03 ago 2018

Governo disponibiliza informações sobre OVNIs em sites oficiais

Arquivado em Cidade, Comportamento
ABERTURA FAB 1986

Revista Ovni Pesquisa

Por: Adriana Santos com informações disponibilizadas nos sites da Justiça Federal e  Ouvidoria do Governo Brasileiro

A ufologia é um assunto cada vez mais relevante, principalmente depois dos avanços digitais.  Não há como negar que as redes sociais na internet ajudaram a popularizar os avistamentos de objetos voadores não identificados (OVNIs). É claro que no mundo virtual tudo é possível. Por isso, a importância de separar o joio do trigo; a fantasia da realidade; o misticismo da ciência. Então, entra em cena os estudos ufológicos com bases na investigação científica. Nesse sentido, é necessário um esforço coletivo para buscar a verdade, envolvendo cidadãos, ufólogos,  órgãos públicos e Força Aérea Brasileira. O assunto é sério!

Quando a Lei de Acesso à Informação (LAI) entrou em vigor, em 2012, um dos assuntos com com maior reincidência de pedidos, segundo a Controladoria-Geral da União (CGU), foi com relação aos objetos voadores não identificados (OVNIs). No primeiro ano de vigência da lei, foram 37 pedidos de acesso à informação, contendo este termo no texto do pedido. Talvez você não saiba, mas, desde 2010, os documentos com registros de ocorrência de OVNIs (relatos, áudios, fotos e vídeos feitos por civis e militares), que estavam sob domínio do Comando da Aeronáutica, estão sendo transferidos para o Arquivo Nacional, onde, hoje, são de domínio público. Este processo acelerou-se com a entrada em vigor da LAI, e principalmente, em razão do alto número de pedidos feitos ao Comando por vários estudiosos do tema. Foi em razão disso que, em 2013, o Governo e as Forças Armadas liberaram um dos mais importantes lotes de documentos relacionados ao tema.

Segundo o editor da Revista OVNI Pesquisa, Paulo Baraky Werner, países como: França, Bélgica, Uruguai e Argentinas pesquisam há décadas os objetos voadores não identificados. “Esses países já colocaram a público relatórios e documentos oficiais sobre pesquisas ufológicas. A FAB – Força Aérea Brasileira também esta fazendo algo similar, atestando de forma categórica que os OVNIs são reais! E a abertura destes arquivos é peça fundamental para a compreensão destes fenômenos”, esclarece o ufólogo.

O interesse sobre o assunto levou o Portal da Força Aérea Brasileira a disponibilizar um link sobre OVNIs. Atualmente, há 137 documentos que possuem o termo OVNI no Arquivo Nacional. Porém, caso seja feita uma busca utilizando o código de referência BR DFANBSB ARX, que trata sobre objetos voadores não identificados, encontramos 758 documentos.

O documento mais antigo sobre objetos voadores não identificados no Arquivo Nacional data de 1952. Trata-se de aparição de OVNIs na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. O arquivo é composto por 9 imagens fotográficas. É possível visualizar fotos de um objeto em formato de prato com uma cúpula no meio.

Em 6 de agosto de 1954, avião da extinta companhia aérea Varig estava executando voo extra, cargueiro, do Pará para o Rio de Janeiro, quando a tripulação avistou objeto voador não identificado. A tripulação ficou tão impressionada que resolveu pousar em São Paulo.

Um caso brasileiro muito famoso é o de Varginha, Minas Gerais. A primeira aparição de objeto voador não identificado em Varginha é de 1971, apesar do caso que deu fama a cidade ser de 1996. É possível encontrar vários documentos no Arquivo Nacional, como por exemplo, relatório do Ministério da Aeronáutica, em que piloto de avião relata a ocorrência de tráfego de objeto voador não identificado. Apesar de no relatório constar que foi tudo filmado por passageiro, o vídeo não consta no Arquivo Nacional.

Em 2015, foi feito um pedido ao Ministério dos Transportes sobre um inquérito, datado de 05/10/1954, acerca do afundamento do navio de guerra, “Encouraçado São Paulo”, que teria sido vendido como sucata em 1951 ao Reino Unido. Para quem não sabe, o Encouraçado foi uma das armas de guerra mais importantes do Brasil durante o início do século XX, participando de diversos episódios importantes da história do Brasil, dentre eles a Revolta da Chibata (1910), o Bombardeio a Salvador (1912) e a Revolta dos 18 do Forte de Copa Cabana (1922).

Noite Oficial

Os documentos mais famosos sobre o assunto foram coletados na Noite Oficial dos Ovnis, que ocorreu no dia 19 de maio de 1986. Nessa mesma data foram detectados cerca de 21 objetos voadores não identificados pelos radares do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta). Cinco jatos da FAB foram enviados para persegui-los, mas nenhum obteve sucesso.

Tudo começou quando o operador da torre do Aeroporto de São José dos Campos, São Paulo, observou pontos luminosos que mudavam de cor, com a predominância da tonalidade vermelha, e perguntou ao piloto Alcir Pereira se ele estava vendo a mesma coisa.

Após a confirmação de Alcir, a Torre de Controle de São Paulo captou sinais sem identificação e o Cindacta I, em Brasília, detectou Ovnis nos radares de Goiás, de São Paulo e do Rio de Janeiro. Por causa da velocidade dos objetos, o Centro de Operações de Defesa Aérea (CODA) decidiu enviar os caças para persegui-los e interceptá-los. Porém, nenhum dos cinco caças conseguiu chegar perto dos Ovnis.

