06 ago 2016

Cerimônia de Abertura desperta a luz do brasileiro

Arquivado em Comportamento, opinião
brilho

Divulgação

OPINIÃO Sou uma otimista por natureza. Tenho signo do fogo. Dizem que os sagitarianos são solares. Sempre acreditei que moro no melhor país do mundo, cercado pela natureza mais exuberante do planeta. Por isso,  a certeza que o Brasil tinha muito o que mostrar na Cerimônia de Abertura das Olimpíadas Rio de Janeiro 2016. Só que fui surpreendida pelo tamanho da importância do momento simbólico – que reuniu milhares de pessoas no Maracanã e bilhões de telespectadores pelo mundo. Um evento planetário.

Foi uma explosão de amor e de  símbolos. Um banho de autoestima. Um afago na alma. Um sopro de esperança. Um exemplo de superação e cooperação. Não tenho dúvidas, foi o maior espetáculo da Terra.

A nossa história foi revisitada pelo melhor ângulo. A força da maloca trouxe o índio para dentro da nossa memória afetiva. O avião de Santos Dumont nos fez lembrar que podemos voar com as asas da criatividade. Paulinho da Viola cantou o hino nacional com a serenidade dos que acreditam que a paz é interna. Gisele nos revelou uma beleza para além das aparências.

A diversidade revelada por meio da representação das manifestações culturais foi unificada pelos aplausos. Anita esteve ao lado das feras da música brasileira -Caetano e Gil, mas sua juventude esteve tão presente que nos encantou. É tão bom ver a simplicidade dos jovens, como Anita, que sonham e não têm medo de ser feliz. A veterana Fernanda Montenegro me fez arrepiar com o texto primoroso do mineiro Carlos Drummond Andrade. A apresentação da Delegação dos Refugiados foi uma demonstração de solidariedade sem fronteiras. Tirei o chapéu para a apresentação dos nossos atletas. Somos muitos. Somos mais.

construçãoO Brasil, país belo por natureza, deixou uma mensagem elegante sobre a importância da preservação do meio ambiente. O sonho da Floresta dos Atletas foi a semente plantada na consciência dos novos humanos. Estamos em obras… E os voluntários estão por toda parte. Que possamos ter tranquilidade na travessia dos momentos mais difíceis. Não devemos temer o velho homem, mas construir os alicerces para a chegada do novo.

A Chama Sagrada Olímpica foi acesa. O sol não desaparece quando a noite chega. Fomos agraciados pelo espírito esportivo.

02 ago 2016

Saiba mais sobre o símbolo das Olimpíadas no Brasil e outros mascotes

Arquivado em Comportamento
ginga

Divulgação

A onça-pintada foi escolhida como mascote da delegação brasileira nas Olimpíadas  pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Ginga foi o nome escolhido para representar o maior felino das Américas, também conhecido como jaguar. É bom lembrar que os nossos atletas são feras e esperam a nossa torcida!

O símbolo da identidade do país sede é geralmente um animal representante da biodiversidade local. Quem não se lembra do urso Misha, mascote das Olimpíadas de Moscou (1980)? Um charme! (obs: pessoas com mais de 35 anos pelo menos). O tempo voa…

Misha foi usado extensivamente durante as cerimônias de abertura e encerramento, virou desenho animado e apareceu em diversos produtos. Atualmente, uma boa parte do merchandising dos Jogos é voltada para o uso dos mascotes, focando principalmente o público jovem.

Além da celebridade Misha, as Olimpíadas contou também com as presenças ilustres de cachorro (Munique 1972), Castor (Montreal 1976),  lobo (Sarajevo 1984), águia (Los Angeles 1984), dois ursos polares (Calgary 1988), tigre (Seul 1988), 4 corujas (Nagano 1998), Lebre americana, coiote e urso negro  (Salt Lake City 2002), peixe, panda gigante e andorinha (Pequim 2008), hibrido de urso, orca e urso-negro (Vancouver 2010).

