Posts de Adriana Santos
01 jan 2020

Como o Mulungu me ajudou no controle do estresse

Imagem: Universidade Federal de Uberlândia

O mulungu (Erythrina velutina), também conhecido como canivete, bico-de-papagaio e corticeira, é uma planta típica da Caatinga, encontrada do Ceará, passando por Minas Gerais, Rio de Janeiro, até São Paulo. Além de muito linda, o mulungu é uma planta medicinal que nos ajuda no tratamento de problemas psicológicos relacionados ao estresse, depressão, agitação causada por Alzheimer, convulsão, palpitação, tensão muscular, hipertensão e fibromialgia. Tudo é aproveitado: flores, sementes, cascas e frutos podem ser utilizados no preparo de chás e tinturas.

Confesso que o mulungu foi o meu grande achado, em 2019. Prefiro as 20 gotas de tintura, antes de dormir, mas o chá, feito com as cascas da planta, também é uma boa pedida. Atualmente, não tomo medicamentos controlados para amenizar os sintomas da ansiedade. As gotinhas mágicas do mulungu são suficientes para relaxar e até garantir algumas horas de sono reparador.

A nutricionista vegetariana Mônica Vitorino explica que o mulungu apresenta vários benefícios em prol da nossa saúde emocional, em especial a casca da planta: “para o chá de mulungu, utilizamos as cascas na medida de 4 gramas (uma colher de sobremesa) para uma xícara de água fervente. As cascas devem ser fervidas por três minutos. O chá deve ser utilizado duas vezes ao dia em caso de ansiedade e uma vez, antes de dormir para insônia. Pode também ser usada a tintura e em cápsulas”.

Mônica alerta que o mulungu não deve ser consumido mais de três dias seguidos, porque o uso excessivo pode causar paralisia muscular e depressão do sistema nervoso central. “Quem usa medicamento anti-hipertensivo assim como quem sofre de pressão baixa, gestantes, lactentes devem evitar o uso”, conclui a nutricionista.

Mulungu na Universidade Federal de Uberlândia

“Atualmente, a mestranda Karina Cavallieri, orientada pelo professor e pesquisador Marcos Pivatto, do Programa de Pós-Graduação em Química da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), está concluindo um estudo que irá trazer mais informações sobre a planta e os compostos existentes na casca do tronco da árvore. O foco da pesquisa é a descoberta e o isolamento de novos compostos bioativos, ou seja, substâncias que possam ser úteis no tratamento de doenças, dentre elas, aquelas negligenciadas, como a malária”. Saiba mais AQUI

30 dez 2019

Oleaginosas: faça do consumo das famosas sementes de fim de ano um hábito para a vida!

Crédito: Freepik

As festas de fim de ano são marcadas pela união da família. Dezembro é o mês de confraternização e mesa farta de delícias irresistíveis. É aí que mora o perigo!  As refeições são repletas de alimentos que podem contribuir com o ganho de quilinhos indesejados, mas nem tudo está perdido. A boa notícia é que a ceia é uma boa oportunidade de consumir alimentos saudáveis, que muitas vezes são esquecidos durante o ano, como as incríveis oleaginosas: nozes, castanhas, avelãs, entre outras.

De acordo com o médico nutrólogo Guilherme Ferreira Mattos, as oleaginosas podem trazer vários benefícios para a saúde e esse período pode ser um pontapé inicial para incluí-las na rotina alimentar.  “Elas são ricas em fibras, gorduras boas, vitaminas e minerais. Também são versáteis e podem ser incluídas em receitas típicas de fim de ano, além no preparo de saladas, bolos, pães e biscoitos”, informa o especialista.

No entanto, segundo Mattos, é importante o bom senso e a quantidade ideal: “a melhor maneira de consumi-las é na versão in natura. As sementes sem sal são mais indicadas pelo teor reduzido de sódio. Infelizmente a maioria das pessoas já faz uma ingestão significativa de sal durante o dia, portanto, nada de exageros”.

