24 jun 2019

Estudo aponta relação entre falta de perdão e enfarte

Cristiano Felix

A dificuldade de perdoar pode afetar a saúde do coração? Uma pesquisa apresentada no 40.º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo  ( 20 a 22 de junho) apontou uma relação significativa entre a falta de perdão e a ocorrência de enfarte agudo do miocárdio. O estudo foi realizado de 2016 a 2018 pela experiente psicanalista Suzana Avezum,  durante um mestrado na Universidade Santo Amaro.

No estudo, 130 pacientes responderam a dois questionários elaborados pela psicanalista – um para avaliar a disposição para o perdão e outro sobre espiritualidade e religiosidade – algo que, segundo Suzana, interfere na disposição para perdoar. “Encontrei mais ocorrência de enfarte entre aqueles que têm dificuldade do perdão”, afirma a pesquisadora em entrevista para o jornal Estado de São Paulo.

O estudo mostrou ainda que, entre quem enfartou, 31% afirmaram ter tido perda significativa da fé. Entre quem não teve, o índice foi de 9%.

Cristiano Felix, 45 anos, vendedor, ficou 22 dias internado em um hospital conveniado ao Sistema Único de Saúde (SUS), em Belo Horizonte. Ele sentia muita falta de ar, dor no corpo, cansaço e tosse. “Pensei que fosse bronquite, mas descobri que sou cardíaco e tenho apenas 20% da capacidade do meu coração. A vida me ofereceu uma nova chance. Pensei que fosse morrer. No entanto, ainda não consigo aceitar todas as restrições da doença”,  esclarece Cristiano.

O vendedor confessa que sempre teve dificuldades de perdoar. “Sou muito grato pela nova chance de viver, mas ainda não estou preparado para perdoar algumas pessoas que me feriram muito. Sei que o perdão é liberado pelo coração, mas não adianta perdoar da boca para fora”.

A PESQUISA (Reportagem Jornal Estadão)

Amostra. O estudo avaliou 65 pacientes sem histórico de doença cardiovascular e 65 que enfartaram. As maiores diferenças entre os resultados foram observadas nos quesitos “quebra de confiança” e “rejeição/desprezo”.

Resultados. No primeiro caso, 65% dos que tiveram um enfarte afirmaram que não estavam dispostos a perdoar. O índice foi de 35% no outro grupo. No segundo caso, 54% dos que enfartaram disseram que perdoariam. O porcentual sobe para 72% entre quem não enfartou.

Padrão. A população estudada seguiu o padrão de pacientes com doença cardiovascular: a maioria era homem (42 ante 23 mulheres por grupo), entre 60 e 65 anos.

5  DICAS PARA VIVER O PERDÃO  (Canção Nova)
No exercício do perdão e do pedido de perdão, cinco gotas são de fundamental importância:

1. Reconhecer que fomos ofendidos ou que ofendemos.

2. Tomar a decisão de perdoar e de pedir perdão, apesar dos sentimentos ou dos desejos.

3. Expressar o perdão por meio de palavras faladas ou por escrito.

4. Tomar a decisão de não comentar os erros da pessoa nem o fato que provocou a ofensa.

5. Permitir que Deus mude nossos sentimentos e cure nossas emoções negativas.

Padre Léo, scj

(Extraído do livro “Gotas de cura interior”)

17 jun 2019

BH recebe o maior complexo de saúde de Minas Gerais

Arquivado em Cidade, Comportamento

internet-3695

Inspirado nos mais modernos e completos medical centers do mundo, o Medplex é  um espaço de referência desenvolvido com o intuito de oferecer uma estrutura inteligente aos profissionais de saúde. Com projeto inovador e diferenciado na capital mineira, localizado no bairro Santo Agostinho, a iniciativa permite que médicos, dentistas e outros profissionais da área exerçam suas atividades sem necessidade de reformas ou ajustes estruturais, já que todo o projeto foi pensado para atender a área médica de forma específica. Além do espaço para consultas particulares de cada profissional, o complexo também conta com salas de reunião e auditório. O projeto arquitetônico é assinado pelo renomado escritório Farkasvölgyi Arquitetura.

