Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
13 nov 2019

Diagnóstico precoce garante qualidade de vida a pacientes diabéticos

Arquivado em Comportamento, saúde

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Diabetes, o número de brasileiros diagnosticados com a doença passa de 13 milhões. O diabetes representa a principal causa de cegueira, falência dos rins, ataques cardíacos e amputações de membros inferiores. Os dados espantam.

Apesar de ser uma doença crônica, ela pode ser tratada e controlada com mudanças de estilo de vida, medicamentos orais e, se necessário, insulina. Segundo a médica endocrinologista do Hospital Lifecenter Francinelli Sabrina Hoelzle, o diabético pode levar uma vida de qualidade “Desde o início da doença o paciente deve ter acompanhamento médico e controlar os níveis de açúcar no sangue para que possa levar uma vida saudável e sem complicações relacionadas à doença descompensada”. Ela orienta a importância de prevenir a manifestação da doença, seguindo uma dieta balanceada e praticando exercícios físicos regulares.

O Dia Mundial do Diabetes, 14 de novembro, criado por uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), estimula a prevenção e conscientização sobre o diabetes, por meio de campanhas e atendimentos no mundo todo. A médica do Hospital Lifecenter destaca a importância da data para disseminação de informações acerca do problema. “Todos os dias, encontramos com muitas pessoas no consultório que têm muitas dúvidas e perguntas sobre o assunto. Apesar de ser comum, a doença ainda carrega muitos mitos e tabus, que precisam ser quebrados para que seja possível um tratamento eficiente. A data é uma oportunidade para transmitir informações e esclarecer questões”, ressalta Francinelli Hoelzle.

O diabetes se manifesta quando o organismo produz em menor quantidade ou não produz a insulina, o que gera um excesso de glicose no corpo. Existem três tipos de diabetes: diabetes tipo 1, diabetes tipo 2 e o diabetes gestacional.

O diabetes tipo 1, conhecido como diabetes mellitus, é caracterizado pela ausência da insulina. Nesse caso, a doença surge, em geral, na infância acompanhada de vontade urinar e perda de peso, que são os principais sintomas. Entre os danos causados pelo diabetes tipo 1, estão a retinopatia diabética (danos à retina que levam à cegueira), falência renal e amputação devido a feridas na pele.

Já no diabetes tipo 2, o hormônio é produzido, mas não consegue cumprir sua função e, para compensar a falta disso, o pâncreas aumenta a produção de insulina. Os sintomas mais comuns são sede constante, cansaço recorrente, perda de peso, frequente vontade de urinar, formigamento nas mãos ou pés e feridas que demoram a cicatrizar.

No diabetes gestacional, os níveis de glicose no sangue aumentam, como consequência de uma intolerância a carboidratos. Os sintomas do distúrbio metabólico incluem sede constante, vontade frequente de urinar e cansaço incomum. O bebê pode ser afetado e nascer com malformações congênitas e prematuridade, além de problemas respiratórios e metabólicos. Em todos os casos, o diagnóstico com antecedência e acompanhamento são indispensáveis para que as pessoas tenham qualidade de vida e não sofram futuras complicações.

Você deve estar logado para comentar.