Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
28 ago 2018

Santa Casa de BH inicia processo seletivo 2019 para Residência e Especialização Médica

Arquivado em cursos, SUS

RESIDENCIA_SANTACASAEstão abertas as inscrições para o processo seletivo 2019 para Residência e Especialização Médica e Residência Multiprofissional da Santa Casa BH. Os interessados devem se inscrever até o dia 31 de outubro pelo site www.santacasabh.org.br. A prova será realizada no dia 17 de novembro, em Belo Horizonte, Salvador e São Paulo. O Programa de Residência da Santa Casa BH Ensino e Pesquisa é destinado tanto aos médicos como a outros profissionais da saúde, em caráter de especialização. A modalidade apresenta características de aprofundamento técnico-científico, decorrentes da prática em serviço e de orientações teóricas e práticas, com supervisão e tutoria de equipes especializadas. Informações pelo telefone (31) 3238-8186.

27 ago 2018

Ministério da Saúde divulga WhatsApp contra Fake News

Arquivado em Cidade, Comportamento, saúde

fake-news

Por Gabriela Rocha, da Agência Saúde

Para combater as Fake News sobre saúde, o Ministério da Saúde abre mais um canal de comunicação com a população. Qualquer cidadão brasileiro poderá adicionar gratuitamente no celular o WhatsApp do Ministério da Saúde — (61) 99289-4640. Ele servirá exclusivamente para verificar com os profissionais de saúde nas áreas técnicas da Pasta se um texto ou imagem que circula nas redes sociais é verdadeiro ou falso. Ou seja, é um canal exclusivo e oficial para desmascarar as notícias falsas e certificar as verdadeiras.

“As notícias falsas, ou Fake News como estão sendo mais conhecidas, são uma praga da modernidade. Vem sendo usadas de toda forma para manipular, enganar, iludir, prejudicar. No caso da saúde, é muito mais grave, porque a notícia falsa mata. Então, o novo canal do Ministério da Saúde chega para servir como uma nova e poderosa camada de segurança na informação sobre saúde pública, com a vantagem de ter sido criada especificamente para o WhatsApp, que é o principal veículo de transmissão das notícias falsas”, explica o diretor de Comunicação Social do Ministério da Saúde, Ugo Braga.

O projeto “Saúde Sem Fake News” é organizado pela equipe multimídia da Pasta. A partir dos recebimentos das mensagens, o conteúdo será apurado junto às áreas técnicas do órgão e devolvido ao cidadão com um carimbo que informa se é Fake News ou não. Dessa maneira, será possível compartilhar a informação de forma segura. As notícias analisadas pela equipe também estarão disponíveis no Portal Saúde no endereço saude.gov.br/fakenews e nos perfis do Ministério da Saúde nas redes sociais.

A saúde, em especial, tem sido alvo de muitas Fake News. Informações sem respaldo científico disseminam supostos tratamentos milagrosos para doenças graves como câncer; afirmam que vacinas podem ser prejudiciais a saúde, gerando insegurança e possibilitando o retorno de doenças já erradicadas no país.

É importante lembrar que o canal é exclusivo para o recebimento de Fake News e não deve ser utilizado como um serviço de atendimento ao cidadão. Informações sobre o funcionamento do Sistema Único de Saúde (SUS) devem ser direcionadas à Ouvidoria Geral do SUS, no número 136, ou as secretarias municipais e estaduais de saúde.

23 ago 2018

Fertilizações in vitro aumentam no Brasil

 fertilizacao-in-vitro
Por: Dr. Sandro Sabino, diretor da Clínica Vilara

Após uma queda em 2016, o número de fertilizações in vitro voltou a crescer no Brasil e chegou a um total de 36.307 ciclos realizados em 2017. Os dados são do relatório Sisembrio mais recente divulgado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os mais de 36 mil ciclos originaram mais de 340 mil óvulos, uma taxa de fertilização de 76%. Ou seja, a cada 10 óvulos fecundados, 7,6 deram origem a um embrião. Essa taxa mostra que o Brasil não está atrás dos países desenvolvidos e que o procedimento não é mais tão inacessível do ponto de vista financeiro, como era antes.

O Brasil é um país de ponta para tratamentos de reprodução assistida. Nossas taxas de sucesso são excelentes e se equiparam aos países europeus e aos EUA. Para se ter uma ideia, a região sudeste corresponde a 65% dos tratamentos realizados no Brasil. Apesar do procedimento não estar disponível no Sistema Único de Saúde (SUS), financeiramente ele tornou-se muito mais acessível nos últimos anos. Existem inclusive programas de responsabilidade social em hospitais e clínicas que tornam possível o acesso a casais com problemas de infertilidade, que possuem dificuldades para arcar com os custos dos tratamentos de Reprodução Assistida, a tratamentos como a Fertilização in vitro (FIV).

Existente há mais de 30 anos, a Fertilização in-vitro é considerada o TRA mais usado em todo o mundo, tendo já nascido mais de um milhão de crianças com ela. É considerada como uma técnica segura e com ótimos resultados. De acordo com a Anvisa, considera-se como ciclo realizado de fertilização in vitro, os procedimentos médicos nos quais a mulher é submetida à produção (estímulo ovariano) e retirada de óvulos para realizar o procedimento. Para a inseminação intrauterina, a paciente é submetida à uma estimulação da ovulação, com doses bem baixas, sendo acompanhada por ultrassonografia (total de três a quatro exames). Quando ela apresenta folículos de tamanho adequado, a ovulação é desencadeada e o casal recebe instruções para comparecer à Clínica para a realização do preparo seminal e da inseminação intra-útero.

As possibilidades de se obter uma gravidez após um ciclo de inseminação são de aproximadamente 15%, sendo recomendado um máximo de 3-4 ciclos, quando se pode alcançar a 35% de chances de gravidez. A taxa de gestação múltipla é de cerca de 15%.

Algo importante a ser levado em consideração é a experiência profissional e a estrutura do Laboratório de Fertilização in vitro escolhido para o procedimento. É crucial na decisão pelo tratamento. Procurar um laboratório que tenha um profissional de embriologia treinado e experiente é tão importante quanto a escolha do médico especialista: um laboratório que não tenha excelência em qualidade pode afetar negativamente as chances de sucesso do tratamento, ainda que os fatores clínicos sejam promissores.

Página 2 de 164123456... 164Próximo