26 ago 2019

Policiais de Minas Gerais perseguem ‘seres luminosos’, em Cláudio

Arquivado em Cidade, Comportamento, Ufologia

Revista Ovni Pesquisa

Por Edison Boaventura Júnior (Ufólogo)

Paulo Baraky Werner (Ufólogo e Jornalista)

Revista Ovni Pesquisa

O caso que relataremos a seguir teve como palco a cidade de Cláudio, em Minas Gerais e não é tão recente, pois ocorreu em novembro de 2008… Apesar dos jornais locais terem publicado sobre o fato na época, todavia, informações inéditas desta “invasão de OVNIs” surgiram agora no ano de 2019 e, o relatório preliminar oficial foi revelado em 2015, comprovando o insólito episódio! Afinal, casos envolvendo tripulantes de OVNIs sempre são e serão ocultados do público pelos militares. Isto já é de praxe e previsto, muitas vezes, nos normativos destas corporações! Mas, o tempo passa e, paulatinamente, detalhes incríveis surgem, graças a pesquisa de campo conduzida pelos incansáveis pesquisadores, demonstrando assim, a verdade dos fatos para a Sociedade!

No dia 23 de fevereiro de 2019 uma equipe da revista OVNI Pesquisa esteve na cidade de Cláudio coletando novos dados, informações, entrevistando testemunhas civis e militares e visitando os locais dos fatos.

REMEMORANDO COMO COMEÇOU A INVASÃO

Tudo começou por volta das 22 horas, numa noite de quarta-feira, dia 19 de novembro de 2008, pouco antes do jogo do Brasil contra Portugal, quando a partir do seu apartamento, a senhora Renata Veloso Guerck Austriaco avistou um objeto luminoso hexagonal acompanhado de outros dois objetos voadores esféricos que giravam sob sua órbita. Na medida em que o OVNI se aproximava da igreja Nossa Senhora Aparecida, as luzes dos postes do bairro Bela Vista tiveram um blackout, apagando quadra a quadra.

A partir daquele momento, vários claudienses começaram a observar as estranhas luzes sobrevoando a cidade e chegando a pousar na zona rural, as margens da rodovia MG 260.

Renata que é a esposa do comandante do Pelotão da PM de Cláudio chamou a atenção do capitão Eisenhower Guerck Austriaco que passou a avistar o mesmo fenômeno por alguns minutos, ligando em seguida para a delegacia, para o cabo Sírio Barbosa de Oliveira e, determinando que a viatura composta dos militares cabo Amilton José Rabelo, soldado Heverton Francisco e soldado Balbino, se deslocassem para a avenida Bela Vista/Valongo.

Um dos objetos menores era prateado, sendo que o outro aparato voador era de cor vermelha, tipo ferro incandescente e, por vezes, mudava de cor.

Em certo momento, o capitão ligou para uma vizinha, que residia no sexto andar do prédio, a senhora Irma de Fátima Rodrigues Santos que passou a observar o mesmo fenômeno. Posteriormente, foi feito uma coleta do depoimento dela para anexar ao processo do “Caso Cláudio”. O comandante Eisenhower Austriaco comandou aquela ação militar da janela do seu apartamento durante várias horas.

CABO FOTOGRAFOU O OVNI

No mês de dezembro de 2008, logo após o cabo Amilton José Rabelo entrar para a reserva, três fotografias do OVNI tiradas na primeira noite de observação foram publicadas no portal UFOVIA (http://www.viafanzine.jor.br/site_vf/ufovia/index.htm), do editor e pesquisador Pepe Chaves, trazendo também uma entrevista com aquele militar que revelou outros detalhes da ação empreendida.

Ele contou que foi até um local denominado Sobrado, próximo ao parque industrial da cidade, onde moradores afirmavam que teriam visto uma luz estranha parada no meio do matagal. Estava na viatura, ele, soldado Balbino, soldado Francisco e soldado Renato. Os militares avistaram o OVNI do lado direito da estrada. Segundo ele, “uma luz muito forte de cores amarela e branca que fazia o deslocamento sentido à direita de nossa posição… Passamos a seguir a luz na rodovia MG 260, no sentido da cidade de Cláudio para a cidade de Divinópolis. Chegamos próximo a destilaria de álcool, adentramos em uma plantação de cana-de-açúcar por 500 metros e chegamos numa cerca de proteção. Descemos da viatura. Vimos um objeto pousado de formato retangular, com laterais ovaladas, com tamanho e aparência de um micro-ônibus sem rodas, emitindo luz branca, tipo farol xenon. Essa luz saia de uma abertura que cortava todo o meio daquele objeto. Depois ele subiu até perdermos ele de vista”.

