Categoria "Comportamento"
07 maio 2019

O amor incondicional de uma mãe é a bússola de todas as relações

Arquivado em Comportamento

maecaio

A maternidade não é uma etapa na vida de uma mulher, mas um processo desafiador do desenvolvimento humano. Somos co-responsáveis por uma vida. Ninguém nasce sabendo todos os códigos de um bom relacionamento entre mães e filhos. Somos aprendizes de um mundo muitas vezes caótico. No entanto, o amor incondicional de uma mãe é a bússola de todas as relações. E as mães amam demais.

Sou mãe de um adolescente lindo de 17 anos. Confesso que a maternidade é um exercício diário de sabedoria. E quanto mais sabedoria, mais humildade e menos conflitos. O problema é domar o coração aflito de uma mãe. É difícil não cair na tentação da superproteção materna. Somos latinas de sangue quente. Quanto o assunto é a felicidade dos nossos filhos, nos transformamos em onças-pintadas prontas para atacar qualquer um que diga o contrário.

As mães são adoráveis, mas nem tanto… Somos mulheres comuns e cheias de sonhos, muitas vezes incompatíveis com a maternidade “ideal”. Mas o que é ser uma verdadeira mãe? Existe a mãe perfeita?

Conversei com a psicóloga Paula Ramos Pimenta, professora do curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, sobre os desafios da maternidade. Confira:

Adriana Santos: A maternidade perfeita é um mito?

Paula Pimenta: Sim, é um mito. É impossível dizer de perfeição no que se refere às relações humanas. Mesmo que a mulher já tenha passado pela experiência de ser mãe (e imperfeita, claro), o novo filho que chega é sempre “inédito”, com temperamento e personalidades próprios, e que vai interpretar de um modo bem singular o que vem da mãe ( ou do pai ou dos demais à sua volta). Ou seja, não há previsibilidade, mas sim descobertas no momento mesmo do exercício da maternidade.

Houve uma autora em psicologia, Melanie Klein, que dizia da “mãe boa”; na mesma época, um pediatra que se interessou pelo assunto, Winnicott, afirmou não existirem mães boas, apenas as “suficientemente boas”, demarcando a incompletude do exercício da maternidade, ao lado das boas intenções e dos acertos das ações e das interpretações do que se passa com o filho.

Ultimamente, varias mães aproveitam as redes sociais para desabafar com relação às angústias da maternidade. O que a sociedade atual espera das mães?

Um certo nicho da sociedade, esse que trata do sucesso em qualquer área de atuação do sujeito, sob a concepção neoliberal que dá ênfase às ações individuais e suas consequências, pode vir a causar uma pressão nas mulheres que se tornam mães, que acreditariam na maternidade perfeita ou quase.

Mas garanto que todas as mulheres que são mães sabem, no fundo, que isso não existe.

Quais as vantagens e desvantagens emocionais de uma maternidade “tardia”?

As vantagens seriam um desejo grande de ter filhos, que supostamente a levou a tê-los em idade não tão comum, o que propicia um investimento afetivo genuíno nessa relação.

As desvantagens podem ser pensadas como consequência da vantagem: o risco de uma postura de superproteção, avançando sobre e tolhendo a individualidade e a autonomia do filho. Outra desvantagem é a indisponibilidade física que a idade mais adiantada comporta.

Na sua avaliação, é mais fácil ser mãe nos tempos atuais?

Nunca é fácil ser mãe, em nenhum tempo. Mas os tempos atuais trazem situações desestabilizadoras ao exercício da maternidade, porque novas. Gerenciar o uso dos tablets por parte dos filhos tem sido uma questão para as mães; elas se perguntam até que ponto ele pode ser nocivo e não um auxílio ao desenvolvimento.

Ainda no campo dos eletrônicos, os grupos de mães do WatsApp também se mostram com aspectos bons e ruins. Enquanto permitem a troca de experiências com as soluções que cada uma foi encontrando para as diversas situações que surgem, e que podem servir à outra, são positivos. Mas a diversidade de experiências e de conselhos do tipo “faça assim”, leva às mães à exasperação e ao sentimento de incapacidade, ao perceber que não está conseguindo solucionar seu problema (qualquer que seja ele) e as demais conseguem.

