Categoria "saúde"
26 jul 2018

Novas técnicas permitem que mulheres diagnosticadas com câncer sejam mães

Arquivado em Comportamento, Mamãe, saúde

gravida

Receber um diagnóstico de câncer nunca é fácil. São muitas incertezas, como por exemplo: as implicações da doença com relação à fertilidade. O especialista em reprodução humana e diretor da Clínica Vilara, Dr.  Marco Melo,  assegura que devido aos avanços nas medidas preventivas, na detecção precoce e nos tratamentos de tumores, a taxa de sobrevivência dos pacientes tem alcançado números animadores, variando entre 60% a 90%, dependendo do tipo de câncer e estádio da doença no momento do diagnóstico e início do tratamento. “A medicina reprodutiva aliada à oncologia tem avançado e oferecido técnicas que permitem que as pacientes, em tratamento do câncer, consigam futuramente se tornarem mães”, esclarece.

No entanto, o médico destaca que como o câncer atinge cada vez mais os jovens, em idades férteis, a preservação da fertilidade também deve ser levada em conta durante o tratamento da doença. “Na última década foram desenvolvidos alguns protocolos com alto nível de segurança para a realização de estimulação ovariana em pacientes oncológicas que serão submetidas a tratamentos. Algumas técnicas de preservação da fertilidade estão bem desenvolvidas, como a crio preservação de óvulos. Nessa técnica preservamos os óvulos antes de começar o tratamento contra o tumor. O método inclui a estimulação ovariana por meio de medicamento para que seja feita a punção dos ovários para a captação dos óvulos. As células então são congeladas a -196 C°”.

O médico informa que na clínica onde atua, cerca de 10% dos congelamentos de óvulos são de mulheres que estão ou que já passaram por tratamento contra a neoplasia. “A possibilidade contribui até para que elas acreditem ainda mais no tratamento e consigam projetar o futuro com a realização do sonho da maternidade”.

Confira a entrevista completa:

Adriana Santos: Como que a tecnologia pode ajudar mulheres que passam por tratamentos contra o câncer e desejam ser mães?

Dr. Marco Melo: Os avanços tecnológicos vão desde drogas quimioterápicas menos agressivas ao corpo até as técnicas de reprodução assistida.

Nos últimos anos, protocolos de estimulação ovariana foram desenvolvidos para que seja possível estimular os ovários sem agravar o câncer. Isto ocorreu paralelamente ao aprimoramento das técnicas de congelamento de óvulos, que, atualmente, oferecem ótimos resultados não só de sobrevivência dos óvulos, como também de excelentes taxas de gravidez.

A quimioterapia e a radioterapia são tecnologias que prejudicam a fertilidade? Por que?

Sim, podem não só piorar a qualidade dos óvulos e espermatozoides, assim como levar à destruição das células responsáveis pela produção destes gametas, levando à esterilidade.

Toda mulher com câncer pode fazer o congelamento de óvulos?

Sim, teoricamente todas podem ser submetidas ao tratamento, desde que haja boas possibilidades de cura do seu câncer, claro.

Há restrições com relação à idade?

Quanto mais jovem é a mulher, melhores os resultados, sem dúvida. Para obtermos os melhores resultados em mulheres com idade superior a 40 anos, necessitaremos de uma maior quantidade de óvulos armazenados e, desta forma, nem sempre isto será possível, quer seja pela menor reserva ovariana (quantidade de óvulos nos ovários) quer seja pela escassez de tempo necessário para se atingir este objetivo, já que os oncologistas necessitam que liberemos as pacientes o mais rápido possível para que iniciem seu tratamento.

O bebê nascido de óvulos congelados de mulheres com câncer pode apresentar uma chance maior de desenvolver futuramente um tumor?

Somente se o câncer tiver uma tendência genética. Caso contrário, não.

O tratamento é doloroso?

De forma alguma. Além disto, é rápido, durando em média 10-12 dias, o que é ótimo por não retardar muito o início do tratamento do câncer.

O que acontece com os óvulos congelados da mulher que morre durante o tratamento?

Antes de iniciar o tratamento para congelamento de óvulos, a paciente recebe um consentimento informado onde ela pode á definir o destino e responsável pelos seus óvulos no caso de sua morte.

Quais as implicações éticas nesse sentido?

Todo procedimento de Reprodução Humana está regulamentado pelo Código de Ética Médica, elaborado e publicado pelo Conselho Federal de Medicina. Este código é fruto de muita discussão por médicos, conselheiros, advogados e especialistas na área.

Quais as taxas de sucesso no procedimento?

Mais uma vez, dependemos da idade da realização do procedimento. Por exemplo; a taxa de sobrevivência dos óvulos, em mulheres abaixo de 37 anos, está em torno de 95%. As taxas de sucesso, também nesta faixa etária, estão por volta de 50-60%.

