Categoria "Animais"
02 fev 2019

Leishmaniose visceral canina: sacrificar é a solução?

como-pega-leishmaniose_-1

 

Por Adriana Santos para MEU GUIA PET

Quanto vale a vida de um ser amado? O que você faria para salvar a vida do seu melhor amigo, seja humano ou não humano? Você concordaria que o poder público decidisse executar as pessoas que estão seriamente doentes? Certamente, a grande maioria reuniria todas as forças possíveis para manter um ente querido com saúde e feliz. São pessoas que valorizam a vida, independentemente da espécie. A cada dia, reconhecemos o espaço afetivo dos animais em nossas vidas e lutamos pelo bem estar deles.

No entanto, o poder público ainda tem dificuldades de valorizar a vida animal, quando, aparentemente, a vida humana corre algum tipo de risco, como é o caso das medidas de controle da leishmaniose visceral canina (LVC) – uma doença infecto contagiosa, causada pelo parasita Leishmania chagasi.

No ambiente urbano, os cães são os principais hospedeiros e vítimas, aumentando o risco de transmissão aos seres humanos. A doença é uma zoonose de evolução crônica, com acometimento sistêmico e, se não tratada, pode levar a morte até 90% dos casos. Você acredita que o sacrifício de animais é a melhor opção de controle da LVC?

No Brasil, há ampla discussão em torno da opção por medidas repressivas, como o extermínio animal, desconsiderando ações preventivas, como o saneamento, o enfrentamento da proliferação do mosquito transmissor e programas de educação e conscientização ambiental. Uma extensa bibliografia científica mostra que o animal soropositivo para LVC, adequadamente tratado, sob supervisão de médico veterinário e protegido pelas medidas de prevenção, não apresenta protozoários na pele, não podendo, portanto, ser considerado infectante para o inseto transmissor, podendo conviver com seres humanos e outros animais.

Um artigo questionando a eutanásia em cães com leishmaniose visceral foi lançado pelo pesquisador do Icict/Fiocruz (RJ), Carlos Saldanha, juntamente com os pesquisadores Érica Gaspar Silva, da Uerj, e Rodrigo Vilani, da UniRio – “O uso de um instrumento de política de saúde pública controverso: a eutanásia de cães contaminados por leishmaniose no Brasil”. No texto, os pesquisadores levantam questionamentos, tomando por base “evidências científicas atuais e análises do ordenamento jurídico brasileiro, realizadas a partir do princípio da precaução e do reconhecimento dos animais como seres sencientes”.

Para Carlos Saldanha, duas questões motivaram os pesquisadores a escreverem o artigo: “A primeira, de caráter geral, está relacionada à atuação da Administração Pública de forma fragmentária, imediatista e sem a observação de evidências científicas. Esta medida está longe de se apresentar como solução e demonstra a ausência de uma perspectiva holística das mazelas sociais e urbanas no Brasil.

Um dos argumentos utilizados no artigo é o arcabouço legal que põe em xeque a legislação da Anvisa, citando inclusive uma decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais que deliberou “ainda que existente exame positivo para Leishmaniose Visceral Canina, a verificação da real condição do cão, ainda que urgente deve ser apurada antes da determinação da medida extrema de sacrifício do animal” (Minas Gerais, 2013).

Uso do Milteforan

O documento com perguntas e respostas sobre a Leishmaniose Visceral Canina (LVC) foi atualizado, em outubro de 2017, pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CNSPV/CFMV). A atualização foi feita levando em conta a autorização do registro do produto Milteforan, indicado para o tratamento da LVC, junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

No documento, a comissão esclarece a permissão do uso do Milteforan no tratamento individual de cães com diagnóstico laboratorial confirmado para Leishmaniose. Também aponta que o registro do fármaco não inviabiliza o cumprimento da Portaria Interministerial nº 1426/2008 e que continua proibido o tratamento da LVC em cães infectados ou doentes, com produtos de uso humano ou não registrados no Mapa.

O documento ressalta ainda que o produto não provoca a cura parasitológica para a doença e sim que alguns estudos demonstram, com seu uso, o declínio da carga parasitária e a redução do potencial de infecção e transmissibilidade da doença.

