27 abr 2017

Copasa presta esclarecimento à Camara de Vereadores sobre água “barrenta” em Vespasiano

IMG_8303[1]


A Reunião Ordinária da Câmara Municipal de Vespasiano (Região Metropolitana de Belo Horizonte) de quarta-feira (26/04) contou com a presença do diretor Metropolitano da Copasa, Rômulo Tomaz Perilli com o objetivo de prestar esclarecimentos sobre várias denúncias envolvendo os serviços prestados pela concessionária ao município. O gerente de Distrito, José Cláudio Ramos e o engenheiro de Operações, Rogério Gonçalves também estiveram na plenária para ajudar a explicar os motivos da coloração barrenta da água fornecida à população, a falta frequente de água em alguns bairros, o rompimento de uma adutora (que joga o esgoto direto no Córrego) e outros transtornos relatados, principalmente, pelas redes sociais dos vereadores.

O deputado Fabiano Tolentino (PPS) também esteve na Câmara para relatar os mesmos casos enfrentados em outros municípios de Minas Gerais, prejudicando a saúde da população e a preservação do meio ambiente. O parlamentar foi convidado pela vereadora Luciene Fonseca (PPS) com a intenção de ampliar o debate e somar esforços para resolver os problemas que afetam diretamente a qualidade de vida dos mineiros.

Luciene

Ao ser questionado pelos vereadores sobre as obras de integração e melhoria no abastecimento de água, Perilli explicou que, no governo passado, a Copasa realizou investimentos, mas não se preocupou com a manutenção da operação e hoje está causando diversos transtornos. Ele disse ainda que o órgão não dialogou devidamente com a população e com os representantes da sociedade.

“Vespasiano tem 35 mil ligações de água e a Copasa tem conhecimento dos problemas e que está trabalhando para resolvê-los. Para a execução dessas obras – com previsão de término até o final deste ano – e troca de tubulações a empresa dispõe de R$ 5 milhões”, afirma o diretor.

Denúncias foram apresentadas pelos vereadores como, por exemplo, o rompimento da adutora na MG10 e o esgoto correndo céu aberto no Córrego Sujo. O diretor informou que um processo licitatório já está em andamento e que em 60 dias esse problema estará resolvido.

Segundo a Copasa, a falta de água e a água “barrenta” na área central, causando danos à saúde e prejuízos à população, é devido as obras de integração do sistema que ainda não foram concluídas.

Para a falta de água que atinge os bairros Nova Pampulha e Nova Yorque, Perilli disse que na região 70% das ligações de água são clandestinas; os moradores gastam muita água pois não pagam por ela e falta para o restante da população. Um projeto para a realização de um trabalho social de conscientização das pessoas será realizado para evitar/reduzir esse tipo de situação.

copasa

Crédito: Foto Câmara Municipal

28 mar 2017

Comissão de Direitos Humanos da Câmara visita empresa de cimento de Vespasiano

Arquivado em Cidade, Meio Ambiente, saúde

liz

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara de Vespasiano formada pelos vereadores: Luciene Fonseca, Filipe Caldeira e Edimar Antônio esteve reunida com representantes da empresa Cimento Liz. Os parlamentares estão preocupados com várias denúncias feitas pelos grupos criados no Facebook sobre a qualidade do ar na cidade. Os moradores reclamam da poluição, dos caminhões lotados de cimento circulando na região central do município, dos problemas respiratórios, além de um cheiro forte de enxofre. Algumas publicações na rede social exibem fotos de carros sujos de pó  e fumaça preta vinda da empresa – que fica no centro de Vespasiano, Região Metropolitana de Belo Horizonte:.

Os vereadores conversaram com os representantes da empresa sobre qualidade do ar, caminhões circulando no centro da cidade sem a proteção das lonas, queima de pneus e outros materiais de descartes, uso do filtro e medidores dos índices de poluição, além das ações de responsabilidade social assumida pela empresa.

O gerente do Meio Ambiente da Cimento Liz, Rubner Rodrigues, explicou sobre os procedimentos da empresa para causar o menor impacto possível ao meio ambiente. Ele informou que o filtro elétrico utilizado para separar partículas no fluxo de gases industriais é ultrapassado e não é mais utilizado pela empresa. Hoje a Cimento Liz adota o filtro de mangas que é a solução mais segura para se garantir o controle na emissão de poluentes. A troca é feita no período de quatro anos. Quando é preciso de uma manutenção, a produção é interrompida.

