Categoria "saúde"
24 ago 2015

Você sabe o que é síndrome do olho seco?

Síndrome-do-olho-seco-2

Períodos secos facilitam a evaporação da lágrima, principalmente quando se trabalha diante do computador por muitas horas, o que reduz o número de piscadas e a renovação da lágrima. A diminuição da quantidade de lágrima ou alteração de sua composição causam a síndrome do olho seco.

As lágrimas são muito importantes para a saúde ocular. Lubrificam, lavam impurezas, fornecem oxigênio e nutrientes, possuem substância (enzimas e anticorpos) que atuam na defesa contra infecções.

A causa de olho seco nem sempre é clara, mas parece haver um desequilíbrio entre a produção da lágrima e sua drenagem. O filme lacrimal é constituído de uma camada de muco (junto à córnea), uma intermediária de água e uma superficial de gordura.

Conversei com Dr. Marcus Vinicius Cardoso de Souza,  coordenador do Departamento de Córnea, Lentes de Contato e Superfície Ocular do Hospital de Olhos Rui Marinho. Ele também é assistente efetivo da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte e professor de Semiologia Oftalmológica da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais

Adriana Santos: Uso de compressas com água boricada, soro ou água gelada ajudam na prevenção?

Dr. Marcus Vinicius: O uso das chamadas “soluções para limpeza dos olhos” podem ajudar no alívio de sintomas oculares e na limpeza dos olhos, principalmente quando gelados. No entanto, é importante lembrar que alguns desses produtos possuem substâncias e conservantes que podem lesar a superfície ocular com seu uso contínuo, podem se contaminar facilmente se deixados expostos livremente e trazer infecções com a água não tratada adequadamente e proveniente de encanamentos antigos.

No entanto, a chamada Síndrome do Olho Seco ocorre por diversos fatores, sendo que um dos principais é a perda da oleosidade natural das lágrimas, causando sua evaporação excessiva e a consequente sensação de ressecamento ocular. Assim, utilizar soluções que apenas lavam os olhos muitas vezes pode se tornar ineficaz para o tratamento do olho seco. Seria como “chover no molhado”. Comparo isso como a sensação de ter as mãos ressecadas. Não adianta lavar a mão com água para tirar a sensação de ressecamento, é necessário usar um agente hidratante para ter um melhor efeito, assim como nos olhos.

Adriana Santos: Colírios comprados sem receita médica nas farmácias ajudam ou atrapalham na prevenção do olho seco?

Dr. Marcus Vinicius: Existe hoje no mercado uma gama imensa de produtos e colírios para prevenção e tratamento do olho seco. É importante que as pessoas saibam que, apesar de parecerem todos iguais, há indicações específicas para cada um deles. Há colírios lubrificantes que possuem uma alta quantidade de conservantes e adstringentes que pode ocasionar pequenas lesões crônicas na superfície do olho se usados de forma aleatória, ocasionando problemas piores do que o próprio olho seco. Há colírios que possuem vasoconstritores em sua fórmula, clareando os olhos, mas causando alterações nos pequenos vasos sanguíneos oculares à médio prazo. No entanto, hoje, existem colírios modernos que não só repõem a parte aquosa da lágrima, mas também hidratam as células da córnea e da conjuntiva e estabilizam o filme lacrimal evitando sua evaporação. Colírios modernos já conseguem agilizar a cicatrização das microlesões da superfície ocular em ressecamentos moderados a severos e alguns são livres de conservantes, produtos químicos lesivos aos olhos.

Adriana Santos: Quando pedir ajuda ao profissional médico?

Dr. Marcus Vinicius: A síndrome do olho seco é assim definida, hoje, pois representa uma gama de sinais e sintomas específicos associada a um leque de causas múltiplas. Sensações como areia ao piscar, dificuldade para abrir os olhos, vermelhidão constante, ardência ocular, flutuação visual, inchaço palpebral e coceira são alguns dos sintomas mais frequentes da síndrome.

Doenças sistêmicas como as alterações da tireóide e da glicemia, doenças reumatológicas e neurológicas, doenças nutricionais, problemas dermatológicos e o uso de diversos medicamentos que podem interagir com a superfície ocular e com as glândulas lacrimais devem ser analisados para o tratamento correto de acordo com a causa. Alterações hormonais, principalmente em mulheres, como a menopausa, gravidez e uso de anticoncepcionais também estão relacionadas à piora do olho seco.

No entanto, uma das principais causas da doença é o fator ambiental. Com a umidade muito seca, a lágrima tem a tendência de se evaporar muito rapidamente. Isso é piorado com nossas rotinas de trabalho e diversão como exposição frequente ao ar condicionado em lojas, escritórios e automóveis e o uso contínuo de computador e celulares que ajudam no ressecamento e, devido a concentração excessiva, nos faz piscar menos, promovendo a piora dos sintomas. O uso crônico de lentes de contato, muitas vezes não bem adaptadas, também ajuda nas alterações superficiais da lágrima e da córnea, promovendo aumento da sintomatologia.

