Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
19 maio 2021

Edital seleciona instituição para desenvolver Observatório da Criança

Arquivo Agência Brasil

Por Agência Brasil – Brasília. Estão abertas até 30 de maio as inscrições para um edital que vai possibilitar a criação do Observatório da Criança e do Adolescente. A iniciativa tem o objetivo de reunir ações direcionadas à proteção e prevenção de crimes contra esse público, especialmente aqueles de cunho sexual. Coordenada pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a ação terá investimento de R$ 2,6 milhões.

Os interessados em participar do processo seletivo deverão apresentar proposta à Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do ministério e ao PNUD pelo e-mail cptdca@mdh.gov.br, até às 23h59 do dia 30 de maio de 2021. É possível acessar os detalhes do edital pelos sites do ministério e do PNUD.

Serão consideradas elegíveis no processo seletivo instituições públicas como centros de pesquisa, fundações, institutos e universidades, que devem ter experiência no desenvolvimento de metodologias, estudos e pesquisas, bem como na implantação de projetos em áreas temáticas relacionadas ao edital. O contrato com a instituição vencedora terá duração de nove meses, podendo ser firmado em todo o território nacional.

Edição: Graça Adjuto

12 maio 2021

Um convite para uma experiência gastronômica vegetariana, sem sair de casa!

No Brasil, 14% da população se declara vegetariana, segundo pesquisa do IBOPE Inteligência conduzida em abril de 2018. No entanto, nas regiões metropolitanas de São Paulo, Curitiba, Recife e Rio de Janeiro este percentual sobe para 16%. A estatística representa um crescimento de 75% em relação a 2012, quando a mesma pesquisa indicou que a proporção da população brasileira nas regiões metropolitanas que se declarava vegetariana era de 8% . Hoje, isto representa quase 30 milhões de brasileiros que se declaram adeptos a esta opção alimentar – um número maior do que as populações de toda a Austrália e Nova Zelândia juntas.

Você sabe o que é vegetarianismo?

Vegetarianismo é o regime alimentar que exclui os produtos de origem animal. Os principais tipos de vegetarianismo, segundo a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB),  são:

Ovolactovegetarianismo: utiliza ovos, leite e laticínios na sua alimentação.

Lactovegetarianismo: utiliza leite e laticínios na sua alimentação.

Ovovegetarianismo: utiliza ovos na sua alimentação.

Vegetarianismo estrito: não utiliza nenhum produto de origem animal na sua alimentação.

Já o veganismo, segundo definição da Vegan Society, é um modo de viver (ou poderíamos chamar apenas de “escolha”) que busca excluir, na medida do possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade contra os animais – seja na alimentação, no vestuário ou em outras esferas do consumo.

Há dez anos resolvi abandonar o consumo de carnes e reduzir o consumo de leites e derivados. Já o ovo ainda faz parte da minha vida, mas prefiro os orgânicos. Os motivos da decisão foram muitos: mudança alimentar mais ética, sem sofrimento animal; questões espirituais e estilo de vida mais saudável. Confesso que colho os benefícios de uma existência mais virtuosa. Acredite!

O chamado para um consumo sustentável foi na infância, mas a pouca divulgação sobre o vegetarianismo provocou uma certa desconfiança na minha família. Na época, a indústria da alimentação oferecia poucas opções de produtos sem origem animal. Hoje, o mercado cresceu significativamente. Por isso, sempre que possível e sem fanatismo ideológico, procuro oferecer conteúdos sobre os hábitos alimentares que promovem o bem-estar do planeta.

Foi com muito prazer que eu recebi da empresa Pranic, sediada no bairro Cruzeiro, em Belo Horizonte, alguns produtos sem o uso de carne e ovos, que primam pela qualidade dos ingredientes e variedade de ervas e especiarias. Quero compartilhar a minha experiência gastronômica vegetariana de primeira linha, aqui em BH

Em primeiro lugar, sem sobras de dúvidas, conforme o meu paladar, o voto vai para o Creme de Abóbora, Cogumelo Shimeji, Sementes e Grãos. O produto é vegano, sem glúten, com cogumelo shimeji refogado no azeite , alho poro , coco aminos, quinoa, semente de girassol, semente de abóbora, gergelim branco e preto.

Já experimentei cremes de abóbora de outras marcas, mas o produto oferecido pela Pranic é, indiscutivelmente, mais saboroso. Preciso dizer que abóbora é um dos frutos que eu mais amo. Achei incrível. Presto muita atenção também no cheiro da comida, já que isso diz muito sobre qualquer alimento. Consegui perceber todos os ingredientes informados na embalagem. É uma explosão de sabores e cheiros. O creme de abóbora não contém glúten, não contém lactose.

O  Kibe de Abóbora tem um cheiro sensacional. Muito bom! O trigo para Kibe é hidratado em um creme de abóbora temperado com zattar, pimenta síria e hortelã. O recheio é composto por tomate, azeitona, castanha do Pará e queijo minas padrão. O gosto da abóbora é bem suave. A castanha é um toque de gênio.

