Categoria "Saúde mental"
02 abr 2018

Santa Casa promove curso sobre o processo da morte no ambiente hospitalar

tempo

No contexto hospitalar, a dualidade vida-morte pode ser percebida como uma constante sensação que pode gerar aos profissionais de saúde um encontro com o desamparo psicológico, ou seja, com a própria impotência frente ao desconhecido, esperado. Diante desse contexto, a Pós-graduação Lato Sensu do Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH (IEP SCBH) promove, durante quatro encontros, o curso “Luto e Terminalidade: processo de morte e morrer no contexto hospitalar”.

Por meio de bases teóricas da Psicologia e da Psicanálise, o curso abordará a tentativa da psique em simbolizar a morte, discutir o luto, suas fases e repercussões biopsicossociais na vida do sujeito e da equipe de saúde. Também vai, a partir de vivências psicológicas, possibilitar a aproximação do aluno e equipe com o seu próprio significado de morte.

O curso será ministrado pelo psicólogo Ãngelo Gustavo Venâncio de Lima, especialista em Psicologia Hospitalar pela Santa Casa BH, coordenador dos programas de Pós-graduação do IEP SCBH e cursos de Tanatopraxia, entre outros cursos de Extensão.

Serão quatro encontros, sempre às 18h, nos dias 8, 15, 22 e 29 de maio, na Sala Ouro do IEP SCBH, na Rua Domingos Vieira, 590, Santa Efigênia – BH. Mais informações pelos telefones (31) 3238-8974 | 3238-8102.

Investimento e inscrições

O valor do investimento varia de acordo com o perfil do interessado: estudantes e profissionais da Santa Casa BH: R$ 110. Para demais interessados, taxa única de R$ 220.

15 jan 2018

Entenda como o pensamento positivo pode deixar nossa vida mais próspera

copo
juanPor: Juan O’Keeffe

O pensamento positivo há muito tempo é indicado como comportamento a ser adotado. Ficou famoso com um dos precursores do desenvolvimento pessoal, Norman Vincent Peale com o livro “O Poder do Pensamento Positivo” na década de 1950.

Mas o que é o pensamento positivo exatamente?

Pensamento Positivo é basicamente enxergar o lado bom das coisas do seu passado e presente e ao mesmo tempo ter confiança e otimismo no futuro. Pense no seguinte cenário. Dois candidatos a uma vaga de emprego.

O primeiro candidato antes da entrevista pensa consigo: “Nunca vou conseguir esse emprego. Não tenho as habilidades nem os conhecimentos para a vaga. Devem ter candidatos muito mais fortes concorrendo comigo.” No dia da entrevista chega todo ansioso e inseguro. Não demonstra confiança para o entrevistador.

O segundo candidato começa a se preparar uma semana antes. Ensaia coisas que pretende dizer. Pensa “Vou conseguir. Essa vaga é minha. Estou preparado e confiante.” No dia da entrevista chega numa atitude positiva. Fala bem, consegue mostrar seus pontos fortes e impressiona o entrevistador.

Quem você acha que conseguiu o emprego?

O pensamento negativo do primeiro candidato já colocou-o numa condição de falha enquanto o segundo candidato se preparou e entrou para vencer. O pensamento positivo dele colocou-o num estado mental para suceder. Em outras palavras, o segundo candidato soube fazer o uso do poder da mente positiva para alcançar seu objetivo.

Agora vamos supor que você queira criar um negócio. Pensar positivo é dizer para si mesmo “Vai dar certo. Eu tenho as habilidades para isso. Vou fazer acontecer”. Por outro lado, o pensamento negativo seria “Nunca conseguiria. A economia está péssima, nunca tive negócio antes e hoje em dia a grande parte dos negócios que abrem acabam fechando em menos de um ano. Sem jeito.” Ou, “Treinei bastante e estou bem preparado para vencer a minha próxima partida de tênis no Campeonato do Clube.” em vez de “Meu adversário é bom demais, não tenho a menor chance.” Ou “Tenho muita força de vontade e vou conseguir manter minha dieta nos próximos 30 dias.” em vez de “É tão difícil. Têm tanta coisa que gosto de comer. Não sei se vou conseguir.”

