Categoria "saúde"
03 nov 2015

Balão intragástrico ajuda na redução do peso e só é eficiente com mudança de hábitos

Arquivado em saúde

balao

Pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde revela que o índice de brasileiros acima do peso segue em crescimento no país. Mais da metade de população está nesta categoria (52,5%) e destes, 17,9% são obesos, fatia que se manteve estável nos últimos anos. Os números são da pesquisa Vigitel 2014 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), que coletou informações nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal.

O balão intragástrico (BIG) é um recurso clínico de tratamento da obesidade que consiste na colocação de um balão de silicone no estômago por endoscopia, promovendo diminuição do apetite e aumento da saciedade. Quando bem indicado, proporciona uma valiosa oportunidade de reeducação dos hábitos alimentares e melhora da relação do indivíduo com a comida e seus impulsos de fome. É um método de tratamento usado há vários anos que se aprimorou nos últimos anos.

Dois tipos de balão intragástrico para reduzir a ingestão de alimentos ganharam aprovação do FDA, a agência de vigilância sanitária dos EUA. Os novos produtos, remodelados, podem ser usados por períodos mais longos que os já liberados.

Usados tipicamente por períodos de até seis meses, os balões podem agora ficar por mais de um ano no sistema digestivo dos pacientes, forçando um período maior de restrição calórica. Os modelos de longo prazo, que têm a finalidade de reduzir a obesidade, já haviam sido aprovados na Austrália, no Canadá, no México e na Índia. Desde julho, os americanos já aprovaram duas marcas do dispositivo médico.

Conversei com o Dr. Bruno Queiroz Sander sobre vantagens e desvantagens do método. Ele atua na área médica desde 2004 e é capacitado em tratamento, colocação e retirada de Balão intragástrico pela SOBED (Sociedade Brasileira de Endoscopia). Além de médico, também foi usuário de balão de Novembro de 2011 a Maio de 2012

bruno

Adriana Santos: Como é colocado o Balão Intragástrico?

Bruno Sander: O Balão intragástrico é feito de silicone e é introduzido dentro do estômago por via endoscópica, associado a uma leve sedação. Logo após a sua introdução, o balão é inflado com cerca de 400 a 700ml de soro fisiológico, corado com tintura de azul de metileno. A finalidade é reduzir a ingestão de alimentos pela diminuição da capacidade de reserva do estômago. Trata-se de um procedimento simples (endoscópico) e realizado ambulatorialmente. Não é necessário internação.

Adriana Santos: Quem pode colocar o balão?

Bruno Sander: O Balão intragástrico é indicado para pacientes com IMC maior que 27kg/m², ou seja, desde pacientes com sobrepeso até pacientes com obesidade.

Adriana Santos: Há limites de idade?

Bruno Sander: A idade mínima recomendada é de 14 anos. Não há limite máximo de idade.

Adriana Santos: Quais as vantagens do balão?

Bruno Sander: Uma vez inflado dentro do estômago, o Balão Intragástrico, além de ocupar parte do órgão, também estimula receptores do fundo gástrico que sinalizam para o sistema nervoso central (cérebro) dando a sensação de saciedade precoce. O espaço ocupado pelo Balão Gástrico, também age na diminuição da capacidade do reservatório gástrico. Estes dois mecanismos de ação levam a diminuição da quantidade de alimentos ingeridos e com uma alimentação saudável, induzem a redução do aporte calórico, ocasionando perda de peso e tratamento da obesidade.

Adriana Santos: Há riscos ao colocar o balão?

Bruno Sander: O risco do procedimento de balão intragástrico é semelhante ao risco de uma endoscopia diagnóstica convencional, ou seja, um risco muito baixo.

Adriana Santos: Quais as restrições para o uso do balão?

Bruno Sander: Pacientes que já fizeram qualquer tipo de cirurgia no esôfago ou no estômago não podem fazer uso do balão intragástrico. Ele também é contra indicado em gestantes.