Considerações finais

Considero este tema de grande relevância. A cada ano, observamos um aumento da incidência de câncer entre jovens , mas também observamos uma melhora significativa nas taxas de sucesso de cura. É necessário que, cada vez mais, a população e os colegas médicos estejam cientes de que o congelamento de óvulos deixou, há muito, de ser experimental e se tornou uma importante arma para proporcionar chances reais de gravidez em mulheres que se curaram, após o tratamento de um câncer. Isto se relaciona à melhora da qualidade de vida destas mulheres, que podem voltar a sonhar em constituir uma família, depois de experimentar um momento tão difícil nas suas vidas

11 jul 2018

Cacau: “presente oferecido pelos deuses aos homens”

cacau-em-po

O mundo civilizado só tomou conhecimento da existência do cacau depois que Cristóvão Colombo descobriu a América. Quando os primeiros colonizadores  chegaram no continente, o cacau já era cultivado pelos índios, principalmente os Astecas, no México; e os Maias, na América Central.

As antigas civilizações da América consideravam o cacau sagrado. Eles acreditavam que a  fruta foi um presente oferecido pelos deuses aos homens. E, de tão importante, virou até moeda de troca. Nessa época na América Latina não se fazia do cacau o que conhecemos hoje como chocolate. Era feita uma bebida de sabor amargo com as sementes torradas e moídas, misturadas com água e pimenta.

As propriedades do cacau são muitas: relaxante do sistema nervoso, antidepressivo, inibidor do apetite e regulador do sono, ativador da função cerebral e afrodisíaco.  Um estudo da Universidade de Cornell, concluiu que o cacau em pó tem duas vezes mais antioxidantes que o vinho tinto e três vezes mais que o chá verde.

O cacau é importante na produção de muitos produtos, além do mais conhecido que é o chocolate. O dia do cacau é celebrado no dia 26 de Março, sendo esta uma comemoração de uma fruta de extremo valor histórico e de grande valor nutricional.

DICA: Prefira cacau 100% orgânico, sem açúcar (vendido em lojas de produtos naturais).

Receitinha

Brigadeiro de cacau

Ingredientes:

1 lata de leite condensado (395 gramas)
1 colher (de sopa) de manteiga sem sal (20 gramas)
2 colheres (de sopa) de cacau 100% (sem açúcar)
1 pitada de sal
Confeitos para decorar (a gosto)

Modo de preparo:

Em uma panela de fundo grosso junte o leite condensado, a manteiga, o cacau e o sal. Coloque no fogo baixo e mexa sem parar, raspando principalmente as bordas da panela com uma espátula, até que desgrude da panela e chegue no ponto de enrolar. O ponto do brigadeiro é quando a massa desgruda totalmente do fundo, sem grudar na borda quando se vira a panela de lado. Deixe esfriar completamente. Passe quase nada de manteiga na palma da mão e com a ajuda de uma colher pegue um pouco da massa e faça bolinhas. Em seguida passe no confeito.

04 jul 2018

FAB realiza quarta etapa da interiorização dos imigrantes venezuelanos

fab4

Fonte: Ala 7, DIRAP e CINDACTA II 

Eram 08h35 (horário local) da manhã da última terça-feira (03/07), quando a aeronave Boeing 767 do Esquadrão Corsário (2°/2° GT) decolou de Boa Vista (RR) com destino a Recife (PE) e Rio de Janeiro (RJ), levando a bordo mais de 160 venezuelanos que viviam na capital roraimense. A missão fez parte do processo de interiorização da Operação Acolhida.

Os 115 imigrantes cujo destino era Recife foram distribuídos para as cidades de Igarassu (PE) e Conde (PB). Equipes do Exército Brasileiro, da Força Aérea Brasileira (FAB) e da Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude do Estado de Pernambuco organizaram a infraestrutura necessária para esse acolhimento emergencial. Segundo o Secretário da pasta, Cloves Benevides, toda ação é uma política do Governo Federal com os comitês de saúde, com os Ministérios da Justiça e do Desenvolvimento Social, em articulação com organismos internacionais. “Ao chegarem nas cidades, a pretensão é inseri-los no mercado de trabalho e na educação. Por isso, a Secretaria de Desenvolvimento Social do Município, as secretarias de educação, somadas com esforços do próprio Governo do Estado irão procurar construir as alternativas e, a partir de agora, começa uma nova operação entre os órgãos do Município, do Estado e do Governo Federal”, ressaltou o secrerário.

Para os venezuelanos que desembarcaram na cidade, a expectativa é de uma vida melhor. “Espero que meus filhos tenham educação aqui no Brasil e que eu possa dar melhores condições à minha família que ficou na Venezuela”, disse Virginia Marque, que veio ao país com três filhos pequenos.

O Prefeito de Igarassu (PE), Mário Ricardo, esteve presente na recepção aos imigrantes. “A expectativa em recebê-los é grande e há uma preocupação em fazer a integração dessas pessoas, que vêm de um outro local completamente diferente do nosso. Mas estamos preparados para acolhê-los: são nossos vizinhos e irmãos”, disse.

