Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
24 ago 2015

Você sabe o que é síndrome do olho seco?

Síndrome-do-olho-seco-2

Períodos secos facilitam a evaporação da lágrima, principalmente quando se trabalha diante do computador por muitas horas, o que reduz o número de piscadas e a renovação da lágrima. A diminuição da quantidade de lágrima ou alteração de sua composição causam a síndrome do olho seco.

As lágrimas são muito importantes para a saúde ocular. Lubrificam, lavam impurezas, fornecem oxigênio e nutrientes, possuem substância (enzimas e anticorpos) que atuam na defesa contra infecções.

A causa de olho seco nem sempre é clara, mas parece haver um desequilíbrio entre a produção da lágrima e sua drenagem. O filme lacrimal é constituído de uma camada de muco (junto à córnea), uma intermediária de água e uma superficial de gordura.

Conversei com Dr. Marcus Vinicius Cardoso de Souza,  coordenador do Departamento de Córnea, Lentes de Contato e Superfície Ocular do Hospital de Olhos Rui Marinho. Ele também é assistente efetivo da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte e professor de Semiologia Oftalmológica da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais

Adriana Santos: Uso de compressas com água boricada, soro ou água gelada ajudam na prevenção?

Dr. Marcus Vinicius: O uso das chamadas “soluções para limpeza dos olhos” podem ajudar no alívio de sintomas oculares e na limpeza dos olhos, principalmente quando gelados. No entanto, é importante lembrar que alguns desses produtos possuem substâncias e conservantes que podem lesar a superfície ocular com seu uso contínuo, podem se contaminar facilmente se deixados expostos livremente e trazer infecções com a água não tratada adequadamente e proveniente de encanamentos antigos.

No entanto, a chamada Síndrome do Olho Seco ocorre por diversos fatores, sendo que um dos principais é a perda da oleosidade natural das lágrimas, causando sua evaporação excessiva e a consequente sensação de ressecamento ocular. Assim, utilizar soluções que apenas lavam os olhos muitas vezes pode se tornar ineficaz para o tratamento do olho seco. Seria como “chover no molhado”. Comparo isso como a sensação de ter as mãos ressecadas. Não adianta lavar a mão com água para tirar a sensação de ressecamento, é necessário usar um agente hidratante para ter um melhor efeito, assim como nos olhos.

Adriana Santos: Colírios comprados sem receita médica nas farmácias ajudam ou atrapalham na prevenção do olho seco?

Dr. Marcus Vinicius: Existe hoje no mercado uma gama imensa de produtos e colírios para prevenção e tratamento do olho seco. É importante que as pessoas saibam que, apesar de parecerem todos iguais, há indicações específicas para cada um deles. Há colírios lubrificantes que possuem uma alta quantidade de conservantes e adstringentes que pode ocasionar pequenas lesões crônicas na superfície do olho se usados de forma aleatória, ocasionando problemas piores do que o próprio olho seco. Há colírios que possuem vasoconstritores em sua fórmula, clareando os olhos, mas causando alterações nos pequenos vasos sanguíneos oculares à médio prazo. No entanto, hoje, existem colírios modernos que não só repõem a parte aquosa da lágrima, mas também hidratam as células da córnea e da conjuntiva e estabilizam o filme lacrimal evitando sua evaporação. Colírios modernos já conseguem agilizar a cicatrização das microlesões da superfície ocular em ressecamentos moderados a severos e alguns são livres de conservantes, produtos químicos lesivos aos olhos.

Adriana Santos: Quando pedir ajuda ao profissional médico?

Dr. Marcus Vinicius: A síndrome do olho seco é assim definida, hoje, pois representa uma gama de sinais e sintomas específicos associada a um leque de causas múltiplas. Sensações como areia ao piscar, dificuldade para abrir os olhos, vermelhidão constante, ardência ocular, flutuação visual, inchaço palpebral e coceira são alguns dos sintomas mais frequentes da síndrome.

Doenças sistêmicas como as alterações da tireóide e da glicemia, doenças reumatológicas e neurológicas, doenças nutricionais, problemas dermatológicos e o uso de diversos medicamentos que podem interagir com a superfície ocular e com as glândulas lacrimais devem ser analisados para o tratamento correto de acordo com a causa. Alterações hormonais, principalmente em mulheres, como a menopausa, gravidez e uso de anticoncepcionais também estão relacionadas à piora do olho seco.

No entanto, uma das principais causas da doença é o fator ambiental. Com a umidade muito seca, a lágrima tem a tendência de se evaporar muito rapidamente. Isso é piorado com nossas rotinas de trabalho e diversão como exposição frequente ao ar condicionado em lojas, escritórios e automóveis e o uso contínuo de computador e celulares que ajudam no ressecamento e, devido a concentração excessiva, nos faz piscar menos, promovendo a piora dos sintomas. O uso crônico de lentes de contato, muitas vezes não bem adaptadas, também ajuda nas alterações superficiais da lágrima e da córnea, promovendo aumento da sintomatologia.