Adriana Santos: Há acompanhamento médico e nutricional?

Bruno Sander: Para que o tratamento tenha um resultado mais favorável o acompanhamento com nutricionista e psicólogo é imprescindível, além da prática regular de exercício físico.

Adriana Santos: Quais as desvantagens?

Bruno Sander: Nos primeiros dias os sintomas de adaptação (vômitos e náuseas) são incômodos, mas toleráveis. Mas é necessário manter uma dieta líquida nos primeiros 07 dias para que estes sintomas sejam mais brandos e para que o paciente mantenha-se sempre hidratado.

Adriana Santos: Uma pessoa pode perder até quantos quilos com o uso do balão?

Bruno Sander: Os estudos têm demonstrado uma perda média de 20% do peso total ou de até 80% do excesso de peso, principalmente em pacientes com sobrepeso e obesidade Grau I.

Adriana Santos: Qual a duração do balão?

Bruno Sander: No Brasil são aprovados dois tipos de balão intragástrico, o de 06 meses e o de 12 meses. Portanto, no fim deste período o balão precisa ser removido (também por endoscopia) e o paciente precisa manter a reeducação alimentar e o exercício físico para não ganhar peso novamente. Caso seja necessário, pode-se fazer o uso do balão intragástrico por mais de uma vez.

30 out 2015

Paciente com câncer realiza o último desejo: reencontrar seu cachorro

Arquivado em Animais, saúde
videocachorro

Reprodução/Facebook

Equipe de Cuidados Paliativos do Hospital Ernesto Dornelles, em Porto Alegre (RS), realizou o último desejo de uma paciente em fase terminal de um câncer: a visita de um amigo muito especial. Então todos se mobilizaram para promover o encontro entre Rejane e Ritchie na entrada do hospital. São cenas comoventes de uma amizade entre tutor e seu cachorro e vão ficar guardadas na eternidade. O vídeo foi gravado pela funcionária Janifer Severo e divulgado no Facebook. Já são milhares de visualizações, comentários e pedidos de amizade em apenas poucas horas. É difícil não se emocionar…

IMG_3203(1)

Assessoria Hospital Ernesto Dornelles

IMG_3205

Assessoria Hospital Ernesto Dornelles

IMG_3206

Assessoria Hospital Ernesto Dornelles

30 out 2015

A melhor forma de superar o medo da morte é viver com verdade, dizem especialistas

lana-del-rey-bio-1

Divulgação

A cantora Lana Del Rey, 30 anos, disse recentemente à Revista ‘Billboard’ que tem pânico da morte. Ela revelou ainda que recorre à terapia três vezes por semana. Tinha apenas quatro anos quando “percebeu”que a morte é inevitável. Desde aí, Lana Del Rey vive em constante sobressalto. “Lembro-me de ver um programa na TV no qual uma pessoa era assassinada. Perguntei aos meus pais: ‘Vamos todos morrer?’ Eles disseram: ‘Sim’. Fiquei completamente devastada e desatei a chorar”, recordou.

A cantora ainda relatou: ‘Aconteceu algo nos últimos três anos, com os meus ataques de pânico… estão piores. É difícil ter uma vida normal quando sabemos que todos nós vamos morrer”. Além da morte, a cantora disse que também tem medo de tubarões.

TANATOFOBIA: MEDO DA MORTE

Na mitologia grega, Tanato ou Tanatos era a personificação da morte, enquanto Hades reinava sobre os mortos no mundo inferior. Assim como Hades para os gregos, tem uma versão romana (Plutão), Tanatos também tem a sua: Orco (Orcus em latim) ou ainda Morte (Mors). Era conhecido por ter o coração de ferro e as entranhas de bronze.

Diz-se que Tanatos nasceu em 21 de Agosto, sendo a sua data de anos o dia favorito para tirar vidas.

