Categoria "Comportamento"
02 set 2015

As teorias da conspiração fazem algum sentido?

Arquivado em Comportamento

illuminati

aécio maçonariadilma illuminatti

Quando as crises financeiras e políticas apertam, surge um solo fértil para as teorias da conspiração, em especial nas redes sociais. Você sabe exatamente o que é teoria da conspiração? Também chamada de “conspiracionismo” é qualquer teoria que explica um evento histórico ou atual como sendo resultado de um plano secreto levado a efeito geralmente por conspiradores maquiavélicos e poderosos, tais como uma “sociedade secreta” ou “governo sombra”.

Conversei com Sérgio Pereira Couto, 48 anos, jornalista e escritor especializado em história do esoterismo, da ciência criminal, de teorias de conspiração e das sociedades secretas. Segundo entrevista para a revista Istoé em 2010, foi redator das revistas História Oculta e Biblioteca Negra, publicadas pela Editora Mythos, além de ter participado das revistas Geek, Discovery Magazine e outras. Hoje continua a trabalhar com outras revistas da mesma editora (Biblioteca Secreta, Sociedades Secretas e Arquivos Negros), enquanto prepara novos livros que serão lançados em livrarias e bancas de jornais. Confira:

Adriana Santos: Na sua opinião: por que as crises políticas e econômicas favorecem as teorias da conspiração?

Sérgio Pereira Couto: Numa situação onde ninguém sabe apontar um culpado oficial, uma causa para a crise acontecer, é mais interessante experimentar a sensação de “estamos impotentes” do que se preocupar em localizar as verdadeiras causas e analisá-las. Assim, é mais fácil culpar as conspirações, algo que não acontece em plena luz do dia e que nunca se sabe quando estão em operação, do que admitir que a possível culpa esteja em nós mesmos, pela incapacidade de enfrentar o problema.

Adriana Santos: Na sua avaliação, quais os motivos dos interesses dos brasileiros pelas sociedades secretas, em especial com relação aos Iluminatti?

Sérgio Pereira Couto: Todo povo gosta de pensar que os problemas de seu dia-a-dia são causados por forças “invisíveis”, como dizia Jânio Quadros. Com os estadunidenses, o vilão preferido sempre foi o governo federal, pois contra ele pouco (ou nada) pode ser feito. O mesmo acontece no Brasil. O que não se conhece ou não se tem acesso, é foco de desconfiança. E o governo está cheio de membros de sociedades secretas (principalmente maçons). Essa história toda de Illuminati no governo é coisa típica de conspirólogos (estudiosos de teorias de conspiração) e nunca esbarra na confirmação histórica, científica ou mesmo acadêmica. Porém todos adoram uma boa história de suspense, não é? Assim, é fácil pensar nos Illuminati como o grupo manipulador que todos adoram odiar…

Adriana Santos: Até que ponto as sociedades secretas influenciam a política brasileira?

Sérgio Pereira Couto: Hoje em dia, muito pouco. Mesmo porque os diversos grupos sabem que, desde o estouro de O Código da Vinci em 2004, as sociedades secretas passaram a ser uma atração que atrai muita gente. E depois, esquecemos com facilidade que não são apenas políticos que participam desse tipo de grupo. Praticamente todos os setores da sociedade moderna frequentam as lojas e templos ligados a maçonaria e outros grupos.

Adriana Santos: A maçonaria continua influenciando a política brasileira?

Sérgio Pereira Couto: Se levarmos em consideração que os políticos da velha guarda eram, em quase sua maioria, maçons, há ainda muitos casos de que seus filhos e até seus netos passaram a fazer parte da mesma sociedade secreta. Ainda mais porque a Maçonaria possui grupos organizados para as esposas, os filhos e as filhas, ou seja, cobrem todos os componentes da família tradicional. E a famosa ajuda que os membros dão uns aos outros ainda faz com que muitos prefiram se tornar maçons a fim de conseguir uma ascensão social e até econômica rápida. Não acredito em uma influência direta, mas sim indireta.

Adriana Santos: Ao longo da história da humanidade, várias sociedades secretas foram criadas com os mais diversos propósitos, que obviamente nunca são totalmente revelados, se tornando um fácil alvo de teorias de conspiração. Por que os iluminatti são considerados as sociedades secretas que buscam dominar o mundo e são tão temidos pelos cristãos?

