Categoria "saúde"
27 nov 2015

Abrasco questiona progresso e crescimento econômico a qualquer custo

Arquivado em Meio Ambiente, opinião, saúde

nota_de_repudio

NOTA ABRASCO: A Abrasco foi criada com o objetivo de atuar como mecanismo de apoio e articulação entre os centros de treinamento, ensino e pesquisa em Saúde Coletiva para fortalecimento mútuo das entidades associadas e para ampliação do diálogo com a comunidade técnico-científica e desta com os serviços de saúde, as organizações governamentais e não governamentais e a sociedade civil.

“A Abrasco, através de sua Direção e seus Grupos Temáticos (GTs) de Saúde e Ambiente e de Saúde do Trabalhador, se solidariza com todas as comunidades e trabalhadores atingidos, assim como todas as entidades e movimentos sociais e sindicais que, nesse momento, se mobilizam para compreender e enfrentar os terríveis efeitos da tragédia decorrente do rompimento da barragem de rejeitos de minérios da empresa Samarco, controlada pela Vale e a australiana BHP.

É preciso dar dignidade às mortes e destruições ocorridas por meio da memória coletiva dos que lutam por justiça: familiares, comunidades, movimentos e entidades parceiras e solidárias. Além dos mais de 20 mortos e desaparecidos, são inúmeras as comunidades, territórios, atividades econômicas e cursos d´água atingidos, devastados e contaminados, indo desde Bento Ribeiro, distrito de Mariana, em Minas Gerais, até centenas de quilômetros de distância no Espírito Santo. Foram mais de 200 municípios atingidos ao longo do Rio Doce, com a morte de várias espécies de peixes e outros animais, incluindo espécies típicas da bacia do Rio Doce que podem ser extintas. A devastação afetou agricultores familiares, pescadores artesanais, quilombolas e até mesmo o povo indígena Krenak, cuja cultura e a subsistência dependem do Rio Doce.

Os efeitos da tragédia se prolongarão por décadas, e não há como reverter as perdas de vidas humanas e dos ecossistemas destruídos. A maior ou menor gravidade do que virá, assim como a repetição de novos desastres, dependerá de como a sociedade brasileira compreenderá e se mobilizará para transformar os processos que determinaram sua ocorrência.

A tragédia atual é uma repetição agravada de várias outras que vêm acontecendo nos últimos anos. Portanto, uma tragédia anunciada e que se relaciona diretamente com fundamentos centrais da saúde coletiva e do movimento pela reforma sanitária no Brasil: a determinação social da saúde, o enfrentamento das desigualdades sociais, espaciais e ambientais, e a luta por democracia.

O Brasil é o segundo maior exportador de minério de ferro, e a Vale é a maior empresa mundial neste ramo, além de grande financiadora de partidos e políticos que, eleitos, atuam como legisladores e gestores. Este fato alimenta a postura absurda de várias “autoridades” eleitas ao relativizarem as responsabilidades de empresas que os apoiaram financeiramente.

O crescimento da megamineração se viabilizou no país com inúmeros problemas e falhas. Como revelam diversos artigos e notas produzidos recentemente após o desastre , problemas ocorreram em diversas fases e setores, desde a gestão, licenciamento, fiscalização, monitoramento, até a vigilância e o sistema de emergência. Empresas, com tecnologias e formas de gestão inseguras e perigosas, se espraiam na busca pelo lucro rápido da megaprodução, fato agravado por conjunturas de quedas nos preços do volátil mercado de commodities. Essa é uma das armadilhas de nosso modelo de desenvolvimento atual.

Neste momento é preciso que o setor saúde e suas instituições façam parte do enorme esforço de analisar os efeitos da tragédia, monitorando a contaminação, a qualidade da água e seus efeitos na saúde no curto, médio e longo prazo das populações atingidas e expostas. Mais importante ainda: é fundamental que a saúde coletiva se some às mobilizações sociais e processos que resgatem a dignidade de trabalhadores, comunidades e gerações futuras em defesa dos direitos constitucionais ao meio ambiente equilibrado, à saúde e à participação. É absolutamente estratégico avançar em mudanças estruturais do modelo de sociedade e desenvolvimento, da gestão ambiental, da vigilância e promoção da saúde.

Aprenderemos com a tragédia de Mariana se medidas exemplares de transformação forem criadas. Por exemplo, responsabilizar econômica e criminalmente empresas e gestores omissos; fortalecer instituições dos setores ambiental, da saúde e do trabalho atualmente vulnerabilizadas em seus papéis de cuidar dos direitos fundamentais ao meio ambiente equilibrado, ao trabalho digno e à saúde; construir planos de reparação e recuperação democráticos e eficientes, com a participação do Ministério Público, da Defensoria Pública e das comunidades atingidas.

