16 maio 2017

Cerca de 10% do peso de um travesseiro se deve à quantidade de ácaros

frio

Imagem Google

Gosta de descontos? Clique na imagem e saiba mais.

descontos3

O Início do Inverno acontece normalmente em 21 de junho no hemisfério sul. A estação mais fria do ano se aproxima e já chegou o momento de tirar do armário agasalhos e roupas de cama mais quentinhas. São casacos, jaquetas, blusas de malha e de lã, cachecóis, luvas, gorros, cobertores e edredons que precisam estar limpos e higienizados, evitando complicações respiratórias. Não podemos esquecer também de deixar limpos os bichos de pelúcia, tapetes, almofadas, travesseiros. São artigos que normalmente são utilizados por muito tempo sem lavar, por isso acumulam um número enorme de ácaros.

O clínico geral do Hospital Bom Jesus de Congonhas, Dr. Wagner Pereira de Souza, alerta que  o quarto de dormir precisa de um cuidado especial. “A poeira doméstica é um dos principais responsáveis  pelos problemas respiratórios dos pacientes. O local deve ser bem limpo. Evite tapetes, cortinas e objetos em cima dos armários”, diz o clínico.

Não imaginamos que algo tão pequeno e, até mesmo invisível ao olhar humano, pode fazer tanto estrago. Presente, principalmente, em nossos colchões e travesseiros, o ácaro é um dos principais responsáveis pelas alergias. De acordo com pesquisa realizada pela UNICAMP, após seis ou oito anos de uso, 10% do peso de um travesseiro se deve à quantidade de ácaros e seus detritos. Assustador, não é mesmo?

Diante deste dado e por estarmos no outono/inverno, período em que há maior incidência de casos de alergias e problemas respiratórios, Ana Paula Prates Borlido, diretora industrial da Orthocrin,  alerta a população para a necessidade da troca periódica do colchão e travesseiro. “Essa atitude, além de contribuir para um sono de saúde, evita problemas de saúde, ou até mesmo dores nas costas. É muito importante prestarmos atenção no colchão e travesseiro que usamos. O ideal é trocar a cada dois anos os travesseiros e, a cada cinco anos em média, o colchão”, orienta a diretora.

Confira algumas dicas

Depois de limpos, edredons, cobertores e agasalhos  precisam ser guardados com proteção adequada, Os sacos de TNT são os mais aconselháveis. Evite os sacos plásticos porque provocam umidade e mofo;

Roupas pesadas devem ser lavadas assim que apresentarem qualquer tipo de sujeira, pois tecidos guardados logo depois do uso adquirem manchas de oxidação, mofo e ácaros e atraem traças;

Travesseiros, almofadas, tapetes e cortinas: essas peças acumulam muitos ácaros, causando alergias. Travesseiros devem ser lavados a cada quatro meses, para que não se respire sujeira durante o sono. Quanto às almofadas, tapetes e cortinas, a sugestão é a limpeza a cada seis meses;

Bichos de pelúcia, dependendo do material que são feitos, podem ser colocados na máquina de lavar a cada três meses.

15 ago 2016

Saiba enfrentar o “cachorro preto” da depressão

dente de leão

Nada é permanente. Quem passa pelo planetinha azul deve saber disso para evitar o “cachorro preto chamado depressão”  , a ansiedade e o estresse. Tudo passa. O mundo gira. Somos movimento. Acontece que, a cada dia, somos invadidos pelo medo de não dar tempo de fazer alguma coisa ou pela lamentação das perdas… Então esquecemos de Ser o que somos.

Já fui mordida pelo cachorro preto. Foi difícil escapar da fera. Precisei reinventar o meu mundo, mesmo sem a presença física de pessoas amadas do meu convívio familiar. A primeira regra que aprendi foi: “não sou vítima das circunstâncias; sou prisioneira dos meus pensamentos”.

Quando o estresse e ansiedade se uniram, tomei outro tombo. Fiquei bem ferida. Mas gato escaldado  tem medo de água fria, diz o ditado popular.  Foi aí que encontrei o poder curativo da meditação, da respiração e do silêncio. Saiba mais no vlog que preparei para você.

