Categoria "acolhimento"
01 fev 2019

Vamos conversar sobre relação médico-paciente?

medico2

Quando voltamos um pouquinho no tempo, temos a sensação que a relação entre o médico, o paciente e os seus familiares tinha bases mais sólidas, contribuindo para o sucesso do tratamento oferecido pelo profissional. Infelizmente, aquele médico da família, que acompanhava todos os seus integrantes ao longo da vida, não existe mais. Talvez alguns profissionais mais antigos e resistentes aos modismos de cada época ainda consigam estabelecer relações afetivas duradouras com seus pacientes.

Uma das hipótese para o “esfriamento” da relação médico-paciente seja o avanço da tecnologia dura, que proporciona notáveis benefícios ao diagnóstico precoce de várias doenças, salvando vidas. No entanto, ao mesmo tempo, as máquinas que promovem o prolongamento da vida distanciam as relações entre profissionais de saúde e pacientes ávidos por uma atenção diferenciada. Será? São hipóteses. Inclusive, estou pesquisando sobre o assunto, por meio de uma pesquisa online. Se puder me ajudar, acesse AQUI.

livroEntrevistei o coloproctologista e curador do Centro de Memória da Faculdade Ciências Médicas, Geraldo Magela Gomes da Cruz.  Ele também é autor do livro “Câncer no reto: meu paciente e eu”.  “O livro relata a história de dez pacientes (todos já faleceram) que me marcaram muito e foram exaustivamente discutidos no Ciclo Psicanalítico de Minas Gerais”, esclarece.

Sobretudo nas décadas de 60 e 70 os cânceres retais baixos e mesmo de reto médio (alcançados pelo toque retal) eram operados sem muita tecnologia. Diagnosticado o câncer retal baixo ou médio o paciente era submetido a uma cirurgia altamente mutiladora, levando o paciente, com frequência, a impotência sexual e bexiga neurogênica (ora retenção ora incontinência urinária).

Em seu desespero, o paciente procurava respostas e ajuda do médico, que quase sempre se resumiam a palavras rápidas de consolo e encaminhamento ao oncologista (na década de 60 e 70 estava iniciando a especialidade). E, em seu desespero, o médico se sentia impotente para lidar e ajudar o paciente. Tratava de “se livrar dele”, encaminhando-o ao psiquiatra, ao clínico, que também não tinham a menor ideia de como ajudar. O médico já entrava em pânico quando via o paciente amputado na sala de espera do consultório. Como tudo era empírico, as mentiras ficavam soltas: “a colostomia vai ser revertida quando seus eosinófilos atingissem 50% no sangue circulante”, dentre outras tantas. Hoje, com o Google, isto não seria possível, porque o paciente veria que o normal no sangue circulante é 3%, e, excepcionalmente atinge 10 ou 15% em estados alérgicos e imunológicos especiais.

“Esta situação passou a me incomodar de forma cada vez mais marcante. Primeiro porque, na verdade, trocava uma doença (câncer) por outras insuportáveis (colostomia, ausência de ânus, etc); e em segundo lugar porque não tinha condições de dar ao paciente algo em troca da mutilação que nele fizera. Sentia-me devedor”, conclui o curador.

Adriana Santos:  Qual a importância do aprimoramento das técnicas de comunicação por parte dos médicos no atendimento clínico, principalmente com a proliferação das redes sociais?

Geraldo Magela: Independentemente de ser médico e de estar atendendo, é importante dominar a relação com a mídia e entender sobre as redes sociais, porque já é parte da nossa vida. Se você não integra no meio midiático, você está alijado do convívio social. No que se refere ao atendimento ao paciente, ele hoje em dia não suporta esperar por uma resposta do médico. Ele quer uma resposta para suas dúvidas ou alívio para sua dor agora! Perdemos a noção de tempo e de espaço: todos estamos ligados instantaneamente e independente de onde estejamos. Parece que o médico está presente e disponível o tempo todo! Por isso, é importante aprimorar e saber usar os métodos de comunicação, se não vai estar fadado a permanecer desatualizado e alheio às tendências.

Na sua opinião, por que que muitos médicos têm dificuldades em estabelecer vínculos com seus pacientes?