Quando os policiais pensaram em entrar na viatura para voltar à delegacia, o motorista, soldado Balbino, alertou para que todos olhassem, pois o OVNI retornara, parando um pouco acima. A nave realizou movimentos circulares e depois sumiu novamente. Porém, antes do desaparecimento o cabo Rabelo tirou três fotografias do OVNI com sua câmera Sony Cyber Shot 7.2 Megapixels.

SURPRESAS NO RELATÓRIO PRELIMINAR

Muitos comentários foram feitos na cidade nos dias subsequentes, sendo inclusive, registrados outros avistamentos de luzes misteriosas na região. Esta onda ufológica durou cerca de três dias, sendo que os moradores ainda reportavam observações até a sexta-feira, dia 21 de novembro.

No dia 30 de novembro de 2015, o coeditor de OVNI Pesquisa, Edison Boaventura Júnior, solicitou oficialmente à Delegacia de Cláudio, por meio do protocolo nº 0120000008201581, o relatório oficial, boletim de ocorrência e fotografias do OVNI, sendo atendido no seu pedido em 10 de dezembro de 2015, conforme e-mail assinado pelo sargento Alessandro Cunha.

Este relatório preliminar composto de quatro páginas, datado de 8 de dezembro de 2008, foi endereçado ao comandante do 23º BPM, pelo comandante Eisenhower Guerck Austriaco e, trás novidades estarrecedoras sobre o caso.

Transcrevemos a seguir parte do relatório na página nº 2: “Nos dias 19 e 20 de novembro tivemos uma experiência, ao lado de vários outros Militares e pessoas que encontramos e entrevistamos sobre luzes que voaram sobre a cidade, e também sobre pequenos seres ‘humanóides’ que foram perseguidos pela viatura Mitsubishi 13533 a cerca de 20 km/h por entre as canas plantadas. Estes humanóides vistos pareciam deslizar por entre as canas. Em todas as ações deste Oficial, diversos Militares armados acompanharam os diversos momentos o fenômeno, em um dos momentos, estávamos em 03 viaturas. Uma senhora do povoado de formiguinha ao abrir a porta de sua casa teria visto pequenos seres em seu quintal e viu também um objeto cor ferro incandescente parado no ar atrás de eucaliptos a cerca de 800 metros, apontando a boina deste Oficial como sendo a forma do objeto visto. Os objetos voavam a uma velocidade incalculável e paravam como se não existisse os limites da física, simplesmente paravam de repente. Os objetos faziam curvas em ângulos de noventa graus ou menos, deslocavam para frente e voltavam para trás”.

“DOIS SERES LUMINOSOS…”

A parte mais importante do relatório é quando o comandante e mais dois sargentos empreendem uma perseguição aos seres avistados. No relatório está escrito: “A maior de todas as experiências ocorreu na noite de 20 de novembro de 2008, quando após três objetos desaparecerem a velocidade incrível, retornamos este Oficial, sargento William e sargento Waldir pelo canavial da região do Povoado de São Bento; vimos dois seres luminosos, com cerca de noventa centímetros de altura que deslizavam por entre as canas. Estávamos na caminhonete Mitsubishi transitando em uma estrada vicinal, quando o sargento William viu algo no mato. Ele virou a viatura 13533 em direção aos ‘seres luminosos’, quando aproximamos (15 ou 20 metros), estes começaram a deslizar por entre as canas. Estávamos a cerca de 20 Km/h e estes continuavam a frente e a direita, era perceptível que aquelas coisas ‘andavam’ sem tocar o chão. Não vimos pés, nem dedos, mas percebemos braços, pernas e cabeça ovalar, e embora fossem luminosos não iluminavam”.

O relatório prossegue e afirma que o sargento Waldir Araújo Silva tentou fotografar os seres, mas não aparecia na câmera fotográfica. O sargento William Alcione Alves da Silva ficou vislumbrado com a aparição, segundo consta neste mesmo relatório.

O relatório prossegue: “O que vimos parecia colocar ou retirar algo da terra, como se fossem cientistas. Pareciam controlar o que pensávamos, deixaram nosso corpo cansado e sem poder de pensar estrategicamente e taticamente. O sentimento é que ficamos em uma situação de não definir o que é realidade, o que é sonho e o que é pesadelo, e todos sentiram e viram a mesma coisa. Após esta experiência todos nós estávamos com dor de cabeça, ansiedade e não conseguimos parar de pensar e comentar o que vimos. A vontade de beber água destacou, e o que parecia 40 minutos, na realidade foram 2 ou 3 horas”.

