17 jun 2019

BH recebe o maior complexo de saúde de Minas Gerais

Arquivado em Cidade, Comportamento

internet-3695

Inspirado nos mais modernos e completos medical centers do mundo, o Medplex é  um espaço de referência desenvolvido com o intuito de oferecer uma estrutura inteligente aos profissionais de saúde. Com projeto inovador e diferenciado na capital mineira, localizado no bairro Santo Agostinho, a iniciativa permite que médicos, dentistas e outros profissionais da área exerçam suas atividades sem necessidade de reformas ou ajustes estruturais, já que todo o projeto foi pensado para atender a área médica de forma específica. Além do espaço para consultas particulares de cada profissional, o complexo também conta com salas de reunião e auditório. O projeto arquitetônico é assinado pelo renomado escritório Farkasvölgyi Arquitetura.

Construído em um terreno de 4.536m², que ocupa um quarteirão inteiro, o Complexo de Saúde conta com 136 consultórios e clínicas de 27 a 1.002m², 11 lojas com tamanhos que variam de 71m² a 241m², com estacionamento nas portas e 382 vagas no sistema rotativo com manobristas. “É um empreendimento exclusivo, com projeto único, que oferece aos profissionais da área o que há de melhor e mais avançado no segmento”, comenta Lucas Couto, diretor comercial e de marketing da Patrimar.

Mais do que um complexo equipado e preparado para receber profissionais e pacientes, o Medplex oferece um conceito moderno e eficiente que irá melhorar ainda mais o serviço de saúde e cuidados básicos na capital mineira, localizado em uma área privilegiada, próximo aos principais prestadores de serviços na área da saúde, dentre eles cinco dos mais importantes hospitais da cidade.

No espaço, médicos e pacientes terão garantida a tranquilidade e segurança para a realização de consultas e exames. O acesso aos consultórios e áreas de serviço é controlado por catracas, com a identificação dos visitantes na portaria, garantindo a segurança de todos que circulam pelo complexo. Além disso, o acesso pelas garagens é feito através de elevadores de baldeação.

O complexo disponibiliza ainda uma equipe de profissionais para prestar serviços exclusivos para facilitar o dia a dia. Concierge e serviço de manobrista estão inclusos no condomínio. Os serviços pay-per-use (cobrados conforme utilização) incluem limpeza geral das unidades, atendimento de recepcionistas e auxiliar de enfermagem, suporte de informática (para pequenos reparos de software e hardware), motoboy e serviços de eletricista, hidráulico e chaveiro.

22 abr 2019

Colaboração e Sustentabilidade: Pilares do ramo de brechós

Arquivado em Cidade, Comportamento
Divulgação

Divulgação

Um grupo formado por 14 mulheres, dentre elas professoras, advogadas, estilistas, modelos, e empresárias de outros segmentos, se reuniram em Ouro Preto para aprender a montar sua própria loja, no conceito faça você mesma. Elas saíram de diversas cidades mineiras e de estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo e aprenderam a montar uma loja de luxo que demandaria um investimento de R$ 10 mil e ao final custou por apenas R$ 4 mil. Tudo isso em apenas dois dias.

A ação, ocorrida nos dias 13 e 14 de abril, fez parte do Workshop Montagem e execução de um brechó de luxo, realizado na Casa de Negócios da Moda, da empreendedora Maria Silva Gomes, popularmente conhecida como Nusa Maria. As empreendedoras aprenderam, por exemplo, a afixar papel de parede e laminado no chão, como instalar araras e pasmem como usar a furadeira.

Além de luxuosa, a loja construída carrega os conceitos que Nusa trabalha como sustentabilidade, reaproveitamento de materiais, contudo, a ideia principal da empreitada foi mostrar que a colaboração mutua e a sustentabilidade são pilares do ramo de brechós. “Quando estamos todos focados em um único objetivo conseguimos concluir muitos projetos com excelência e agilidade. Essa foi a proposta da nossa loja sustentável. Utilizamos 90% da estrutura de forma sustentável e ecologicamente correta”, explica a empreendedora. Em toda a loja, somente o piso e o tecido da parede não são sustentáveis.

Muito mais do que uma simples aula de faça você mesma, Nusa Maria ensinou como usar equipamentos com segurança e praticidade, detalhou como comprar todos os materiais incluindo preços e fornecedores e repassou regras de como usar o mobiliário numa loja. O Workshop foi completo e foi abordado ainda não só como escolher o melhor ponto, mas também como avaliar a vizinhança, e detalhes como segurança, estacionamento, iluminação, acesso de pessoas com dificuldade de locomoção e com crianças não passaram despercebidos. As alunas aprenderam ainda como fazer um planejamento estratégico, construção da marca, estratégias de marketing, e como se diferenciar neste setor.

“Hoje eu tenho absoluta certeza que com tudo o que foi apreendido eu posso abrir com segurança uma loja física”, explica Sueli Onofre, que mora do Rio de Janeiro. Janaina Tereza de Freitas Campelo, proprietária do Brechó Atitude, localizado em Belo Horizonte, vai mais longe e afirma que não só vai reformar sua loja sozinha, mas o curso mudou sua concepção de negócio, no ramo de brechó. Ela percebeu que o ramo é muito mais colaborativo do que pensava. “Hoje depois dos conhecimentos adquiridos através do curso mudei totalmente minha visão, consigo me estabelecer no mercado Brechonistas com toda uma estrutura segmentada a nosso segmento, e entendi que unidos só os mais fortes”, afirma.

As alunas ficaram hospedadas na Casa de Negócios. O empreendimento foi inaugurado recentemente e está localizada na rua Vereador Paulo Elias, 153, bairro Bauxita, em Ouro Preto. A Casa conta com uma sala de estudos, equipada com equipamentos multimídia, mesa de estudos, sala para consultoria individual, três quartos confortáveis e isso sem contar a decoração, que não só carrega em sua arquitetura, o conceito de sustentabilidade, mas também parte essencial dos fundamentos da história de Ouro Preto, por isso mistura luxo e simplicidade ao mesmo tempo.

4

27 jan 2019

Vlog: Instituições ambientais também devem priorizar o regate animal

Foto: Adriano Machado/EM

Foto: Adriano Machado/EM

Desde a tarde de sexta-feira (25/01), pouco depois do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, veterinários voluntários estão em Brumadinho aguardando liberação do Corpo de Bombeiros para tentar salvar animais atingidos pelo derramamento de rejeitos. Fiz uma reflexão sobre o assunto. Na minha opinião, as instituições envolvidas em tragédias ambientais devem priorizar o resgate de qualquer ser vivo, seja humano ou não humano, por meio de estratégias de salvamento. Confira:

Página 1 de 41234