07 mar 2018

Lagoa Santa é considerada a cidade da gentileza aos 80 anos

Arquivado em Cidade, Comportamento
lagoa santa 2

Imagem Divulgação

Pertencente ao Circuito das Grutas, Lagoa Santa é agraciada pela Bacia do Rio da Velhas e fica, aproximadamente, 40 quilômetros de Belo Horizonte. Com cerca de 62 mil habitantes, as principais características da cidade, que completa 80 anos em dezembro de 2018, são: clima agradável, área verde exuberante, sensação de tranquilidade, belos casarões e povo gentil.

A origem da cidade está ligada aos benefícios das águas. Segundo crenças locais, a lagoa que dá nome ao local possui minerais com propriedades curativas, daí a associação ao nome do município. Muitos foram os visitantes que procuravam Lagoa Santa para melhorar a saúde banhando-se na lagoa. As águas da Lagoa Santa chegaram a ser exportadas para Portugal, pelo poder curativo.

No entanto, Lagoa Santa ganhou notoriedade por abrigar importantes tesouros arqueológicos: os vestígios dos primeiros homens americanos, que lá viveram há 25 mil anos. Entre personalidades que estiveram na cidade buscando sinais de nossos antepassados, está o cientista dinamarquês Peter Wilhelm Lund – que morou em Lagoa Santa por mais de 40 anos e marcou época com suas descoberta. Em 1834, ele chegou à região para fazer estudos na área de botânica e zoologia. Logo deparou com os primeiros fósseis de animais: uma preguiça gigante e um tigre dente-de-sabre.

Aberto à visitação desde 12 de maio de 2010, o Parque Estadual do Sumidouro é o encontro de dois biomas: a Mata Atlântica e o Cerrado. Da mesma forma que se pode encontrar árvores frondosas, de copas largas e altas, há também vegetação rasteira, com árvores pequenas de caules retorcidos.

Caracterizado como Unidade de Proteção Integral, o Parque tem o objetivo de promover a preservação ambiental e cultural, possibilitando atividades de pesquisa, conservação, educação ambiental e turismo.

Eleita uma das 7 maravilhas da Estrada Real, a gruta da Lapinha está localizada dentro do Parque, em um maciço calcário formado a cerca de 600 milhões de anos pelos restos de fundo de mar que cobria toda a região da bacia do rio das Velhas.

Segundo o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), Lagoa Santa está no nono lugar do ranking das melhores cidades mineiras para se viver. O IDH é índice padrão da Organização das Nações Unidas (ONU) e avaliado a cada 10 anos em todo o mundo. Basicamente, são levados em conta três itens: vida longa e saudável (nascimento por mortes, saneamento básico e longevidade), acesso ao conhecimento (educação pública em todos os níveis e crianças na escola) e padrão de vida (renda e emprego). A partir dos cálculos de cada um desses fatores, se chega ao índice geral de IDHM, organizado no Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, feito em 2010 e divulgado em 2013. O próximo cálculo será em 2020, com divulgação prevista para 2023.

409EAFB1-ABCC-4A79-8F61-C6662D711257Foto: Alexandre, Wanderson, Leda e Lima – moradores de Lagoa Santa

Alexandre Alves Magalhães é advogado, além de cantor e compositor. Ele mora na cidade há 43 anos. Segundo o artista, morar em Lagoa Santa é a possibilidade de viver numa cidade do interior ao lado da Capital. “Aqui ainda conhecemos as pessoas pelo sobrenome, filho de fulano, neto de sicrano, como também relembramos nossa infância e adolescência, desde nadar na lagoa central através dos trampolins, o avião na Praça Dr Lund, as brincadeiras nas ruas da cidade”, revela Alexandre.

O tenente Wanderson Luiz, 47 anos, trabalha no Parque da Aeronáutica e considera Lagoa Santa uma cidade estratégica, porque fica perto de Belo Horizonte e conta com total infraestrutura, como: boas escolas públicas e privadas, trânsito tranquilo, opções de agências bancárias e um comércio atuante. “Também fico perto dos meus pais e dos meu amigos de infância. Eles moram ao lado, em Vespasiano. Aqui também está a minha igreja”, relata o militar.

Lagoa Santa também é reduto de artistas, principalmente artesãos. Lêda Gontijo, 103 anos, nasceu em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, mas mora em Lagoa cerca de 40 anos por considerar a cidade bucólica e tranquila. Ela é uma artista plástica reconhecida internacionalmente. “Aqui as pessoas são muito gentis. Amo Lagoa Santa. Moro na cidade que escolhi para viver o resto da minha vida”, diz Lêda.

Em 1944, ela foi uma das primeiras alunas da escola de arte de Alberto da Veiga Guignard, pintor e professor brasileiro que ficou famoso por retratar paisagens mineiras.