Rubner informou ainda que a queima de material co-processado é feito em ambiente controlado, portanto de forma segura sem prejuízo para a população. Com relação à qualidade do ar, ele disse que há quatro estações na cidade para controlar possíveis desajustes nas taxas permitidas por lei. Ele completou ainda que a empresa já conquistou vários prêmios importantes de reconhecimento de responsabilidade ambiental.

A empresa divulgou um canal de comunicação para sugestões, críticas e denúncias e apuração dos relatos feitos no Facebook. A ligação é gratuita e pode ser feita pelo número: 2138 2358

10 fev 2017

Cerveja também é álcool e vicia como qualquer outra droga

Arquivado em Cidade, Uncategorized

cervejaJá estamos no tão desejado ano de 2017 e bem pertinho do Carnaval. Como o tempo passa rápido para quem tem sede de viver. Na verdade não sou muito ligada ao passado. Prefiro fincar os pés no presente e traçar algumas metas flexíveis para o futuro. No entanto não tem como escapar da memória antiga para alertar sobre alguns perigos que rondam, em especial nossos jovens em épocas festivas de muita folia, muito samba e muita falta de conscientização no consumo de bebidas alcoólicas por todo canto do país.

Na minha adolescência curtia o Carnaval como os meu amigos na então pacata cidade de Vespasiano, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Lá rolava até escolas de samba da melhor qualidade e apresentação do tradicional Boi da Manta (tinha um medo danado dos caras fantasiados e correndo atrás do povo).

A grana era curta, então a regra era dividir os custos da bebida alcoólica: coca cola ou fanta misturado com vodka fazia o sucesso da garotada. Na época cerveja era muito cara e poucos jovens tinham acesso a bebida em garrafa ou latinha. Enfim, nossos pais sofriam com as consequências da bebedeira no final de cada folia. Algumas famílias amagavam perdas irreparáveis por conta dos abusos do álcool. Perdi alguns amigos em acidentes de carros porque estavam alcoolizados.

No meu caso, já levei muita bronca e lição de moral.  Sou filha de professora da rede publica de ensino e de militar da Aeronáutica, ou seja, as regras disciplinares na minha casa eram parecidas com um quartel. Imagina só o que eu passei.

É bom lembrar que menores de 18 anos compravam livremente bebidas em supermercados, postos de gasolina, vendedores ambulantes, ou seja, em qualquer lugar, sem nenhum critério. Hoje é um pouco diferente ou mais discreto. Vendedores ambulantes, por exemplo, vendem bebida alcoólicas sem nenhuma fiscalização, pelo contrário tem até apoio da Ambev – Companhia de Bebidas das Américas. Todas as marcas de cerveja e bebidas fabricadas pela Ambev – Skol, Budweiser, Brahma e Antárctica – poderão ser vendidas no Carnaval de Belo Horizonte. Cabe à empresa oferecer um preço diferenciado para motivar os ambulantes a comprar produtos daquela marca.

Os tempos mudaram, mas nem tanto. Os jovens continuam consumindo indiscriminadamente bebidas alcoólicas. Eles acreditam que cerveja não é álcool ou droga que prejudica a saúde, que drinques de frutas com vodka ou cachaça e bastante açúcar são inofensivos. Na realidade, pura ilusão vendida por uma indústria poderosa que cativa cada vez mais por meio de propagandas enganosas e perversas.

No Brasil, a Lei nº 9.294 de 15/7/96 regulamenta a veiculação de propagandas de bebidas alcoólicas em emissoras de rádio e de televisão. Essa lei restringe o horário de veiculação das propagandas de bebidas das 22 às 6 horas da manhã. É diz que é proibida a associação de bebidas alcoólicas com: temas ligados ao sexo;  temas que induzam a uma ideia de bem-estar e saúde; temas ligadas ao esporte.

A Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais tem um trabalho sério de conscientização e mobilização social sobre o problema e alerta: “Cerveja também é álcool. Diga não ” propaganda de bebidas alcoólicas no rádio e na TV. Todos sabem os perigos do uso indiscriminado da bebida alcoólica, um problema de saúde pública.

Crianças e adolescentes são alvos das propagandas de cerveja. O maior crescimento do consumo indiscriminado acontece dos 12 aos 17 anos, indivíduos ainda em formação ideológica. Conheça mais a campanha: Cerveja também é álcool AQUI e oriente seus filhos, sobrinhos, netos, amigos, vizinhos. Faça parte de uma sociedade mais consciente. Aproveite o Carnaval e faça parte da mudança. Lembre-se: um mais um é sempre mais do que dois. Não vamos permitir que o álcool destrua a felicidade e a saúde da nossa família.

Página 1 de 41234