Categoria "saúde"
27 maio 2021

Assembleia: garantia de absorventes a mulheres vulneráveis tem parecer favorável

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária (FFO) aprovou, nesta quinta-feira (27/5/21), parecer de 1° turno favorável ao Projeto de Lei (PL) 1.480/20, que trata da oferta de absorventes higiênicos em escolas públicas, unidades básicas de saúde, abrigos e unidades prisionais. Agora, o projeto está pronto para ser analisado pelo Plenário.

De autoria da deputada Leninha (PT), o projeto dispõe, originalmente, sobre a obrigatoriedade do fornecimento, pelo Estado, de absorventes higiênicos nos locais mencionados. O relator, deputado Ulysses Gomes (PT), opinou pela aprovação na forma do substitutivo n° 2, da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher. Ficou prejudicado o substitutivo nº 1, da Comissão de Constituição e Justiça.

O substitutivo n° 2 teve como objetivo promover melhorias no texto original. Ele deixa claro que a nova lei trata da garantia de acesso das mulheres em situação de vulnerabilidade social a absorventes, sendo que o item deve estar disponível nas escolas públicas, unidades básicas de saúde, abrigos e unidades prisionais.

Segundo o novo texto, a garantia de acesso a absorventes higiênicos tem como objetivos a defesa da saúde integral da mulher, a conscientização sobre o direito da mulher aos cuidados básicos relativos à menstruação, a prevenção de doenças e a diminuição da evasão escolar.

Por fim, outro dispositivo trata das ações que devem ser adotadas como, por exemplo, o incentivo à fabricação de absorventes higiênicos de baixo custo por microempreendedores individuais e pequenas empresas.

Isso é importante porque, conforme ressalta o deputado Doutor Paulo na justificativa que acompanha o projeto, fere a razoabilidade e a dignidade da pessoa humana deixar um servidor, que já está em dificuldade, sem receber salário ou benefícios, por exemplo, enquanto aguarda uma decisão final sobre esses pagamentos.

Por Assessoria de Comunicação ALMG

24 maio 2021

Vamos falar sobre incontinência urinária

Arquivado em Cidade, Comportamento, saúde

Por Dr. Renato Teixeira Mascarenhas*. Definida como a perda involuntária de urina, acomete 45% das mulheres e 15 % dos homens com mais de 40 anos, segundo estudo realizado no Brasil.

Apresenta-se de forma diversificada, desde perdas leves e esporádicas de urina até perdas iminentes e abundantes, trazendo a necessidade do uso de absorventes e até de fraldas. Muitas vezes relevada, seja por conformismo ou mesmo vergonha, pode causar impacto significativo na qualidade de vida do indivíduo, com repercussões na sua higiene e saúde.

Dermatites causadas pelo contato da urina com a pele são frequentes. Distúrbio do sono causado por idas constantes ao banheiro durante a noite favorecem o cansaço crônico, quedas em populações mais idosas e predispõe a doenças como hipertensão arterial, dentre outras.

É comum notar uma significativa redução na ingestão de líquidos em portadores de incontinência, sob o raciocínio equivocado de que produzir menos urina implica menor perda. A desidratação crônica poderá desencadear outras consequências para a saúde. Ansiedade, piora da autoestima, diminuição da atividade sexual e depressão são condições que poderão se instalar a partir de um quadro de incontinência.

Há, também, o impacto social. O afastamento de amigos e família pode ocorrer devido ao constrangimento de perda urinária em público ou a preocupação com o eventual odor de urina exalado pela roupa.

Idas e vindas a qualquer lugar ficam restritas aos locais que apresentam banheiros acessíveis no trajeto.

Mais que um problema do indivíduo, trata-se de um problema de saúde pública. Provavelmente, milhões de reais são gastos por ano no Brasil por tudo que envolve a incontinência urinária, desde a aquisição de fraldas geriátricas e medicamentos, até a realização de eventuais cirurgias para o tratamento, fato que, em janeiro de 2020, o senado brasileiro realizou uma sessão especial para discussão sobre o tema.