Em relação ao sacrifício, a Assessoria de Comunicação do Conselho Federal de Medicina Veterinária informa que somente os cães positivos que estiverem em tratamento exclusivamente com o Milteforan não precisarão ser submetidos à eutanásia. No entanto, o responsável pelo cão com LVC deverá apresentar ao profissional de saúde que visitar sua residência, um atestado médico emitido pelo médico veterinário regularmente inscrito no Conselho Regional de Medicina Veterinária. “Este atestado deve constar as informações de tratamento do animal acompanhado do resultado de sorologia realizada nos últimos 04 meses. Em qualquer outro caso, o CFMV apoia as medidas de controle preconizadas pelos serviços de saúde, que, como dito, devem ser implantadas de forma integrada. Ainda, os métodos para o controle do reservatório canino devem obedecer às Resoluções de bioética e bem-estar animal”.

O Conselho informa ainda que é contra a eutanásia indiscriminada de cães sadios ou falso-positivos, contra o sofrimento animal, contra os métodos não autorizados e/ou realizados por pessoas que não tenham a formação em medicina veterinária, contra o abandono animal, contra a propriedade/posse/guarda irresponsável, contra o comércio ilegal de medicamentos e insumos veterinários e contra a falta de iniciativa do governo em encontrar e padronizar medidas para minimizar o impacto da problemática da LVC na população de cães no país, de forma ética e efetiva.

A eutanásia é, geralmente, uma forma mais prática e rápida para o poder público de tentar solucionar a questão, mas antes de se pensar nela, é necessário mudanças ambientais significativas sejam feitas sobre determinadas regras, como saneamento básico. A profilaxia é a melhor opção, com uso de inseticida, coleiras nos animais em regiões endêmicas e orientação à população para cuidar do seu entorno, evitando focos do mosquito

Prevenção. Informações do Ministério da Saúde

A prevenção ocorre por meio do combate ao inseto transmissor. É possível mantê-lo longe, especialmente com o apoio da população, no que diz respeito à higiene ambiental. Essa limpeza deve ser feita por meio de:

* Limpeza periódica dos quintais, retirada da matéria orgânica em decomposição (folhas, frutos, fezes de animais e outros entulhos que favoreçam a umidade do solo, locais onde os mosquitos se desenvolvem);

* Destino adequado do lixo orgânico, a fim de impedir o desenvolvimento das larvas dos mosquitos;

* Limpeza dos abrigos de animais domésticos, além da manutenção de animais domésticos distantes do domicílio, especialmente durante a noite, a fim de reduzir a atração dos flebotomíneos para dentro do domicílio.

* Uso de inseticida (aplicado nas paredes de domicílios e abrigos de animais). No entanto, a indicação é apenas para as áreas com elevado número de casos, como municípios de transmissão intensa (média de casos humanos dos últimos 3 anos acima de 4,4), moderada (média de casos humanos dos últimos 3 anos acima de 2,4) ou em surto de leishmaniose visceral.

27 jan 2019

Vlog: Instituições ambientais também devem priorizar o regate animal

Foto: Adriano Machado/EM

Foto: Adriano Machado/EM

Desde a tarde de sexta-feira (25/01), pouco depois do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, veterinários voluntários estão em Brumadinho aguardando liberação do Corpo de Bombeiros para tentar salvar animais atingidos pelo derramamento de rejeitos. Fiz uma reflexão sobre o assunto. Na minha opinião, as instituições envolvidas em tragédias ambientais devem priorizar o resgate de qualquer ser vivo, seja humano ou não humano, por meio de estratégias de salvamento. Confira:

31 dez 2018

Cenas urbanas: os adoráveis gatos do Parque Municipal de BH conquistaram meu coração

gato2

O ano de 2018 não foi fácil para mim. Foram muitas inquietudes, provações e batalhas, além de presenciar momentos difíceis na política brasileira. No entanto, o “Ano Velho” deixou algo especial na minha vida: o hábito saudável de caminhar, praticamente todos os dias, em um dos locais mais exuberantes da capital mineira, o Parque Municipal de Belo Horizonte. É o patrimônio ambiental mais antigo de BH e foi projetado no final do século XIX pela comissão construtora encarregada de planejar a nova capital de Minas Gerais. Possui uma área de 182 mil metros quadrados de extensa vegetação. Abriga o Teatro Francisco Nunes, Orquidário, um pequeno parque de diversões e a parte dos fundos do Palácio das Artes. Foi lá que encontrei o principal motivo de sempre voltar: a amizade. Fiz vários amigos especiais, entre moradores de rua, gatos e cuidadores de felinos. É muito amor, minha gente!

