21 set 2015

A intervenção dos extraterrestre na transição planetária, segundo sensitiva

espaco2

Os ufólogos tradicionais creem apenas em extraterrestres tridimensionais, como nós mesmos. Já os espíritas creem apenas em extraterrestres sem corpo físico, como Espíritos desencarnados. No entanto há um grupo de pessoas que transitam nos dois campos do conhecimento, trazendo novas informações sobre os múltiplos universos e o papel dos extraterrestre na transição planetária.

Em 1856, Allan Kardec (Livro dos Espíritas) fez 22 perguntas à Egrégora “O Espírito da Verdade” sobre a vida fora da Terra. As respostas são instigantes e nos levam, naturalmente, à compreensão de que não estamos sós neste imenso universo.

As próprias palavras de Jesus nos levam a acreditar em “possibilidades” de vida além do planeta Terra: Não se perturbe o teu coração. – Crê em Deus, crê também em mim. Há muitas moradas na casa de meu Pai; se assim não fosse, já eu te teria dito, pois vou para preparar-te o lugar. – Depois que tenha ido e que te houver preparado o lugar, voltarei e te retirarei para mim, a fim de que onde eu estiver, também tu aí estejas. (S. JOÃO, cap. XIV, vv. 1 a 3).

Conversei sobre a Transição Planetária, Jesus, abdução e extraterrestre com Mônica de Medeiros, médica e sensitiva, cirurgiã formada pela Unicamp, mestrado na University of Illinois at Chicago. Fundadora e presidente da Casa do Consolador, centro universalista de fundamento cristão e base kardecista

mônica

Imagem: Revista UFO

Adriana Santos: Você  tem experiência em três áreas do conhecimento que, no primeiro momento, parecem ser antagônicas. Qual a relação possível entre espiritualidade, medicina e ufologia?

Mônica Medeiros: O espiritismo, em seu livro codificador – LIVRO DOS ESPÍRITOS (1857), trata da vida extraplanetária em 22 questões: da 55 à 58 , aborda a pluralidade de mundos habitados e de 172 à 188, fala sobre as encarnações em diferentes mundos. Então, pode-se dizer que o estudo que reúne ufologia e espiritismo começou com sua obra magna. A medicina é uma ciência de amplos horizontes porque curar significa, sobretudo, compreender quem sofre e depende, profundamente, do conhecimento para que tal se dê. Assim, existe um área de intersecção entre os três campos: a necessidade de pesquisa e de mente aberta, sobretudo na busca de respostas que reduzam o sofrimento.

Adriana Santos: O que é transição planetária?

Mônica Medeiros: É o período que estamos passando, quando o planeta sairá de uma condição rude, conhecida no espiritismo por “expiação e prova” para uma outra, mais leve, ainda que densa, chamada de “ regeneração. “ Ou seja, a característica do mundo atual é o predomínio da força sobre o direito, da matéria sobre o espírito, da dor sobre o amor, do egoísmo sobre a fraternidade. Um mundo onde a injustiça social rege o sistema de vida; onde o ser humano se sente no direito de matar irmãos hominais , animais, vegetais e minerais; onde doenças ceifam esperanças, vidas ; onde o mal parece prevalecer, tendo o domínio de forças financeiras mundiais. O planeta é um ser vivo e, como tal, também tem evolução. Após tantos milhões de anos como expiação e provas, adquiriu quantum energético suficiente para dar seu salto quântico e isso mudará radicalmente a qualidade dos seres que nele viverão. É o tempo de mudanças radicais e estamos vivendo essa experiência difícil mas, absolutamente necessária porque não aguentamos mais o status quo.

Adriana Santos: Qual o papel dos extraterrestre na transição planetária?

