20 mar 2018

Transplante de Fígado é tema de seminário em Belo Horizonte

Arquivado em Comportamento, SUS

fígado

Nos dias 23 e 24 de março, a Sociedade de Gastroenterologia e Nutrição de Minas Gerais (SGNMG) com o apoio do Hospital Felício Rocho realiza o “Seminário Mineiro” e o “1° Encontro Multidisciplinar de Transplante de Fígado”. As inscrições são gratuitas e limitadas, e devem ser feitas no site www.sympla.com.br/smtf.

Minas Gerais apresentou expansão recente no número de equipes de transplante de fígado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que agora estão presentes em cidades pólo do Estado. Além de três equipes ativas em Belo Horizonte, que atuam no Hospital Felício Rocho, Hospital das Clínicas da UFMG e Santa Casa de Misericórdia de BH, ainda existem grupos transplantadores nas cidades de Montes Claros (Santa Casa – MC), Juiz de Fora (Santa Casa – JF, H. Monte Sinai) e Itajubá (Hospital Escola).

O Seminário contará com a presença de todas as equipes que fazem transplante de fígado pelo SUS em Minas Gerais e também com a central reguladora de transplantes do estado, o MG transplantes. Deste modo, estarão reunidos cirurgiões do aparelho digestivo, hepatologistas, gastroenterologistas, infectologistas, intensivistas, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais e demais profissionais da área da saúde envolvidos no sistema de transplantes em Minas Gerais.

Com a presença de renomados convidados nacionais e os principais nomes da área em MG serão debatidos os problemas que envolvem a doação de órgãos em nosso estado e as dificuldades vividas pelas equipes que realizam estes transplantes. Em um segundo momento ocorrerá atualização científica, com destaque para temas que expressam os desafios complexos do dia-a-dia das equipes, destacando-se as complicações clínicas e cirúrgicas pós-transplante, o câncer de fígado e a hepatite fulminante, ou ainda temas novos e atuais como a febre amarela.

20 jan 2018

Professor de literatura cria campanha de livros para leitores da África

Arquivado em Cidade, Comportamento
 CV (Leandro e livros) (1)

Sou apaixonada por livros. Desde pequena, eles estão presentes na minha vida, em todos os momentos, mesmo nos períodos de grana curta. Aprendi com meus pais o gosto pela leitura. É um hábito que transmito ao meu filho, quando ele ainda estava na minha barriga. Hoje, meu filhote é um adolescente de 16 anos, ávido por boas histórias. Acredito que os livros são  companheiros de jornadas e bons conselheiros. Por isso, fico emocionada quando vejo pessoas que promovem a leitura e a solidariedade ao mesmo tempo.

Desde novembro do ano passado, o Dr. Leandro Garcia Rodrigues, professor de Teoria Literária da Faculdade de Letras da UFMG, está reunindo livros para enviar para Cabo Verde, na África, onde serão criados dois núcleos (lá chamados de “leitorados”) de literatura brasileira contemporânea — um na Biblioteca Nacional do país, que fica no centro da capital Praia, na ilha de Santiago, e outro no Centro Cultural do Brasil, mantido pela embaixada brasileira no bairro de Palmarejo.

A Campanha está sendo realizada em cooperação com a Marinha do Brasil e com a embaixada brasileira em Cabo Verde. O navio que levará os volumes tem Portugal como destino, mas fará uma parada no país africano especialmente para entregar a encomenda aos representantes da embaixada brasileira.

Entrevistei o Leandro por e-mail. Confira:

Adriana Santos: Como surgiu a ideia de reunir livros para doação?

Leandro Garcia: Surgiu depois da minha visita a Cabo Verde, no mês passado, a convite da embaixada do Brasil naquele país. Percebi que havia uma enorme carência de produção literária brasileira contemporânea, tantos nas bibliotecas quanto nas livrarias, então voltei pensando em como atenuar um pouco esta situação. Surgiu a ideia desta campanha.

Quantos livros foram doados até agora?

Hoje (21/01) se encerra a campanha, chegaram 1.150 livros.

Como você recebe os livros? 

Encerra-se a campanha hoje porque na próxima segunda-feira todos serão embarcados num navio na Marinha brasileira, atracado no porto do Rio, que os levará a Cabo Verde. Recebi tudo pelos Correios, os autores e editoras enviaram por sedex e outros serviços dos correios. Alguns me trouxeram pessoalmente.

Quem ou qual instituição vai receber a doação?

Nossa embaixada em Cabo Verde receberá tudo e distribuirá em dois núcleos de pesquisa e leitura de literatura brasileira que serão criados na capital Santiago: um na Biblioteca Nacional e outro no Centro Cultural do Brasil, ambos naquela capital.

Que tipo de livro é doado (romance, poesia, conto, espiritualidade…)

Literatura brasileira contemporânea, nos diferentes gêneros: poesia, conto, romance, novela, teatro etc. Mas tudo ficção.

Os livros já foram entregues? Como foram entregues?

Sim, encerramos a entrega hoje, tudo via correios e poucos em mãos.

