Categoria "saúde"
04 mar 2016

Lancheira térmica conquista cada vez mais adeptos da alimentação saudável

lancheira_bonita2

Divulgação

 

Por: Aline Penedo – Equipe de Nutrição Alessandra Feltre

A correria dos tempos modernos tem feito com que muitas pessoas busquem diversas alternativas que possam auxiliar na hora de fazer uma dieta. Os dias completamente tomados por tarefas do trabalho e da casa têm diminuído cada vez mais o tempo para se dedicar à alimentação de forma adequada. Além disto, nem sempre é fácil encontrar lugares que ofereçam refeições equilibradas.

Tudo isto faz com que as pessoas que desejam realmente seguir uma dieta busquem driblar essas situações recorrendo às marmitas para realizar lanches ou até grandes refeições, como o almoço. Tendo em vista esta mudança de comportamento, o ato de “marmitar” chegou com força total e vem ganhando cada vez mais adeptos. O que muita gente não sabe é que o hábito de preparar marmitas, além fazer bem para a saúde e ajudar na dieta, traz mais dois grandes benefícios:

. Economia – Preparar as refeições em casa geralmente tem custo mais baixo do que realizá-las na rua (restaurantes ou lanchonetes);

. Asseio – Ter controle de como o alimento é preparado e ainda conseguir dosar as quantidades de todos os ingredientes que vai colocar na marmita. Isso evita cair em tentações e comprar alimentos que não estão na dieta – este ponto ajuda muito a manter a disciplina.

E quais são as dicas mais importantes que devem ser levadas em consideração na hora de montar a marmita?

. Se já houver um acompanhamento nutricional, seguir exatamente o que foi prescrito, obedecendo as quantidades e os grupos alimentares indicados. O exagero ou a falta de nutrientes pode afetar o resultado dos objetivos desejados;

. Se não houver acompanhamento nutricional, o indicado é evitar grandes quantidades de alimentos ricos em carboidratos e gorduras e investir em saladas e legumes, carnes grelhadas e frutas;

. Para o almoço/jantar, deve-se usar um vasilhame para saladas cruas (que devem ser temperadas na hora, para não murchar) e outro para alimentos cozidos que podem ser esquentados no micro-ondas;

. Devem ser utilizadas lancheiras térmicas para que os alimentos não estraguem durante o transporte (algumas são vendidas com sachê de gelo reutilizável);

. Tomar muito cuidado com a temperatura de armazenamento de alimentos perecíveis como o iogurte, derivados do leite, frango, entre outros. Eles devem ser mantidos refrigerados em lancheiras térmicas ou geladeira.

No mais, é só preparar a marmita na noite anterior ou logo pela manhã para que não se esqueça de nada e aproveitar os benefícios que ela trará.

02 mar 2016

Depressão é a segunda causa de afastamento do trabalho no Brasil

trabalhador3

Imagem/Google

Por: Maria Inês Vasconcelos – Advogada Trabalhista, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora

Segundo a Organização Mundial de Saúde – OMS, até 2020, a depressão será a maior causa de afastamento do trabalho, no mundo. No Brasil a situação é gravíssima e clama por atenção dos envolvidos. De acordo com informações colhidas junto ao site do Senado Federal, a depressão é hoje a segunda causa de afastamento do trabalho no território brasileiro, só perdendo para as Lesões por Esforço Repetitivo (LER), também denominados Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT).

E não é só. Uma pesquisa realizada pela Universidade de Brasília (UnB) em parceria com o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) revela que 48,8% dos trabalhadores que se afastam por mais de 15 dias do trabalho sofrem com algum transtorno mental, sendo a depressão o principal deles.

Dentro desse enfoque, a depressão vira uma questão social, deixando de se encaixar como um problema meramente corporativo,  assumindo feições  de verdadeira epidemia.

Para os que não sabem, de acordo com o Art. 20 da Lei Nº 8.213 /91, a depressão pode ser incluída como doença profissional, desde que comprovado o nexo com o trabalho. Isto quer dizer que, se restar demonstrado que foi o ambiente laborativo, com todas as suas características nocivas, a plataforma disparadora da depressão ou o agravador da patologia, em determinadas circunstâncias, o patrão pode ser declarado culpado.

Para que não paire dúvidas, os prejuízos decorrentes desses afastamentos e dessas indenizações  são incalculáveis, não sem considerar que a depressão é por sua natureza, uma patologia, que tem nuances próprias, sendo a reincidência uma de suas marcas.

Além de representar custos elevadíssimos para o patrão, a depressão do trabalhador causa problemas de toda ordem dentro de uma instituição, comprometendo de forma direta o resultado financeiro da empresa. É o caso dos bancos.