Tanatos era filho de Nix, a noite, e Érebo, a noite eterna do Hades. Era irmão gêmeo de Hipnos, o deus do sono e era representado como uma nuvem prateada ou um homem de olhos e cabelos prateados. Tanatos tem um pequeno papel na mitologia, sendo eclipsado por Hades. Tanatos habitaria os Campos Elísios junto com seu irmão.

Três Medos – segundo o filósofo Jacques Choron existem três tipos de medo da morte: medo do que vem depois da morte (ligado as religiões, castigos, solidões, sentimento de culpa, etc.), medo do evento ou do processo de morrer (sofrimento prolongado, fraqueza, dependência, estar exposto e vulnerável, etc.) e medo do “deixar de ser” (é o mais terrível, é conflito entre o nada versus a continuidade após a morte, o não ser).

O medo é um sentimento natural e necessário para que sejamos prudentes frente a perigos. No entanto, medo excessivo é patológico. Segundo, Osho, em “O Livro do Viver e do Morrer: Celebre a Vida e Também a Morte”, o medo surge não por causa da morte, mas por causa da vida não vivida. E, por causa do medo da morte, a velhice também causa medo, pois esse é o primeiro passo para a morte. Do contrário, a velhice também é bela. Ela é o amadurecimento do seu ser, é maturidade, crescimento.

Conversei com duas profissionais sobre o processo de morrer: a vice presidente da Sotamig,  Cristiana Savoi,  e a psiquiátrica e coordenadora do Grupo de Enlutados- GAL, Mariel Paturle. Confira:

ENTREVISTA COM  CRISTIANA SAVOI

Adriana Santos: A morte é inevitável, mas muito temem ir embora. Por que temos tanto medo de morrer?

Cristiana Savoi: Essa é uma pergunta instigante. A morte é mistério e como tal gera medo e fascínio. Medo do fim, medo da perda, medo do desconhecido… Ninguém sabe o que vem depois… se é que há um depois . O medo da morte é quase universal naqueles que se sabem mortais. Animais morrem, mas não têm consciência da sua mortalidade e por isso não temem a morte .

Adriana Santos: Quando o medo da morte é uma doença?

Cristiana Savoi:  Quando ele é grande o suficiente para paralisar a vida. Quando é disfuncional e gera limitações nas atividades diárias da pessoa. Quando causa sofrimento desproporcional. Um pouco de medo é necessário à nossa sobrevivência. Por medo de morrer, não atravesso a rua sem olhar. Mas se deixo de sair de casa porque posso morrer atropelada, algo está errado.

Adriana Santos: As pessoas no final da vida, por conta de doenças terminais,  sentem muito medo de morrer?

Cristiana Savoi: O medo está presente muitas vezes, mas não obrigatoriamente. E nem sempre é o medo da morte em si. Pode ser medo da dor, da incapacidade, da dependência, do abandono. Como dizia Epicuro, não precisamos temer a morte, pois quando ela está, nós não estamos.

O medo da morte não é diretamente ligado à proximidade dela, no sentido temporal. Acredito que a intensidade do medo de morrer tenha mais relação com a percepção de cada um, com a experiência de vida, com as crenças e espiritualidade do paciente. Há doentes muito graves que, na iminência da morte, são capazes de experimentar grande aceitação, serenidade e paz. Vivem de modo pleno a experiência de morrer. Estão vivos no momento final. Há diversos relatos emocionantes de pacientes. A impressão que tenho é de que o medo da morte é inversamente proporcional ao sentido que se atribui à própria vida.

Adriana Santos: Como ajudar os pacientes terminas para uma boa morte?