O comandante encerra o relatório escrevendo: “Diversas pessoas relatam experiências vivenciadas idênticas a de nós Militares e vamos entrevistar estas pessoas. Algumas narram ar quente entrar em casa. As viaturas estão com problemas elétricos. A Mitsubishi não pega direito, os Militares que viram e tiveram maior contato parecem angustiados, estamos todos psicologicamente ou fisicamente diferentes, mais cansados, com sono, há relatos de pessoas que se sentiram levitando. Realizarei por conta própria um estudo sobre o fato. O cabo Rabelo relatou e apresentou fotos que conseguiu realizar em seus avistamentos, com sua câmera. Foi confeccionado BOs sobre o fato inicial, que se encontra em arquivo nesta Fração Policial Militar”.

REVELAÇÕES EM NOVA ENTREVISTA COM O CABO

Em 2019, entrevistamos o cabo Rabelo novamente em sua residência e, foi confirmada toda a sua história, sendo que nesta nova conversa foram acrescentados alguns detalhes. Por exemplo, “antes de depararmos com o OVNI em forma de micro-ônibus sem rodas que tinha dois andares, nós indo pela estrada encontramos com um rapaz num Passat e ele vinha do médico com sua mãe, da cidade de Oliveira e ele deu de cara com a luz. Estava bem apavorado e parado no barranco”, disse o cabo Rabelo.

Contou ainda, que no foi procurado por um amigo chamado Brás que estava pescando no mesmo dia daquela sua observação, por volta das 23:40 horas quando viu passar rente a água um objeto voador maior e mais dois menores, chegando a fazer balançar a superfície da lagoa. Brás ficou muito assustado com aquele fenômeno!

Em certa parte da entrevista ele disse que foi visitado no dia seguinte por militares da Aeronáutica que estavam interessados em detalhes do seu avistamento.

“No dia seguinte, eu estava de folga e veio militares da Base Aérea de Lagoa Santa, de Belo Horizonte e me entrevistaram, pediram que desenhasse o objeto e, pediram o cartão da máquina para copiarem as fotos. Eles apagaram as fotos, inclusive fotos pessoais minhas. Me entregaram o cartão zerado. Falaram que o que eu tinha visto era ‘queima artificial de gases’. Então, questionei que fenômeno natural não faz manobra como aquele objeto fez. Mas, ficou por isso mesmo. Minha sorte é que tinha descarregado o cartão com as fotos no computador de casa”, contou ele.

No transcorrer da entrevista, disse que já ocorreram outros casos na região parecidos, em várias épocas. Em fevereiro de 1996, foi avistado por policiais e ele também foi testemunha de um OVNI semelhante ao avistado pelo seu amigo Brás. Nesta ocasião, o fenômeno desligou a parte elétrica da viatura e o rádio de comunicação ficou mudo.

Casos de seres também não são tão incomuns na cidade. Disse que no ano de 2009, o senhor Tonico que mora no Couto viu estes seres que brilhavam com as mesmas características que o comandante Eisenhower observou. Havia três seres e, um deles apanhava algo no chão.

Amilton Rabelo finalizou dizendo que sempre sonha com este mesmo fenômeno e que recentemente, estava na roça do seu cunhado, durante a noite e, viu uma luz alta que chegou a iluminar a escada. Ficou apreensivo e resolveu ir embora do sítio assim que amanheceu o dia.

“LUZ BRANCA MUITO INTENSA”

Testemunhas civis relembraram seus avistamentos corroborando os fatos e, agregando mais informações aos depoimentos colhidos pelos policiais militares.

Cláudia Alves, funcionária pública contou sobre sua observação acompanhada de seu esposo na rodovia MG 260, no bairro Sobrado. “Realmente avistamos um objeto luminoso, com uma luz branca muito intensa, mas não doía a vista. Seguiu a nossa frente na rodovia, por volta das 21 horas, quando voltávamos de uma missa, numa sexta-feira. Desde que avistamos o referido objeto, mais ou menos no trevo, ele seguia sempre à nossa frente em linha reta. Até que chegamos na entrada de nossa residência em frente ao Parque Industrial. Ao chegar em casa fomos para o andar superior onde tem uma varanda para ver se avistávamos de novo, mas já não vimos mais nada. O objeto sumiu mais ou menos perto do aeroporto”, afirmou Cláudia.

