Categoria "saúde"
13 nov 2019

Diagnóstico precoce garante qualidade de vida a pacientes diabéticos

Arquivado em Comportamento, saúde

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Diabetes, o número de brasileiros diagnosticados com a doença passa de 13 milhões. O diabetes representa a principal causa de cegueira, falência dos rins, ataques cardíacos e amputações de membros inferiores. Os dados espantam.

Apesar de ser uma doença crônica, ela pode ser tratada e controlada com mudanças de estilo de vida, medicamentos orais e, se necessário, insulina. Segundo a médica endocrinologista do Hospital Lifecenter Francinelli Sabrina Hoelzle, o diabético pode levar uma vida de qualidade “Desde o início da doença o paciente deve ter acompanhamento médico e controlar os níveis de açúcar no sangue para que possa levar uma vida saudável e sem complicações relacionadas à doença descompensada”. Ela orienta a importância de prevenir a manifestação da doença, seguindo uma dieta balanceada e praticando exercícios físicos regulares.

O Dia Mundial do Diabetes, 14 de novembro, criado por uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), estimula a prevenção e conscientização sobre o diabetes, por meio de campanhas e atendimentos no mundo todo. A médica do Hospital Lifecenter destaca a importância da data para disseminação de informações acerca do problema. “Todos os dias, encontramos com muitas pessoas no consultório que têm muitas dúvidas e perguntas sobre o assunto. Apesar de ser comum, a doença ainda carrega muitos mitos e tabus, que precisam ser quebrados para que seja possível um tratamento eficiente. A data é uma oportunidade para transmitir informações e esclarecer questões”, ressalta Francinelli Hoelzle.

O diabetes se manifesta quando o organismo produz em menor quantidade ou não produz a insulina, o que gera um excesso de glicose no corpo. Existem três tipos de diabetes: diabetes tipo 1, diabetes tipo 2 e o diabetes gestacional.

O diabetes tipo 1, conhecido como diabetes mellitus, é caracterizado pela ausência da insulina. Nesse caso, a doença surge, em geral, na infância acompanhada de vontade urinar e perda de peso, que são os principais sintomas. Entre os danos causados pelo diabetes tipo 1, estão a retinopatia diabética (danos à retina que levam à cegueira), falência renal e amputação devido a feridas na pele.

Já no diabetes tipo 2, o hormônio é produzido, mas não consegue cumprir sua função e, para compensar a falta disso, o pâncreas aumenta a produção de insulina. Os sintomas mais comuns são sede constante, cansaço recorrente, perda de peso, frequente vontade de urinar, formigamento nas mãos ou pés e feridas que demoram a cicatrizar.

No diabetes gestacional, os níveis de glicose no sangue aumentam, como consequência de uma intolerância a carboidratos. Os sintomas do distúrbio metabólico incluem sede constante, vontade frequente de urinar e cansaço incomum. O bebê pode ser afetado e nascer com malformações congênitas e prematuridade, além de problemas respiratórios e metabólicos. Em todos os casos, o diagnóstico com antecedência e acompanhamento são indispensáveis para que as pessoas tenham qualidade de vida e não sofram futuras complicações.

08 nov 2019

Suicídio de cabo da PM motiva reações de parlamentares

Foto: Sarah Torres

Por Assembleia. O cabo da Polícia Militar de Minas Gerais, Leandro Cardoso Novais, já havia sido internado em hospital psiquiátrico por 37 dias e recorrentemente manifestava a intenção de tirar a própria vida, no entanto, chegou a ter atestado médico indeferido pela instituição. No dia 10 de setembro de 2019, ele recebeu sua arma de volta e retornou à atividade policial. No último dia 16, Leandro apontou a pistola para si e apertou o gatilho.

O relato foi apresentado, nesta quinta-feira (7/11/19), por Denísia Barreiro da Costa Novais, viúva do policial, durante audiência da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). A reunião, solicitada pelo deputado Sargento Rodrigues (PTB), apurou os fatos que antecederam o autoextermínio do cabo.

Leandro Cardoso Novais, que também deixou dois filhos, residia em Teófilo Otoni (Vale do Mucuri), onde atuava na 15ª Região da PM. Após ter sido submetido a processo disciplinar, devido à acusação de fazer “bico” para complementar a renda, foi punido administrativamente. Em seguida, foi transferido para a 14ª Cia Independente, em Araçuaí (Vale do Jequitinhonha), por ordem do coronel Sérvio Túlio Mariano Salazar, à época, comandante da 15ª RPM.

