Categoria "opinião"
23 ago 2018

Fertilizações in vitro aumentam no Brasil

 fertilizacao-in-vitro
Por: Dr. Sandro Sabino, diretor da Clínica Vilara

Após uma queda em 2016, o número de fertilizações in vitro voltou a crescer no Brasil e chegou a um total de 36.307 ciclos realizados em 2017. Os dados são do relatório Sisembrio mais recente divulgado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os mais de 36 mil ciclos originaram mais de 340 mil óvulos, uma taxa de fertilização de 76%. Ou seja, a cada 10 óvulos fecundados, 7,6 deram origem a um embrião. Essa taxa mostra que o Brasil não está atrás dos países desenvolvidos e que o procedimento não é mais tão inacessível do ponto de vista financeiro, como era antes.

O Brasil é um país de ponta para tratamentos de reprodução assistida. Nossas taxas de sucesso são excelentes e se equiparam aos países europeus e aos EUA. Para se ter uma ideia, a região sudeste corresponde a 65% dos tratamentos realizados no Brasil. Apesar do procedimento não estar disponível no Sistema Único de Saúde (SUS), financeiramente ele tornou-se muito mais acessível nos últimos anos. Existem inclusive programas de responsabilidade social em hospitais e clínicas que tornam possível o acesso a casais com problemas de infertilidade, que possuem dificuldades para arcar com os custos dos tratamentos de Reprodução Assistida, a tratamentos como a Fertilização in vitro (FIV).

Existente há mais de 30 anos, a Fertilização in-vitro é considerada o TRA mais usado em todo o mundo, tendo já nascido mais de um milhão de crianças com ela. É considerada como uma técnica segura e com ótimos resultados. De acordo com a Anvisa, considera-se como ciclo realizado de fertilização in vitro, os procedimentos médicos nos quais a mulher é submetida à produção (estímulo ovariano) e retirada de óvulos para realizar o procedimento. Para a inseminação intrauterina, a paciente é submetida à uma estimulação da ovulação, com doses bem baixas, sendo acompanhada por ultrassonografia (total de três a quatro exames). Quando ela apresenta folículos de tamanho adequado, a ovulação é desencadeada e o casal recebe instruções para comparecer à Clínica para a realização do preparo seminal e da inseminação intra-útero.

As possibilidades de se obter uma gravidez após um ciclo de inseminação são de aproximadamente 15%, sendo recomendado um máximo de 3-4 ciclos, quando se pode alcançar a 35% de chances de gravidez. A taxa de gestação múltipla é de cerca de 15%.

Algo importante a ser levado em consideração é a experiência profissional e a estrutura do Laboratório de Fertilização in vitro escolhido para o procedimento. É crucial na decisão pelo tratamento. Procurar um laboratório que tenha um profissional de embriologia treinado e experiente é tão importante quanto a escolha do médico especialista: um laboratório que não tenha excelência em qualidade pode afetar negativamente as chances de sucesso do tratamento, ainda que os fatores clínicos sejam promissores.

29 jun 2018

Fake news: notícias falsas fazem mal à saúde

Arquivado em Cidade, Comportamento, opinião, Vlog

fofoca

Notícias falsas sempre existiram, desde que homens e mulheres aprenderam a mentir. Acontece que as novas tecnologias e a diversidade de redes sociais permitem um solo fértil para pessoas que não têm o compromisso com a verdade e acreditam em qualquer tolice. Todos perdem. Os prejuízos são incalculáveis e atingem os espaços públicos e privados, além de afetar a saúde do cidadão. Há pessoas que acreditam em vacina com a finalidade de matar idosos; curas milagrosas contra o câncer e, até mesmo, ovos de plásticos sendo comercializados nos supermercados do Brasil.  É o “Apocalipse da informação”! Fiz uma reflexão sobre o assunto. Veja:

08 jun 2018

“Existe uma família atrás da farda”, desabafam familiares de policiais mortos no Rio de Janeiro

pm Tânia Rêgo ABr

Foto: Tânia Rêgo /Agência Brasil

OPINIÃO. Caro leitor, ontem fui dormir com um nó na garganta, depois de ler os noticiários sobre a trágica morte de Maria José Fontes, de 56 anos, mãe de mais um policial morto nas mãos de bandidos, no Rio de Janeiro.  Senti na pele o significado da palavra empatia, a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela.

O sargento Douglas Fontes Caluete estava de carro com a namorada quando foi abordado por cinco bandidos, dois deles armados com fuzis, que atiraram contra o PM ao ver que ele tinha uma arma. Dona Maria foi chamada para reconhecer o corpo e teve um mal súbito ao vê-lo morto. A Polícia Militar afirmou que ela chegou a ser socorrida na UPA, em Duque de Caxias, mas não resistiu e também morreu.

O coração de uma mãe é grande, mas não é perfeito… Ela morreu de uma síndrome do coração partido.  Não é de hoje que poetas, escritores, filósofos, psicólogos e psiquiatras nos contam casos, no mínimo curiosos, a respeito das reações que são descritas por algumas pessoas ao viverem uma grande perda afetiva.

O filho de dona Maria José Fontes é o 56º policial morto no Rio, de janeiro de 2018 até agora. Em  2017, no Brasil, foram 542 policiais mortos em serviço ou em decorrência da profissão.  Na soma de 1995 a 2017, morreram mais de 3 mil policiais militares, ou 3,52% dos 90 mil homens que, nesse período, formaram a corporação na cidade. Entre os soldados americanos que lutaram a Segunda Guerra, o índice de mortalidade foi menor: 2,52% da tropa perdeu a vida entre 1942 e 1945.

Com o objetivo de exigir que os crimes contra os policiais sejam elucidados e os bandidos devidamente punidos, familiares criaram a a Associação Somos Todos Sangue Azul.  No próximo dia 09 de junho , em Nova Iguaçu, na Via Light, em frente a loja da Leader, às 15:00 horas, esposas, mães e filhas de policiais vão estar reunidas para uma grande manifestação. Avante!

familia policia

Página 6 de 16«1 ...2345678910... 16Próximo