O Arquivo Nacional possui áudios e o relatório oficial do que aconteceu nesse dia. Os documentos confirmam que se tratavam de objetos sólidos e que demonstravam, de certa forma, inteligência.

Além dos registros de objetos não identificados, outros 114 temas estão disponíveis para pesquisa no Arquivo Nacional. O acervo tem acesso online por meio do Sistema de Informações do Arquivo Nacional (SIAN). O analista técnico do AN, Tobias Vasconcellos, adverte para a facilidade de acesso ao site sem sair de casa. “É muito fácil. Basta fazer um cadastro e entrar no SIAN. É bem mais prático analisar todos esses arquivos do seu próprio computador”, ensina Tobias.

aer2

12 jun 2018

Coletivo Narradores lança CD no II Encontro Internacional de Narração Artística

Arquivado em Cidade, Comportamento

Coletivo Narradores - Foto Divulgação Acervo Pessoal

No próximo sábado, às 21 horas, no Sesc Palladium (Teatro de Bolso), durante o II Encontro Internacional de Narração Artística, será o lançamento do Coletivo Narradores de Minas Gerais, grupo de 12 artistas da palavra – que compartilham pesquisas e criações artísticas para todas as idades.

O Coletivo foi criado em Belo Horizonte, a partir da vontade de compartilhar as narrativas orais nos espaços públicos e privados, como: praças, bares, cafés, feiras etc. Desde então o grupo tem desenvolvido seus projetos, participando de apresentações, oficinas, mostras, workshops. Esse encontro busca pesquisar e refletir sobre a potência da palavra em suas diferentes manifestações. Possibilita aos seus integrantes a experimentação em variados papéis no processo de construção dos diferentes espetáculos, tais como: direção, produção, registro fotográfico, arranjos musicais, dentre outros.

O Coletivo Narradores apresenta um processo de trabalho diferenciado no que diz respeito à arte e à cultura da narrativa. Participam do grupo: Alessandra Nogueira, Aline Cântia, Bárbara Amaral, Carlos Barbosa, Fernando Chagas, Gislayne Matos, Isaac Luiz, Juliana Daher, Nadja Calábria, Pâmela Machado, Rodrigo Teixeira e Samuel Medina.

II Encontro de Narração Artística

O II Encontro Internacional de Narração Artística é uma oportunidade, por meio da tradição oral, de valorizar e promover a escuta e a palavra. São cinco dias e cinco noites de uma programação intensa e gratuita – para todas as idades. As apresentações terão interpretação de Libras.

[PROGRAMAÇÃO] – 13 a 17 de junho

Abertura da CANDEIA

13/06 – quarta-feira
20:00 – Sesc Palladium (Grande Teatro)

Intervenção Artística: Sérgio Pererê – Cordel O milharal da vovó

Espetáculo: Era uma vez África – Boniface Ofogo (Camarões)
Público: geral

14/06 – quinta-feira
17:00 – Sesc Palladium (Palco do Grande Teatro)
Mesa: A Narração de Histórias como linguagem artística
Participantes: Regina Machado SP e Gislayne Matos BH
Mediadora: Júlia Grillo RJ

20:00 Sesc Palladium (Palco do Grande Teatro)
Espetáculo: Contos da Lua Nova – Regina Machado e Gabriel Levy (São Paulo)
Público: Adulto

15/06 – sexta-feira
10:00
Bate-papo com o grupo de contadores de histórias da Biblioteca Infantil e Juvenil de BH
Local: Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte

19:00 – Sesc Palladium (Teatro de Bolso
Espetáculo: “A polpa e a semente e o desenho das histórias” – Júlia Grillo RJ

21:00 – Sesc Palladium (Teatro de Bolso)
Espetáculo: Foi Coisa de SACI – Josiane Geroldi SC
Público: Família

16/06 – Sábado
09:00 às 13:00 – Espaço Multiuso
Oficina: Contos e Lendas da África, com Boniface Ofogo (Camarões)
Duração: 04 horas

09:00 às 13:00 – Espaço Multiuso
Oficina: Contos de lugares distantes: estudos e práticas do narrar, com Giuliano Tierno SP
Duração: 04 horas
(Inscrições prévias)

14:00 – Sesc Palladium (Teatro de Bolso)
Evento: Bate papo com Ricardo Azevedo
Abertura: Contadores da Vila, da Escola Municipal Vila Fazendinha

16:00 – Sesc Palladium (Teatro de Bolso)
Mesa: Contador de histórias Contemporâneo, que profissional é esse?
Participantes: Giuliano Tierno SP e Boniface Ofogo (Camarões). Mediação: Josiane Geroldi

Intervenções Artísticas: Fernando Chagas (BH/RJ) e Bárbara Amaral

18:00 – Sesc Palladium (Teatro de Bolso)
Espetáculo: Histórias de muitos mundos com Emilie Andrade, SP
Público: Família

19:30 – Sesc Palladium (Teatro de Bolso)
Espetáculo: O buscador da verdade – Rosana Mont’ Alverne e Eduardo Flores MG

21:00 – Sesc Palladium (Teatro de Bolso)
Espetáculo: Lançamento do CD do Coletivo Narradores – MG

17/06 – domingo
10 ás 12:00 – Mostra Candeia no Rancho da Cultura
Rua José Vaz Pedrosa, 360 – Pompéu, Sabará-MG

Página 1 de 1112345... 11Próximo