Desde então, segundo Denísia Novais, o marido começou a apresentar quadro severo de depressão e o ímpeto de cometer suicídio. Ela resgatou o histórico de consultas, laudos, exames, indicações de tratamentos psicológico e psiquiátrico e internação de Leandro e afirmou que ele se sentia extremamente infeliz e perseguido no âmbito da corporação.

Denísia conta que buscaram reverter a decisão junto à Polícia Militar, mas não obtiveram sucesso. Ela afirma que Leandro recebeu o “recado” de que se houvesse insistência, ele poderia ser transferido para cidade ainda mais distante de Teófilo Otoni. A distância entre a sua residência e o novo local de trabalho era de aproximadamente 230 km.

Irmã e cunhado do cabo choram ao relatar fatos que antecederam a morte dele Irmã e cunhado do cabo choram ao relatar fatos que antecederam a morte dele – Foto: Sarah Torres
Por fim, eles apostavam na resolução do impasse pela via judicial, “mas Leandro não suportou esperar pela decisão”, lamentou Denísia. A irmã do policial, Débora Cardoso Novais, leu, emocionada, o laudo psiquiátrico que descreveu o estado de extremo sofrimento do policial.

Irmã e esposa ressaltaram que, em parte, o quadro de insônia, agitação motora, ansiedade exacerbada, perda de peso considerável, além das ideias de autoextermínio, se deve também “à desconfiança da instituição de que ele estaria fingindo-se adoecido para não trabalhar em Araçuaí.

Denísia contou que, após o esposo chegar em Teófilo Otoni em surto, ela o levou ao atendimento psiquiátrico. O médico que o atendeu quis interná-lo e afastá-lo por 30 dias do trabalho. Ela firma que, nessa ocasião em especial, o atestado apresentado à PM não foi homologado, não foi aceito pela instituição.

A viúva do cabo Leandro Novais pediu a ele que não retornasse às atividades depois que o marido se considerou exaurido pela situação. “Eles querem que eu diga que estou bem e eu vou dizer”, segundo ela, essas foram as palavras que a deixaram em alerta. O policial recebeu de volta a pistola e os cartuchos de munição que haviam sido recolhidos durante o período em que esteve afastado do serviço operacional. “Este foi o atestado de óbito dele”, lamentou Denísia Novais.

Medidas para mudar regras e cultura da Polícia Militar foram propostas

Sargento Rodrigues anunciou que vai levar o caso de Leandro Cardoso Novais ao Poder Judiciário. Conforme o deputado, o questionamento judicial da conduta institucional da Polícia Militar poderá de, alguma forma, forçar a instituição a enfrentar o cenário de sofrimento mental que tem acometido policiais, levando alguns até mesmo ao autoextermínio.

O parlamentar afirmou que são necessárias alterações legislativas, revisão das próprias diretrizes internas da PM e de sua cultura institucional. Ele explicou que as transferências para outros municípios são uma prática recorrente na PM, assentada no objetivo de punir os policiais.

Ele argumenta ainda que o Código Penal prevê, até para o preso comum, que esse deverá cumprir pena em local o mais próximo possível do seu núcleo familiar. “Já os policiais são mandados para longe de suas famílias e recebem dupla penalização”, criticou o parlamentar.

Representantes das entidades de classe dos policiais também se manifestaram quanto à necessidade de se criar, ao menos, critérios para pautar essas transferências. O policial Álvaro Rodrigues Coelho, presidente do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros Militares de Minas Gerais, sugeriu que o deslocamento do policial em relação à sua residência observasse um limite entre 50 e 60 km.

Os deputados Coronel Sandro, Bruno Engler (ambos do PSL), Doutor Jean Freire (PT) manifestaram apoio aos familiares do cabo. Eles também se disseram preocupados com o número de suicídios entre os militares e se comprometeram a ajudar na busca de soluções.

Comandantes da PM afirmam que cabo recebeu assistência

O coronel Sérvio Túlio Mariano Salazar, que ordenou a transferência de Leandro Novais para Araçuaí, reconheceu que a medida foi baseada em normas da Polícia Militar, em especial, em memorando da instituição com orientações específicas a serem aplicadas em casos como o do cabo.

Integrantes da corporação, superiores do cabo, negaram que ele tenha sofrido qualquer tipo de perseguição Integrantes da corporação, superiores do cabo, negaram que ele tenha sofrido qualquer tipo de perseguição – Foto: Sarah Torres
Ele conta que o objeto da punição ao policial não se restringia à pratica de “bico”, mas que implicava desvio considerado mais grave. O comandante, contudo, não esclareceu do que se tratava. Sérvio Salazar afirmou que não foi procurado pelo cabo ou por qualquer familiar para tratar da transferência e que o encaminhou à Clínica de Psiquiatria e Psicologia da Polícia Militar assim que teve conhecimento do seu quadro.

