31 jan 2018

Evitar o abuso do álcool e consumir proteína antes de beber ajudam o folião nos dias de Carnaval

álcool

De acordo com uma recente pesquisa divulgada no Relatório Global sobre Álcool e Saúde, da Organização Mundial de Saúde (OMS), o consumo de álcool per capita no Brasil é de 8,7L, superior à média mundial, de 6,2L. Este consumo é consideravelmente potencializado por períodos festivos, como em uma das festas mais animadas do ano, o carnaval. A folia é marcada por uma maior aceitação do exagero de álcool no país, levando muitas pessoas ao abuso.

Dr. Lucas Penchel“O excesso de álcool pode ter muitas consequências ruins além da ressaca: acidentes causados por pessoas que bebem e dirigem, sexo sem proteção e agressividade e participação em brigas são alguns dos problemas motivados pelo consumo exagerado. Ademais, boa hidratação e alimentação são indispensáveis para manter a saúde e o bom funcionamento do corpo durante o período, que costuma ser desgastante”, explica Dr. Lucas Penchel, médico e nutrólogo. O profissional dá algumas dicas importantes para aproveitar a folia com saúde e muita energia:

1- O consumo de álcool deve ser moderado e nunca com o estômago vazio. O ideal é dar preferência às proteínas antes de beber, pois, elas promovem a saciedade e controle do apetite;

2- Como o álcool estimula a pessoa a ir ao banheiro mais vezes (principalmente a cerveja), é imprescindível a ingestão de líquidos hidratantes como água, sucos naturais ou água de coco. Se a pessoa estiver exposta ao sol e às altas temperaturas, este consumo deve ser maior ainda. Nestas condições, o ideal é beber cerca de 500ml de água por hora. Se a água for gelada, melhor, pois ela ajuda no controle da temperatura corporal. Evitar refrigerantes, pois eles têm baixa capacidade de hidratação;

3- A ressaca é causada pela desidratação somada à intoxicação pelo álcool. Por isto, hidratar durante a ingestão do mesmo pode reduzir ou até mesmo evitar a ressaca;

4- A alimentação deve ser leve e colorida. Carboidratos darão energia para curtir a festa e as verduras e os legumes garantirão a nutrição, além de auxiliar na hidratação, pois possuem grande quantidade de água. O ideal é optar por carnes magras, como frango ou peixe. Evitar frituras, alimentos gordurosos, enlatados e em conserva;

5- Para manter o pique ao longo do dia, é importante alimentar-se bem. Frutas, barrinhas de cereal ou mix de oleaginosas são práticos e funcionais. Sempre dar preferência a alimentos in natura, orgânicos;

6- Tomar café, banho gelado, ir para a sauna ou correr não são remédios contra o consumo de álcool. Os dois últimos, inclusive, podem desidratar ainda mais, causando tonteira, fadiga, hipoglicemia e câimbra. Ter uma boa noite de sono é fundamental para recarregar as energias para o próximo dia. Mesmo durante o repouso, a alimentação e a hidratação devem se manter no mesmo padrão, pois ajudam a acelerar o processo de recuperação do corpo e repor o que foi eliminado na urina. O café é estimulante e não deve ser utilizado em um período que o corpo “pede” descanso;

7- É importante lembrar que o tipo de bebida não evita a intoxicação pelo álcool, mas sim a quantidade consumida. Grandes quantidades de bebidas com pouco teor alcoólico equivalem a pequenas quantidades de bebidas com maior teor alcoólico. Da mesma forma, não é a mistura de bebidas leva à embriaguez e sim a quantidade ingerida;

8 – Para quem deseja evitar o ganho de peso, evitar comer e beber ao mesmo tempo e dar preferência à ingestão de vinho, saquê ou caip’s (sem açúcar);

9- Mulheres grávidas ou que estão amamentando, menores de idade, pessoas que realizam atividades que envolvam risco, que fazem uso de medicamentos que interagem com o álcool ou apresentam problemas de saúde que podem ser agravados por ele, NÃO DEVEM BEBER!

 

20 maio 2015

Prevenção em Saúde Mental com Foco na Depressão

Arquivado em Uncategorized

depressão

Por: *Rafael Ribeiro Santos, médico psiquiatra do Biocor Instituto 

Na segunda década do século XXI, falar abertamente sobre transtornos mentais ainda é tabu. A prevalente segregação do paciente em manicômios em décadas anteriores à reforma psiquiátrica e vários mitos ainda hoje alimentados sobre o tratamento da doença mental contribuem para sua estigmatização. Tal estigma só consolida julgamentos leigos, retarda a busca por ajuda adequada e leva a equívocos, inclusive por parte de equipes de saúde.

Os transtornos mentais são doenças crônicas altamente prevalentes no mundo e resultam de um somatório de componentes biológicos, psicológicos e sociais. Contribuem de forma marcante para morbidade e mortalidade precoces, trazendo sobrecarga relevante e dano à vida pessoal, social e ocupacional. Além disso, prejudicam a qualidade de vida dos pacientes e afetam até a comunidade em seu entorno. Tragédias preveníveis como o acidente deliberadamente provocado pelo copiloto da German Wings fazem-nos refletir e repensar a importância de uma saúde mental plena em nosso cotidiano individual e coletivo.

Estudos recentes mostram que aproximadamente 25% da população mundial apresenta um ou mais transtornos mentais ao longo da vida. Dados epidemiológicos nacionais postulam que 29,6% da população da região metropolitana de São Paulo apresenta algum transtorno mental, sendo que dois terços destes seriam moderados ou graves. Mais preocupante, no entanto, é a constatação que 75% dos pacientes psiquiátricos em países em desenvolvimento não recebe nenhum tratamento, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A Depressão é um dos transtornos mentais mais prevalentes e incapacitantes da atualidade. A OMS demonstrou que os transtornos depressivos são uma das principais causas de doença em todo o mundo, com taxas de prevalência que vão de 6 a 9% da população. Pode levar ao suicídio, sobretudo em casos mais graves e sem tratamento adequado. Assim, é importante saber reconhecer alguns de seus sintomas como: humor deprimido, falta de prazer, energia ou vontade para atividades, desesperança, choro fácil, alterações do padrão de sono ou alimentação, isolamento social, irritabilidade, além de pensamentos ou atos suicidas.

A prevenção de eventos adversos advindos da depressão e de outros transtornos mentais passa por melhor capacitação dos profissionais de saúde, inserção sistematizada de equipes de saúde mental na atenção básica e estruturação de uma rede de saúde mental completa. A tragédia da German Wings poderia ter sido evitada por uma avaliação periódica mais cuidadosa dos funcionários por equipes de medicina de trabalho mais atentas à saúde mental. Tal procedimento deveria ser padrão, principalmente em profissões de maior responsabilidade e risco para a sociedade. Reduzir o dano trazido pela depressão e outros transtornos mentais é essencial. É necessária a conscientização da população, de forma clara e plena, sobre os sinais e sintomas dessas doenças e sua necessidade de um diagnóstico médico e tratamento multidisciplinar. É premente uma ressignificação da doença mental na sociedade, afastar mitos e preconceitos e possibilitar acesso a um tratamento humanizado a todos que necessitem.

*Formado pela UFMG, residência pelo IRS-FHEMIG, mestre em Neurociências pela UFMG