Existem vários tipos de incontinência urinária, dependendo dos fatores causais, sendo mais frequentes a incontinência por esforço, a incontinência por urgência, além da incontinência mista.

Na incontinência por esforço, a perda urinária ocorre quando o indivíduo ri, tosse, espirra ou caminha. Nas mulheres, a causa está relacionada, principalmente, à fraqueza dos músculos pélvicos que sustentam a uretra e a bexiga; nos homens, por outro lado, tal condição é mais comumente relacionada a problemas relacionados à próstata.

Na incontinência por urgência, ocorre uma vontade súbita de urinar em decorrência de contrações inesperadas da bexiga. O principal fator causal é o envelhecimento, embora tal quadro possa ser notado eventualmente em indivíduos jovens saudáveis.

Finalmente, o tipo misto que engloba as características dos dois tipos de perda urinária anteriormente descritas.

Dentre os fatores de risco para o desenvolvimento da incontinência estão a idade, obesidade, tabagismo, ingestão excessiva de cafeína, diabetes, doenças neurológicas, dentre outros.

No caso das mulheres, o número de gestações, tipo do parto e história de cirurgia do útero são relevantes. Nos homens, frequentemente, as doenças da próstata estão associadas a perda urinária.

O tratamento deverá ser orientado por um médico urologista com avaliação histórica do quadro, exame físico e, eventualmente, alguns poucos exames e testes a fim de se diagnosticar o tipo da incontinência, sua intensidade e fator causal.

Mudanças de hábitos, fisioterapia, medicamentos e eventualmente cirurgias poderão ser indicadas, caso a caso. Com o tratamento adequado, a melhora e até a cura são observadas em mais de 80% dos casos.

Fica o conceito de que a perda urinária pode afetar (e muito) a qualidade de vida. Então, se você é portador de incontinência urinária ou conhece alguém que seja, a hora é de atitude!

No ano 1 d.C., Sêneca, filósofo romano, conselheiro de César, imperador de Roma, escreveu: “Não importa o quanto viveremos, mas a qualidade de vida que teremos”.

*Urologista do Corpo Clínico do Biocor Instituto, Membro titular da sociedade brasileira de urologia, mestre em ciências da saúde pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, coordenador do departamento de urologia feminina da Sociedade Brasileira de Urologia, seção MG.

12 maio 2021

Um convite para uma experiência gastronômica vegetariana, sem sair de casa!

No Brasil, 14% da população se declara vegetariana, segundo pesquisa do IBOPE Inteligência conduzida em abril de 2018. No entanto, nas regiões metropolitanas de São Paulo, Curitiba, Recife e Rio de Janeiro este percentual sobe para 16%. A estatística representa um crescimento de 75% em relação a 2012, quando a mesma pesquisa indicou que a proporção da população brasileira nas regiões metropolitanas que se declarava vegetariana era de 8% . Hoje, isto representa quase 30 milhões de brasileiros que se declaram adeptos a esta opção alimentar – um número maior do que as populações de toda a Austrália e Nova Zelândia juntas.

Você sabe o que é vegetarianismo?

Vegetarianismo é o regime alimentar que exclui os produtos de origem animal. Os principais tipos de vegetarianismo, segundo a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB),  são:

Ovolactovegetarianismo: utiliza ovos, leite e laticínios na sua alimentação.

Lactovegetarianismo: utiliza leite e laticínios na sua alimentação.

Ovovegetarianismo: utiliza ovos na sua alimentação.

Vegetarianismo estrito: não utiliza nenhum produto de origem animal na sua alimentação.

Já o veganismo, segundo definição da Vegan Society, é um modo de viver (ou poderíamos chamar apenas de “escolha”) que busca excluir, na medida do possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade contra os animais – seja na alimentação, no vestuário ou em outras esferas do consumo.

Há dez anos resolvi abandonar o consumo de carnes e reduzir o consumo de leites e derivados. Já o ovo ainda faz parte da minha vida, mas prefiro os orgânicos. Os motivos da decisão foram muitos: mudança alimentar mais ética, sem sofrimento animal; questões espirituais e estilo de vida mais saudável. Confesso que colho os benefícios de uma existência mais virtuosa. Acredite!

