08 jun 2015

Como criar pássaros sem gaiolas?

gaiola2

A corte de Nova Deli, na Índia, decidiu que pássaros têm direito de viver com dignidade fora de gaiolas, voando livremente.

Segundo a imprensa indiana, o juiz Manmohan Singh afirmou em sua decisão que comercializar pássaros em gaiolas é uma violação de seus direitos.

“Tenho clareza de que todos os pássaros no céu têm o direito fundamental de voar no céu e nenhum ser humano tem direito de detê-los em gaiolas, com fins comerciais ou quaisquer outros”, afirmou o juiz.

Fonte: Folha de São Paulo.

Como criar pássaros livres, soltos e felizes? Saiba mais com Flávio Giusti do canal do Youtube VegetariRANGO

28 maio 2015

Poluição mata, alerta ONU

Arquivado em Cidade

soeicon

ONU alerta sobre poluição do planeta, moradores de Vespasiano questionam ar que respiram na cidade. É a globalização!

A Organizacão Mundial de Saúde (OMS) aprovou na última terça-feira (26/05), na 68ª Assembleia da instituição, em Bruxelas, uma resolução que chama a atenção para as graves consequências da poluição atmosférica para a saúde pública e a economia, especialmente nos países mais pobres. Os números são alarmantes: cerca de 3,7 milhões de mortes são atribuídas à contaminação lançada ao ar livre, enquanto 4,3 milhões de mortes são resultantes de contaminação de ambientes mal ventilados.

A Resolução sobre Poluição do Ar faz uma chamada à própria OMS para fortalecer sua capacidade e para os países redobrarem seus esforços de redução dos impactos da poluição do ar. O documento também reconhece a relação complexa entre a melhoria da qualidade do ar e a redução das emissões de gases que causam as mudanças climáticas.

A resolução da OMS chega em um momento crucial para a humanidade que clama por mudanças de paradigmas na área ambiental. A iniciativa pode contribuir para salvar milhões de vidas que se perdem prematuramente por doenças que poderiam ser evitadas facilmente e, ao mesmo tempo, evitar o enorme impacto econômico que afeta todos os países, mas particularmente os mais pobres. Segundo indica um estudo da Universidade de São Paulo, o Brasil vai produzir 250 mil mortes nos próximos 15 anos, 25% delas somente na cidade de São Paulo. Para evitar tantas mortes, todos devem estar envolvidos no enfrentamento da poluição atmosférica, um inimigo invisível, ameaçador e que mata.

Moro em Vespasiano, região metropolitana de Belo Horizonte, a caminho do Aeroporto de Confins. Lá os moradores questionam a qualidade do ar por conta da fábrica – SOEICOM/Liz Cimentos, instalada na cidade há 4o anos. Nasci praticamente junto com a fábrica e com a esperança dos meus pais no suposto progresso de Vespasiano e do Brasil vindo do cimento.

Os primeiros relatos sobre a história do cimento, ou Caementu no latim, se dão há cerca de 4500 A.C., no Egito Antigo. Nessa época, utilizava-se uma liga composta por uma mistura de gesso calcinado para unir as pedras que davam sustentação à construção dos monumentos. De lá para cá, uma longa história de exploração e depredação em nome do desenvolvimento da economia. Só que esqueceram da nossa saúde e da preservação do Planeta Terra.

Por meio do grupo de Facebook TRANSPARÊNCIA VESPASIANO, os amigos e amigas da cidade não querem pagar essa dívida sozinhos e pedem uma investigação mais profunda sobre o ar que respiramos e sobre um suposto lixo de resíduos tóxicos queimados próximo à fábrica, além da fumaça preta vista com frequência pela comunidade. Veja o vídeo. É impressionante!

“Os órgãos públicos deveriam fiscalizar rigorosamente e se omitem. Sabemos que a cimenteira tem todas as licenças dos órgãos ambientais. Como? As doenças, a poluição, os odores, a fumaça preta, os altos índices de câncer na cidade são tão visíveis aos nossos olhos, mas não são considerados pelas autoridades competentes. Cadê o CODEMA – Conselho de Meio Ambiente de Vespasiano? Queremos transparência com relação ás fiscalizações realizadas na Soeicom”, denuncia Luciene Fonseca, mediadora do grupo Transparência.
Página 3 de 3123