Entrevistamos o pintor Regy Markes Padilha que viu momentos antes o mesmo fenômeno fotografado pelo Cabo Rabelo. Ele estava acompanhado de sua mãe, Aparecida de Fátima dos Santos Padilha e disse: “No dia 19 de novembro de 2008, eu voltava da cidade de Carmo da Mata com minha mãe e, vi a luz. Eram 21:44 horas quando vi aquilo do lado da estrada. Era a coisa mais estranha que já vi na minha vida. Eu passei a 6 metros de uma luz tão forte que parecia um pequeno Sol. Era do tamanho de um caminhão, um micro-ônibus! Não fazia barulho, apenas flutuava. Eu vi as canas brilharem, pois era uma luz muito forte. Parecia que tinha fogo por dentro, de cor muito estranha. Eu não parei o carro e segui em frente, cruzando com a viatura da polícia. Depois, soubemos do caso e que tinha dado até polícia e a cidade encheu de ufólogo. Fizeram até uma matéria no site UFOVIA”.

CONCLUSÕES FINAIS

A Equipe de pesquisa de campo da revista OVNI Pesquisa voltou consciente que há mais detalhes importantes a serem revelados.

No dia 25 de fevereiro de 2019 solicitamos por meio do SIC – Serviço de Informação ao Cidadão, para o COMAER – Comando da Aeronáutica, responsável pela Base Aérea de Lagoa Santa, em Belo Horizonte – MG, o relatório, o croqui e as fotos do fato ocorrido em Cláudio… Agora basta esperarmos a resposta deste Órgão ao nosso protocolo nº 60502000499201944.

Será que teremos novidades desta “invasão” ou a nossa Força Aérea Brasileira continuará acobertando os fatos naquela cidade mineira? Esta é a pergunta que não quer calar!

Se você tiver alguma informação sobre o “Caso Cláudio” entre em contato conosco!

05 jun 2017

Ufologia: Os alienígenas já vivem entre nós?

alienigenas

O tão esperado  XX Congresso Brasileiro de Ufologia será realizado, em Belo Horizonte, de 21 a 23 de julho. O evento ocorrerá simultaneamente ao I Encontro de Ufologia Avançada de Minas Gerais no Hotel Othon Palace, no centro da capital mineira. A iniciativa conta com a presença de  14 conferencistas de todo país e ainda um especialista em abduções alienígenas dos Estados Unidos (EUA), o doutor John Carpenter – da Mutual UFO Network (MUFON).

O Congresso é uma oportunidade de entender um pouco sobre objetos voadores não identificados, presença de alienígenas no planeta Terra, abduções, tipos de contatos, tecnologia e outros pontos de vista. Entrevistei com exclusividade um dos ufólogos mais reconhecidos no Brasil e no mundo pelos trabalhos na área da ufologia.

Ademar José Gevaerd é ufólogo e editor da Revista UFO. Participou de várias produções de TV e de documentários sobre ufologia no Discovery Channel, National Geographic Channel e no History Channel. É conhecido internacionalmente pelas investigações de campo dos casos de Ovnis no Brasil.

REVISTA UFO

Foto: Revista UFO

Adriana Santos: Na sua opinião, o estudo Ufológico cresceu no Brasil e é cada vez mais aceito pela sociedade e pela mídia ou ainda é um assunto tabu?

Gevaerd: Uma pequena parcela da mídia de massa  e uma pequena parcela da sociedade ainda permanecem alheios à questão ufológica. Não acreditam. Não dão importância. Não se interessam. Agora, muita coisa mudou em 20 anos. Vamos dizer que naquela época a rejeição ficaria em torno de dois terços da população. Hoje a rejeição não chega a um terço. A imprensa mais esclarecida tem apoiado a ufologia com publicações sérias. No Brasil, por exemplo, a Veja não publica coisas sérias sobre ufologia. Parece que a revista tem uma doença, uma patologia, porque eles não conseguem escrever três linhas com seriedade e respeito sobre o assunto.  A Folha de São Paulo, o Estadão, a Revista Isto tratam a coisa com bastante seriedade. Há sim um crescente esclarecimento na sociedade.

Adriana Santos: Desde quando os seres de outros planetas ou “alienígenas” visitam a Terra?