Você pretende realizar outras campanhas de doação?Sim, meu próximo algo é São Tomé e Príncipe, também na África, só que pra isso preciso fazer uma série de contatos entre embaixadas e a Marinha do Brasil, o que não é rápido.

04 jan 2018

Adolescente com doença grave no intestino faz apelo nas redes sociais

pedro

O rosto dele me hipnotizou nos primeiros segundos de um vídeo que circula no Facebook, desde 9 de dezembro de 2017. Já são mais de 300 mil visualizações. Não tinha como ser indiferente. O corpo frágil, o olhar sincero e a voz decidida me deixaram interessada na história do guerreiro Pedro Guilherme, 14 anos e morador de Fortaleza. Ele tem uma doença grave no intestino, mas enfrenta cada dificuldade com otimismo, fé e sonhos. Pedro quer ser escritor e ajudar outras pessoas que passam pelo mesmo problema. “Minha história poderia ser igual a de muitas outras, e na verdade é, senão fosse pelo simples fato de que me deram apenas dois dias de vida, em maio de 2009, quando tinha apenas 5 anos de idade. Depois de três dias de intenso sofrimento, descobri que tinha uma má formação genética, com uma única artéria mesentérica, sem veias intestinais, sofri volvo e posterior necrose de mais de 90% do intestino delgado, ficando com 5cm de jejuno e 5cm de íleo”, explica.

Após 2 meses, Pedro fez mais 2 cirurgias. A última delas foi de ligação das partes que sobraram chamada reanastomose e a de por uma sonda para alimentação enteral ou gastrostomia, da qual ele faz até hoje. Pedro ficou nove meses sem se alimentar pela boca, além das várias internações, infecções e sofrimento. “Comecei a me alimentar pela boca em 2010, um grande passo pra mim, e desde então continuo pela sonda e pela boca”.

Pedro ainda batalha para ganhar mais peso. Ele esteve internado até um pouco antes do Natal e está com apenas 29 quilos, distribuídos em 1.54m. Com a doença, Pedro também enfrenta problemas como: osteoporose e depressão. “Foi descartado hipótese de transplante e STEP(espécie de alongamento do intestino) pela cautela de não piorar o que vem dando certo. O tratamento dele basicamente é medicamentoso e alimentício. Ambos sem previsão de alta e de forma contínua. Atualmente ele faz uso de 13 medicamentos e leite especial”, informa  Karla Lima, mãe do guerreiro Pedro.

A síndrome do intestino curto (SIC), ou simplesmente chamada de intestino curto, refere-se a uma doença de má absorção resultante da ressecção cirúrgica do intestino delgado (como, por exemplo, em casos de doença de Crohn ou tumores) derivações do trânsito intestinal (como no caso de fístulas e cirurgia bariátrica) ou, em raros casos, decorrente de uma disfunção completa de grande parte do intestino delgado (devido a infecções, isquemia, quimioterapia e/ou radioterapia). Saiba mais no site do Pedro Guilherme AQUI

Conversei com o Pedro sobre sonhos. Sonhar é o caminho mais curto para conquistar saúde e bem estar. Ele gosta de escrever contos e poemas.

Adriana Santos: Como surgiu a ideia de escrever?

Pedro: Eu costumo criar fantásticas histórias com brincadeiras de bonecos e de espadas. Quando, numa conversa, contei uma delas a minha mãe, ela me deu a ideia e eu acolhi. Desde então é minha paixão.

A: Quais os livros estão na gaveta, esperando publicação?

P: Atualmente, “Contos da Minha Nuvem”, um livro de que busca espalhar valores e o “Cotidiano de Minhas Poesias”, dedicado a poemas, que já está sendo finalizado.

A: Qual o autor que você mais gosta?

P: Nossa, é bastante difícil! Gosto de muitos autores, mas meu preferido certamente é J.R.R Tolkien, o pai do RPG e escritor de O Silmarillion, O Hobbit, O Senhor dos Anéis e tantos outros.

A: Qual o livro que você mais se identifica?

P: Depende muito do modo como quero ser identificado: seja em estilo de escrita? Personalidade ou caráter? Certamente um livro que me identifiquei bastante foi o Pequeno Príncipe. Uma linda história, que foi capaz de tocar até meu âmago e ser a primeira obra literária a me arrancar lágrimas.

A: Quais são os seus sonhos?

P: No fundo, tudo o que mais quero não é fama ou dinheiro, mas espalhar minhas histórias, para que as pessoas a conheçam e que venham a gostar delas. Sonho em viajar por lugares como Dinamarca, a doce Europa e outras regiões. E poder ajudar instituições e ONGs de crianças e portadores da SIC.

Veja o vídeo. É comovente!

Como ajudar?

A família abriu uma conta poupança para doações. Você pode doar qualquer valor. O importante é doar e contribuir para a realização do sonho do guerreiro. O dinheiro será utilizado para a publicação do livro, além das despesas com o tratamento.

Titular: Pedro Guilherme Lima Ramos
Banco: Caixa Econômica
Agencia: 2183
Conta poupança: 34.989-9
Operação: 013
CPF: 054.216.223-71

Mais informações pelo site do Pedro. AQUI

Página 1 de 41234