Esta dificuldade pode vir de dois lados, o primeiro lado é da própria formação dos médicos enquanto seres humanos que são: como seu sistema neuropsicogênico foi formado pelo desejo e condução de seus cuidadores. Os médicos não tiveram infâncias iguais e sabemos que esta fase do ser humano marca todo seu futuro em relação com o outro (no caso o paciente é o outro). Em segundo lugar, porque não encontra motivação: falta de reconhecimento pelo trabalho, baixa remuneração, condições de trabalho precárias, a insatisfação com honorários pagos pelo SUS e pelos convênios.

Como a comunicação pode ajudar os médicos a recuperar o vínculo perdido com seus pacientes?

Se a comunicação for midiática, eu acredito que nunca. Se o médico não consegue manter uma boa relação médico-paciente na presença dele, na ausência, por meio de um site de relacionamento, por áudios, vídeos e imagens, jamais conseguirá. Repito: relação médico-paciente é um caso de amor, de respeito, de compreensão. Tem que haver a presença. Há um mal necessário: a interposição de SUS e planos de saúde entre o médico e o paciente. Digo “mal necessário” porque a medicina está caríssima e acima do poder aquisitivo da grande maioria dos brasileiros.

O que é humanização no atendimento médico na sua opinião?

Para mim, humanização no atendimento médico é o médico agir de tal forma com o paciente, que mesmo no meio de 20 outros pacientes na sala de espera cada um tenha certeza de que ele é o mais importante. Para isto o médico tem que estar satisfeito com o retorno de sua profissão. Esta resposta é uma resposta singela de um médico! Esta mesma pergunta terá respostas diferentes se formuladas para o Ministério de Saúde, para o SUS e para os planos de saúde.

Você acredita que as redes sociais podem aproximar médicos e pacientes?

Pode, mas é uma aproximação muito superficial. Não é uma aproximação de contato. E pode acontecer o oposto: afastar, em decorrência da superficialidade do contato. Eu não acho que é a rede social que vai aproximar. A rede social vai facilitar a relação, em tempo (imediatamente) e espaço (seja lá onde o médico estiver). O paciente que está com dor não pode esperar um médico atender um telefone fixo 3 ou 4 horas depois, é preciso que ele atenda o Whatsapp ou SMS e na hora dê uma solução orientação.

Quais os cuidados que os médicos devem ter na hora de usar as redes sociais?

Muito cuidado. Todo cuidado é pouco! Como coloproctologista já recebi imagens de clientes mostrando-me hemorroidas edemaciadas ou trombosadas, perguntando-me o que fazer. Imagine se tais coisas vazem. Algumas especialidades são potencialmente mais vulneráveis, como a minha, a ginecologia, a urologia, a andrologia, a obstetrícia. São imagens enviadas por pacientes pela por mídia eletrônica. Mas, há o perigo também para o médico: ser vítima de divulgação de áudio e vídeo sem anuência dele! Então, é necessário muito cuidado porque você não sabe quem vai acessar e quem vai mostrar o que foi escrito, ou que foi fotografado.

As redes sociais podem ajudar na humanização do atendimento médico?

Nunca! As redes sociais podem é facilitar, tornar o atendimento não presencial mais rápido, substituir a relação direta médico-paciente. Mas, não melhorar e humanizar. Humanizar inclui estar presente, é o paciente sentir a mão do médico em seu ombro, sentir o apoio. Todos os sentidos têm que estar envolvidos na presença do paciente: o olhar, a escuta o contato físico. Até os jeitos e trejeitos do paciente podem ser úteis na relação médico-paciente. A relação médico-paciente é um ato de amor: não pode ser virtual. Tem que ser presencial. Um vídeo, um áudio ou mensagens do google não podem substituir a presença dos dois.

23 jan 2019

Por que a relação médico-paciente parece tão distante?