Gevaerd: Desde sempre.  O universo tem quase 5 bilhões de anos. Há planetas  que existem há 4 bilhões de anos e civilizações que existiram ao logo de todo esse período. A Terra tem uma civilização que, segundo estudiosos,  tem por volta de 160 mil anos. Isso não é nada comparado com a escala de existência da vida no universo.  Há civilizações que surgiram  e desenvolveram como a nossa surgiu e desenvolve, mas há milhões de anos. Essas civilizações se desenvolveram e passaram a explorar outros mundos, assim como estamos fazendo agora. Começaram a explorar seus sistemas estrelares,  ir até os planetas vizinhos e depois a lugares mais distantes  do sistema solar. Então, desde sempre, a Terra vem sendo visitada por muitas civilizações. Há aquelas civilizações mais antigas que visitam a Terra e aquelas que estão chegando agora. Estima-se que daqui a trinta anos, nós terráqueos teremos tecnologia para  visitar outros planetas.

Adriana Santos: Por que os contatos não são públicos, já que, segundo alguns estudos, muitos deles têm consciências superiores e tecnologias avançadas?

Gevaerd: A maioria deles tem  consciência superior à nossa. Todos, absolutamente todos,  têm tecnologia mais avançada,  porque eles conseguem chegar até a Terra. Eles têm máquinas que conseguem  ir a outros planetas.  Veja a nossa dificuldade.  Para que possamos enviar uma sonda para marte, precisamos de alguns bilhões de dólares e 26 meses de espera. Agora, parece que tem uma técnica que pode levar  uma sonda lá  em 18 meses, mas estamos muito longe de levar uma tripulação.  E quando chegarmos ao ponto de levar uma tripulação, ela não voltará. Vai morrer lá.  Com certeza as civilizações que nos visitam têm tecnologias mais avançadas. É muito provável  que suas consciências, que suas espiritualidades, que seus conceitos de moral e ética  também sejam bastante avançados. Essas coisas devem andar juntas, mas nós não sabemos. Agora, qual o motivo dos contatos não serem públicos?  Talvez porque eles não queiram. Será que eles têm regras para não interferir. Isso é muito importante. Uma civilização mais avançada  do que a nossa poderia provocar um impacto tão grande, tão profundo que não nos reconheceríamos mais.  Logicamente, historicamente, religiosamente, cientificamente, moralmente, eles estão mais avançados. Seria inconcebível  um relacionamento com eles. A não interferência deve equilibrar as regras do jogo. Eles vão se apresentar quando estivermos em condições de entender e o impacto não for tão duro.

Adriana Santos: Qual a relação entre Ufologia e Espiritualidade? Quando as duas áreas começaram a ter alguma relação?

Gevaerd: Estamos falando de espiritualidade e não de espiritismo. Estamos falando de uma coisa mais ampla. Espiritismo é espiritualidade, mas espiritualidade não é espiritismo. Eu entendo da seguinte maneira:  nós e os seres que nos visitam somos praticamente idênticos. Eles quando descem de suas naves, há milhares de anos, sempre foram vistos com dois braços, duas pernas,um tronco, uma cabeça.   É uma indicação clara que a humanidade  está espalhada por uma vasta área  do universo,  em inúmeros planetas, inclusive em planetas mais atrasados do que o nosso. Se levarmos em consideração  que somos  entidades que  temos um corpo  dotado de um espírito,  é possível que eles sejam também.  Se eles são mais avançados do que nós, eles  vão ter um controle do seu espírito, assim como nós pretendemos ter um dia. Primeiro é por aí, uma explicação bem óbvia.  Segundo  a ufologia, são  muitos campos  de exploração  do conhecimento humano, não só material,  mas também espiritual.  A ufologia  necessita de todas as ferramentas  para que possamos entender o fenômeno ufo. Nós temos a ferramenta da ciência, da psicologias, da sociologia, mas também precisamos das ferramentas espirituais.  Na falta de  uma expressão melhor,  vamos chamar de ferramentas espirituais, canalizações, corporações. Coisas que acontecem  muitas vezes em centros espíritas, são manifestações de seres extraterrestre, que se encontram nessa situação para se aproximar da gente por um outro ângulo.

Adriana Santos: Os “alienígenas” têm valores morais e éticos como os humanos?

Gevaerd: Sim. Eles demonstram uma semelhança, um provável grau de parentesco. São seres que agem com ética. É provável  que devem ter conceito de moral.  Pelo menos é assim  que se acredita. Não há muita lógica um civilização progredir, sem ter condições de um refino gradual da ética e moral.  Nós próprios temos, ao longo do tempo,  refinado nossos princípios de ética, moral e comportamentos sociais. Nos últimos 20 anos, nós temos mais respeito pelo meio ambiente. Não fumamos mais em restaurantes. Aceitamos relacionamentos homoafetivos, quando antes era tabu. Hoje temos um senso moral mais refinado.