Enfim, por aí vai. A força do pensamento positivo contribui para uma vida mental mais saudável. Se você é do tipo que fica o tempo todo pensando que as coisas vão dar errado, que você não vai conseguir, que tudo está contra você é uma receita direta para o fracasso e infelicidade.

O segredo do pensamento positivo está em levantar o seu astral e colocá-lo num mindset de vitória. De que coisas boas podem acontecer pra você e você vai conseguir o que quer.  Agora… O pensamento positivo não aplica-se apenas a situações futuras, mas também ao passado e presente.

Para entender, por favor olhe a figura abaixo.

copo-meio-cheio

Foto por Jess – Flickr

O que você vê? Se você vê um copo metade cheio você está pensando de forma positiva pois você está observando o que têm de positivo na situação. Já se você viu um copo metade vazio está pensando de forma negativa pois está pensando na parte no que está faltando. Agora pense que o copo é a sua vida.

A parte vazia são os seus problemas e a parte cheia são as coisas boas que você têm na vida. Você observa apenas a metade vazia do seu copo, ou seja, os seus problemas ou consegue perceber as bênçãos da sua vida também? Muitas vezes a nossa tendência é ficar olhando apenas para as coisas difíceis. “Ah como eu queria ter isso, ah como eu queria ser aquilo outro, ah se pelo menos não existisse esse problema tal na minha vida.”

Quando você está muito nessa vibe negativa, comece a olhar a parte cheia do copo. Observe as bênçãos que a vida lhe trouxe e seja grato por elas. Certamente você vai se sentir melhor. Essa é justamente uma das minhas receitas de felicidade como já coloquei neste outro post.

Por exemplo, vamos supor que você esteja passando por uma situação financeira difícil. Você está enxergando apenas esse problema ou também consegue ver que graças a Deus você têm uma família que te ama para dar apoio? Ou se você não têm essa benção, quais você têm? Um emprego, um filho, saúde…? Perceba e sinta-se afortunado. Certamente em algum outro lugar do mundo existe alguém que gostaria de ter isso que você têm e não têm.

Mas como ter pensamentos positivos?

A seguir algumas dicas para você usufruir do verdadeiro poder do pensamento positivo sempre:

1. Veja-se vencendo nos objetivos que você coloca para a sua vida. Mentalize o triunfo em vez de focar nos “poréns” que podem levá-lo a derrota. Coisas boas acontecem quando a gente pensa positivo.

2. Substitua pensamentos negativos por positivos. Pensamentos negativos são uma coisa natural. Eles vêm e vão. Mas quanto menos você deixar que eles permaneçam melhor. Então, quando um pensamento negativo surgir, perceba. Percebê-lo conscientemente é o primeiro passo. Então, mude para um pensamento positivo. Se não tiver ideia de qual pensamento positivo usar, você pode fazer uma lista prévia de coisas positivas que gostaria de pensar. Ou então pode começar a repetir afirmações positivas.

Então quando entrar um pensamento negativo, recorra à sua lista e comece a pensar nessas coisas e fazer essas afirmações. Tudo é uma questão de disciplinar a mente para pensar positivo. Ao fazer isso, você pode se surpreender ao perceber a quantidade de pensamentos negativos que têm atualmente. Cuidado com pensamentos do tipo “Eu não posso” ou “Eu não consigo”. Tente mudar para “Eu posso”, “Eu consigo”. Michael Jordan, considerado por muitos o maior jogador de basquete de todos os tempos, antes da sua carreira profissional foi recusado na equipe de basquete da escola pois acharam que ele não era bom o suficiente!

Mesmo frente a dificuldade, a força positiva da mente manteve-o na linha para chegar onde chegou. Pense que a sua mente é como um jardim. Você pode escolher plantar flores ou deixar que as ervas daninhas tomem conta. Em outras palavras, você pode escolher entre pensamentos positivos e negativos. A opção é sua.

3. Faça dos seus problemas um aprendizado. Em vez de ficar reclamando dos problemas da sua vida você pode encará-los como uma oportunidade de aprendizado e crescimento pessoal. Como diz o ditado: O que não me mata, me fortalece. Pergunte-se o seguinte: Qual a lição que posso tirar disso? Este é um hábito muito positivo de se adquirir. Eu pessoalmente tenho me esforçado bastante neste item mais recentemente com uma questão em específico que está acontecendo na minha vida e que realmente me tira do sério. Posso afirmar com toda certeza que isso têm me ajudado a enfrentar a situação de uma forma bem melhor do que no início enquanto eu só enxergava o lado negativo do que estava acontecendo.