Google

Google

Olá amigo! Olá amiga! Preciso de uma forcinha amiga! É simples e rápido! É só você preencher um pequeno questionário digital. O objetivo é nortear a produção de um artigo jornalístico sobre a relação médico-paciente. AQUI

Quando voltamos um pouquinho no tempo, temos a sensação que a relação entre o médico, o paciente e os seus familiares tinha bases mais sólidas, contribuindo para o sucesso do tratamento oferecido pelo profissional. Infelizmente, aquele médico da família, que acompanhava todos os seus integrantes ao longo da vida, não existe mais. Talvez alguns profissionais mais antigos e resistentes aos modismos de cada época ainda consigam estabelecer relações afetivas duradouras com seus pacientes.

Uma das hipótese para o “esfriamento” da relação médico-paciente seja o avanço da tecnologia dura, que proporciona notáveis benefícios ao diagnóstico precoce de várias doenças, salvando vidas. No entanto, ao mesmo tempo, as máquinas que promovem o prolongamento da vida distanciam as relações entre profissionais de saúde e pacientes ávidos por uma atenção diferenciada. Você concorda?

Gostaria de contar com a sua colaboração voluntária. Se puder compartilhar com os amigos, agradeço!

Gratidão,

Adriana Santos

Acesse o questionário RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE

04 jul 2018

FAB realiza quarta etapa da interiorização dos imigrantes venezuelanos

fab4

Fonte: Ala 7, DIRAP e CINDACTA II 

Eram 08h35 (horário local) da manhã da última terça-feira (03/07), quando a aeronave Boeing 767 do Esquadrão Corsário (2°/2° GT) decolou de Boa Vista (RR) com destino a Recife (PE) e Rio de Janeiro (RJ), levando a bordo mais de 160 venezuelanos que viviam na capital roraimense. A missão fez parte do processo de interiorização da Operação Acolhida.

Os 115 imigrantes cujo destino era Recife foram distribuídos para as cidades de Igarassu (PE) e Conde (PB). Equipes do Exército Brasileiro, da Força Aérea Brasileira (FAB) e da Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude do Estado de Pernambuco organizaram a infraestrutura necessária para esse acolhimento emergencial. Segundo o Secretário da pasta, Cloves Benevides, toda ação é uma política do Governo Federal com os comitês de saúde, com os Ministérios da Justiça e do Desenvolvimento Social, em articulação com organismos internacionais. “Ao chegarem nas cidades, a pretensão é inseri-los no mercado de trabalho e na educação. Por isso, a Secretaria de Desenvolvimento Social do Município, as secretarias de educação, somadas com esforços do próprio Governo do Estado irão procurar construir as alternativas e, a partir de agora, começa uma nova operação entre os órgãos do Município, do Estado e do Governo Federal”, ressaltou o secrerário.

Para os venezuelanos que desembarcaram na cidade, a expectativa é de uma vida melhor. “Espero que meus filhos tenham educação aqui no Brasil e que eu possa dar melhores condições à minha família que ficou na Venezuela”, disse Virginia Marque, que veio ao país com três filhos pequenos.

O Prefeito de Igarassu (PE), Mário Ricardo, esteve presente na recepção aos imigrantes. “A expectativa em recebê-los é grande e há uma preocupação em fazer a integração dessas pessoas, que vêm de um outro local completamente diferente do nosso. Mas estamos preparados para acolhê-los: são nossos vizinhos e irmãos”, disse.

Após o pouso em Recife, o avião da FAB seguiu viagem com os demais venezuelanos para a capital fluminense, onde pousou às 18h05 nas dependências da Ala 11. Esta será a primeira vez que essas três cidades recebem os voluntários da interiorização. Ao todo, já foram interiorizadas quase 530 pessoas para as cidades de São Paulo (SP), Cuiabá (MT) e Manaus (AM).

Elisa Lafon chegou ao Rio, acompanhada pelo filho mais velho, de 19 anos, cheia de expectativas. “Estou há sete meses em Boa Vista, fiquei os primeiros quatro morando na rua. Consegui trabalhos como diarista pra ganhar R$ 300,00 por mês, mas meu filho não conseguiu nada. Lá não tem oportunidade para os homens”, conta a mãe e professora de Biologia, que deixou o marido e três filhos na Venezuela, e ainda tem uma filha que migrou para o Panamá em busca de uma vida melhor. “Agradeço ao governo brasileiro e à ONU, estamos sendo muito bem cuidados. Tenho esperança de conseguir emprego aqui no Rio e oportunidade para trazer minha família”, comenta.