Adriana Santos: Há planetas habitados por seres mais primitivos que os humanos?

Gevaerd: Certamente que sim. Se você fizer uma escala,  digamos de 0 a 100,  em termos de degraus  de evolução,  vamos dizer que a Terra esteja aí  em um degrau 30, 40 por ai. É um planeta razoavelmente civilizado, mas não avançado. Imagine  que temos 7,5  bilhões de seres humanos, sendo que 2,5 bilhões passam fome. Então a Terra  é um planeta atrasado. Em compensação temos uma tecnologia e uma perspectiva  de futuro.  Mas claro que há aqueles planetas que estão  nos degraus inferiores. Há civilizações que estão germinando hoje, ainda em estado embrionário. Assim  como há civilizações que estão na idade da pedra. Os caras devem estar comendo picanha crua porque não descobriram o fogo. Há civilizações tão lá na frente que não temos ideia como seriam de tão avançadas.

Adriana Santos: Há “alienígenas” ente os humanos?

Gevaerd: Sim justamente porque eles são tão semelhantes a nós, perfeitamente idênticos,  têm condições de passar despercebidos  entre nós.  Ai eu recorro mais uma vez o exemplo  humano. Suponha que daqui a  30, 50, 100 anos tenhamos uma tecnologia que nos leve com segurança e rapidez a outros planetas mais atrasadinhos (uma Terra dos anos 40 e 50  ou até mesmo agora).  Como seres semelhantes a eles, provavelmente faríamos uma experiência antropológica, sociológica em outras civilizações planetárias. Nós infiltraríamos para ver como eles vivem,  como eles formam suas famílias, como eles formam seus conceitos  de sociedade, como eles edificam suas residências, como se locomovem, como eles apreciam a natureza. Nós certamente vamos ter esse interesse. Isso é a ralidade de uma grande quantidade de raças que nos visitam. Alguns são mais altos, outros mais baixos, uns têm  a pele mais escura ou  mais clara  têm aqueles com cabelo mais alvo. Não importa. Importa que o formato humano  é idêntico. Você na rua não vai encontrar duas pessoas iguais, mas parecidas. Mesmo que esses seres sejam parecidos  conosco, eles não serão iguais, mas eles poderão passar desapercebidos.  Você passa pela rua de Belo Horizonte e vai ver gente feia, gente bonita, gente magra. Não dá para dizer quem é ou não é daqui.  Pelas mesmas razões não temos condições de detectá-los.  Talvez algumas pessoas possam identificar.

Adriana Santos: O que é e como acontecem as abduções?

Gevaerd: As abduções até um tempo atrás, as clássicas, aquelas de sempre, ocorrem quando você, por exemplo, está dirigindo o seu automóvel por uma estrada erma e de repente, por alguma razão, sente vontade de parar o carro. Depois você retorna para seguir até o seu destino, porém você esperava chegar em uma hora X e você chega cinco horas depois. O que aconteceu com você? A mesma coisa acontece quando uma pessoa desce de um ônibus, à noite, depois da escola, da faculdade, do trabalho e precisa andar seis quadras até chegar em casa, mas a pessoa só vai chegar na manhã seguinte. Como? São situações que as pessoas são levadas contra sua vontade. Elas não se lembram  do que aconteceu  durante horas. Podem ser duas, três, cinco, seis horas… Ás vezes as pessoas são levadas por dia. Quando são devolvidas, 99,9 por cento ficam sem memória. Apenas algumas pessoas têm sintomas, fragmentos de memória que se manifestam, possibilitando uma investigação através de um método chamado hipnose regressiva. Descobrimos que durante aquele tempo que elas não lembram do que aconteceu, elas  foram abduzidas, levadas a bordo de naves. Lá em geral são submetidas a exames médicos. Inclusive são extraídos das mulheres óvulos e extraídos dos homens sêmen. A gente sabe o que se faz com isso ai. O material genético serve para fazer bebê – 9 de cada 10 abduções são para retirar material genético. Agora de um tempo para cá nós descobrimos, não quer dizer que isso já não vinha acontecido ha muito tempo,  mas descobrimos  que os seres extraterrestre não necessariamente precisam levar as pessoas a bordo das naves. Eles podem entrar em nossa casa. Podem entrar no nosso quarto, quando dormimos. Eles fazem praticamente a mesma coisa, quando nos levam a bordo das naves. E mesmo que você esteja dormindo com seu namorado, seu marido, e os interesses deles é por você,  não adianta gritar, tentar acordar seu companheiro. Eles vão fazer o que precisam fazer com você. São formas de abdução, entre muitas outras coisas.

