Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
09 dez 2019

Domingo solidário: Movimento “Juntos pelo Heitor” mobiliza Sabará

O Movimento “Juntos pelo Heitor” está cada vez mais forte.  Heitor Junio de Pádua dos Santos, 3 anos, tem uma doença rara e precisa de medicamentos caros, além de uma dieta rica em cálcio. Com o objetivo de arrecadar dinheiro para garantir o tratamento do garotinho, domingo (8/12) foi  dia de ação, amor e solidariedade, em Sabará, Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Amigos e familiares organizaram um evento solidário na Praça de Esportes da cidade. Os convidados tiveram a oportunidade de participar do Bingo Beneficente; comprar roupas, sapatos e acessórios no Bazar do Heitor e prestigiar as bandas: Fuzuê, Mistura Nossa e Swing do Tapa.    Os artistas da região também abraçaram a causa do garotinho.

“O meu filho pode ficar com os membros atrofiados e até mesmo não conseguir mais andar. Ele está perdendo precocemente os dentinhos. Heitor tem uma doença rara chamada hipofosfatasia alcalina baixa“, esclarece Adriana Fátima de Pádua, mãe do garotinho.

As doze ampolas importadas do medicamento Stresing (Astotase Alfa|), que podem oferecer mais qualidade de vida ao Heitor, custam cerca de cem mil reais por mês. A família não pode arcar com os custos; e o SUS não fornece o remédio pela rede pública de saúde. A solução foi acionar a Justiça, além de contar com o apoio dos amigos. “O processo já está nas mãos da juíza. Acreditamos na justiça. Acreditamos na solidariedade”, diz confiante a mãe do Heitor.

 

06 dez 2019

Cauterização: entenda a técnica e aprenda a prolongar seus benefícios em casa

Arquivado em Beleza, cabelo, Comportamento

A cauterização capilar pode ajudar você a lidar com os efeitos de processos químicos, como tintura e escova progressiva, no cabelo. O procedimento pode ser a solução para deixar seus fios saudáveis.

O tratamento – feito em salão de beleza e executado por profissionais especializados – tem como objetivo principal recuperar os fios que anteriormente foram agredidos por procedimentos que modificam o cabelo.

A seguir, com a consultoria do médico e tricologista Luciano Barsanti, respondemos seis perguntas sobre o assunto.

1. Como é feita a cauterização capilar?

O procedimento começa com a limpeza do cabelo com um shampoo de limpeza profunda, que abre a cutícula dos fios. Na sequência, é aplicado um produto que contém, basicamente, queratina e silicone. Essas substâncias penetram entre as escamas, preenchendo os espaços deixados pela desidratação do processo químico realizado.

Após o produto agir, os fios são secados com secador. Para finalizar, aplica-se a chapinha. O objetivo é selar as substâncias nos fios e fechar as cutículas. É importante ter cuidado em relação à temperatura do aparelho que, quando ultrapassa 90 graus Celsius, queima os fios. Por isso é essencial realizar o procedimento com um profissional especializado.

2. A cauterização capilar é indicada para quais tipos de cabelo?

A cauterização capilar é indicada para fios muito danificados, principalmente aqueles que passaram por tratamentos químicos, como tintura, reflexo e escova progressiva.

3. Em quais casos deve ser evitada?

A cauterização capilar não deve ser feita em cabelos que passaram por outro procedimento, como tintura ou alisamento, em um prazo menor do que 30 dias. Outro cuidado é não fazer o tratamento se o couro cabeludo estiver com alguma alteração, como dermatite seborreica ou outras inflamações.

4. Quais são os principais benefícios?

A reposição do silicone e da queratina deixa os fios mais hidratados e visivelmente mais brilhantes. Além disso, a cauterização capilar diminui consideravelmente as pontas duplas e o frizz.

5. Com que frequência o tratamento pode ser feito?

Mesmo com todos os benefícios citados acima, a cauterização não reconstrói o fio que, uma vez prejudicado por uma química, não voltará a ter sua estrutura original. Por isso, a indicação é refazer o procedimento entre 45 e 60 dias, dependendo da necessidade do cabelo, que voltará, aos poucos, a ter o aspecto poroso e com frizz.