A Abrasco está mobilizada no acompanhamento permanente das comunidades e trabalhadores atingidos através de vários de seus GTs, e participará ativamente dos desdobramentos desse episódio. Por fim, é preciso questionar a ideia de progresso e crescimento econômico a qualquer custo. A megamineração do mercado global de commodities faz parte desse modelo de desenvolvimento. Outros países soberanamente, como a Costa Rica, já abriram mão dessa forma de exploração humana e da natureza.

A Abrasco se propõe a continuar atuando no fortalecimento de alianças, diálogos e convergências que valorizem uma ciência engajada e de qualidade junto com as vozes dos territórios e populações atingidas, dos movimentos sociais, sindicais e por justiça ambiental. Além das denúncias, precisamos avançar nos anúncios de que outros futuros são possíveis e já estão sendo construídos no presente, através de inúmeras lutas e experiências. Elas revelam, em diferentes níveis – cotidiano, local e global – as sementes de novas práticas sociais, institucionais, acadêmicas e econômicas mais sustentáveis, solidárias, justas e saudáveis.”

26 nov 2015

Sociedade Mineira de Terapia Intensiva oferece gratuitamente treinamento de Ressuscitação Cardiopulmonar

Arquivado em saúde

cardio

A Sociedade Mineira de Terapia Intensiva (Somiti) – departamento científico da Associação Médica de Minas Gerais (AMMG), oferece a comunidade em geral, no dia 26 de novembro, de 16h30 às 19h30, o 7º Treinamento em Massa de Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP). As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site:www.somiti.org.br. A campanha teve início em julho e segue com cursos mensais. O objetivo é falar e ensinar os procedimentos de um atendimento precoce e correto de vítimas de parada cardíaca súbita. A reciclagem, segundo normas da American Heart Association (AHA), deve ser feita de dois em dois anos.

De acordo com a AHA, mais de 80% das paradas cardíacas súbitas acontecem fora do ambiente hospitalar e uma porcentagem importante delas (quase 15%), ocorre em vias públicas ou em áreas de grande concentração de transeuntes. Destas vítimas, 92% não sobrevivem. Para a gestora de qualidade da Somiti e coordenadora dos cursos Basic Life Support (BLS) e Advanced Cardiovascular Life Suport (ACLS) da AHA, Maria Aparecida Braga, esses casos são assistidos frequentemente por pessoas que não sabem o que fazer frente a uma situação de emergência e são, na maioria das vezes, leigas e de idades variadas. “Essa estatística pode melhorar se o indivíduo que testemunha uma situação de emergência tem a simples habilidade de aplicar corretamente as manobras de reanimação cardiopulmonar”, comenta a especialista em terapia intensiva.

Segundo a enfermeira e coordenadora do programa de Basic Life Support (BLS) da AHA, Érika Azevedo Massimo, as vítimas de mal súbito são com frequência ativas. A parada cardíaca súbita não precisa e nem deve ser sinônimo de morte. “O fato de haver próximo ao vitimado, pessoas que saibam prestar o primeiro atendimento de forma rápida pode significar a diferença entre a vida e a morte”, reforça.

23 nov 2015

Anvisa libera registro de teste rápido de HIV para venda em farmácias

Arquivado em saúde, SUS
hiv

Creative Commons

Hoje mais de 140 mil brasileiros têm o HIV e não sabem. Para diminuir esse número, o Brasil vai contar com mais uma estratégia para ampliar o acesso ao diagnóstico do HIV. É que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) permitiu o registro de testes rápidos para triagem do vírus da aids que poderão ser feitos pelas próprias pessoas.

Os testes rápidos serão encontrados em farmácias, drogarias, postos de medicamentos, serviços de saúde e programas de saúde pública. E deverão conter informações claras que indiquem seu uso seguro e eficaz.

O resultado seja positivo ou negativo deverá ser confirmado por um serviço de saúde especializado em exames laboratoriais. Os responsáveis pelo teste deverá esclarecer também sobre a janela imunológica humana que é o intervalo de tempo entre a infecção pelo vírus e a produção de anticorpos no sangue.

O teste rápido não poderá ser utilizado no processo de seleção de doadores nos serviços de coleta de sangue. O Brasil passa a ser um dos poucos países a adotar o teste rápido.

Com informações: EBC

Página 41 de 49«1 ...373839404142434445... 49Próximo