Após o pouso em Recife, o avião da FAB seguiu viagem com os demais venezuelanos para a capital fluminense, onde pousou às 18h05 nas dependências da Ala 11. Esta será a primeira vez que essas três cidades recebem os voluntários da interiorização. Ao todo, já foram interiorizadas quase 530 pessoas para as cidades de São Paulo (SP), Cuiabá (MT) e Manaus (AM).

Elisa Lafon chegou ao Rio, acompanhada pelo filho mais velho, de 19 anos, cheia de expectativas. “Estou há sete meses em Boa Vista, fiquei os primeiros quatro morando na rua. Consegui trabalhos como diarista pra ganhar R$ 300,00 por mês, mas meu filho não conseguiu nada. Lá não tem oportunidade para os homens”, conta a mãe e professora de Biologia, que deixou o marido e três filhos na Venezuela, e ainda tem uma filha que migrou para o Panamá em busca de uma vida melhor. “Agradeço ao governo brasileiro e à ONU, estamos sendo muito bem cuidados. Tenho esperança de conseguir emprego aqui no Rio e oportunidade para trazer minha família”, comenta.

Paulo Sergio de Almeida, representante da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que apoiou o desembarque no Rio de Janeiro (RJ), explicou que a cidade, embora esteja recebendo imigrantes venezuelanos pela primeira vez, já recepcionou pessoas provenientes da Síria e do Congo. “Conforme a existência de locais para acomodar essas famílias e uma rede de apoio, é feita a escolha das cidades. Cada abrigo tem um perfil de pessoas que pode acomodar, este, por exemplo, ajudará a muitas famílias com crianças”, disse.

Voluntário para o processo de interiorização, Eduardo José Medrano, que embarcou com sua esposa e três filhos, disse que veio ao Brasil em busca de novas oportunidades e de um recomeço na vida da sua família. “Quero trabalhar e dar uma melhor condição de vida para minha família. Fui muito bem tratado no abrigo e espero retribuir de alguma forma a acolhida brasileira. Sonho com ensino de qualidade para meus filhos e um emprego digno”, contou, emocionado.

Missão gratificante

Um dos pilotos da aeronave, o Major Aviador Marcos Fassarela Olivieri, considera a missão gratificante. Segundo ele, a tripulação do Boeing 767 se sentiu realizada por ajudar, em um só voo, dezenas de pessoas. “A expressão de contentamento no rosto de homens, mulheres e crianças é também um reconforto aos militares envolvidos na missão”, disse. Outro piloto, o Tenente Edgard Gomes Almeida, concorda. “Essa missão é muito importante para nós, uma vez que fazemos parte de uma ação que contribui para dar um pouco mais dignidade para essas pessoas que estão precisando da nossa ajuda”, relatou o oficial.

Na oportunidade, o Esquadrão Corsário também realizou o transporte de mais de 50 militares da FAB e do Exército Brasileiro que participaram da Operação Acolhida para seus locais de origem, concluindo mais uma etapa do processo de substituição do efetivo.

Por mais de 60 dias corridos, o Tenente Intendente Guilherme Teixeira Alcântara, da FAB, esteve à frente do efetivo que produz, diariamente, 4.500 refeições para os abrigos de venezuelanos em Boa Vista. Ele relata que, em sua primeira missão operacional fora de sede, retorna para casa com o sentimento de dever cumprido e com o pensamento de que seu trabalho, de alguma forma, serviu para dar mais conforto aos imigrantes.

“Nossa equipe volta para casa com bastante orgulho de poder ter ajudado essas pessoas que passam por bastante dificuldade, de uma forma que está ao nosso alcance, de uma maneira que a gente gosta, sanando uma das necessidades básicas do ser humano que é a alimentação”, disse o Tenente Alcântara.

Interiorização dos imigrantes

Desde março desse ano, a Operação Acolhida busca reduzir os impactos da migração venezuelana no Estado de Roraima, por meio de um esforço conjunto de diversos ministérios, Forças Armadas, instituições federais, estaduais municipais e conta, ainda, com apoio de agências da ONU como a Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Agência das Nações Unidas para as Migrações (OIM) e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), além das ONGs de ajuda humanitária. De acordo com números da Polícia Federal, cerca de 110 mil venezuelanos cruzaram a fronteira entre os países entre 2017 e 2018 e mais de 50 mil vivem na capital.

Uma das vias dessa Operação é o processo de interiorização dos venezuelanos pelo território nacional. Sob coordenação da Casa Civil, da OIM (órgão da ONU com experiência mundial em realocação geográfica de grandes efetivos populacionais), os imigrantes voluntários passam por uma sessão de orientação sobre o processo de interiorização e as cidades de destino, realizam exame de saúde, são imunizados, abrigados na cidade de destino e acompanhados nos abrigos.

*Com a colaboração de Tenente Ranyer (Ala 7), Tenente Bianca (CINDACTA III) e Tenente Paola (DIRAP)

Fotos: Sargento Rocha/Ala 11; Sargento Neves/Ala 7; Sargento Jairo/CINDACTA III

Página 1 de 4912345... 49Próximo