15 maio 2017

Conheça a história do mineiro que visitou Marte no Congresso de Ufologia

ufo1

Foto: Arquivo UFO

Minas são muitas… E o estado com o maior número de registros de UFOs do Brasil, cerca de 80% de todos os casos relevantes. A pedido dos mineiros, será realizado o  XX Congresso Brasileiro de Ufologia, em Belo Horizonte, de 21 a 23 de julho. O evento ocorrerá simultaneamente ao I Encontro de Ufologia Avançada de Minas Gerais no Hotel Othon Palace, no centro da capital mineira. A iniciativa conta com a presença de  14 conferencistas de todo país e ainda um especialista em abduções alienígenas dos Estados Unidos (EUA), o doutor John Carpenter – da Mutual UFO Network (MUFON).

O evento contemplará os mais variados e atuais temas da Ufologia Brasileira e Mundial, como casuística avançada, contatos diretos com aliens, Ufologia e espiritualidade, ação de sumérios no Brasil, abduções e híbridos, paradoxo de Fermi, projeciologia, agroglifos etc.  O jornalista mineiro César Vanucci será homenageado por incentivar e divulgar estudos ufológicos em Minas, quando o assunto ainda era tabu no meio jornalístico.

As inscrições estão abertas, mas as vagas são limitadas. Além das 15 palestras, haverá também um jantar de confraternização com todos os conferencistas e um workshop especial sobre abduções alienígenas, proferido pela médica abduzida Mônica de Medeiros.

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES: www.ufologiabrasileira.com.br/mg

Você gosta de descontos? Então aproveite para acessar os cupons de desconto.

descontos3
 A HISTÓRIA DO MINEIRO QUE FOI A MARTE

plinio (1)O caso foi pesquisado com exclusividade pelo jornalista Paulo H. Baraky Werner, um dos palestrantes do XX Congresso Brasileiro de Ufologia. O suposto contato entre um homem de Governador Valadares (MG) e seres de outro planeta teria ocorrido no Pico do Ibituruna, ponto culminante da região.

Na segunda feira, dia 09 de dezembro de 1.996, por volta das 18:30 h, o marceneiro Plínio Bragatto, 74 anos, semianalfabeto pai de 2 filhos, voltava para o sítio em que trabalha como caseiro.

Na subida, segundo Plínio, teria parado para beber uma latinha de cerveja , sentando em uma pedra no meio do caminho. Já estava escuro e Plínio bebia calmamente, quando sentiu a aproximação de um objeto voador não identificado (OVNI).

O objeto tinha uma forma ovalada e várias “pernas” como barbatanas de peixe ( trem de pouso). Uma porta se abriu, seguindo de uma pequena escada com corrimão. Do interior saiu um humanóide com quase 2 metros de altura. Na ufologia classificado como tipo gama, sendo responsável em 8% nos casos registrados até hoje.

O estranho do outro mundo acenou para Plínio e o convidou para entrar no objeto. Depois do tour dentro da nave, ele foi convidado para conhecer o planeta de origem dos visitantes. Plínio diz ter concordado com o convite sem preocupação, alegando que eles “eram gente boa”.

Plínio passou por uma avaliação médica por três seres supostamente alienígenas. Sua barriga foi apalpada com aparelhos com pontas de borracha. Foi colocado um colete, que Plínio não soube explicar sua função. Um dos seres chegou a ficar nú. “O corpo deles é igual ao nosso, até mesmo naquelas partes…” disse achando graça.

“Planeta Marte”

naveDurante a viagem ao suposto “planeta Marte”, Plínio diz ter comido uma fruta parecida com o mamão chamada “pico” e saboreado uma iguaria bem parecida com uma empada. Tomou uma bebida adocicada, segundo ele levemente alcóolica. Em retribuição Plínio diz ter oferecido uma das latas de cerveja, o que os seres aceitaram de imediato.

Não demorou muito e Plínio chegou em “Martiolo”, capital de Marte. “Havia mais gente me esperando que quando o Papa veio ao Brasil”, disse o morador de Governador Valadares. Assim que a nave pousou, todos vieram receber o visitante do planeta “Bacha” (nome do planeta Terra conhecido em Marte).

“O planeta era muito bonito com grandes prédios e imensas pontes feitas de um material parecido com o nylon, muito resistente”. Plínio diz que conseguiu apanhar uma pedra e a escondeu. Um dos seres se aproximou e falou que era hora de voltar, pois já estavam lá mais de 8 horas. Por volta das 4:30 h da manhã, os seres teriam deixado Plínio em um pasto.

