24 nov 2017

Novos equipamentos garantem segurança e qualidade no atendimento aos usuários da Santa Casa de Lagoa Santa

Arquivado em Cidade, Comportamento, saúde, SUS

SANTABLOG

O estacionamento da Santa Casa de Lagoa Santa/Hospital Dr. Lindouro Avelar foi palco de comemorações, homenagens e doações. Na tarde chuvosa desta quinta-feira (23/11), o prefeito, Rogério Avelar presidiu a solenidade de doação de equipamentos de última geração para a instituição, ao lado do secretário de Saúde, Gilson Urbano. Prestigiaram a solenidade, vereadores; o novo gestor do hospital, Paulo Boschi; as voluntárias da ASSANTA; a renomada artista plástica, Lêda Gontijo, pacientes e funcionários.

santa 1Para garantir segurança e a qualidade no atendimento foram doados ventiladores pulmonares (adulto, pediátrico e neonatal), cardioversor, carrinho de emergência e foco cirúrgico e rouparia. Durante o evento também foi lançado oficialmente o novo portal da Santa Casa www.santacasalagoasanta.org.br. Paulo Boschi agradeceu a entrega dos equipamentos e ressaltou a importância da participação da população no site da Santa Casa. “Essas doações vêm ao encontro com o que estamos planejando para a Santa Casa em 2018, que é o aumento e melhoria do atendimento para deixar o munícipe tranquilo em relação à saúde. Com o lançamento do site, os pacientes e usuários do hospital poderão enviar sugestões que irão nos ajudar a melhorar nossos serviços”, disse.

O prefeito de Lagoa Santa destacou que tudo está sendo feito para garantir o pleno funcionamento da Santa Casa. No entanto, há necessidade de sensibilizar a União e o Estado no sentido de que participem efetivamente do financiamento da atenção hospitalar municipal. “Esse hospital só está funcionando porque a Prefeitura de Lagoa Santa tem feito a parte dela, a parte do Estado e a parte da União. Sem isso, o hospital não estaria aberto sob hipótese alguma. Os recursos que mantém a Santa Casa em funcionamento são 98% do município, frisou o prefeito Rogério Avelar.

santa saudeASSANTA  – O trabalho voluntário foi reconhecido pelas autoridades locais como estratégico para fortalecer as ações de saúde no município e em outras iniciativas sociais. A presidente da Associação das Voluntárias da Santa Casa (ASSANTA), Briguitta Barbian, em nome das 22 voluntárias, recebeu uma placa comemorativa e flores pelas mãos do novo diretor da Santa Casa. “A gente trabalha pelo prazer de trabalhar, não esperando nenhum tipo de reconhecimento e recompensa”, disse emocionada.

A consagrada artista plástica, Lêda Gontijo, 102 anos, foi a fundadora da Associação das Voluntárias, em 2001 e também foi homenageada. Ela recebeu das mãos do prefeito da cidade uma placa comemorativa, flores e um vídeo especial sobre sua trajetória artística. Entre as muitas obras que criou, duas se destacam: as imagens de São Tomás de Aquino e São Agostinho, que estão no Mausoléu dos Imortais, no Cemitério São João Batista (Rio de Janeiro).

15 jul 2016

Política de valorização do SUS, onde o sonho se perdeu?

Arquivado em opinião, saúde, SUS
Paulo Sá
OPINIÃO
Por: Paulo K. de Sá

Médico e coordenador do curso de Medicina da FMP/Fase (RJ)

É difícil nesse momento crítico do país, onde o acúmulo de erros aconteceu e proporcionou a grande crise que testemunhamos agora, fazer uma reflexão isenta de emotividade e tendências ideológicas. Em plena turbulência política e passando por grave crise de condução estrutural e organizacional, frente aos escândalos acumulados em torno de todas as tendências políticas, assistimos a inúmeras medidas aprovadas pelo Congresso Nacional, a toque de caixa, que nos fazem refletir sobre a pertinência das mesmas.

Fato é que desde a Constituição Federal de 1988, a definição sobre a estrutura de financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) sempre foi deficitária em relação às necessidades de saúde da população brasileira, tanto de governos de esquerda como de direita. Inúmeras regulações foram realizadas através de normas operacionais e portarias ministeriais, que nem de longe conseguiam patrocinar as propostas encaminhadas.