A linha de hamburguer vegano  é uma opção bem bacana no pão e, também, no acompanhamento de um prato tradicional, como arroz, feijão e saladinha.

Hamburguer Vegano de Batata Doce e Cogumelo a base de batata doce, cogumelo shimeji, quinoa, semente de girassol, semente de linhaça, grão de bico, alho poró, azeite de oliva extra virgem, sal marinho, gergelim, salsinha, cebolinha, orégano, zathar e manjericão. Amo batata-doce, por isso o hambúrguer merece o meu destaque.

Hamburguer de Grão de Bico e Quinoa é composta por grão de bico, quinoa, queijo minas padrão, ricota, cebola, alho, linhaça, semente de girassol, cenoura, cebolinha, salsa, manjericão, orégano, páprica e sal. A combinação de sabores me agradou muito.

Já o Hamburguer Vegano de Tempeh foi o meu preferido. A massa é composta por tempeh (derivado da soja orgânica e rico em proteínas), cebola, cenoura, coentro, hortelã, manjericão, linhaça, aveia, farinha integral, amêndoas, semente de girassol, óleo de girassol, shoyo light, pimenta preta, garam masala e sal.Produto Vegano.

Canelone de Abobrinha é muito suave e perfeito. Possui como base molho vermelho, feito de tomate orgânico e manjericão. O canelone é feito com abobrinha em finas lâminas, que envolvem o recheio de alho poró, ricota, castanha do Pará, salsinha, cebolinha e espinafre. Os canelones são cobertos por molho branco feito a base de farinha de arroz, queijo minas padrão e gergelim preto.

Fiquei muito surpresa com o Baião de Dois. Achei fantástico. O tradicional arroz com feijão em uma versão que utiliza o arroz integral, feijão azuki, gengibre, alho poro, cebolinha, cenoura vermelha e semente de girassol. Pensamos em uma base para a refeição diária que pode ser complementada com o cardápio da sua preferência.

Bom apetite!

07 maio 2021

Saiba mais sobre a história e a evolução da maternidade

Arquivo pessoal

Por Marco Melo, Especialista em reprodução assistida e sócio-diretor da Clínica Vilara

Por muitos anos, mulheres com dificuldade para engravidar eram desconsideradas aos olhos dos homens e da sociedade. Muitas se sentiam amaldiçoadas e, mesmo, abandonadas por Deus. O pensamento era comum e ganhou mais força por estar referendado pela própria bíblia. As histórias de Sara, Rebeca, Isabel e da mulher sunamita deixam claro que a condição estéril só poderia ser revertida pela “graça divina”.

Felizmente, com o passar dos séculos, a mentalidade mudou. Elas conquistaram seu espaço, deixando de viver em função dos maridos para ser protagonistas de sua própria história. E, o mais interessante disso tudo é que, mesmo com outras tarefas, ser mãe ainda move muitos corações. Entretanto, não é mais preciso esperar por um milagre para engravidar. A medicina encontrou um novo recurso para quem tem problemas de fertilidade.

Em meados da Década de 70, alguns estudos, ligados à Reprodução Humana Assistida, ocorreram com maior intensidade, sendo que, em 1978, nasceu o primeiro “bebê de proveta”, em Manchester, na Inglaterra. Com o passar do tempo, cada vez mais os especialistas alcançaram resultados positivos, a partir de novos desafios dessas técnicas.

Apesar do grande avanço, começaram a surgir críticas sobre os limites da interferência humana na gestação de uma criança e seu nascimento. O que muitos não compreendem é que, em primeiro lugar, o médico é um profissional que preza pela vida e, portanto, todas as suas ações são pautadas pelo bem-estar da paciente e da criança.

Talvez, não seja simples a compreensão, mas somente quem, por seu trabalho, estudo e dedicação, torna real a tão esperada maternidade, conseguirá compreender. O primeiro dia de consulta é inesquecível: olhares cheios de esperança e, ao mesmo tempo, dúvidas e a insegurança que muitas têm em relação ao sucesso do tratamento. As incertezas falam mais alto. O papel do médico vai muito além de responder às questões de forma técnica e burocrática. É preciso compreender, colocar-se no lugar do casal e, principalmente, passar confiança.

Terminado o tratamento com sucesso, resta ao médico a sensação de dever cumprido e a certeza que colocou em prática o que foi prometido no Juramento de Hipócrates: exercer a profissão com consciência e dignidade e, de acordo com as boas práticas médicas. Afinal, de nada adiantariam os estudos, as pesquisas e as experimentações, se o profissional não for empático, benevolente e, no caso dos que trabalham com reprodução, capazes de ajudarem na realização do sonho da maternidade.

É normal que as mulheres, apesar dos desejos da maternidade, sintam medo. Porém, é como disse algum autor: Quando nasce uma criança, nasce uma mãe. E, essa figura é quem move céus e terras pela felicidade do filho tão desejado.

Página 2 de 259123456... 259Próximo