Mônica Medeiros:  Existem duas possibilidades quanto aos extraterrestres: os elevados moral e tecnologicamente e os elevados apenas tecnológica. Os primeiros são membros da Confederação Cósmica ou Galáctica e nos observam muito atentamente, desde o advento da bomba atômica porque não estamos sós, neste braço de Órion (da via láctea), onde nos encontramos e muito menos no sistema solar, onde Vênus e Marte, principalmente mas não apenas, podem sofrer consequências de nossos desmandos destrutivos. Contudo, visitam a Terra a milhões de anos, como bem comprovam provas arqueológicas como fósseis com pegadas de botas do período pré-cambriano, quando não haviam hominais por aqui, desenhos rupestres desde 17000 anos atrás. Atualmente, estão presentes e, a cada dia, mostrando-se mais presentes entre nós, principalmente em centros espíritas, onde se manifestam ostensivamente. A missão deles é nos acompanhar neste período difícil de transição, pelo qual eles mesmos já passaram, sem interferir mas nos apoiando em encontrar soluções para nossos problemas.

Adriana Santos: Quem é Jesus nos múltiplos universos?

Mônica Medeiros: Jesus, também chamado de Sananda, por extraterrestres, é o Espírito de Maior hierarquia desta galáxia, sendo descrito como logus planetário. É a referência para todos os seres que buscam a felicidade porque está só pode ser obtida através da prática da lei da fraternidade que Ele mesmo nos trouxe.

Adriana Santos: Jesus é um extraterrestre de qual dimensão?

Mônica Medeiros: Olha,extraterrestres somos todos nós porque, após 4,5 bilhões de anos de existência, o planeta Terra já não deve estar contando com seres de evolução inicial por aqui. Ou seja, somos todos nós, hominais, filhos do universo.ev. É difícil dizer de qual dimensão é Jesus porque não creio que Ele seja desde universo tão jovem mas para este universo, Ele deve estar no ápice evolutivo.

Adriana Santos: A vinda de Jesus está próxima. Ele vem sozinho?

Mônica Medeiros:  Jesus voltar? Mas Ele nunca se foi. Figura física acho pouco provável.

Adriana Santos: Os extraterrestre se comunicam de que forma? Qual a mais utilizada?

Mônica Medeiros: Telepatia.

Adriana Santos: Só os médiuns captam as mensagens dos extraterrestre?

Mônica Medeiros:  Médiuns somos todos, a partir dos animais superiores. Então, todos podem ser contatados. O Projeto Nova Terra, Nova Raça Humana que está sendo desenvolvido pela confederação galáctica, sob coordenação de Jesus, neste momento, é DNA-Dependente. Ou seja, abduzidos e contatados são seres de DNA escolhido e assim o é em virtude de serem reencarnantes que aceitaram participar desse projeto. Não existem eleitos nisto. Apenas o compromisso com o aprimoramento da atual raça humana. Mas, em tempo futuro e não muito distante de hoje, o contato será às claras e irrestrito.

Adriana Santos: O Espiritismo é a religião oficial dos extraterrestre?

Mônica Medeiros: Extraterrestres não têm religião, em sua maioria. Creem em Deus, a quem chamam de Fonte Criadora e se relacionam de um modo mais maduro que nós. O espiritismo , ao ver deles, é o campo mais propício, hoje, ao contato em maior escala, já que na própria codificação fala-se sobre a vida extraplanetária.

Adriana Santos: O que é abdução?

Mônica Medeiros: É o fenômeno pelo qual um ser terrícola é levado a uma nave sem, aparentemente, permissão explícita do mesmo. Mas isso não é real, uma vez que os abduzidos são voluntários nesse processo. Perceba, as abduções podem ocorrer em diferentes encarnações e são, de modo geral, múltiplas numa mesma família, atestando a DNA- dependência do fenômeno.

Adriana Santos: A abdução não fere o livre arbítrio?

Mônica Medeiros: Pelo exposto acima, de modo algum.

Adriana Santos: Você já foi abduzida?

Mônica Medeiros: Fui abduzida dos 5 aos 16 anos. Hoje, sou contatada.

Adriana Santos: Os extraterrestre estão em missão de paz?

Mônica Medeiros: Os confederados, sim. Os pesquisadores não relacionados com o projeto Nova Terra, não tem qualquer interesse em nos prejudicar. Os draconianos, seres reptilianos que chegaram à Terra pouco depois do dilúvio bíblico, aportando na África, mancomunaram-se com os magos negros da Terra e compõe o que é conhecido como governo oculto, cuja manifestação tridimensional são os iluminatti e os 12 magníficos. Estes últimos nada de bom fazem e são altamente destrutivos para o planeta e para todas as espécies que aqui vivem.