4. Proteja-se de energias negativas. Nem todos os pensamentos negativos vêm da nossa própria mente. Muitos são externos. Se você assiste um noticiário por exemplo. As vezes aquela notícia de violência fica na mente e pode colocar você pra baixo. Mas principalmente, procure ficar perto de pessoas que sejam positivas. Estar ao lado de alguém que está sempre reclamando da vida ou de você é uma das principais fontes de negatividade da vida.

5. Preencha sua mente com conteúdo positivo. Um livro, um filme, pessoas, artigos como este etc que forneçam energia positiva para sua vida.

6. Foque no que você têm de bom em vez de no que está ruim. É enxergar a parte cheia do copo. Ou seja, pense “Eu tenho muitas qualidades” em vez de “Eu tenho muitos defeitos”. “Posso fazer muitos amigos” em vez de “Eu não tenho amigos”. Ambos podem estar certo, a questão é em qual deles você vai concentrar. Da mesma forma, ao olhar para o futuro em vez de pensar “Não vai ter jeito disso funcionar” pense “Eu posso encontrar um jeito de fazer isso funcionar” ou em vez de “É complicado demais” pense “Vou analisar de uma outra forma”.

Cuidados a serem tomados Nem tudo são flores no pensamento positivo.

O pensamento positivo é muitas vezes criticado por ser inefetivo. Por exemplo, se você está endividado não adianta achar que apenas pensando positivamente a dívida vai desaparecer. Esquece. Não vai acontecer. Apenas pensar positivo não é a solução. A energia do pensamento positivo é apenas o primeiro passo. Para conseguir o que você quer realmente, o pensamento positivo precisa estar aliado à ação.
Então se você quer quitar a dívida, além de pensar positivo também crie um plano coerente para conseguir o dinheiro e então coloque-o em prática.

O pensamento positivo também não pode ser fantasioso. Achar que pensando positivo você vai encontrar ouro cavando no seu quintal obviamente não vai rolar. Quando eu era criança ficava em cima de um tapete pensando que ia sair voando como o Aladim. Me agachava, levantava, mexia as pernas e não tinha o que fizesse o tapete levantar. Que decepção. Por mais que eu tenha pensado positivo fui vencido no cansaço.

Em outras palavras, é necessário colocar o pensamento positivo sob uma perspectiva mais realista. Um outro ponto é cuidar para que o pensamento positivo não o relaxe nas atitudes a serem tomadas para realizar seu objetivo. Achar que exclusivamente pensar positivo atrai coisas positivas é um tanto quanto exagero. Gabriele Oettingen apresenta pesquisa científica sobre isso no seu livro Rethinking Positive Thinking (Repensando o Pensamento Positivo). Por exemplo, ela cita o caso de que estudantes que pensaram positivo que iriam ir bem nas provas acabaram não se saindo tão bem quanto os demais estudantes porque acabaram relaxando e estudando menos que deveriam.
Da mesma forma, pessoas que pensaram positivo que iam perder peso acabaram relaxando na dieta e acabaram perdendo menos peso do que aqueles que não o fizeram.

positivo

O livro propõe como solução sair um pouco do mundo dos sonhos onde se acha que só pensar positivo é o suficiente, para adotar uma abordagem mais realista usando um processo que a Dra. Oettingen chama de WOOP:

– W de Wish (Desejo) – Defina o que você quer. Por exemplo: Quero me exercitar diariamente.
– O de Outcome (Resultado) – Identifique qual o maior benefício de fazer o que você quer. Ex: Devo conseguir emagrecer X quilos em um mês de exercícios.
– O de Obstacle (Obstáculos) – Avalie quais os possíveis obstáculos que você terá pela frente na realização desse desejo. Ex: Preguiça.
– P de Plan (Plano) – Defina o que você irá fazer quando o obstáculo aparecer. Planos do tipo “Se acontecer isso, então faço aquilo”. Ex: “Se eu ficar com preguiça, vou pelo menos colocar a roupa de malhar para iniciar a ter motivação. Depois vou mentalizar com força os benefícios que terei em emagrecer.”

