Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
15 out 2015

Comércio de animais no Mercado Central está cada vez mais próximo do fim

Arquivado em Direito Animal
mercado central

Foto: Adriana Santos

Mais uma etapa do movimento que exige o fim do comércio de aninais no Mercado Central de Belo Horizonte. O presidente da Comissão Extraordinária de Proteção dos Animais da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado Noraldino Junior, esteve reunido (14/10) com o Promotor de Defesa do Consumidor, Rodrigo Filgueira de Oliveira com o objetivo de entregar o laudo técnico pericial sobre as condições sanitárias e de tratos dos animais mantidos e comercializados no Mercado Central de Belo Horizonte, além de informação técnica do IBAMA sobre o local.

O laudo tem assinatura do médico-veterinário Gilson Dias Rodrigues que mostrou várias irregularidades que podem comprometer a saúde de todos: animais e seres humanos. Ele lembrou que o comércio de alimentos para consumo humano ao lado da venda de animais são atividades sanitariamente incompatíveis. “Há produção de fezes no mesmo ambiente que precisa da mais forte condição de limpeza possível”, afirmou, referindo-se a alimentos que também são vendidos no local.

O parlamentar denunciou à promotoria o desrespeito ao Código de Defesa do Consumidor com o comércio de animais no local que, segundo ele, lesa tanto quem compra os animais quanto os consumidores de alimentos. De acordo com o laudo, o Mercado Central não cumpre as condições sanitárias e é um ambiente insalubre para os trabalhadores, os consumidores e para os animais que lá são mantidos. Noraldino também entrou com denúncia contra o responsável Técnico do Mercado Central pelo descumprimento da Resolução 1.069, do Conselho Federal de Medicina Veterinária, que trata sobre as diretrizes gerais de responsabilidade técnica em estabelecimentos comerciais de exposição, manutenção, higiene estética e venda ou doação de animais. “A proibição da venda de animais no Mercado Central é inevitável, uma vez que, entre outros fatores, o local não cumpre as exigências da Resolução 1.069”, explicou o parlamentar.

Segundo o laudo solicitado pelo deputado, os animais mantidos e comercializados no Mercado Central de Belo Horizonte são acondicionados de maneira precária em um ambiente insalubre, em lugares inadequados ao seu porte e espécie, o que torna o ambiente propício para a proliferação de doenças. Além disso, o laudo técnico apontou que a qualidade dos produtos alimentícios lá comercializados estão em risco, razão da exposição às bactérias proliferadas pelos animais no local.

“É necessária uma ação definitiva, que coloque fim ao comércio de animais no Mercado Central”, enfatizou o deputado, apontando o comércio de animais no Mercado Central como ícone do desrespeito aos animais e aos consumidores de Minas Gerais. Para ele, colocar fim a essa prática será uma vitória dos ativistas, protetores e das pessoas que frequentam o local. “Não entendo como o Mercado Central ainda não acabou com o comércio de animais. Essa seria uma forma de divulgar melhor o local para turistas, mostrando que o estabelecimento respeita a vida e os consumidores”, disse.

Segundo o deputado, o Estado tem sido omisso em formular diretrizes técnico-normativas que enquadrem o Mercado Central de Belo Horizonte nas mesmas normas obedecidas por outros estabelecimentos como os “shopping’s”, supermercados e hipermercados espalhados pela cidade toda. “Não se encontra animais à venda nestes estabelecimentos e sua entrada mesmo que sob a posse de seus tutores é vetada”, conclui Noraldino.

noraldino2

Foto: Assessoria de Comunicação

  • RONALDO DE SÁ PINTO

    Em 15.10.2015

    é falta do que fazer. Lutar contra os venenos nas lavouras que matam milhões e milhões de pássaros ninguém quer.

  • José

    Em 15.10.2015

    Que o deputado indique onde poderei comprar um casal de frangos. Na casa da mãe dele?

  • Adriana Motta

    Em 15.10.2015

    Maravilha! Não vejo a hora daquela barbárie horrorosa contra seres vivos acabar! Prezado Ronaldo de Sá, isso não é falta do que fazer, meu querido. São animais que sentem fome, sede, medo e dor, bem como você.

  • Luiza

    Em 15.10.2015

    Falta do que fazer? Acho que você não leu a notícia.

  • Rosana Neves

    Em 15.10.2015

    Não é falta do que fazer não, muito pelo contrário, é só se colocar no lugar do animal para entender o drama; quem já teve a oportunidade de reparar na agonia daqueles ganços enormes naquelas minúsculas gaiolas vai saber o que estou dizendo. Alguém tem que dar voz aos animais, parabéns, que a venda de animais seja efetivamente abolida e que esta ala (corredor) que para mim é triste e deprimente, torne-se alegre e agradável, assim como o Mercado Central merece.