Construído em um terreno de 4.536m², que ocupa um quarteirão inteiro, o Complexo de Saúde conta com 136 consultórios e clínicas de 27 a 1.002m², 11 lojas com tamanhos que variam de 71m² a 241m², com estacionamento nas portas e 382 vagas no sistema rotativo com manobristas. “É um empreendimento exclusivo, com projeto único, que oferece aos profissionais da área o que há de melhor e mais avançado no segmento”, comenta Lucas Couto, diretor comercial e de marketing da Patrimar.

Mais do que um complexo equipado e preparado para receber profissionais e pacientes, o Medplex oferece um conceito moderno e eficiente que irá melhorar ainda mais o serviço de saúde e cuidados básicos na capital mineira, localizado em uma área privilegiada, próximo aos principais prestadores de serviços na área da saúde, dentre eles cinco dos mais importantes hospitais da cidade.

No espaço, médicos e pacientes terão garantida a tranquilidade e segurança para a realização de consultas e exames. O acesso aos consultórios e áreas de serviço é controlado por catracas, com a identificação dos visitantes na portaria, garantindo a segurança de todos que circulam pelo complexo. Além disso, o acesso pelas garagens é feito através de elevadores de baldeação.

O complexo disponibiliza ainda uma equipe de profissionais para prestar serviços exclusivos para facilitar o dia a dia. Concierge e serviço de manobrista estão inclusos no condomínio. Os serviços pay-per-use (cobrados conforme utilização) incluem limpeza geral das unidades, atendimento de recepcionistas e auxiliar de enfermagem, suporte de informática (para pequenos reparos de software e hardware), motoboy e serviços de eletricista, hidráulico e chaveiro.

10 jun 2019

Natura é a marca mais lembrada em estudo sobre empoderamento feminino

Arquivado em Beleza, Comportamento

pesquisa-natura-marca-empoderamento-header-desktop

O que uma marca de beleza pode fazer por uma mulher? Pode mostrar para o mundo toda a força e a beleza que toda mulher tem. Comprometidos com essa causa de impacto social, que reflete os tempos atuais, a Natura foi a marca mais citada entre as empresas que levantam a bandeira do empoderamento feminino, em um levantamento recém-realizado pela empresa de tecnologia especializada em soluções digitais de pesquisa MindMiners.

O estudo intitulado “A importância de falar sobre empoderamento feminino” tinha como principal objetivo identificar se o termo e seus desdobramentos referentes a questões vividas atualmente pelas mulheres se tornaram efetivamente conhecidas pela sociedade. Liderado por Katlyn Mallet, analista de comunicação, ele contou com a participação de 640 mulheres e 360 homens do país.

Representatividade e empoderamento

Entre os dados divulgados, a representatividade foi um dos tópicos mais significativos, já que para 64,8% das participantes é inspirador ver figuras femininas em cenários sociais (como em cargos de liderança ou na política). Por outro lado, elas chamaram atenção para o fato de mulheres gordas, negras e idosas serem as menos representadas pela mídia.

Quando o assunto foi empoderamento feminino, 41% das entrevistadas afirmaram conhecer marcas que levantam essa bandeira. Entre as cinco destacadas, fomos a mais citada.

Padrões de beleza também apareceu entre os temas abordados pela pesquisa. Enquanto 87% das mulheres já ouviram comentários sobre aparência que incomodaram ou magoaram, 35% dos homens ainda acreditam que as mulheres precisam ser “femininas e delicadas”.

Profissão para homem e para mulher

À medida que a pesquisa foi direcionada para o ambiente de trabalho, o que se observou foi um cenário ainda pautado por estereótipos de gênero. Cerca de 65% das mulheres e 66% dos homens acreditam existir profissões definidas para homens e para mulheres. Segundo Katlyn, em entrevista ao site Propmark, isso se deve a definições de gênero definidas desde a infância, na escolha dos brinquedos para meninos e meninas. “Isso constrói uma ideia de profissões que elas acreditam que devam seguir”, explicou.

Página 5 de 301 ...123456789... 30Próximo