6. A cauterização capilar substitui a hidratação?

Não. Mesmo com a cauterização, é necessário manter o hábito de hidratar, pelo menos, uma vez por semana. Para isso, use produtos específicos para cabelos quimicamente danificados, como a Máscara Regeneradora, de Natura Lumina, que recupera a textura mais uniforme dos fios, reduz as pontas duplas e a quebra.

Aplique o produto pelo menos uma vez por semana, deixe agir por três minutos e enxágue. A máscara faz parte de um sistema de tratamento completo, feito para regenerar os danos.

*O especialista consultado nesta matéria pela equipe de Comunicação da Natura foi ouvido como fonte jornalística, não se utilizando do espaço para a promoção de qualquer produto ou marca.

Os produtos acima estão disponíveis no espaço digital Saúde do Meio. AQUI

 

02 dez 2019

Unicef: mortalidade infantil tem redução histórica no Brasil

Imagem Google

Por Letycia Bond – Repórter da Agência Brasil São Paulo – com edição. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef)  produziu um relatório que confere ao Brasil reconhecimento por ter melhorado, ao longo dos anos, índices como o da mortalidade, do trabalho infantil, além da exclusão escolar.

Conforme o Unicef, de 1990 a 2017 registrou-se “redução histórica” no total de mortes de crianças menores de um ano de idade. No período, a taxa nacional caiu de 47,1 para 13,4 a cada 1 mil nascidos vivos. Além disso, entre 1996 e 2017, 827 mil vidas foram salvas.

A queda nos índices de cobertura vacinal, adverte o Unicef, tem sido porta de entrada para doenças que eram, até recentemente, consideradas erradicadas, como o sarampo. “Em 2016, a mortalidade infantil subiu pela primeira vez em mais de 20 anos e ainda não voltou aos patamares de 2015, acendendo um sinal de alerta. No total, 42 mil crianças menores de 5 anos ainda morrem por ano no Brasil”, informa o fundo da ONU no relatório.

A representante do Unicef no Brasil, Florence Bauer, afirma que o país deve consolidar os avanços já conquistados até agora, voltando a atenção para a primeira infância e a adolescência. “Os indicadores, em sua maioria, são piores no Nordeste e no Norte do país. E piores entre as populações indígena, parda e negra”, diz.

Florence exemplifica seu argumento comentando que não basta manter escolas, mas também garantir que todos possam chegar a elas, em especial as crianças em situação de vulnerabilidade social. “Por isso é que é preciso que as políticas, mais do que nunca, tenham um enfoque de equidade, não sendo suficiente dar as mesmas oportunidades para todos. O que a gente precisa é de políticas que permitam que qualquer criança e adolescente tenha acesso a essas mesmas oportunidades. Por exemplo, não é suficiente que uma escola exista, porque tem uma parte da população que tem que ir atrás, não vai ter oportunidade de chegar.”

A mandatária comenta que a contribuição da convenção consiste em fortalecer a noção de que os direitos das crianças e dos adolescentes são “inegociáveis e indissociáveis”. Única instituição citada nominalmente no tratado, o Unicef, relata Florence, tem conclamado os presidentes dos países signatários a “reafirmar o compromisso” com os princípios ali colocados.

Índice de violência

A alta incidência de homicídios de adolescentes é outro ponto abordado no documento. O Unicef destaca que, entre 1990 e 2007, o total de ocorrências dessa natureza mais do que dobrou.

“De 1996 a 2017, 191 mil crianças e adolescentes de 10 a 19 anos foram vítimas de homicídio”, informam os autores do relatório, acrescentando que, a cada dia, em média, 32 meninas e meninos nessa faixa de idade são assassinados.

Nos municípios paulistas, somente na década encerrada em 2017, destaca o documento do Unicef, 8.200 crianças e jovens nessa faixa etária foram assassinados. A taxa chegou a ser de 9,7 homicídios por 100 mil habitantes, há dois anos.

Imigrantes e saúde mental

Para o Unicef, outro ponto que deve integrar a agenda das autoridades preocupadas com a garantia dos direitos de crianças e adolescentes refere-se à acolhida de refugiados. Dos cerca de 200 mil venezuelanos que ingressaram no país até julho, 30% eram menores de idade.

O tema suicídio também figura no relatório do Unicef como uma das questões contemporâneas que requerem atenção. “Nos últimos 10 anos, os suicídios de crianças e adolescentes vêm aumentando no Brasil. Eles passaram de 714, em 2007, para 1.047, em 2017.

Página 1 de 22812345... 228Próximo