Já, em fevereiro de 2019, assumiu o comando da corporação (14ª Cia. PM Independente), em que estava lotado Leandro Novais, o major Rafael Duarte Muniz. Ele contou que, ao longo do período, nunca criou obstáculos para que o policial realizasse o tratamento. O major afirmou, ainda, que, durante o tempo em que Leandro esteve na ativa, colocou o policial “na melhor escala possível”, como plantonista, para que pudesse folgar dias consecutivos e permanecer mais tempo junto à sua família em Teófilo Otoni.

Ele explicou também que, em 9 de setembro de 2019, recebeu parecer do setor responsável pela avaliação psquiátrica na PM, atestando que o policial estava apto a regressar à atividade operacional.

O cabo teria dito ao seu chefe imediato, o tenente Borges, o seguinte: “Vivi um período muito tempestuoso e sombrio dentro de mim, mas, agora, estou pronto para o serviço”. Foi o que o tenente teria informado ao major Rafael Muniz.

A tenente Sumara Sucupira de Aguilar, perita do 44º Batalhão de Polícia Militar e cardiologista, que atendeu Leandro Novais durante o período, no entanto, disse que tinha ciência de que o caso dele era complexo e que exigia tratamento especializado. Ela conta que não chegou a homologar um dos atestados dele, porque entendeu que o simples afastamento não era suficiente, encaminhando-o para a internação imediata.

Perseguição – O tenente Fabiano Marinho, subcomandante da 14ª Cia. PM Independente, foi acusado pela esposa e irmã de Leandro Novais de ter empreendido contra o cabo atos de assédio moral. Elas afirmaram que o familiar teria dito várias vezes que esteve a ponto de matar o tenente. “Mas ele preferiu tirar a sua própria vida do que carregar esse crime nas costas”, disse Débora Novais.

Sargento Rodrigues afirmou que já recebeu outras denúncias contra o subcomandante e cobrou apuração rigorosa das mesmas.

Marinho disse que é alvo de “denuncismo” e afirmou que continuará fazendo o seu trabalho, investigando desvios dos próprios pares. Também ressaltou que mantinha com o cabo um relacionamento próximo e amigável.

Consulte o resultado da reunião.

07 nov 2019

Pesquisadores conseguem controlar sintomas do Alzheimer com compostos extraídos da maconha

Arquivado em Comportamento, saúde

 

Por Agência Brasil. Um grupo de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) conseguiu combater os sintomas do Alzheimer usando um composto canabinoide. Os testes apresentaram bons resultados em ratos em que houve a simulação dos estágios iniciais da doença. Os resultados forma publicados na revista científica Neurotoxicity Research.

Para os experimentos foi usado o composto sintético ACEA (Araquidonil-2′-cloroetilamida) em animais em que receberam no cérebro a droga estreptozotocina (STZ), que provoca uma deficiência no metabolismo dos neurônios. Em seguida, foram aplicados teste da memória nos ratos, com o reconhecimento de objetos.

São colocados objetos novos no ambiente onde estavam os animais. Os ratos que não estavam sob o efeito da droga exploraram mais os locais com as novidades, enquanto aqueles com Alzheimer mantiveram o mesmo interesse por todo o ambiente. Os testes foram repetidos com o intervalo de uma hora e de um dia, para avaliar memória de curto e longo prazo.

Resultados

A partir daí, os ratos passaram a ser tratados com o ACEA, uma forma sintética de um dos compostos extraídos da maconha. Ele se liga ao receptor CB1, presente especialmente no hipocampo, parte do cérebro relacionada à memória e que é afetada pelo Alzheimer.

Segundo a coordenadora do estudo, professora Andréa Torrão, os resultados da administração do canabinoide foram “bem positivos”. De acordo com a pesquisadora, foi verificada uma “reversão do déficit cognitivo”. Segundo ela, isso significa que o composto foi capaz de impedir a progressão da doença que foi simulada em uma fase inicial.

Andréa disse que o ACEA tem sido usado por diversos grupos de pesquisa no mundo, porém, ainda existem aspectos não investigados, que a equipe do Instituto de Ciências Biomédicas tentou avaliar. “Ele foi bem descrito bem mais recentemente. Mas tinha muitas outras perguntas, lacunas, que a gente queria entender”, enfatizou.

Apesar dos bons resultados, as pesquisas com o canabinoide no instituto foram paralisadas. “Os complexos canabinoides estão muito caros para a gente importar com os cortes de verbas que tem sido feito nos últimos anos”, ressaltou a pesquisadora. Por isso, o grupo tem usado outras substâncias que agem em outros aspectos do Alzheimer.

Página 1 de 7112345... 71Próximo