Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
05 set 2019

“Cada qual com sua mania o gosto não se discute”

Arquivado em Cidade, Comportamento

Não me considero uma pessoa com muitas manias. No entanto, deixo algumas pessoas constrangidas com alguns hábitos nada convencionais: converso sozinha em qualquer lugar (tento controlar); só tomo café amargo; medito até dentro do metrô; não gosto de cobrir os pés com cobertores ou mantas; não consigo sair de casa sem filtro solar; converso com os gatos do Parque Municipal de Belo Horizonte; não gosto de chinelos virados para baixo; amo escrever deitada na minha cama. Enfim, me considero uma pessoa razoavelmente normal, porque, definitivamente, “de perto ninguém é normal”.

Descobri ao ler um artigo que cita o  jornalista Greg Evans, do portal Indy 100, que fez uma seleção de fatos que revelam hábitos bem incomuns entre pensadores, algumas informações que me deixaram muito aliviada. O escritor Marcel Proust  escreveu grande parte da sua obra na cama, assim como Truman Capote, que afirmava sem nenhuma temor que “Não conseguia pensar a menos que estivesse deitado”. O mesmo acontecia com Descartes, que despachou muitas das suas reflexões a partir do seu leito de descanso. Confesso que me sinto muito confortável quando escrevo minhas postagens deitada na minha cama. Não estou sozinha.

Fiz uma pesquisa, via internet e “Guia dos Curiosos”, e descobri que até as grandes personalidades tinham algumas manias bem estranhas.

“Cada qual com sua mania
O gosto não se discute.
Artefatos, bestas, homens e mulheres
Cada um é como é
Cada um é cada qual
E se manda pela escada como quer ”

Cada Qual Com Sua Mania (part. Joan Manuel Serrat)
Caetano Veloso

Confira:

Honoré de Balzac

O novelista bebia cerca de 50 xícaras de café por dia, um consumo exagerado de cafeina. Ele chegou a trabalhar 48 horas seguidas, com apenas três horas de descanso, provavelmente, com auxílio da bebida.

JK

O café da manhã do presidente era reforçado: filé bem passado, leite, café, mel, pão e manteiga. Outra de suas manias era tirar os sapatos em qualquer reunião ou encontro em que estivesse sentado. Gostava de uísque. vinho e champanha rosé. Tinha o hábito de balançar as pedras de gelo no copo para ouvir o barulhinho.  JK  não gostava de comer numa mesa com menos de 10 pessoas.

Jânio Quadros 

Quando ainda era governador de São Paulo, em 1957, Jânio proibiu o rock em todos os bailes realizados no estado. Ao assumir a presidência, quatro anos depois, proibiu o uso de maiôs em concursos de beleza, biquínis nas praias, lança-perfumes, corridas de cavalo em dias úteis, brigas de galo e espetáculos de hipnose em locais públicos.

Tancredo Neves

O jornalista e astrólogo Getúlio Bittencourt previu, em 1985, que uma conjunção de Mercúrio com Netuno, às 15 horas do dia 15 de janeiro, levaria o então candidato a presidente da República Tancredo Neves a uma provável derrota no colégio eleitoral contra Paulo Maluf. O jornalista passou a informação para o deputado federal Thales Ramalho, aliado de Tancredo Neves. “Você acredita nessas coisas?”, perguntou o candidato. “No creo em brujas, mas nessas horas é preciso ter cuidado com tudo”, respondeu Ramalho. Prevenido, Tancredo determinou a antecipação das eleições para as 10 da manhã.

Chico Xavier

Chico colecionava imagens de santos católicos e sentia um certo fetiche por jovens falecidos. Ele ainda tinha outra mania: considerava o Brasil como nação mais poderosa do mundo. Daí que, desde as primeiras obras, botando tudo nos nomes de Humberto de Campos, Olavo Bilac e outros, mas eventualmente defendendo ele mesmo a causa, a do “Coração do Mundo e da Pátria do Evangelho”.

Itamar Franco

Desde jovem, ele usava um pente de plástico  amarronzado, com o qual jogava os cabelos para trás. Com as mãos espalmadas, assentava toda a parte lateral, bem sobre as orelhas. O ritual, aos poucos, dava forma para um topete que parecia crescer a cada ano, assim como ganhava notoriedade a fama de galanteador e de político com manias incomuns, desprovido de pompa e sem disfarces na hora de levar a vida pessoal sem se preocupar com o exercício de poder. Leia a reportagem na íntegra: AQUI

Pitágoras

Pitágoras é reconhecido como um dos fundadores do vegetarianismo. Além de não comer alimentos de origem animal, ele impedia seus seguidores e aprendizes de comê-los ou sequer tocá-los.

Nikola Tesla

O enigmático físico sérvio-americano Nikola Tesla tinha o estranho hábito de apertar os próprios dedões do pé 100 vezes cada toda noite, segundo o escritor Marc Seifer. Segundo o inventor, o exercício ajudava a estimular suas células cerebrais.

Friedrich Nietzsche

Reconhecido como um dos filósofos mais importantes, Nietzsche teria feito todos os seus trabalhos publicados de pé e, aqueles que não fez, censurou.

Você deve estar logado para comentar.