Nunca imaginei sentir tanto afeto pelos gatinhos… Sempre fui mãe de cachorro. Acreditei até em possuir um temperamento canino. Com relação aos felinos, só tinha olhos voltados para a onça-pintada, o jaguar (onça-pintada), o maior das Américas.  Agora, me vejo rodeada de gatos. Dois, em especial, me adotaram! É incrível! Nem preciso levar petiscos para atraí-los. Para falar a verdade, hoje foi a primeira vez que comprei um pacotinho de biscoitos para gatos. Não vejo a hora de agradar meus amores!

É impossível ficar indiferente diante dos gatos do Parque Municipal de BH. Por isso, sempre há no local voluntários dispostos a contribuir com o bem estar dos adoráveis bichinhos. Os moradores de rua, que frequentam o parque, estão sempre atentos e sabem informar o paradeiro de cada um. A Prefeitura é responsável por castrá-los e vaciná-los. Só não consigo aceitar o corte nas orelhinhas para identificá-los, mas minha indignação é pauta para outra postagem. Preciso investigar melhor os motivos de tal decisão. Nada de julgamentos, sem argumentos, né?

Bastet,Os gatos fazem história. No antigo Egito, eles ajudaram os governantes a controlar os ratos que infestavam a região, destruindo as colheitas de grãos e cereais, além de espalharem doenças. Por isso, os egípcios dedicavam rituais de veneração aos gatos, como por exemplo, costumavam raspar as sobrancelhas em sinal de luto quando um bichinho de estimação morria. As mulheres acreditavam que os bichanos representavam a beleza. Elas pintavam os olhos na tentativa de conseguir imitar o olhar felino. Os gatos tinham direitos aos ritos fúnebres, sendo embalsamados e sepultados. No século XIX, arqueólogos descobriram mais de 300 mil múmias de gatos num cemitério em Tall Bastah, cidade no delta do rio Nilo onde ficava o principal templo da deusa Bastet, representante do amor materno e trazia proteção aos lares.

Maneki-Neko-JapaoOs japoneses também são conhecidos pelo amor aos gatos. Em 22 de fevereiro é comemorado o Neko no Hi, o Dia do Gato no Japão.

Já o Maneki Neko, que significa “gato acenando”, é o gato da sorte japonês. A figura feita de cerâmica também tem um dia comemorativo (29/09). Apesar de ser originalmente branco, ao longo do tempo, o gato japonês passou a ser comercializado nas mais variadas cores, sendo a cada uma delas atribuído um significado diferente.

Significado das Cores do Maneki Neko. Confira:

• Maneki Neko Branco: Traz sorte e felicidade
• Maneki Neko Preto: Afasta os maus espíritos e protege de doenças
• Maneki Neko Dourado: Traz Riqueza e Prosperidade
• Maneki Neko Prateado: Traz saúde e longevidade
• Maneki Neko Rosa: Sucesso no amor e nos negócios
• Maneki Neko Verde: Traz sucesso acadêmico e profissional
• Maneki Neko Amarelo: Traz boas amizades e relacionamentos
• Maneki Neko Vermelho: Protege contra os espíritos malignos e doenças
• Maneki Neko Azul: Ajuda a realizar os sonhos.

gato flor 2

Quando estava brincando com meu amiguinho, recebi das mãos de um morador de rua uma rosa artesanal feita por ele. Que emoção! São pequenos gestos que fazem toda diferença. Gratidão, amigo! Que 2019 seja de muito amor.

gato flor

 

Página 4 de 241 ...12345678... 24Próximo