“Entrei para aprender escultura. Era meu sonho. Não tinha, nessa época, professora de escultura”, conta. A pedido de Guignard, ela estudou pintura durante dois anos. “Ele gostava muito de mim. Fomos grandes amigos. Guignard pintou o teto da minha casa em Belo Horizonte. Vendi a casa para morar em Lagoa Santa, mas com uma condição: o novo proprietário não poderia mexer no teto”. Em 1964, Lêda foi a primeira mulher a ganhar a medalha Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras.

A artista também é referência na área social. Em 2001, fundou a Associação das Voluntárias da Santa Casa (ASSANTA), uma entidade sem fins lucrativos, atuante em Lagoa Santa, desde 2001. Atualmente são 22 voluntárias – que se reúnem, às quartas-feiras, na lojinha de artesanato dentro do hospital, a partir das 14 horas, com o objetivo de criar e vender produtos personalizados, como: panos de pratos, bordados, enfeites para casa, kits de higiene, costuras, brinquedos de madeira, entre outros trabalhos. As voluntárias já compraram ,com o dinheiro da venda dos artesanatos, equipamentos médicos e cirúrgicos, rouparia e cadeiras de rodas em prol dos pacientes do hospital, que integra o Sistema Único de Saúde (SUS).

Aqui a generosidade é marca registrada de um povo que tem a palavra gratidão na ponta da língua. “Gosto de agradar e ser útil ao meu semelhante”, diz José Utsch de Lima, 81 anos. Como forma de agradecimento por tudo que a vida oferece e por meio século como morador de Lagoa Santa, Lima resolveu transformar parte da área externa de sua casa em um espaço para disseminar a gentileza. Ali, ele oferece mudas de flores e hortaliças, livros, sapatos, roupas, palavras amigas e sorrisos. Entre os livros que coloca à disposição, alguns foram escritos por ele, como “Valeu a Pena a Caminhada”, publicado em 2016. Ele já escreveu sete livros e está finalizando o oitavo. Outro hábito que Lima mantém é a prática de registrar escritos e comentários em guardanapos, a partir dos quais ele desenvolve seus textos.

Para José Utsch de Lima, Lagoa Santa sempre foi o local dos sonhos, desde quando morava na cidade vizinha e trabalhava lá como trocador de ônibus. “Aqui tem um cheiro especial, cheiro de mulher bonita (risos). São cheiros e gostos que não encontro em lugar nenhum”, declara Lima.

No Centro de Atendimento ao Turista localizado na Rodoviária de Lagoa Santa, os turistas interessados podem obter mais informações sobre a cidade (facilidades, preços e horários de ônibus, clima, etc), tanto sobre a oferta turística existente (atrativos e pontos turísticos, hospedagem, entretenimento, alimentação, entre outros). Telefone para informação: (31) 3688-1392.

24 nov 2017

Novos equipamentos garantem segurança e qualidade no atendimento aos usuários da Santa Casa de Lagoa Santa

Arquivado em Cidade, Comportamento, saúde, SUS

SANTABLOG

O estacionamento da Santa Casa de Lagoa Santa/Hospital Dr. Lindouro Avelar foi palco de comemorações, homenagens e doações. Na tarde chuvosa desta quinta-feira (23/11), o prefeito, Rogério Avelar presidiu a solenidade de doação de equipamentos de última geração para a instituição, ao lado do secretário de Saúde, Gilson Urbano. Prestigiaram a solenidade, vereadores; o novo gestor do hospital, Paulo Boschi; as voluntárias da ASSANTA; a renomada artista plástica, Lêda Gontijo, pacientes e funcionários.

santa 1Para garantir segurança e a qualidade no atendimento foram doados ventiladores pulmonares (adulto, pediátrico e neonatal), cardioversor, carrinho de emergência e foco cirúrgico e rouparia. Durante o evento também foi lançado oficialmente o novo portal da Santa Casa www.santacasalagoasanta.org.br. Paulo Boschi agradeceu a entrega dos equipamentos e ressaltou a importância da participação da população no site da Santa Casa. “Essas doações vêm ao encontro com o que estamos planejando para a Santa Casa em 2018, que é o aumento e melhoria do atendimento para deixar o munícipe tranquilo em relação à saúde. Com o lançamento do site, os pacientes e usuários do hospital poderão enviar sugestões que irão nos ajudar a melhorar nossos serviços”, disse.

