13 jun 2017

Voluntárias da Santa Casa de Lagoa Santa incentivam doações para o hospital

Arquivado em Cidade, saúde

IMG_8600
As voluntárias da Santa Casa de Lagoa Santa (ASSANTA) doaram para o hospital 100 toalhas brancas de banho novinhas. Elas compraram com o dinheiro da venda de artesanato. Os produtos são vendidos em uma lojinha dentro do hospital ou encomendados pela comunidade.

Segundo a coordenadora operacional e hotelaria, Franciane Rocha Borges Esteves, a Santa Casa atende pessoas com poucos recursos financeiros e, muitas vezes, as famílias não têm condições de trazer de casa uma toalha para suprir as necessidades do paciente. “Depois de devidamente higienizadas, as toalhas vão estar disponíveis para os pacientes, evitando possíveis contaminações”, esclarece.

As voluntárias não param de trabalhar em favor da Santa Casa. Elas receberam de um hotel da cidade várias roupas de cama, que estão sendo reformadas para o hospital. Tudo é feito com muito carinho e capricho.

A vice-presidente da ASSANTA, Gilcea Guimarães Fonseca, faz um apelo para que a comunidade se mobilize para mais doações de roupas de cama e de banho em prol dos pacientes internados. “Nós trabalhamos aqui na Santa Casa de Lagoa Santa como voluntárias, promovendo atividades que ajudem a suprir algumas necessidades básicas do hospital. É importante a participação e colaboração de toda sociedade. As doações podem ser feitas na loja das voluntárias, que fica no hospital ou na hotelaria do Hospital. O telefone de contato é (31) 3689 5392

IMG_8604

18 maio 2017

Robô humanoide visita Santa Casa de Lagoa Santa

IMG_8450[1]

Foto: Ewaldo Ccih

 Os profissionais de saúde da Santa Casa de Lagoa Santa receberam, na manhã de hoje (18/05) uma visita muito especial, em comemoração ao Dia Nacional de Controle das Infecções Hospitalares (15) e  o Dia Mundial de Higiene das Mãos (5).

Trata-se de um robô bem simpático, tipo humanoide, 1,22 metros de altura, chamado Ozires, desenvolvido por pesquisadores da Faculdade UNI-BH, que percorreu todos os setores do hospital, interagindo com os profissionais de saúde e os pacientes. O objetivo é um alerta contra as infecções hospitalares, por meio de uma medida simples e eficaz:  incentivar a adesão dos trabalhadores de saúde à higienização das mãos. O humanoide finalizou a visita com uma palestra de conscientização que lotou o auditório.

“A ideia foi trazer para o nosso hospital algo interativo que pudesse também agregar conhecimento para os nossos profissionais. Ozires é um tecnologia fundamental que ensina um ato simples com tamanho impacto que é a higienização das mãos”, diz Gleyka Martins, coordenadora assistencial/CCIH.

Ozires está equipado com um distribuidor automático de desinfetante de mão, um projetor de bolso, para mostrar aulas de vídeo, e uma espécie de câmera espiã, para gravar a reação das pessoas ao vê-lo. Todas as lições dadas pelo robô são produzidas no telefone celular e passadas por meio de um aplicativo, que produz vozes robóticas.

As infecções hospitalares representam importante problema de saúde pública mundial, causando aumento na morbidade, na mortalidade e no tempo de internação dos pacientes.

IMG_8459[1]

18 abr 2017

Hospital de Lagoa Santa alerta sobre aumento de casos de suicídios

depressão1

Imagem Google

A Santa Casa de Lagoa Santa registrou, no último mês, cinco tentativas de suicídio entre jovens na faixa dos 25 anos. A maioria dos casos provocado por praguicidas de uso doméstico, produtos de limpeza e consumo de medicamentos controlados.

Segundo Fabiana Saqueto, assistente social do Hospital, houve um aumento significativo de casos. As vítimas são atendidas no ambulatório do hospital. “Uma das dificuldades de tratar o paciente é a ocultação de informações do próprio paciente ou dos familiares. As situações de extremo sofrimento, angústia e outros conflitos podem provocar, com o tempo, algum tipo de distúrbio psiquiátrico”, esclarece Fabiana.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que o suicídio é um problema de saúde pública responsável por uma morte a cada 40 segundos no mundo, sendo a segunda principal causa de morte entre jovens com idade entre 15 e 29 anos. Setenta e cinco por cento dos suicídios ocorrem em países de baixa e média renda. O Brasil é o oitavo país com mais registros de suicídios.

Alguns casos estão relacionados com transtornos mentais, em particular, depressão e abuso de álcool. Os casos mais frequentes acontecem em momento de crise ou na dificuldade de lidar com os estresses da vida – tais como problemas financeiros, términos de relacionamento ou dores crônicas e doenças. Além disso, enfrentamento de conflitos, desastres, violência, abusos ou perdas e solidão estão fortemente associados com o comportamento suicida.

Segundo dados da OMS, até o momento, apenas alguns países incluíram a prevenção ao suicídio entre suas prioridades de saúde e só 28 países relatam possuir uma estratégia nacional para isso. O suicídio é uma questão complexa e, por isso, os esforços de prevenção necessitam de coordenação e colaboração entre vários setores da sociedade, além da conscientização da população por meio de informações claras, sem preconceitos e com o objetivo de alertar as famílias sobre os principais sinais de uma pessoa com perfil suicida.

Página 4 de 6123456