Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
02 jun 2016

OPINIÃO: Gorila é morto após criança cair na jaula

GORILA

Por: Bady Curi Neto, advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG)

Tornou-se viral nas redes sociais e noticiado em toda a imprensa o “assassinato” de um gorila por funcionários de um zoológico nos Estados Unidos, no último sábado.

O fato se deu quando uma criança de apenas quatro anos, após uma pequena distração de sua mãe, subiu na grade que separa as pessoas do recinto e caiu no fosso dos gorilas. Um dos animais passou a brincar com a criança por 10 minutos, chegando a arrastá-la pelos pés por um pequeno córrego artificial de água. A direção do zoológico, no intuito claro de salvaguardar a vida humana, decidiu determinar que atirasse no animal com um rifle, o que levou a óbito, evitando-se uma tragédia maior, que o gorila viesse a ferir a criança ou mesmo matá-la.

Com a morte do animal e o resgate do menor, a notícia se espalhou dando causa a várias manifestações contrárias ao “assassinato” do gorila, ao argumento que o animal não provocou o ato que tirou sua vida, outros culparam a mãe da criança por seu minuto de distração, levantando, também a antiga discussão sobre a legalidade dos zoológicos.Deve-se lembrar de que, apesar de haver anestésicos eficazes, estes não fazem efeito de imediato, podendo levar o animal a um estresse e fúria repentina, o que colocaria em risco a vida da criança até que o gorila viesse a adormecer.

Não há dúvida que se devam preservar todas as espécies de seres vivos, seja um simples gato ou cachorro de rua até uma espécie rara altamente ameaçada de extinção, mas o que está em discussão é a vida de um ser humano inocente, no caso uma criança de apenas quatro anos de idade, perante um animal de alta periculosidade. Não há que se discutir a culpa, mas apenas e tão somente apenas a preservação de uma vida humana.

Importante frisar que a maioria dos críticos não sabe a importância dos zoológicos para preservação das espécies, que, em vários casos, possuem programas de reprodução, evitando a extinção de várias espécies.

Algumas espécies somente não foram extintas em razão da reprodução em cativeiro, a exemplo da ararinha-azul e o mico-leão-dourado, conforme matéria publicada há vários anos na revista cientifica Science.O Zoo de Sam Diego nos EUA possui um banco genético de mais de 1.000 espécies ameaçadas de extinção, em maior ou menor grau.

Lógico que todas estas ações de preservação das espécies têm um custo alto e para ajudar nesta mantença, os Zoos do mundo abrem o espaço para visitação.

Lado outro, fico à vontade em defender a postura do coordenador do Zoológico em determinar o abatimento do animal, possuo um criadouro de animais (onças, macacos, araras e etc.), todos frutos de apreensão, por maus tratos e do tráfico de animais, pelas autoridades competentes. A grande maioria destes animais não pode ser reintroduzida à natureza, seja pelo excesso de contato com ser humano, por não ter aprendido a se alimentar sozinho, ou mesmo por ter alguma deformação que o impediriam de sobreviver em seu habitat natural.  A manutenção deste criadouro é realizada às minhas expensas sem nenhuma ajuda direta ou indireta do Governo.

Antes de sermos ambientalistas, no meu caso apaixonado pela causa dos animais, devemos ser humanistas, entre a vida de um gorila e o risco de vida de um ser humano inocente, preserva-se a vida da criança.

===============================

NOTA REDAÇÃO: Lamento profundamente a morte do gorila e o acidente envolvendo a criança. Até quando vamos achar normal que animais, em especial os grandes primatas, continuem confinados em pequenos espaços em favor do nosso prazer sórdido? A humanidade nasceu para escravizar, desde sempre.

  • SILVANO FEBRONI

    Em 02.06.2016

    Finalmente um artigo inteligente, ninguém quer que saiamos por ai matando animais, entretanto neste momento a vida da criança está em primeiro plano, A nota da redação, está fora do contexto, pois como todos virão a área do gorila era enorme, e tb as normas e tb até anseio da população que sempre critica os lugares onde os animais vivem em confinamento minusculos, sem a devida fiscalização.

  • Adriana Santos

    Em 02.06.2016

    Prezado Silvano, obrigada pelo comentário. Para os grandes primatas, como os gorilas, por exemplo, o local é um confinamento fora de qualquer padrão e o animal não deveria estar no zoológico ou qualquer lugar de privação do ir e vir. Não deixo de lamentar o ocorrido por várias razões. Primeiro: uma criança indefesa caiu em uma vala; segundo: o gorila foi assassinado; terceiro: a cultura dos zoológicos deve ser modificada, deixando de ser um local de prisão e exibicionismo. Acredito que a vida é sagrada.

  • Leoardo A D Vieira

    Em 02.06.2016

    Caro Sr. Bady, gostaria de discordar com seu artigo. Animal de alta periculosidade, peço perdão em dizer, é o ser humano. Animal que dizem ser racional mas que é de altíssima periculosidade não só para seus iguais como para com TODAS as outras espécies vivas do planeta. É também uma praga que infesta todo o planeta, tem comportamento de vírus e está na módica razão de 7 bilhões de indivíduos da melhor qualidade. Quantos gorilas existem ainda? Claro, somos melhores e superiores a todos não é? Por isso devemos ser humanistas. Fica clara a razão do abate. Dinheiro. é o que move o mundo. E o senhor sabe a razão pois trabalha no meio. Chama se “liability”. Se algo desse errado e o gorila ferisse ou matasse o garoto, certamente haveria um daqueles processos monumentais que os americanos adoram e alguns milhões de dólares teriam de ser pagos pelo zoológico para a família como “compensação”. Como ninguém da família do gorila faria o mesmo, sobrou pra ele. Porque não atiraram o dardo tranquilizante com alguém com o rifle do lado pronto a intervir SE fosse necessário? Liability. Grana. Só pra finalizar, os animais são inocentes. Todos. Sempre.

  • Eder

    Em 02.06.2016

    Deviam ter atirado no moleque, esse bicho que domina a terra e a destroi com a sua insanidade.

Você deve estar logado para comentar.