Enfim, pensar positivo é bom e útil. É o caminho adequado. Pensando negativo a única coisa que você vai conseguir é ir para o buraco. Apenas cuide para manter sensatez nos objetivos e tomar as atitudes necessárias para consegui-los. Essa é a combinação verdadeiramente poderosa.

Grande abraço!

24 out 2017

Síndrome pânico afastou 20 mil pessoas do trabalho entre 2012 e 2017

assedio-moral

Foto: Getty Images

Por Maria Inês Vasconcelos – Advogada Trabalhista, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora

O novo modelo empresarial do século 21 vem sendo baseado em trabalhadores saudáveis, que atuam em organizações sustentáveis. Já se fala em sustentabilidade empresarial no campo do trabalho.  Sustentável, neste aspecto, é a empresa que se preocupa com a qualidade do ambiente de trabalho, propiciando condições favoráveis à manutenção da saúde física e mental de seus empregados.

Contudo, algumas empresas brasileiras vêm andando na contramão. Segundo dados da Previdência Social, a síndrome do pânico afastou cerca de 20 mil pessoas do trabalho entre 2012 e 2017. O transtorno, geralmente desencadeado por estresse ou propensão genética, causa sintomas de ansiedade intensa, falta de ar e aceleração dos batimentos cardíacos. Atualmente, um dos principais fatores que influenciam o desenvolvimento da doença é um ambiente de trabalho permeado por cobranças intensas, exageradas e insuportáveis.

Por meio de formas de gestão obsoletas e indignas, e adotando uma visão completamente desfocada dos princípios que norteiam a relação de trabalho, as empresas atuais “coisificam” seus empregados e exploram a mão de obra além dos limites. Uma das piores e mais nefastas formas de exploração é a violência psicológica.

A violência psicológica se faz de diferentes e ilimitadas formas. Assim, tudo que possa abalar o psiquismo do empregado, causando ou agravando sua doença mental nesta categoria, se enquadra. Podemos exemplificar essa situação de violência psicológica com um “padrão gerencial” que vem literalmente “nocauteando” a mão de obra e trazendo enormes danos ao psiquismo do trabalhador.

Com uma cobrança intensa, as empresas exigem resultados impossíveis de seus trabalhadores, fazendo uso de técnicas levianas e imorais, que até podem culminar na ameaça do corte demissional. Essa pressão constante, para o atingimento de metas, leva o trabalhador à verdadeira “loucura”! Muitos sucumbem com menos de um ano, contraindo em geral, a síndrome do pânico e depressão.

Neste cenário, também se destaca a imposição de jornadas muito longas e ritmo “alucinante” de tarefas. Atualmente, além de fazer muitas horas extras, o trabalhador ainda é mantido “plugado” ao trabalho, fora de seu horário, por meio do uso de celulares e computadores. Ao longo dos anos se tornou popular o chamado “plantão”, que é vedado pela lei, pois entre um turno e outro de trabalho, há de se ter um intervalo de onze horas.

Certo é que o crescimento dos índices de adoecimento mental do trabalhador é um fato que não pode passar despercebido pelos empresários, trabalhadores e judiciário. Se o cenário da doença do trabalhador era antes dominado pela Lesão por esforço repetitivo (LER), hoje não mais o é.  A depressão e as doenças de ordem ansiosa, onde se inserem a Síndrome do Pânico, o estresse pós-traumático e o Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), vem “roubando a cena”, não havendo dúvidas do acréscimo de patologias mentais.

Como afirmo anteriormente, o modelo empresarial do século 21 não retrata a realidade do cenário atual.   O índice de crescimento no adoecimento mental do trabalhador é um indício de que as coisas não vão bem, por isso é preciso que as empresas se conscientizem de que explorar a mão de obra de maneira abusiva, é um enorme “nonsense”, isso se levarmos em consideração o alto custo social da reparação destas doenças e os reflexos negativos que atingem até mesmo o seio familiar. Como registrou a advogada, Tallita Massuci Toledo, “o empregador não pode se furtar à sua responsabilidade social de manter condições de saúde e segurança a seus empregados”.

Acredito que se os empregadores não se conscientizarem de que são responsáveis não só pela qualidade da saúde física de seus trabalhadores, mas também da saúde psicológica dos mesmos, em breve a doença mental decorrente do trabalho, vai se tornar uma epidemia.

Página 1 de 41234