Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
17 fev 2016

Aedes aegypti: não há comprovação científica da eficácia dos repelentes caseiros

repelentes

Reprodução/Youtube

São muitas as receitas caseiras que chegam por aplicativos de mensagens, redes sociais e blogs prometendo resolver o problema de saúde pública chamado mosquito Aedes aegypti (vetor dos vírus da dengue, da febre chikungunya e da Zika), mas que não têm o aval dos cientistas. O infectologista Dalcy Albuquerque da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical reforça que a aprovação de repelentes pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é uma garantia oficial da segurança e eficácia do produto.

“A gente vive uma era de produtos orgânicos. Os pacientes têm duvidas e perguntam com frequência sobre os repelentes caseiros. Não posso dizer que funcionam e correr o risco do meu paciente pegar uma dessas doenças”, disse Albuquerque.

Depois do surto de Zika e da associação desta doença com o nascimento de bebês com microcefalia, a busca por formas de evitar a picada de mosquito virou uma grande preocupação em todo o país. Usuários das redes sociais espalham informações não comprovadas cientificamente sobre os benefícios da vitamina B12, própolis, citronela, cravo da índia, entre, além de outros truques para afastar o mosquito.

A recomendação da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde é que a população, principalmente mulheres grávidas, usem calças compridas, sapatos fechados, mangas compridas e coloquem telas nas janelas, especialmente em locais com maior incidência do mosquito.

O uso de repelentes aprovados pela Anvisa é outra recomendação das duas instituições de saúde. No entanto as recomendações dos rótulos devem ser seguidas. Segundo a Anvisa, estudos indicam que o uso tópico de repelentes, ou seja, direto na pele, à base de n,n-Dietil-meta-toluamida (DEET) por gestantes é seguro.

* Com informações da Agência Brasil

  • Carlos Francisco Lobato

    Em 17.02.2016

    Fonte o próprio autor: Carlos Francisco Lobato.
    E- mail. lobatonet@gmail.com
    Fone-(31) 3213-8215
    (31)98889-1229-Celular.
    o SORO ANTI – DENGUE,
    OU-zika vírus, da chikungunya.

    Libélula. Muito simples a cura da dengue só precisa alimentá-las com lavras do mosquito Aedes aegipti adormecida em recipiente…OU zika vírus, da chikungunya.
    com água misturada com sangue humano contaminado com á dengue Tipo C
    ou em outro recipiente com dengue tipo B hemorrágica… OU zika vírus, da chikungunya.

    Tirando o sangue da Libélula e seguindo o mesmo processo de fabricação do soro antiofídico. Libélula. Possui agentes Defensivos que elimina o vírus da DENGUE,
    OU-zika vírus, da chikungunya.

    CAVALOS: POSSUEM ALTAS TAXAS DE IMUNOLOGIA.

    DENGUE 1-
    FAÇA O REPELENTE DOS PESCADORES EM CASA:

    1/2 litro de álcool;- 1 pacote de cravo da Índia(10 Gr);- 1 vidro de óleo de corporal(100ml)
    Deixe o cravo curtindo no álcool uns 4 dias agitando, cedo e de tarde; depois coloque o óleo corporal (pode ser de nenê, amêndoas, camomila, erva-doce, Aloe vera).
    Passe só uma gota no braço e pernas e o mosquito foge do cômodo. O cravo espanta formigas da cozinha e dos eletrônicos, espanta as pulgas dos animais.
    O repelente evita que o mosquito sugue o sangue, assim, ele não consegue maturar os ovos e atrapalha a postura, vai diminuindo a proliferação. A comunidade toda tem de usar, como num mutirão.

    Não forneça sangue para o Aedes aegypti!

    Sobrevivente da dengue hemorrágica.

    .

Você deve estar logado para comentar.