Como Plínio Bragatto foi sumir de Governador Valadares, no leste de Minas, e reaparecer na madrugada do dia 10.12.96 em Montes Claros – distante mais de 800 quilômetros?

O caso completo será relatado no XX Congresso Brasileiro de Ufologia. Além do homem de Governador Valadares que teria visitado Marte, os interessados vão ter a oportunidade de conhecer vários pontos de vista que envolvem os contatos com os alienígenas, o aparecimento de objetos não identificados, a relação entre espiritualidade e ufologia e outras linhas de pensamento ufológico.

titulo:revista/subtitulo:editorial/finalidade: materia:objetos nao identificados-UFOS/descricao: paulo werner(ufologo)foto:/local serra do cipo/data:10-11-2008

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O JORNALISTA E PESQUISADOR PAULO WERNER

Adriana Santos: O caso do homem que teria visitado Marte ainda repercute no meio ufológico por ser um caso com bastante detalhes ou pelo fato de ter ocorrido uma viagem interplanetária?

Paulo Werner: O caso do Sr. Plínio Bragatto, já falecido (2015), ainda atrai a atenção de pesquisadores de todo o mundo. Tanto pelas características da suposta abdução, como pelos detalhes e testemunhos oficiais. Estive em Governador Valadares em 1996 a pedido do jornal Estado de Minas, e fui o primeiro pesquisador a documentar o fato. Fiz uma entrevista com o Plínio, à época com 74 anos, lúcido e bastante ativo. Como pesquisador, apenas fiz os procedimentos habituais de uma investigação. Coletei todos os dados, fotos e vídeos. E posteriormente publiquei um artigo no UFOnews, nosso informativo oficial. Depois disso, o caso foi citado em livros, revistas, jornais e vários sites sobre o tema.

Adriana Santos: Nos seus estudos ufológicos, como você classifica o caso do homem que teria visitado Marte?

Paulo Werner: Como disse o astrônomo Josef Allen Hynek (1910-1986), “como não temos os discos voadores para uma pesquisa, resta-nos o que há de mais importante, a testemunha.” E portanto, o caso do Sr. Plínio Bragatto é bem complexo. Há falhas, como a pedra que ele alega ter trazido do planeta, e que nunca foi mostrada. Se o fato foi uma jogada para dar mais volume ao caso, nunca saberemos, pois o mesmo faleceu há dois anos. O Cipfani sempre se pautou em não bater o martelo sem antes ter todos os elementos que possam dar sustentação aos casos pesquisados. Como trabalhamos com algo “subjetivo” é muito importante fazer algo muito bem documentado. Em Valadares colhi depoimentos do policiais envolvidos e com amigos e familiares. E em nossa avaliação, mediante os fatos apresentados, houve sim algo anormal, mas não podemos dizer que se trata de uma abdução. Esse é o processo normal de investigação. Tudo o que seja diferente disso é crença, e quando isso ocorre não é pesquisa ufológica.

Adriana Santos: Após o ocorrido, o que aconteceu o homem de Governador Valadares? Ele apresentou problemas físicos ou mentais?

Paulo Werner: Durante a entrevista, isso foi perguntado ao contactado. E segundo ele nada de anormal foi notado. Ele alegou ter passado por exames dentro da nave, onde um aparelho com ponta de borracha era encostado em seu corpo e dava leves choques. Plínio me parece ter levado uma vida normal até seu falecimento em 2015.

Adriana Santos: Qual a sua expectativa para o Congresso em BH?

Paulo Werner: Minas Gerais é o Estado com o maior número de registros de UFOs do Brasil. Aqui ocorreram quase 80% de todos os casos de grande relevância. E sempre é interessante este tipo de evento. Atrai a atenção da mídia. E consequentemente, pessoas que passaram por experiências estranhas e que nos procuram para dar seu testemunho. A engrenagem funciona melhor assim, quando o tema é exposto de forma séria, atraindo a atenção de todos os interessados e até mesmo dos céticos em relação ao fenômeno, pois é a chance de ver de perto várias teorias e ter acesso a muita documentação sobre o fenômeno UFO. A Revista UFO hoje é a maior publicação do mundo nesta área. Com mais de 30 anos de estrada, possui um acervo enorme, à disposição de todos. E será a oportunidade única de conhecer vários pesquisadores, fazer novas conexões e trocas de experiências.

Página 1 de 41234