Paulo Sergio de Almeida, representante da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que apoiou o desembarque no Rio de Janeiro (RJ), explicou que a cidade, embora esteja recebendo imigrantes venezuelanos pela primeira vez, já recepcionou pessoas provenientes da Síria e do Congo. “Conforme a existência de locais para acomodar essas famílias e uma rede de apoio, é feita a escolha das cidades. Cada abrigo tem um perfil de pessoas que pode acomodar, este, por exemplo, ajudará a muitas famílias com crianças”, disse.

Voluntário para o processo de interiorização, Eduardo José Medrano, que embarcou com sua esposa e três filhos, disse que veio ao Brasil em busca de novas oportunidades e de um recomeço na vida da sua família. “Quero trabalhar e dar uma melhor condição de vida para minha família. Fui muito bem tratado no abrigo e espero retribuir de alguma forma a acolhida brasileira. Sonho com ensino de qualidade para meus filhos e um emprego digno”, contou, emocionado.

Missão gratificante

Um dos pilotos da aeronave, o Major Aviador Marcos Fassarela Olivieri, considera a missão gratificante. Segundo ele, a tripulação do Boeing 767 se sentiu realizada por ajudar, em um só voo, dezenas de pessoas. “A expressão de contentamento no rosto de homens, mulheres e crianças é também um reconforto aos militares envolvidos na missão”, disse. Outro piloto, o Tenente Edgard Gomes Almeida, concorda. “Essa missão é muito importante para nós, uma vez que fazemos parte de uma ação que contribui para dar um pouco mais dignidade para essas pessoas que estão precisando da nossa ajuda”, relatou o oficial.

Na oportunidade, o Esquadrão Corsário também realizou o transporte de mais de 50 militares da FAB e do Exército Brasileiro que participaram da Operação Acolhida para seus locais de origem, concluindo mais uma etapa do processo de substituição do efetivo.

Por mais de 60 dias corridos, o Tenente Intendente Guilherme Teixeira Alcântara, da FAB, esteve à frente do efetivo que produz, diariamente, 4.500 refeições para os abrigos de venezuelanos em Boa Vista. Ele relata que, em sua primeira missão operacional fora de sede, retorna para casa com o sentimento de dever cumprido e com o pensamento de que seu trabalho, de alguma forma, serviu para dar mais conforto aos imigrantes.

“Nossa equipe volta para casa com bastante orgulho de poder ter ajudado essas pessoas que passam por bastante dificuldade, de uma forma que está ao nosso alcance, de uma maneira que a gente gosta, sanando uma das necessidades básicas do ser humano que é a alimentação”, disse o Tenente Alcântara.

Interiorização dos imigrantes

Desde março desse ano, a Operação Acolhida busca reduzir os impactos da migração venezuelana no Estado de Roraima, por meio de um esforço conjunto de diversos ministérios, Forças Armadas, instituições federais, estaduais municipais e conta, ainda, com apoio de agências da ONU como a Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Agência das Nações Unidas para as Migrações (OIM) e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), além das ONGs de ajuda humanitária. De acordo com números da Polícia Federal, cerca de 110 mil venezuelanos cruzaram a fronteira entre os países entre 2017 e 2018 e mais de 50 mil vivem na capital.

Uma das vias dessa Operação é o processo de interiorização dos venezuelanos pelo território nacional. Sob coordenação da Casa Civil, da OIM (órgão da ONU com experiência mundial em realocação geográfica de grandes efetivos populacionais), os imigrantes voluntários passam por uma sessão de orientação sobre o processo de interiorização e as cidades de destino, realizam exame de saúde, são imunizados, abrigados na cidade de destino e acompanhados nos abrigos.

*Com a colaboração de Tenente Ranyer (Ala 7), Tenente Bianca (CINDACTA III) e Tenente Paola (DIRAP)

Fotos: Sargento Rocha/Ala 11; Sargento Neves/Ala 7; Sargento Jairo/CINDACTA III

Página 6 de 812345678