Sob essa via, os grupos de WatsApp de mães devem ser usados com parcimônia e com senso crítico. Porque uma mãe deve, sempre, acreditar na sua intuição (que é um saber que não se sabia que tinha) para se guiar no trato com os filhos, e não ficar perdida dentre o saber das outras (que serviu a elas, mas pode não ser o melhor para a primeira mãe).

Quais as principais angústias de mães, conforme a faixa etária do filho: bebê, criança, adolescente e adulto?

Este é o assunto de um curso inteiro que dou, portanto serei bem sucinta:

Com o bebê, a sua sobrevivência. Ler os sinais que demonstra, saber cuidar das doenças sem se desesperar.

Com a criança, a pergunta sobre o que fazer, quais escolhas ter para lhe dar um desenvolvimento pleno e feliz.

Com o adolescente, conseguir estar a seu lado para acompanhá-lo nos caminhos que vai descobrindo por meio de sua autonomia, sem, no entanto, atravancá-lo nessa descoberta, permitindo-lhe “ir”.

Com o adulto, o olhar de respeito e de preocupação sobre as responsabilidades que o filho passa a ter e que deve conseguir manter e encaminhá-las bem.

Mãe é padecer no paraíso?

Sim. É a felicidade de gerar e cuidar de uma nova vida (o paraíso) que lhe encanta a cada dia, ao lado das dúvidas e dificuldades que o cotidiano desse cuidado apresenta (o padecimento).

Por que mãe não relaxa nunca?

Porque ela toma pra si a responsabilidade pelos cuidados dessa vida que ela pôs no mundo. Mas tem aquelas que relaxam mais que outras.

Como evitar a superproteção com relação aos filhos?

Saber que, apesar de você tê-los feito, de que existem por sua causa, eles são pessoas únicas e autônomas, independentes de você! Esse é o paradoxo de ser mãe e o mais difícil para as superprotetoras, que, na melhor das intenções, acreditam continuarem responsáveis por cada passo do filho, quando, na verdade, não é mais necessário.

Como ser uma mãe saudável emocionalmente?

Saber disso acima. Assim conseguirá lidar com a separação (necessária) do filho que ela mesma gerou.

30 abr 2019

4 dicas para fazer o bronzeado durar mais ao longo do ano

Arquivado em Beleza, Comportamento

bronzeado-e1483964357199-750x500

Dias de verão significam tardes na praia ou na piscina reforçando o bronzeado. Mas quando as temperaturas caem e os looks ganham camadas, o bronze tende a ir embora, a não ser que você tome alguns cuidados específicos.

Segundo a dermatologista Raquel Toyota, “se você tomou as precauções antes de se expor ao sol — usou protetor solar, ingeriu bastante líquido, manteve uma alimentação saudável e tomou sol de forma moderada nos horários certos — já acumulou pontos para prolongar o bronzeado”.

Depois disso, os passos são simples e eficazes.

1. Abuse dos hidratantes

Quanto mais hidratada, mais a pele segura o bronze e evita o descascamento. “costumo recomendar produtos que tenham ativos hidratantes, como vitamina e e óleos vegetais”, diz Raquel. Precisa de sugestões? Vá de Desodorante Hidratante Corporal Cereja e Avelã, de Tododia – que possui Vitamina E – ou Polpa Desodorante Hidratante Corporal Pós-sol Buriti, de Ekos – que tem fórmula refrescante e estimula a produção de antioxidantes.

Para turbinar a eficácia dos cremes, aplique-os logo após banho! “Com o corpo úmido, os poros permanecem abertos, absorvendo melhor os nutrientes”, explica a dermatologista.

2. Ingira muito líquido (sempre)

A hidratação do corpo pode ser feita por outras vias, que vão além da aplicação de um creme hidratante. Para isso, beba bastante líquido ao longo do ano. Diariamente, o ideal é beber, em média, 2 litros de água. Isso contribui para que a pele mantenha a água de que precisa para permanecer bonita e saudável.