Sérgio Pereira Couto: Meus contatos e minhas pesquisas desmentem isso de maneira inequívoca. Para se ter uma ideia, é complicado falar sobre Illuminati sem vê-los inseridos em outros contextos (dentro das lojas maçônicas ou misturados com os neotemplários, por exemplo). Não há hoje um grupo que seja Illuminatus por si mesmo. Até o site oficial deles está dentro do domínio grandorient.org, que pertence aos Maçons. Isso os torna parte dos Illuminati? Pelo contrário, mostra que são um pequeno grupo que age de maneira quase simbiótica com os maçons, bem maiores e com muito mais recursos. Pelo que eu saiba, os cristão nunca temeram os Illuminati mais do que qualquer outra sociedade secreta. Esse é um conceito criado pela ficção de Dan Brown e não corresponde aos fatos históricos colhidos e reconhecidos pelos pesquisadores tarimbados. E os Illuminati não querem mais dominar o mundo do que as demais sociedades secretas. Novamente é necessário separar o joio do trigo por aqui.

Adriana Santos: Por que as sociedades secretas não aceitam membros mulheres?

Vale dizer que apenas os ramos mais tradicionalistas não aceitam mulheres. Mesmo na Maçonaria já há correntes feministas e mistas, embora não sejam reconhecidas pela maçonaria tradicional. Isso tem uma explicação histórica: desde o começo esses grupos eram exclusivos de homens, que os mantinham em atividades ditas “saudáveis” longe dos rigores e obrigações do casamento, como se fosse uma espécie de “clube de cavalheiros”, comuns até hoje na Europa. Há quem afirme que as mulheres não são aceitas porque tem “tendências a falar mais que os homens” e que, por isso, não serviriam para guardar os segredos dos grupos onde atuam, mas são apenas reinterpretações modernas e sem apoio histórico.

Adriana Santos: Os iluminatti estão presentes no governo brasileirol? A presidente Dilma poderia ser uma Iluminatti?

Sérgio Pereira Couto: Não. Não há nenhum Illuminatus no governo. E se houver, com certeza não estará no PT ou se envolvendo com política brasileira via partido.

Adriana Santos: Por que alguns símbolos Iluminatti são considerados satânicos?

Sérgio Pereira Couto:  Os símbolos universais, quando não se conhece sua verdadeira origem, são assim interpretados porque a maioria das pessoas tem a mente fechada e imagina sempre um cenário de conspiração ou controle da mente. Nenhum dos chamados símbolos Illuminati são satânicos. Nem mesmo os símbolos considerados satânicos são assim chamados, são pura invenção de pessoas normais. O Olho que Tudo Vê, como já disse antes, é apenas a presença de Deus,nada mais. Ou já esqueceram que Deus não tem a forma de um homem velho de barbas longas? Como você representa algo que não tem forma? Essa do domínio político de um único país é invenção descarada de conspirólogos.

Adriana Santos: Muitos afirmam que alguns desenhos animados muito conhecidos das crianças usam mensagens subliminares para atender aos planos de dominação dos Iluminatti. Isso é possível? O cinema, por exemplo, seria um grande divulgador das ideias Iluminatti?

Sérgio Pereira Couto: Outra bobagem pura. Sim, na teoria qualquer coisa (mesmo um simples email) pode passar uma imagem codificada ou um texto subliminar. Mas se começarmos a ver demônios onde não existem, de que adianta irmos ao cinema ou vermos tv? A maldade está na cabeça de quem interpreta o quadro que vê. O cinema é propagador de violência e sexo, não de ideias Illuminati.

Adriana Santos: Você é Iluminatti ou conhece algum me membro Iluminatti?

Sérgio Pereira Couto: Não, com certeza não sou um Illuminatus. Conheço pelo menos seis pessoas que são Illuminati, três delas maçons e três pertencentes a outra vertente. Todos são minhas fontes de confiança e uso-as toda vez que preciso de informações. Da mesma forma que mantenho relações com pelo menos um membro de todas as outras sociedades existentes.

28 ago 2015

Caminhada ou corrida: você decide!

Arquivado em Comportamento
Kylia Zé e Rberta

Roberta, Zé Pio e Kylia: amigos para sempre

Dizem que a vida começa aos 40. Não muito tempo atrás, era mais ou menos por aí que a vida terminava. Hoje os quarentões e as quarentonas estão cada vez mais jovens, belos, ativos e preocupados com qualidade de vida.