A ONÇA

Símbolo da fauna brasileira, a onça-pintada está presente em quase todos os biomas do território nacional. Ameaçada de extinção, a espécie possui sua maior concentração na Amazônia, com cerca de 10 mil indivíduos.

No clima dos Jogos Olímpicos, o blog Saúde do Meio destaca algumas curiosidades do nosso felino, mas antes veja o vídeo da nossa fera.

A onça ou jaguar é o maior felino das Américas, animal ameaçado de extinção e presente praticamente no território brasileiro.

É o terceiro maior felino após o tigre e o leão, símbolo da fauna brasileira.

A onça é um indicador de qualidade ambiental pelo fato de estar no topo da cadeia alimentar e necessitar de grandes áreas preservadas para sobreviver.

Uma onça pintada pode saltar três metros em altura ou em distância sem precisar tomar impulso e pode cair de até quatro metros de altura sem se machucar. Trepa com facilidade em árvores, atravessa grandes rios a nado e é uma caçadora hábil e sagaz. Contra um caçador corajoso que tenha uma lança ou facão, a luta normalmente é equilibrada.

Caminha normalmente 2 a 5 km por dia, por vezes até 20 km. Perseguida, pode percorrer até 65 km numa só tarde. Costuma caçar no início da noite, dormir da meia-noite às 3 da madrugada e durante a manhã até o meio-dia.

A onça faz parte da mitologia de diversas culturas indígenas americanas, incluindo maias, astecas, guaranis etc. Na mitologia maia, balam como era chamado o jaguar, era considerado como um animal sagrado. Em alguns mitos indígenas, o jaguar aparece como herói civilizador que dá o fogo e a tecelagem do algodão aos homens.

Para os astecas, o jaguar é uma expressão das forças internas da terra, simétrico à águia, que representa o céu e ambos patrocinam as duas grandes ordens de guerreiros.

Para os índios brasileiros simboliza a coragem.

É um animal inteligente, ágil e esperto.

A onça está presente na moda da brasileira. As mulheres elegeram a estampa com motivos da onça-pintada para o look verão e inverno. A moda oncinha está presente dos pés a cabeça, inclusive das crianças.

24 jun 2016

Amiga da onça lamenta morte de Juma

Arquivado em Animais, Direito Animal

onçablog

Talvez poucas pessoas tenham conhecimento sobre o meu amor incondicional pela onça-pintada, o maior felino das Américas, presente em todos os biomas brasileiros. O animal (nome científico: Panthera onca Linnaeus), também conhecido por jaguar ( o termo vem do tupi-guarani, e significa “que mata com um salto”)  é  o terceiro maior felino do mundo, após o tigre e o leão. É um animal robusto e musculoso. Tamanho e peso variam consideravelmente, podendo atingir até 2,41 metros e pesar 158 quilos.

Sou editora do blog “Amiga da Onça-Pintada“, uma iniciativa voluntária para divulgar a importância da onça para a conservação do meio ambiente, em especial da Mata Atlântica. Inclusive criei uma campanha para incentivar a indicação da onça-pintada como símbolo das Olimpíadas de 2016. Criei outro blog com a finalidade de despertar o amor pelo nosso rei da floresta. AQUI. Os Amigos da Onça também estão no Facebook. Já somos mais de 6 mil amigos da onça. Uma outra iniciativa foi produzir um vídeo simples sobre os hábitos do jaguar e movimentar a campanha.

Por isso meu coração está partido. Metade dele está com Juma, uma onça acorrentada, morta pela ignorância de alguns em um momento festivo, em Manaus. A minha postagem não é apontar culpados. Somos todos responsáveis pela cultura do aprisionamento dos animais silvestres para efeito recreativo. A onça era bem tratada pelos militares. Já mostrei vários vídeos de total entrosamento entre o humano e a fera. Portanto, lamento profundamente pelo ocorrido, mas confesso que ainda estamos muito longe da convivência harmoniosa com a natureza selvagem.

Página 2 de 3123