O prefeito de Lagoa Santa destacou que tudo está sendo feito para garantir o pleno funcionamento da Santa Casa. No entanto, há necessidade de sensibilizar a União e o Estado no sentido de que participem efetivamente do financiamento da atenção hospitalar municipal. “Esse hospital só está funcionando porque a Prefeitura de Lagoa Santa tem feito a parte dela, a parte do Estado e a parte da União. Sem isso, o hospital não estaria aberto sob hipótese alguma. Os recursos que mantém a Santa Casa em funcionamento são 98% do município, frisou o prefeito Rogério Avelar.

santa saudeASSANTA  – O trabalho voluntário foi reconhecido pelas autoridades locais como estratégico para fortalecer as ações de saúde no município e em outras iniciativas sociais. A presidente da Associação das Voluntárias da Santa Casa (ASSANTA), Briguitta Barbian, em nome das 22 voluntárias, recebeu uma placa comemorativa e flores pelas mãos do novo diretor da Santa Casa. “A gente trabalha pelo prazer de trabalhar, não esperando nenhum tipo de reconhecimento e recompensa”, disse emocionada.

A consagrada artista plástica, Lêda Gontijo, 102 anos, foi a fundadora da Associação das Voluntárias, em 2001 e também foi homenageada. Ela recebeu das mãos do prefeito da cidade uma placa comemorativa, flores e um vídeo especial sobre sua trajetória artística. Entre as muitas obras que criou, duas se destacam: as imagens de São Tomás de Aquino e São Agostinho, que estão no Mausoléu dos Imortais, no Cemitério São João Batista (Rio de Janeiro).

22 nov 2017

Voluntárias da Santa Casa de Lagoa Santa são homenageadas e hospital recebe novos equipamentos

Arquivado em Cidade, Comportamento

assanta

Amanhã é um dia especial na Santa Casa de Lagoa Santa, Região Metropolitana de Belo Horizonte. O hospital vai receber equipamentos novinhos, como: ventiladores pulmonares (adulto, pediátrico e neonatal), cardioversor, carrinho de emergência e foco cirúrgico. As doações são muito importantes para acolher com segurança os pacientes e oferecer um atendimento de qualidade. Atualmente, a Santa Casa é 100% SUS.

Durante o evento de entrega, (23/11), às 14 horas, serão feitas duas justas homenagens. A primeira, será à  Associação das Voluntárias de Lagoa Santa (ASSANTA), que desenvolve um trabalho de puro amor aos pacientes. A segunda homenageada será a artista plástica Lêda Gontijo, a primeira voluntária.

voluntárias 2A Associação das Voluntárias  é uma entidade sem fins lucrativos, atuante em Lagoa Santa, desde 2001, por iniciativa da conceituada artista Lêda Gontijo, uma referência também na área social da cidade. Desde então, o grupo formado por mulheres, mães, esposas e amigas, se une em torno do amor incondicional ao próximo, sem discriminação de cor de pele, sexo, religião, partido político, ideologia ou idade.

Atualmente são 22 voluntárias – que se reúnem, às quartas-feiras, na lojinha de artesanato dentro do hospital, a partir das 14 horas, com o objetivo de criar e vender produtos personalizados, como: panos de pratos, bordados, enfeites para casa, kits de higiene, costuras,  brinquedos de madeira, entre outros trabalhos. Elas são responsáveis também pela realização de eventos beneficentes em prol dos pacientes do hospital. As voluntárias já compraram ,com o dinheiro da venda dos artesanatos, equipamentos médicos e cirúrgicos, rouparia e cadeiras de rodas.

O trabalho voluntariado é regulamentado no Brasil pela Lei 9.608/1998. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o voluntário é aquela pessoa que tem interesse pessoal e espírito cívico, dedicando parte de seu tempo (sem remuneração), as várias formas de atividades.

Dia Nacional do Voluntariado foi instituído em 28 de agosto de 1985 e internacionalmente é comemorado  em 5 de dezembro. O objetivo é reconhecer a ação das pessoas que doam tempo, mão de obra e talento para causas de interesse social e para o bem estar da comunidade.

O trabalho voluntário deve ser exercido de forma séria e profissional, uma vez que é realizado em locais como hospitais, clínicas, escolas, entre outros. Nas instituições hospitalares, é uma participação que exige uma ação responsável e humanizada no sentido de promover a qualidade do acolhimento e o conforto aos pacientes no seu processo de tratamento.

O voluntariado faz a diferença no cotidiano da instituição e todos ganham: pacientes, voluntários, profissionais e colaboradores, tendo como principais benefícios:

Humanização no ambiente hospitalar;
Melhora a recuperação e o bem estar do paciente;
Contribui para o fortalecimento institucional;
Incentiva a participação da comunidade no hospital.

Você também pode ajudar a Santa Casa, por meio de doações. Seja solidário.

Conta poupança
Banco Itaú
Agência 3193
Conta 35508-2

Página 1 de 3123