Vejam só a foto acima. São meus amigos de infância. Lindos, né? O Zé é um pouco mais novo, mas as meninas foram minhas coleguinhas do antigo primário. Que saudades!

Toda vez que acesso o meu Facebook vejo meus amigos esbanjando saúde, vitalidade e muitas fotos. Eles estão sempre juntos em caminhadas, corridas e maratonas. Segundo eles, a boa forma física é graças a prática regular de atividades físicas.

Kylia é coordenadora de marketing e levava uma vida sedentária. Ela começou a caminhar em 2012. Antes fazia Pilates para ajudar no tratamento de dores lombares. “Comecei a caminhar e, com o passar do tempo, iniciei a corrida e não parei mais, muito influenciada pelas amigas Gislaine e Roberta”, diz entusiasmada. Desde que começou já percorreu aproximadamente 500 km.

Todo início de ano, ela faz um check-up e teste ergométrico, recomendados por um cardiologista de confiança. Outra preocupação é na escolha correta do tênis. Ela preza o conforto para evitar lesões.

tenisamiga

Foi difícil começar? “Sim , as vezes tinha preguiça.. mas até tomar gosto pela corrida. Hoje acordo cedo aos domingos e feriados. Até com chuva eu vou! A energia e a adrenalina são contagiantes! Sou muito mais bem disposta e a energia em alta. A frequencia de esforço cardíaco ta melhor, a musculatura também, as dores lombares acabaram enfim… só coisas boas”conclui.

roberta kylia

Minhas adoráveis amigas: Roberta, Kylia e um fofinho que não sei o nome.

As meninas sempre me convidam para caminhar. Sou sedentária, mas consciente que preciso mudar de padrão comportamental. Então conversei com a Dra. Carla Tavares, médica do Departamento de Medicina esportiva do Minas Tênis Clube e responsável pelo serviço de cardiologia do esporte da Rede Mater dei de Saúde. Confira:

Adriana Santos: Antes de começar qualquer atividade física, como a caminhada e a corrida, o que o interessado deve prestar atenção com relação à saúde?

Carla Tavares: O primeiro passo para quem deseja iniciar uma atividade física é a realização de uma consulta médica. Neste momento, o médico irá definir se há algum risco em se iniciar a prática da atividade desejada e orientar em relação ao treinamento.

Além da consulta clínica criteriosa e um bom exame físico pode ser necessária a solicitação de alguns exames baseado na idade, no histórico pessoal, familiar e no exame físico de cada pessoa.
Vencida essa etapa, é muito importante providencia roupas e calçados adequados, além de programar um plano de dieta e hidratação adequado.

Adriana Santos: Quais os benefícios da caminhada e da corrida à saúde do coração?

Carla Tavares: A caminhada e a corrida são exercícios excelentes para quem busca ampliar sua aptidão cardiorrespiratória, manter níveis de colesterol, glicose e pressão arterial controlados e melhorar a qualidade de vida.

Adriana Santos: Pessoas que apresentam algum problema cardíaco pode correr ou caminhar?

Carla Tavares: Em geral, a caminhada e até mesmo a corrida são exercícios muito seguros e até mesmo quem tem determinados problemas cardíacos podem se beneficiar desses exercícios. É o caso, por exemplo, do individuo hipertenso que pode otimizar o controle da pressão com esses exercícios, podendo inclusive diminuir a dependência de medicamentos. Ou no caso do paciente portador de insuficiência cardíaca que pode melhorar sua qualidade de vida e até mesmo a sua sobrevida . Mas para os portadores de doenças cardíacas é fundamental a orientação médica, principalmente em relação aos limites a serem respeitados.

Adriana Santos: Correr ou caminhar? Qual a melhor atividade física para o coração?

Carla Tavares: Tanto a caminhada quanto a corrida são excelentes exercícios para o coração. A definição da intensidade ideal do exercício tem sido muito estudada dentro da cardiologia e da medicina do esporte e sabemos hoje que o exercício moderado para o coração ainda é o mais seguro e mais indicado.

Adriana Santos: Qual o tempo ideal de corrida ou caminhada para fortalecer o coração?

