11 jul 2018

Cacau: “presente oferecido pelos deuses aos homens”

cacau-em-po

O mundo civilizado só tomou conhecimento da existência do cacau depois que Cristóvão Colombo descobriu a América. Quando os primeiros colonizadores  chegaram no continente, o cacau já era cultivado pelos índios, principalmente os Astecas, no México; e os Maias, na América Central.

As antigas civilizações da América consideravam o cacau sagrado. Eles acreditavam que a  fruta foi um presente oferecido pelos deuses aos homens. E, de tão importante, virou até moeda de troca. Nessa época na América Latina não se fazia do cacau o que conhecemos hoje como chocolate. Era feita uma bebida de sabor amargo com as sementes torradas e moídas, misturadas com água e pimenta.

As propriedades do cacau são muitas: relaxante do sistema nervoso, antidepressivo, inibidor do apetite e regulador do sono, ativador da função cerebral e afrodisíaco.  Um estudo da Universidade de Cornell, concluiu que o cacau em pó tem duas vezes mais antioxidantes que o vinho tinto e três vezes mais que o chá verde.

O cacau é importante na produção de muitos produtos, além do mais conhecido que é o chocolate. O dia do cacau é celebrado no dia 26 de Março, sendo esta uma comemoração de uma fruta de extremo valor histórico e de grande valor nutricional.

DICA: Prefira cacau 100% orgânico, sem açúcar (vendido em lojas de produtos naturais).

Receitinha

Brigadeiro de cacau

Ingredientes:

1 lata de leite condensado (395 gramas)
1 colher (de sopa) de manteiga sem sal (20 gramas)
2 colheres (de sopa) de cacau 100% (sem açúcar)
1 pitada de sal
Confeitos para decorar (a gosto)

Modo de preparo:

Em uma panela de fundo grosso junte o leite condensado, a manteiga, o cacau e o sal. Coloque no fogo baixo e mexa sem parar, raspando principalmente as bordas da panela com uma espátula, até que desgrude da panela e chegue no ponto de enrolar. O ponto do brigadeiro é quando a massa desgruda totalmente do fundo, sem grudar na borda quando se vira a panela de lado. Deixe esfriar completamente. Passe quase nada de manteiga na palma da mão e com a ajuda de uma colher pegue um pouco da massa e faça bolinhas. Em seguida passe no confeito.

18 fev 2016

Cerca de um milhão de crianças desnutridas por grave seca na África, diz Unicef

unicef3

Imagem/Unicef

Cerca de um milhão de crianças na África Oriental e Austral sofrem de desnutrição aguda grave por causa da seca que atinge o continente e é provável que piore com o fenômeno climático El Niño – alerta o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). “O fenômeno El Niño será reduzido, mas o impacto sobre as crianças será sentido por muitos anos”, avaliou Leila Gharagozloo-Pakkala, diretora-regional da Unicef para a África Oriental e Austral. “É uma situação sem precedentes e a sobrevivência das crianças depende das ações tomadas agora”, acrescenta.

A desnutrição aguda severa é caracterizada por uma perda de peso muito significativa e é responsável pela maioria das mortes de crianças menores de cinco anos no mundo, de acordo com Fundo das Nações Unidas. Há dois anos o volume de chuvas está abaixo da média e as colheitas são escassas nessas regiões da África. Como resultado, os preços das matérias-primas aumentar e os habitantes tiveram a alimentação reduzida. As crianças estão em maior risco de morrer de fome e de doenças, segundo a Unicef. Lesoto, Zimbábue e várias províncias sul-africanas já estão em estado de catástrofe natural.

A ONU estima que 14 milhões de pessoas podem ficar sem alimento em 2016 no sul da África por conta das escassas colheitas do ano anterior e da seca extrema. No Malauí, por exemplo, 2,8 milhões de pessoas estão ameaçadas pela fome. Na África Oriental, a Etiópia é particularmente atingida pela tragédia com 18 milhões de pessoas que necessitarão de ajuda alimentar antes do final do ano, segundo a Unicef. Para a organização, o país precisa de 87 milhões de dólares em doações. Segundo o escritório da ONU pata a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), as comunidades afetadas pelo fenômeno do El Niño necessitarão de dois anos para se recuperar desta grave seca.

O fenômeno El Niño, corrente equatorial quente do Pacífico, reaparece a cada cinco ou sete anos e conheceu este ano uma forte intensidade. Causou graves secas em certas áreas e inundações em outras. A estação de chuvas, correspondente ao verão no hemisfério sul, termina tradicionalmente em abril para dar início a cerca de cinco meses de estação seca, o que poderia piorar a situação até o final de 2016.