  • Eduardo Nunes

    Em 15.10.2015

    É uma vergonha a permissão para vendas de animais no Mercado Central, grande falta de respeito com os animais e com as pessoas que lá frequentam, é preciso acabar com isto o mais rápido possível.

  • Ildeu

    Em 15.10.2015

    Graças a deus feche aquela vergonha, os animais estão sofrendo lá dentro com c alor e falação sem fim.

    FECHE AQUELE INFERNO PARA OS ANIMAIS

  • Maria Lucia de Souza

    Em 15.10.2015

    Antes tarde do que nunca. BH é a 3a. capital do país e não merece a vergonha de ter um mercado nos
    moldes da idade média. Parabéns ao Dep.Noraldino Jr. Que outras autoridades mirem-se em seu exemplo e cumpram seu papel na administração de nosso estado. Precisamos entrar, de vez, no
    século XXI.

  • Helbert

    Em 15.10.2015

    Muito bem!!!! Fechem essa divisão desumana que assombra o mercado central há anos. Esse pequeno passo é muito importante para darmos saltos maiores a favor dos animais de Belo Horizonte. É uma vergonha que em 2015 ainda existe pessoas que ganhem dinheiro com o tratamento bárbaro dados aos animais. Vamos acabar de vez com o transporte de tração animal. Se o carroceiro quer carregar o entulhe que coloque no seu próprio ombro e transporte. Cavalo não deve ser fonte de renda para ninguém. Não tem condições de cuidar do animal coloca peso excessivo e o deixa jogado pastando os lixos de Belo Horizonte.

    CHEGA!!!!! DIGAM SIM AO FIM DA EXPLORAÇÃO DOS ANIMAIS.

  • André Vale

    Em 15.10.2015

    Excelente notícia.
    Um raio de luz em defesa das criaturas que não possuem voz para pedir socorro.

  • sonia

    Em 15.10.2015

    JÁ ESTAVA DEMORANDO! O PAÍS DIFICIL ,TUDO É MUITO DEMORADO COITADO DESSES ANIMAIS.

  • Eu

    Em 15.10.2015

    Vai proibir a venda de bebidas e comidas nos bares? Daqui a pouco todos que frequentaram os bares terão que está sentados.

  • joão henrique saloão sobrinho

    Em 15.10.2015

    AS LEIS BRASILEIRAS,SÃO ELABORADAS, NO INTUITO DE BENEFICIAR O PODER,PORQUE FICA MAIS FÁCIL
    DE SER MANIPULADAS,OU SEJA (O CORPORATIVISMOS ) ENTRE AS PARTES DO ILEGAL,E IMORAL.

    O LEGISLATIVO..FICA A SERVIÇO,DO FINANCIAMENTO,QUANTO PIOR ,MELHOR PARA ELES,SE BENEFICIAR,
    DOS ASSALTOS,E DAS ROUBALHEIRAS DO DINHEIRO DO CONTRIBUINTE..

    CONTINUE VOTANDO NESTA CORJA….

  • Cristina Grace

    Em 15.10.2015

    Parabéns Deputado Noraldino! Nem tudo está perdido no mundo político, quando encontramos representantes, que de fato trabalham em prol de um mundo melhor.

    Finalmente o bom senso, a decência e o amor estarão abafando a voz da ganância e da crueldade desse estúpido comércio de vidas.

  • Lucimar

    Em 15.10.2015

    Presado Sr. Ronaldo de Sá Pinto , vamos colocar o Sr. numa gaiola em que não poderá nem se mexer , sem água e sem comida , depois no final do expediente vamos te deixar lá dentro do mercado trancado no escuro e um calor infernal quero ver se aguenta , imbecil…………. Sr. José o sr. também é um imbecil ………………

  • Lúcia

    Em 15.10.2015

    Se tem um lugar que eu odeio passar, é justamente onde os animais estão engaiolados, coisa de gente má e covarde. Dá vontade de abrir todas as gaiolas de pássaros e soltá-los na natureza, lógico que depois de serem averiguadas todas as possibilidades da vidinha deles serem preservadas. Aquilo ali é um antro de covardia.

  • Wesley

    Em 15.10.2015

    Falta do que fazer? Vou colocar você lá uma semana vivendo nas condições que os animais vivem! Lá é mercado e não feira para venda de animais. Mais que correto a atitude do deputado, espero que não se aproveite disso para uma nova candidatura e que continue assim, resolvendo pontos críticos na cidade. Olhe pela população também (saúde,segurança,educação). A situação do mercado naquele setor é terrível, já cansei de ver pessoas devolvendo animais que foram comprados com menos de 24 horas e vieram a óbito. Torço que seja resolvido o mais rápido possível e o espaço que hoje é de descaso por parte de quem gerencia se torne um espaço alegre e produtivo.

Você deve estar logado para comentar.