Castanha do Pará é rica de selênio, um importante mineral que atua na inativação dos radicais livres; ativa os hormônios da tireoide; contribui para a desintoxicação do organismo e fortalece o sistema imunológico. Com isso, é uma forte aliada no combate aos efeitos do envelhecimento. O ideal é consumir duas unidades por dia. No entanto, uma ingestão de selênio acima do limite pode resultar em uma quantidade excessiva desse mineral no sangue, o que leva à condição tóxica chamada selenose.

Nozes:  são oleaginosas protetoras do cérebro devido ao teor de ômega 3. Elas evitam que os radicais livres ataquem os neurônios e previnem o envelhecimento cerebral. “Já existem evidências de que o consumo regular reduz o risco de doenças como Alzheimer e Parkinson, além de melhorar a memória. Entre as oleaginosas, é a que possui maior teor de vitamina E, importante para proteger os vasos sanguíneos e controlar a pressão arterial. O seu consumo é de quatro unidades por dia”, informa o nutrólogo.

Amêndoas:  apresentam baixo teor glicêmico, por isso, são menos calóricas e uma boa opção para quem procura controlar a quantidade de calorias consumidas, numa dieta mais restrita. Além disso, ajudam a controlar a saciedade. “Elas têm antioxidantes, gorduras monoinsaturadas, vitaminas E, B1 e minerais. É um alimento que protege o coração de doenças cardiovasculares e a recomendação é de até quatro unidades diárias”.

Avelã: é excelente no auxílio à redução do colesterol ruim (LDL) e elevação dos níveis do colesterol bom (HDL). “A avelã fornece o dobro das gorduras monoinsaturadas das castanhas de caju. Os benefícios já são obtidos com o consumo de cerca de 10 unidades diárias, mais ou menos, uma colher de sopa”.

Castanha de caju, por conter zinco em sua composição, é fundamental para prevenir casos de anemia. As gorduras poli-insaturadas dessa oleaginosa também ajudam a reduzir os níveis de LDL (colesterol ruim) e elevam as taxas de HDL (colesterol bom). “Ela contém o aminoácido arginina, que melhora o desempenho durante a prática de atividades físicas e a capacidade de recuperação no período pós-treino. Consumindo uma colher de sopa da castanha de caju já é possível obter 23% das necessidades diárias de zinco.”

Como as porções são relativamente pequenas, o médico explica que as oleaginosas podem compor os lanches entre as principais refeições.

30 dez 2019

Como escurecer os cabelos com pó de café

Arquivado em Beleza, cabelo, Comportamento

Já faz um tempo que abandonei as luzes no meu cabelo escuro. Hoje, tento manter a cor mais natural possível.  Como ainda tenho poucos fios brancos, posso optar pela tintura creme henna Surya (Castanho Escuro). O produto semipermanente é bem bacana, porque permite uma coloração mais natural e saudável de colorir os cabelos brancos ou tonalizar os fios. No entanto, o creme feito de henna não é tão barato assim. Custa em média 40 reais. Meus cabelos são lisos e compridos. Então, preciso de dois frascos para tingir o cabelo todo.

Para equilibrar os gastos com tinturas de cabelo, encontrei uma receitinha econômica: misturinha de café solúvel com creme de pentear. Amo tanto café que não me importo com o cheirinho que fica após a aplicação. Prefiro cheiro de café do que amônia.

A receita caseira ajuda ainda na hidratação e, também, no crescimento dos fios. O pó de café serve como um esfoliante capilar.  A hidratação com café ajuda a escurecer um pouco os cabelos e a disfarçar os brancos,  no entanto, o efeito é tipo Cinderela. Depois de três lavagens, o encanto acaba. A boa notícia é que a receita é inofensiva, não prejudica a saúde.

Receita (sugestão de medidas)

Prepare um café amargo e forte. Deixe esfriar. Você vai precisar de três colheres de sopa

Três colheres de sopa de pó de café  (café solúvel é mais forte)

Três colheres de sopa de creme de pentear.

Misture tudo.

Deixe agir nos cabelos por 60 minutos.

No chuveiro, faça uma massagem no couro cabeludo, antes de enxaguar os fios

Use shampoo e condicionador 

Página 9 de 239«1 ...5678910111213... 239Próximo