movimento expansionista contribuiu para o fortalecimento da abordagem em clínicas e hospitais, ofertando-nos um grande número de publicações até os dias atuais”, conta a organizadora, comentando que, apesar do avanço, ainda são insuficientes as pesquisas em relação ao tema e escassas as publicações científicas em livros, revistas e congressos.

“Nosso compromisso com esse trabalho nos motivou a sistematizar nossas experiências e nossas reflexões nesse campo com a realização desse livro”, afirma a psicoterapeuta. Para ela, ajudar a inserir o pensamento de Jung no campo da terapia de casal e de família é um modo de abrir mais espaços para o conhecimento de sua obra. “Dialogando com outras formas de pensar, potencializa-se a riqueza do trabalho simbólico, um dos eixos principais dessa abordagem”, complementa.

Dividida em duas partes, a obra inclui a apresentação de casos clínicos acrescidos de reflexões das autoras. Temas clássicos na psicologia junguiana, como o trabalho com a sombra, as polaridades, a traição e a morte, também são analisados ao longo dos capítulos.

“O trabalho com casais e famílias ampliou meu entendimento do que Jung chamou de unilateralidade da consciência”, diz Vanda Lucia. Segundo ela, esse campo terapêutico propicia o exercício da pluralidade, da incerteza, da relatividade, da aceitação das várias possibilidades de percepção, favorecendo assim a melhor integração do indivíduo na família e no casal. “Essa visão sistêmica promove a busca de contextos que podem ser entendidos como opostos entre si, de forma a ampliar nossa compreensão dos eventos”, explica a psicoterapeuta.

Ao longo da obra, as autoras mostram que a conjugalidade é um dos possíveis sistemas nos quais diferentes imagens arquetípicas orquestram percepções e comportamentos que medeiam o encontro de dois adultos por uma relação em que se busca a satisfação de várias necessidades, desde afetivas até econômicas. “Na prática da psicologia analítica, procuramos entender esse sistema dentro da perspectiva simbólica, caminho apontado por Jung para considerar a psique como um todo”, diz a organizadora. Ela explica que o casamento apresenta aos cônjuges a difícil empreitada da transformação com o outro e por meio dele, conservando e respeitando a própria essência, no processo de individuação.

No capítulo sobre psicologia analítica e terapia familiar, as autoras mostram que o terapeuta não é um observador externo que busca uma neutralidade. Segundo elas, é importante criar um vínculo, baseado no sentimento de empatia com cada um dos indivíduos, e fazer a família sentir-se acolhida como um todo pelo profissional. Ao abordar a traição na conjugalidade, foca-se nas questões que envolvem um dos temas mais importantes e frequentes na terapia de casal.

No capítulo sobre a vivência da morte e o resgate da vida na terapia de casal, há reflexões sobre um caso clínico. Lembrando que uma das mortes mais dolorosas é a de um filho, ela diz que é preciso haver uma reorganização, uma nova adaptação e a construção de uma nova identidade familiar. O livro aborda ainda a importância do sonho como recurso terapêutico para alcançar o equilíbrio do relacionamento. Algumas diretrizes metodológicas para a terapia de sandplay com casais na abordagem junguiana também estão contempladas.

images.livrariasaraiva.com.brA organizadora

Vanda Lucia Di Yorio Benedito é psicóloga formada pela PUC‑SP.

Analista junguiana pela Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica (SBPA). Docente e supervisora no Curso de Formação de Analista da SBPA, além de coordenadora do Núcleo de Casal e Família da clínica da SBPA e do curso de Terapia de Casal pelo Instituto J. L. Moreno. Formação em Psicodrama pela Sociedade Paulista de Psicodrama. Autora do livro Amor conjugal e terapia de casal – Uma abordagem arquetípica (Summus). Coautora de vários livros com capítulos sobre casal e família.

Página 4 de 101 ...12345678... 10Próximo