O chamado para um consumo sustentável foi na infância, mas a pouca divulgação sobre o vegetarianismo provocou uma certa desconfiança na minha família. Na época, a indústria da alimentação oferecia poucas opções de produtos sem origem animal. Hoje, o mercado cresceu significativamente. Por isso, sempre que possível e sem fanatismo ideológico, procuro oferecer conteúdos sobre os hábitos alimentares que promovem o bem-estar do planeta.

Foi com muito prazer que eu recebi da empresa Pranic, sediada no bairro Cruzeiro, em Belo Horizonte, alguns produtos sem o uso de carne e ovos, que primam pela qualidade dos ingredientes e variedade de ervas e especiarias. Quero compartilhar a minha experiência gastronômica vegetariana de primeira linha, aqui em BH

Em primeiro lugar, sem sobras de dúvidas, conforme o meu paladar, o voto vai para o Creme de Abóbora, Cogumelo Shimeji, Sementes e Grãos. O produto é vegano, sem glúten, com cogumelo shimeji refogado no azeite , alho poro , coco aminos, quinoa, semente de girassol, semente de abóbora, gergelim branco e preto.

Já experimentei cremes de abóbora de outras marcas, mas o produto oferecido pela Pranic é, indiscutivelmente, mais saboroso. Preciso dizer que abóbora é um dos frutos que eu mais amo. Achei incrível. Presto muita atenção também no cheiro da comida, já que isso diz muito sobre qualquer alimento. Consegui perceber todos os ingredientes informados na embalagem. É uma explosão de sabores e cheiros. O creme de abóbora não contém glúten, não contém lactose.

O  Kibe de Abóbora tem um cheiro sensacional. Muito bom! O trigo para Kibe é hidratado em um creme de abóbora temperado com zattar, pimenta síria e hortelã. O recheio é composto por tomate, azeitona, castanha do Pará e queijo minas padrão. O gosto da abóbora é bem suave. A castanha é um toque de gênio.

A linha de hamburguer vegano  é uma opção bem bacana no pão e, também, no acompanhamento de um prato tradicional, como arroz, feijão e saladinha.

Hamburguer Vegano de Batata Doce e Cogumelo a base de batata doce, cogumelo shimeji, quinoa, semente de girassol, semente de linhaça, grão de bico, alho poró, azeite de oliva extra virgem, sal marinho, gergelim, salsinha, cebolinha, orégano, zathar e manjericão. Amo batata-doce, por isso o hambúrguer merece o meu destaque.

Hamburguer de Grão de Bico e Quinoa é composta por grão de bico, quinoa, queijo minas padrão, ricota, cebola, alho, linhaça, semente de girassol, cenoura, cebolinha, salsa, manjericão, orégano, páprica e sal. A combinação de sabores me agradou muito.

Já o Hamburguer Vegano de Tempeh foi o meu preferido. A massa é composta por tempeh (derivado da soja orgânica e rico em proteínas), cebola, cenoura, coentro, hortelã, manjericão, linhaça, aveia, farinha integral, amêndoas, semente de girassol, óleo de girassol, shoyo light, pimenta preta, garam masala e sal.Produto Vegano.

Canelone de Abobrinha é muito suave e perfeito. Possui como base molho vermelho, feito de tomate orgânico e manjericão. O canelone é feito com abobrinha em finas lâminas, que envolvem o recheio de alho poró, ricota, castanha do Pará, salsinha, cebolinha e espinafre. Os canelones são cobertos por molho branco feito a base de farinha de arroz, queijo minas padrão e gergelim preto.

Fiquei muito surpresa com o Baião de Dois. Achei fantástico. O tradicional arroz com feijão em uma versão que utiliza o arroz integral, feijão azuki, gengibre, alho poro, cebolinha, cenoura vermelha e semente de girassol. Pensamos em uma base para a refeição diária que pode ser complementada com o cardápio da sua preferência.

Bom apetite!

Página 4 de 881 ...12345678... 88Próximo