Antes de tudo, é preciso ter conhecimento técnico no caso do médico, saber prescrever analgésicos, remédios pra controle dos sintomas desagradáveis, como falta de ar, agitação, vômitos e tantos outros, que podem ser intensos e devem ser tratados com eficiência e rapidez. Esse é o primeiro passo. É necessário conhecer o paciente, seus desejos e seu conceito de ‘ boa morte’ . Pra isso, a comunicação é imprescindível. O que é importante para aquela pessoa? Estar em casa? Estar lúcido? Ter a companhia de alguém especial? A relação de confiança e respeito entre o paciente, a família e os profissionais de saúde é a base para que se construa a ‘ boa morte’, ou a melhor morte possível…

ENTREVISTA COM MARIEL PATURLE

Adriana Santos: Por que ainda temos tanto medo de morrer?

Mariel Paturle: Temos medo da morte porque na nossa cultura não somos preparados para lidar com as perdas e nem com a nossa morte. Assim, as pessoas morrem despreparadas para morrer, como viveram despreparadas para viver. Vivemos negando a morte, a escondendo, a dissimulando. Vivemos como se fôssemos imortais. Já diz Mário Quintana; “Esta vida é uma estranha hospedaria, da qual saímos quase sempre às tontas, pois as nossas malas não estão prontas e a nossa conta nunca está em dia”…

Adriana Santos: Qual a melhor idade para se falar sobre a morte com as crianças?

Um dos objetivos da nossa associação, a SOTAMIG ( Sociedade de Tanatologia e Cuidado Paliativo de Minas Gerais), é o da educação para a morte, que deve começar desde cedo, na infância. Começar a trazer para as crianças a ideia que a morte é algo natural, que faz parte da nossa condição humana e que acontecerá a todos nós. Isto pode ser feito a todo momento em que ocorrer na vida da criança algum questionamento, ou pergunta a respeito. Estas informações serão passadas de acordo com a capacidade de compreensão e entendimento destas crianças, aproveitando fatos corriqueiros da vida, tipo a perda de um animal de estimação ou a morte de um amigo ou de um parente. E também permitir que elas compareçam a funerais, a velórios e sejam apresentadas a estes rituais. Isto deve ser feito, com o consentimento da criança, se ela manifestar esta vontade de ir.

Adriana Santos: Falar sobre a morte é sintoma de depressão?

Falar sobre a morte, ao contrário do que se imagina, não é um assunto depressivo, macabro ou que deva ser evitado. Pelo contrário, percebemos que falar da morte, é falar da vida! A morte nos remete ao sentido da vida. Ver a vida, sob a ótica da morte. Ela nos ensina a viver melhor. Ela é muito útil e prática para nos dizer que se o tempo é limitado,( não sabemos quando iremos, só que iremos um dia) então devemos aproveitá-lo e viver da melhor forma possível evitando procrastinações e adiamentos e de uma forma responsável. Frente à possibilidade da morte, tudo se ilumina no seu aspecto essencial. Estaremos alertas para o que estamos fazendo do nosso tempo de viver, o que estamos buscando e construindo nas nossas vidas.

Adriana Santos:  A senhora tem alguma dica para perder o medo da morte?

Mariel Paturle:  Se vivermos bem, de uma forma intensa, com bons vínculos e relacionamentos com as pessoas, se conseguirmos realizar os desejos da nosso coração, se sentirmos que a nossa vida valeu a pena, será na minha opinião, mais fácil ir embora. Poderemos ir serenos, sem grandes arrependimentos, sabendo que cumprimos a nossa missão, que o nosso tempo foi útil e proveitoso. Principalmente, se desenvolvemos o nosso potencial espiritual. Se crescermos como seres humanos. Sabendo que a nossa vida será transformada, que algo de nós permanece vivo e em constante evolução. Parece que tememos a morte, pois estamos no geral, muito identificados com o nosso corpo e vivendo de uma forma muito materialista. Temos medo de morrer porque não sabemos quem somos! Se tivermos a consciência da nossa espiritualidade, se a tivermos trabalhado em vida, poderemos ir tranquilos!

COMO SUPERAR O MEDO DA MORTE.

Saiba as 5 formas de ajudar no entendimento da origem do medo da morte. AQUI

Página 55 de 60«1 ...515253545556575859... 60Próximo