Dentre os setores que mais produzem trabalhadores deprimidos, podemos destacar realmente os bancos brasileiros, que são realmente máquinas de adoecimento, na medida em que levam seus funcionários ao limite emocional e físico.

No setor bancário, a reorganização do trabalho, aceleração tecnológica, a onda de privatizações, fusões e programas de demissão incentivada, acrescidos pela pressão para o atingimento de metas, as longas jornadas, e constante medo do corte demissional, bem como assédio, são as principais causas da depressão. Pode-se dizer, que os bancos fabricam deprimidos.

Para os especialistas, que ainda engatinham na solução desse problema, os programas de qualidade de vida adotados pelas empresas poderiam atenuar os casos de doença e  ajudar no processo, seja na forma de suporte necessário ao funcionário deprimido seja pela prática de ações gerais de prevenção à saúde e melhoria do bem-estar.

Segundo a psiquiatra Silvia Jardim, que estuda o assunto com profundidade e coordena o Programa de Atenção à Saúde Mental dos Trabalhadores (PRASMET/IPUB/UFRJ), as depressões irrompem o século XXI como “mal do século” e o mal-estar no trabalho chega ao suicídio. “São tempos em que as pessoas se queixam da falta de trabalho, da ameaça de perdê-lo ou das pressões a que se submetem para preservá-lo”.

Dessa forma, a depressão clama por atenção, sendo necessário que haja união de forças e um entorno social entre na agenda de empresários e órgãos de classe, bem como do próprio INSS.  Esse cenário alarmante clama por políticas claras que possam combater, ou pelo menos atenuar esse panorama tão triste e tão real.

24 fev 2016

Bruxismo: stress presente nos dentes

Arquivado em saúde, Saúde Bucal
Bruxismo-placa

Imagem/Google

Por: Paulo Coelho Andrade, especialista em implantodontia e odontologia estética

Tensões emocionais, trânsito, excesso de responsabilidades, e agitações decorrentes de pressões diárias resultam em stress. A doença está diretamente ligada ao hábito de ranger ou apertar os dentes involuntariamente, configurando uma disfunção oral chamada bruxismo. Podendo ser diurno ou noturno (mais comum), o problema causa dores na cabeça, na mandíbula, desgaste dental e pode atingir pessoas de todas as idades, em ambos os sexos.

Até mesmo crianças com excesso de atividades ou que passam por problemas psicológicos (traumas, brigas de família ou cobranças demasiadas) têm muita probabilidade de desenvolver o bruxismo. A disfunção acaba funcionando como um termômetro psicológico bucal, pois a maioria das pessoas que possuem os sintomas tem aumento, direto ou indireto, da tensão emocional. O bruxismo sobrecarrega de forma excessiva todos os tecidos do suporte, podendo causar deterioração dental como fraturas de dentes e restaurações, diminuindo a real dimensão da arcada dentária. Os sinais mais aparentes da disfunção são fadiga muscular, dores encefálicas e mandibulares, desgaste dentário e retração gengival acompanhada de lesão óssea, que pode levar até à perda dos dentes.

Quando a mandíbula e a maxila estão pressionadas, ocorre uma isquemia crescente com queda da oxigenação e acúmulo de produtos metabólicos, o que ocasiona o estímulo das terminações nervosas, que geram a dor. Classificado de acordo com o tipo de prevalência da contração muscular, cêntrico (apertamento) e excêntrico (ranger), o bruxismo pode ser apresentado pela maioria dos indivíduos em algum momento de suas vidas, com intensidade e duração variáveis. Apesar de serem fortemente associados a alterações emocionais e situações de estresse, alguns casos podem ter etiologia multifatorial, como oclusão ou fechamento inadequado da boca, por exemplo.

Alguns especialistas qualificam a disfunção como uma alteração muito destrutiva, sendo sua origem tão remota quanto a do próprio homem. Apesar de ser observado em todas as faixas etárias, o distúrbio tende a diminuir com a idade, principalmente após os 50 anos. O tratamento desta disfunção consiste no uso de uma placa que protege os dentes, alivia o sistema mastigatório durante as crises e reduz a atividade elétrica muscular causada pela tensão dos músculos faciais. Em casos mais graves é necessária uma reabilitação bucal total, onde se restauram todos os dentes com porcelana, resinas, cerômetros ou até implantes (nos casos de perda dental).

O ideal é perceber que o problema não vem do nada e tentar achar suas causas no dia a dia. Um acompanhamento psicológico junto ao dentário pode auxiliar na cura do bruxismo, dado que a terapia identifica e trata as dificuldades emocionais associadas ao distúrbio. Qualquer situação estressante para alguém pode agravar o problema. O ideal é tentar aliviar a tensão de todas as formas. A prática de esportes e exercícios de relaxamento também são importantes fatores para ajudar a diminuir a stress.

Página 35 de 50«1 ...313233343536373839... 50Próximo