Assim, o médico Oftalmologista é capaz de avaliar os sinais, o tipo e a gravidade do Olho Seco e, com uma anamnese adequada, definir a causa e o melhor tratamento de acordo com os hábitos do paciente, protegendo os olhos de inflamações e lesões que podem se cronificar se não tratadas adequadamente.

Adriana Santos: Quais os recursos tecnológicos podem ajudar as pessoas que enfrentam o olho seco?

Dr. Marcus Vinicius: Hoje, houve uma melhora no tratamento e no entendimento da Síndrome do Olho Seco. O exame oftalmológico comum é suficiente para a maioria dos diagnósticos, mas exames mais específicos ajudam na definição de casos mais graves e difíceis. Exames permitem estudar melhor as glândulas que produzem as lágrimas, definindo a quantidade e a qualidade da secreção. Também, é possível analisar as substâncias que compõe a lágrima, definindo sua osmolaridade e suas camadas oleosas e de muco, estabelecendo o tipo de olho seco. Esses exames são feitos de rotina nos serviços de referência em superfície ocular e ajudam na definição dos padrões de olho seco.

O uso de colírios, géis e pomadas específicos para hidratação, lubrificação e estabilização do filme lacrimal trouxe uma evolução no tratamento do olho seco. O entendimento da Síndrome como apresentando um caráter inflamatório estabeleceu, também, o papel de anti-inflamatórios específicos para superfície ocular, como corticóides de dosagem milesimal, ciclosporina A e soro autólogo. Diversos medicamentos sistêmicos tem mostrado melhora no papel das glândulas lacrimais, como o uso de ômega-3 (derivados da linhaça, óleos de peixes, nozes), tetraciclinas e moduladores da secreção lacrimal. Cirurgias tem se aprimorado em casos mais severos de olho seco, como a oclusão do ponto lagrimal e transplante de glândulas secretórias.

No entanto, os tratamentos mais eficazes muitas vezes são os mais simples. Hidratar-se, utilizar colírios adequados com regularidade e manter a umidificação de ambientes quando o clima estiver muito seco é essencial, utilizando umidificadores ou mesmo copos de água.

Evitar exposição contínua à tela de computador, televisão e celulares, que causam piora do fator evaporativo lacrimal. Sempre que estiver concentrado em alguma atividade, lembre-se de piscar. Piscar promove a lubrificação correta da lágrima e melhora o conforto ocular e a visão.

Por último, ao usuário de lentes de contato, utilize sempre lentes adequadas ao seu tipo de olho, sem abusar do seu uso, com retiradas e descartes no tempo certo. Acompanhe rotineiramente seus olhos com o Oftalmologista pois esses cuidados vão garantir uma superfície ocular saudável, livre de infecções e com uma visão perfeita ao longo da vida.

21 ago 2015

Bronde hair é mais nova tendência entre as mulheres

Arquivado em Comportamento

cabelo blog

Acordei com vontade de brilhar! Estou em uma nova fase profissional, apostando em sonhos e bons relacionamentos. Então resolvi mudar o visual dos cabelos. Queria algo nem loiro, nem castanho… Descobri o bronde hair, a mais nova tendência entre as mulheres iluminadas.

Tendência entre as celebridades, o bronde hair é a opção mais cool para quem quer fugir da mesmice sem ousar tanto. Nem loiro, nem castanho, o bronde é uma mistura de brown (marrom) com blonde (loiro) e veio para atualizar os tons de chocolate, típicos do inverno.

A técnica combina mechas de transparência costuradas a tons de marrom e loiro, todas distribuídas em diagonal sobre a cabeça. O resultado é uma mistura perfeita do louro com o castanho, que além de iluminar, dá mais profundidade ao fio

A coloração combina com qualquer tom de pele, principalmente para as morenas. Como é sutil, a tonalidade é ideal para mulheres que desejam mudar de visual sem transformações bruscas.

É importante lembrar que mesmo sendo uma técnica que danifica menos o fio, o cabelo passa por um processo químico, portanto exige cuidados específicos. O uso de produtos corretos e hidratações semanais garantem um cabelo saudável e, consequentemente, com brilho e maciez.

drisalao

Confira algumas dicas do talentoso Yan Lyd, @yanlydhair especialista em loiros do  Platinum Visage

 

20 ago 2015

Evolução: Koko deseja se comunicar com humanos

koko3A gorila Koko, que se tornou famosa no mundo todo por tentar usar uma linguagem de sinais para se comunicar com seus cuidadores, pode estar perto de outra façanha: de acordo com os pesquisadores, ela estaria tentando falar.

Os cientistas da Universidade de Wisconsin-Madison chegaram a essa conclusão após analisar sinais do discurso da gorila depois da análise de 71 horas de filmagens de seu comportamento. Na gravação Koko deu exemplos de que estava realizando nove tipos de comportamentos que exigiam “controle sobre sua vocalização e respiração”. Aparentemente, estes não são os comportamentos que você esperaria de um “gorila típico”, mas Koko tem o potencial de melhorar, sim, as suas cordas vocais.

Confira mais sobre Koko no vídeo abaixo:

Fonte: History

Página 131 de 164«1 ...127128129130131132133134135... 164Próximo