Carla Tavares: Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia os exercícios devem ser realizados, no mínimo, cinco vezes por semana, com duração de pelo menos 30 minutos, de modo contínuo ou intervalado, com o objetivo de reduzir significativamente eventos cardiovasculares e contribuir para o controle dos fatores de risco cardíacos. Se a atividade for intensa esse volume de exercício citado pode ser reduzido mantendo os mesmos benefícios.

Adriana Santos: Beber água e antes das atividades podem ajudar no desempenho das atividades físicas?

Carla Tavares: A hidratação é fundamental durante os exercícios, inclusive para a melhora do desempenho. A falta de hidratação adequada dificulta a recuperação, aumenta o risco de lesões, pode comprometer a performance, a força musculatura, além de poder prejudicar a rapidez de raciocínio – importante em vários esportes.

Adriana Santos: Qual o seu conselho para quem deseja inciar uma atividade física?

Carla Tavares: Meu conselho para quem deseja iniciar a prática de exercícios é não perder tempo! Quanto mais longo o período de sedentarismo, maior o risco para a saúde. Então, marque logo sua avaliação e médica, escolha o exercício que te proporciona mais prazer e bem estar e boa sorte!

27 ago 2015

Cooperativa de Artesanato inova no mercado de vendas diretas com produtos sustentáveis

Arquivado em Comportamento

Cooperativa-Futurarte-Ramacrisna1

Diante de uma oportunidade de expansão de mercado e necessidade de manter a sustentabilidade do projeto gerando trabalho e renda para as mulheres da comunidade de Betim, a Cooperativa de Artesanato Futurarte, apoiada pela Instituição Social Ramacrisna, vislumbrou no mercado de vendas diretas, uma oportunidade para fazer o seu negócio perpetuar, proporcionando renda extra para pessoas que se identifiquem com o conceito dos produtos e a causa social.

“Utilizar ferramentas eficazes para promover a sustentabilidade econômica de grupos em vulnerabilidade, principalmente quando o material reciclado se transforma em arte, deve ser implementado e valorizado pois o resultado social dignifica a mulher e sua família”, explica a vice-presidente da Instituição Social Ramacrisna, Solange Bottaro.

A venda direta é um sistema de comercialização de bens de consumo e serviços baseado no contato pessoal entre vendedores e compradores, fora de um estabelecimento comercial fixo.

A Futurarte será pioneira atuando nesta modalidade de vendas, com foco em produtos artesanais sustentáveis. Além disso, inova também no formato de apresentar seus produtos. Ao contrário das empresas convencionais, a Futurarte utiliza um catálogo virtual, que será apresentado por meio de um tablet ou smartphone, itens necessários para se tornar um revendedor. Esta ação vai de encontro ao trabalho da Cooperativa que busca a sustentabilidade biental através da reutilização de materiais como: jornais, sacos de cimento, banners e retalhos de tecidos.

As mudanças no comportamento dos consumidores são reais e vêm aumentando a partir de sua interação com o meio e vivência de experiências que demandam uma mudança de postura em suas escolhas no dia a dia visando a sustentabilidade do planeta que perpassa por três eixos fundamentais que são o ambiental, social e econômico.

Quando um consumidor mais consciente se depara com um produto que tem qualidade, criatividade, design inovador, são ecologicamente corretos, feitos de materiais reaproveitados e ainda são efetivamente instrumentos de inclusão social e geração de trabalho e renda, imediatamente cria-se uma conexão com o público em geral.

“Estas constatações de adesão imediata do público ao projeto, foram concluídas em projetos pilotos que fizemos com alguns revendedores pré-selecionados. A Futurarte além de entrar no mercado de venda direta com um posicionamento bem diferenciado, prima também por uma excelente remuneração dos revendedores dos produtos”, ressalta Thayane Fidelis, consultora de marketing da Futurarte.

No Brasil, esse mercado conta com mais de 4,5 milhões de pessoas em sua força de vendas, gera cerca de 8 mil empregos diretos e atingiu, em 2013, US$ 14,6 bilhões em volume de negócios. O país ocupa a quarta posição no ranking da World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA), atrás apenas dos Estados Unidos, Japão e China.

Sobre a Futurarte

A Cooperativa Futurarte foi criada em julho de 2004 pela Instituição Social Ramacrisna, com patrocínio da Petrobras. Tem como objetivo gerar trabalho e renda para mulheres da zona rural de Betim a partir da produção e comercialização de produtos artesanais sustentáveis.

Página 98 de 107«1 ...949596979899100101102... 107Próximo