3. Atenção ao banho!

Banhos demorados e quentes não fazem bem para a pele, pois prejudicam sua barreira protetora e provocam o ressecamento. “Eles removem toda a oleosidade natural benéfica para a barreira cutânea e manutenção do bronzeado”, esclarece Raquel. Fique atenta!

4. Alimente-se bem

Os alimentos também influenciam no bronze e na sua duração. O segredo, portanto, é investir nos alimentos ricos em betacaroteno, como as frutas e os legumes de cor vermelha, laranja ou amarela. “A fixação do betacaroteno na gordura da pele colabora com o tom alaranjado do bronzeado”, explica a dermatologista.

Os antioxidantes também são importantes. “Eles ajudam a reduzir a inflamação da pele durante os dias de exposição e protegem dos danos causados pelo sol”, pontua Raquel. Estão presentes em frutas, legumes, verduras, grãos e alimentos integrais. Enriqueça já seu cardápio.

Os produtos acima podem ser encontrados no site Natura.

29 abr 2019

Consumidor deve ter cuidado ao se inscrever em cursos a distância

Arquivado em Comportamento, cursos

Cursos-online

A expansão do acesso e da velocidade de conexão permitiram nos últimos anos um aumento significativo da oferta de cursos de graduação e pós-graduação via internet. O ensino a distância (EAD) facilitou a milhares de pessoas a conquista de um diploma, mas abriu também uma brecha para a oferta de cursos não reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC). O resultado é que, ao final de meses ou anos de frequência e pagamentos, o aluno corre o risco de não ter seu diploma reconhecido oficialmente ou de nem mesmo recebê-lo.

Em recente audiência pública no Senado Federal (março/29), o representante do Movimento Diploma Legal, com sede em Alagoas, estimou em 200 mil o número de vítimas do chamado “golpe do diploma” em todo o Brasil. Na reunião foi apontada a deficiência do ministério na fiscalização dos cursos oferecidos na modalidade EAD.

O Procon da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) destaca a importância de o consumidor se precaver para não acabar se tornando mais uma vítima. De acordo com o coordenador do Procon Assembleia, Marcelo Barbosa, a primeira coisa que o interessado deve fazer é consultar o Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior (Cadastro e-MEC) no endereço eletrônico http://emec.mec.gov.br. Se for um curso de pós-graduação, o site é https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/#. Nesses endereços é possível conferir todos os dados cadastrais das instituições de ensino autorizadas e comprovar se estão ativas, entre outras informações.

“Um cuidado muito importante”, destaca o coordenador, “é verificar se a instituição está autorizada a ministrar cursos na modalidade EAD ou apenas presenciais”. Já foram detectados casos de escolas oferecerem cursos à distância, apesar de terem autorização apenas para funcionar presencialmente nas cidades onde estão sediadas.

Cursos irregulares não costumam respeitar carga horária nem oferecer orientação acadêmica, lembra Barbosa. Além disso, cobram preços bem abaixo da média do mercado, sendo que o pagamento normalmente é feito diretamente a pessoas físicas, e não jurídicas. Tudo isso deve ser motivo de desconfiança por parte do consumidor. Outro aspecto importante: algumas instituições se dizem intermediárias ou representantes de escolas sediadas no exterior. Isso de nada adianta se os cursos oferecidos não são reconhecidos no Brasil.

Para evitar cair em ciladas, o estudante deve reunir o máximo de informações sobre a instituição, incluindo material publicitário, e-mails recebidos e outros. Ele não deve pagar nada antes de confirmar a legalidade do curso que pretende fazer. Caso não esteja 100% seguro sobre a idoneidade da instituição, vale a pena consultar diretamente o MEC (o telefone é 0800 616161). Se for comprovada alguma irregularidade, ela deve ser denunciada ao próprio MEC e ao Ministério Público para que outras pessoas não sejam vítimas de golpe.

Crédito: Procon Assembleia

Página 1 de 10912345... 109Próximo