Assim, o médico Oftalmologista é capaz de avaliar os sinais, o tipo e a gravidade do Olho Seco e, com uma anamnese adequada, definir a causa e o melhor tratamento de acordo com os hábitos do paciente, protegendo os olhos de inflamações e lesões que podem se cronificar se não tratadas adequadamente.

Adriana Santos: Quais os recursos tecnológicos podem ajudar as pessoas que enfrentam o olho seco?

Dr. Marcus Vinicius: Hoje, houve uma melhora no tratamento e no entendimento da Síndrome do Olho Seco. O exame oftalmológico comum é suficiente para a maioria dos diagnósticos, mas exames mais específicos ajudam na definição de casos mais graves e difíceis. Exames permitem estudar melhor as glândulas que produzem as lágrimas, definindo a quantidade e a qualidade da secreção. Também, é possível analisar as substâncias que compõe a lágrima, definindo sua osmolaridade e suas camadas oleosas e de muco, estabelecendo o tipo de olho seco. Esses exames são feitos de rotina nos serviços de referência em superfície ocular e ajudam na definição dos padrões de olho seco.

O uso de colírios, géis e pomadas específicos para hidratação, lubrificação e estabilização do filme lacrimal trouxe uma evolução no tratamento do olho seco. O entendimento da Síndrome como apresentando um caráter inflamatório estabeleceu, também, o papel de anti-inflamatórios específicos para superfície ocular, como corticóides de dosagem milesimal, ciclosporina A e soro autólogo. Diversos medicamentos sistêmicos tem mostrado melhora no papel das glândulas lacrimais, como o uso de ômega-3 (derivados da linhaça, óleos de peixes, nozes), tetraciclinas e moduladores da secreção lacrimal. Cirurgias tem se aprimorado em casos mais severos de olho seco, como a oclusão do ponto lagrimal e transplante de glândulas secretórias.

No entanto, os tratamentos mais eficazes muitas vezes são os mais simples. Hidratar-se, utilizar colírios adequados com regularidade e manter a umidificação de ambientes quando o clima estiver muito seco é essencial, utilizando umidificadores ou mesmo copos de água.

Evitar exposição contínua à tela de computador, televisão e celulares, que causam piora do fator evaporativo lacrimal. Sempre que estiver concentrado em alguma atividade, lembre-se de piscar. Piscar promove a lubrificação correta da lágrima e melhora o conforto ocular e a visão.

Por último, ao usuário de lentes de contato, utilize sempre lentes adequadas ao seu tipo de olho, sem abusar do seu uso, com retiradas e descartes no tempo certo. Acompanhe rotineiramente seus olhos com o Oftalmologista pois esses cuidados vão garantir uma superfície ocular saudável, livre de infecções e com uma visão perfeita ao longo da vida.

17 jul 2015

UFMG oferece curso online e gratuito sobre dislexia

Arquivado em saúde

cusroufmg

De acordo com a ABD (Associação Brasileira de Dislexia), 0,5% a 17% da população mundial tem o transtorno. É importante deixar claro que dislexia não é uma doença. Trata-se de um transtorno genético e hereditário da linguagem, o que compromete a capacidade de aprender a escrever e compreender um texto.

Sem saber, professores ou pais acham que esse comportamento pode ser falta de concentração ou até mesmo preguiça. Para desmistificar o tema, a UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) lançou, com o Instituto ABCD, uma plataforma para capacitação online e gratuita com informações essenciais sobre dislexia.

O curso traz tópicos como: qual a sensação de ter dislexia; o que causa a dislexia; o desenvolvimento da leitura; o cérebro e a linguagem; fases da leitura; dificuldades na leitura, entre outros. Acesse aqui e confira o material.

Crédito: Catraca Livre

03 jul 2015

Refrigerantes e outras bebidas açucaradas são responsáveis por 184 mil mortes

Arquivado em saúde

Refrigerantes em latas varios

O consumo de refrigerantes, de sucos artificiais e de outras bebidas açucaradas são responsáveis por cerca de 184 mil pessoas em todo mundo. Pelo menos é o que aponta um estudo divulgado na última segunda-feira.

Segundo a investigação, publicada na revista norte-americana Circulation, estima-se que 133 mil pessoas tenham morrido em todo o mundo devido a diabetes, 45 mil a patologias cardiovasculares e 6450 a câncer associado ao consumo deste tipo de bebidas.

“Muitos países no mundo apresentam um elevado número de mortes causadas por fatores dietéticos: os refrigerantes e outras bebidas açucaradas (…), é necessário reduzir significativamente o seu consumo ou eliminá-las da dieta deve ser uma prioridade à escala planetária”, defendeu Dariush Mozaffarian, o principal autor do estudo, da Faculdade de Ciências da Nutrição da Universidade de Tufts, em Boston (Massachusetts).

As estimativas de consumo foram efetuadas a partir de 62 inquéritos alimentares preenchidos por 611.971 pessoas entre 1980 e 2010, num total de 51 países.

Os investigadores também estimaram as quantidades de açúcar disponíveis, a nível nacional, em 187 países e estabeleceram uma analogia entre a incidência da diabetes, de patologias cardiovasculares e câncer segundo zonas geográficas e as suas populações.

Fonte: Diário de Notícias

Página 48 de 49«1 ...444546474849Próximo