10 maio 2016

Livro orienta que é possível viver com mais qualidade em família

viver

Neste livro, Elizabeth Monteiro, autora do best-seller A culpa é da mãe, reúne reflexões e comentários publicados em suas cinco obras anteriores. Dirigidas especialmente às mães, as frases falam, entre outros temas, de amor, amizade, ciúme, coerência, liberdade e limites. Orientações simples e essencialmente humanas.

Quem é mãe certamente já passou pelo momento em que nada parece dar certo. A paciência, a intuição e a serenidade vão embora e restam apenas dúvidas. Nessa hora, quando a harmonia familiar simplesmente desaparece, um conselho, uma dica, uma orientação fazem uma enorme diferença. O novo livro de Elizabeth Monteiro – Viver melhor em família – Dicas e atitudes para relacionamentos saudáveis e filhos felizes (160 p., R$ 29,90), lançamento da Mescla Editorial – traz quase 200 reflexões divididas em temas para serem lidas ao acaso ou consultadas conforme a necessidade. As frases, escolhidas uma a uma, são fruto de mais de 20 anos de experiência no atendimento a crianças e adolescentes.

Psicóloga, psicopedagoga, palestrante de sucesso, consultora e mãe de quatro filhos e avó de seis netos, Elizabeth é uma fonte de sabedoria, que já transformou a vida de muitas famílias. Sem adotar um tom professoral, característico dos especialistas, ela utiliza uma linguagem simples, humana, que toca o coração de quem a ouve ou lê. Veja abaixo algumas reflexões:

“É na família que aprendemos a enfrentar a vida. É nela que experimentamos e desenvolvemos todos os sentimentos e emoções necessários para encarar a vida adulta. Ela é uma microssociedade onde aprendemos a lidar com a raiva, a tristeza, a alegria, a frustração e o medo. É na família que treinamos os papéis que desenvolveremos na fase adulta.”

“Incomodou o(a) namorado(a) dormir em casa? Não importa onde está a questão. Você não pode se sentir incomodado(a) na relação com o seu filho nem em sua própria casa. Explique isso a ele e dê um basta. Tudo tem seu tempo, tudo tem sua hora, tudo tem uma hierarquia. Atualmente, existe a tendência de acelerar a vida, pular etapas e não ligar para a hierarquia. Precisamos ensinar nossos filhos a esperar.”

“Costumo dizer que todos os pais amam seus filhos, mas são muito poucos os que os aceitam como eles realmente são. Portanto, são poucos os filhos que se sentem verdadeiramente amados, porque não se sentem aceitos.”

“A teimosia, a provocação, o oposicionismo e a manipulação são formas de testar a importância de cada expectativa dos pais. Um comportamento que não provoque reação não vale a pena ser repetido. […] Certos momentos são cruciais na rotina de uma família, como a hora do banho, da comida, de escovar os dentes, de fazer as lições, de parar de brincar, de ir à escola, de ir se deitar, de se levantar, de arrumar o quarto. Tente organizar jogos para esses momentos, a fim de evitar as armadilhas que a criança arma para chamar sua atenção de modo negativo.”

“Não tente impor suas soluções para os problemas dos outros. Deixe que seu filho aprenda com os próprios erros. Permita-se também errar. Se você criticar menos a si mesma, será menos crítica com os outros. Não dê importância às críticas quanto à educação que você dá. Olhe para dentro de você e veja se está sendo um bom modelo. Educar não é ensinar boas maneiras, mas sim transformar seu filho em um cidadão digno.”

A coletânea, que também é indicada para avós, pais e cuidadores, traz ainda orientações sobre bullying, ciúme dos pais, rivalidade fraterna,  exemplo, consumismo, educação financeira, culpa, superproteção, divórcio, drogas, morte, saúde física e mental, sexualidade, tecnologia, violência, raiva e medo, entre outros temas.

Um dos mais poderosos instrumentos de educação é o exemplo. Segundo Elizabeth, pais e mães se esquecem de que, enquanto dão ordens e explicações, transmitem a seus filhos mensagens por meio de atos e emoções. Para ela, rotinas cotidianas, regras simples, bem estabelecidas e seguras, coerência e, acima de tudo, bons modelos geram filhos que escutam e respeitam os outros, cooperando quando preciso. Geram verdadeiros cidadãos de bem.

Página 2 de 41234