24 maio 2018

Conheça os efeitos do estresse na saúde bucal

Arquivado em saúde, Saúde Bucal

saúde bucal

Cerca de 90% da população mundial sente no corpo os efeitos do estresse, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em pesquisa realizada em 2013.  O Brasil é considerado o segundo país mais estressado do mundo, atrás apenas do Japão, de acordo com pesquisa realizada pela Associação Internacional do Controle do Estresse.

As consequências  podem ser sentidas na boca, como: aftas, hálito desagradável, sangramento na gengiva, boca seca, rachadura nos lábios, herpes e, até mesmo, a perda do dentes.  O estresse libera os hormônios: hidrocortisona e cortisol, provocando um efeito pró-inflamatório, que ameaça a saúde dos dentes.

Em exposição à situação de estresse, a pessoa pode desenvolver o bruxismo, um transtorno  caracterizado pelo ranger dos dentes e apertar involuntariamente dos dentes. Além de desgastar e torna-los extremamente sensíveis, o bruxismo pode levar a dores de cabeça.

SAIBA MAIS: com Dr. Paulo Coelho Andrade, mestre em Implantodontia pelo Centro de Pesquisas Odontológicas de Campinas e especialista em Implantodontia pela Associação Brasileira de Odontologia.

TRATAMENTO

24 fev 2016

Bruxismo: stress presente nos dentes

Arquivado em saúde, Saúde Bucal
Bruxismo-placa

Imagem/Google

Por: Paulo Coelho Andrade, especialista em implantodontia e odontologia estética

Tensões emocionais, trânsito, excesso de responsabilidades, e agitações decorrentes de pressões diárias resultam em stress. A doença está diretamente ligada ao hábito de ranger ou apertar os dentes involuntariamente, configurando uma disfunção oral chamada bruxismo. Podendo ser diurno ou noturno (mais comum), o problema causa dores na cabeça, na mandíbula, desgaste dental e pode atingir pessoas de todas as idades, em ambos os sexos.

Até mesmo crianças com excesso de atividades ou que passam por problemas psicológicos (traumas, brigas de família ou cobranças demasiadas) têm muita probabilidade de desenvolver o bruxismo. A disfunção acaba funcionando como um termômetro psicológico bucal, pois a maioria das pessoas que possuem os sintomas tem aumento, direto ou indireto, da tensão emocional. O bruxismo sobrecarrega de forma excessiva todos os tecidos do suporte, podendo causar deterioração dental como fraturas de dentes e restaurações, diminuindo a real dimensão da arcada dentária. Os sinais mais aparentes da disfunção são fadiga muscular, dores encefálicas e mandibulares, desgaste dentário e retração gengival acompanhada de lesão óssea, que pode levar até à perda dos dentes.

Quando a mandíbula e a maxila estão pressionadas, ocorre uma isquemia crescente com queda da oxigenação e acúmulo de produtos metabólicos, o que ocasiona o estímulo das terminações nervosas, que geram a dor. Classificado de acordo com o tipo de prevalência da contração muscular, cêntrico (apertamento) e excêntrico (ranger), o bruxismo pode ser apresentado pela maioria dos indivíduos em algum momento de suas vidas, com intensidade e duração variáveis. Apesar de serem fortemente associados a alterações emocionais e situações de estresse, alguns casos podem ter etiologia multifatorial, como oclusão ou fechamento inadequado da boca, por exemplo.

Alguns especialistas qualificam a disfunção como uma alteração muito destrutiva, sendo sua origem tão remota quanto a do próprio homem. Apesar de ser observado em todas as faixas etárias, o distúrbio tende a diminuir com a idade, principalmente após os 50 anos. O tratamento desta disfunção consiste no uso de uma placa que protege os dentes, alivia o sistema mastigatório durante as crises e reduz a atividade elétrica muscular causada pela tensão dos músculos faciais. Em casos mais graves é necessária uma reabilitação bucal total, onde se restauram todos os dentes com porcelana, resinas, cerômetros ou até implantes (nos casos de perda dental).

O ideal é perceber que o problema não vem do nada e tentar achar suas causas no dia a dia. Um acompanhamento psicológico junto ao dentário pode auxiliar na cura do bruxismo, dado que a terapia identifica e trata as dificuldades emocionais associadas ao distúrbio. Qualquer situação estressante para alguém pode agravar o problema. O ideal é tentar aliviar a tensão de todas as formas. A prática de esportes e exercícios de relaxamento também são importantes fatores para ajudar a diminuir a stress.