O resultado disso é que, embora o SUS tenha avançado significativamente do ponto de vista de sua organização e ampliação de cobertura, principalmente através da Estratégia de Saúde da Família, o processo de seu custeio ficou a desejar e proporcionou uma quebra nas contas dos governos municipais e estaduais. Na verdade, poucos foram os municípios no país que conseguiram realizar investimentos de maior envergadura atendendo ao que se prega no SUS, como cobertura universal efetiva, equidade, integralidade da atenção à saúde, dentre outros.

Muitos municípios morreram na praia ao tentarem realizar investimentos na atenção básica e se depararem com os elevados custos para cobrir a população que aspirava. A rede intermediária de suporte, os especialistas, foi esvaziada do sistema por força da competitividade do mercado privado e à baixíssima remuneração proposta pelo sistema público. A rede de alta complexidade obteve a remuneração ao nível do mercado privado e, por isso mesmo, foi para onde os recursos foram drenados com a adesão de muitas clínicas e hospitais privados, provocando uma contradição intrínseca no sistema.

Ora, a proposta maravilhosa inspirada pela Reforma Sanitária, está agonizante. Primeiro porque está mergulhada em uma inviabilidade financeira de se atender aos princípios e diretrizes estabelecidos. Usurpada na sua possibilidade de gestão pela interferência, pela judicialização da saúde. E agora sucateada por uma sequência de atos impróprios do atual governo sem a devida pactuação social para permanecer viável o maior plano de saúde no Brasil, sem o qual a grande maioria dos brasileiros estaria à mingua, entregues à própria sorte como nos velhos tempos de colônia.

Além da atual inviabilização do sistema, as instituições formadoras na área da saúde se veem sucateadas, como as públicas, e fortemente limitadas, como as privadas, em face a grave crise econômica do país. Como resposta a esse quadro, temos estudantes representantes de uma parcela elitizada de nossa população, ávidos em recuperar seus investimentos ao longo de seis anos de graduação através da sua inserção no setor privado, ou no seu precário compromisso junto ao setor público como degrau temporário para sua inserção no mercado, uma vez que o SUS não superou a incompetência de estabelecer uma carreira decente para o profissional de saúde a ponto de inverter esse quadro grotesco imposto por um capitalismo às avessas.

Educação e Saúde podem se dar as mãos, as duas áreas mais importantes de uma sociedade estão agonizantes e demonstram claramente os rumos da sociedade brasileira, esgarçada e indignada com tudo que está em curso. Uma grande entrega à deriva em um oceano de tempestades de denúncias e corrupção e uma grande interrogação se estabelecem. Porém a esperança está no acordar político da população brasileira que estava comodamente hibernada diante de um predomínio ideológico inexorável diante da expansão voraz do capitalismo no mundo inteiro. Hoje, pelos diferentes espaços sociais, redes de articulação estão se estruturando em meio aos ardores da grande confusão patrocinada, em prol de uma nova discussão e solução política para o Brasil em todas as áreas – saúde, educação, produção agropecuária, modelo político, sistema econômico, direitos humanos e direitos dos trabalhadores e proprietários dos meios de produção, etc.

Um novo Brasil está acordando, mas ainda teremos choros e ranger de dentes até que a calmaria venha a prevalecer mediante a formulação de uma nova proposta pela sociedade brasileira devidamente articulada e amadurecida e que não seja a reedição do velho estado colonial de sempre.

03 set 2015

Ministério da Saúde lança versão digital do Cartão SUS

Arquivado em SUS

Cartao-SUS-Digital-2-604x270

 

O Cartão SUS – que é a identidade do cidadão no Sistema Único de Saúde (SUS) – está mais funcional. O aplicativo, chamado Cartão SUS Digital, disponibilizará ferramentas importantes como o controle da aferição de pressão e medição de glicemia, o que é essencial para quem tem diabetes e hipertensão. Ao preencher as informações, a ferramenta mostrará, com auxílio de gráficos, os últimos registros de pressão máxima e mínima, bem como a evolução das taxas de glicemia. O aplicativo já está disponível para smartphones com sistema Android e a previsão é de que em novembro ele já esteja disponível na Apple Store.

O cidadão também poderá indicar se possui alguma alergia, informar se faz uso contínuo de medicamentos, adicionar contatos de emergência e compartilhar as informações com médicos por quem estejam sendo acompanhados, o que permite traçar o diagnóstico e ofertar o tratamento mais adequado ao histórico do paciente. O aplicativo passará por atualizações nos próximos meses o que ampliará a oferta de serviços disponíveis.

Clique aqui para o download do Cartão SUS digital

 

Página 1 de 212