10 jul 2019

Papo reto: saiba como compreender a depressão sem rodeios

Os números divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) assustam: em todo o mundo, mais de 300 milhões de pessoas enfrentam na pele os problemas provocados pela depressão. No Brasil, a doença atinge 5,8% da população, além dos distúrbios relacionados à ansiedade que afetam 9,3%. A depressão também causa prejuízos para muitos trabalhadores, sendo os transtornos de ansiedade e o esgotamento emocional as principais queixas dentro de ambientes profissionais.

Não é fácil enfrentar a depressão. Também não é nada confortável conviver com pessoas que passam por crises depressivas, principalmente quando são entes queridos. Na verdade, a doença acarreta prejuízos emocionais, sociais e financeiros para todos que estão diretamente ou indiretamente envolvidos com a doença.

A depressão já me trouxe muitos desgastes emocionais e sociais. Foram momentos sombrios… Só enxergava o caos e uma tristeza profunda. Nada fazia sentido. O céu estava sempre cinza. Na época, infelizmente, alguns relacionamentos afetivos foram rompidos; portas foram fechadas; palavras destruidoras foram lançadas; tempo precioso foi desperdiçado… Me sentia abandonada… No entanto, algo dentro de mim dizia: “você vai conseguir. Seja forte. Não desista”. Nunca deixei a peteca cair. Quase morri. Sou uma sobrevivente da depressão. Hoje, consigo, por meio de informações qualificadas, blindar os efeitos nocivos de uma das doenças que mais mata na Terra.

A desinformação é, com certeza, o grande vilão das doenças emocionais. Até hoje, poucas pessoas conseguem conceituar de forma não pejorativa as características de uma pessoa que enfrenta a depressão. Muitos acreditam que a doença atinge apenas os fracos. Não é verdade. A depressão é uma doença complexa que envolve vários aspectos da existência. Por isso, apenas boa vontade não é o suficiente. Os medicamentos ajudam, mas não curam as feridas humanas. A terapia é sensacional, mas não consegue efetividade sem o comprometimento do paciente com o tratamento oferecido por meio da palavra. Ninguém consegue sair do buraco existencial, sem estar convicto que a cura depende, principalmente, das nossas escolhas.

Por isso, escolhi a informação de qualidade para seguir o meu caminho com mais equilíbrio e bem estar. Nada melhor do que a objetividade para neutralizar as subjetividades que nos enfraquecem. Então a minha dica é: “Conhece-te a ti mesmo”, por meio da leitura.

Se você precisa saber mais sobre a depressão, tenho uma sugestão de ouro: leia o livro “Compreendendo a Depressão: 75 Perguntas e Respostas” do Michael D. Yapko – Editora Diamante. São informações preciosas, por meio de linguagem simples, direta e objetiva, que mostram as recentes pesquisas sobre depressão relacionadas ao cotidiano de todos nós. É muito bom. A leitura é, realmente, fácil, sem rodeios ou falsas promessas de tratamento. Inclusive, Yapko faz um questionamento bem interessante sobre a depressão pelo ponto de vista hormonal e biológico. É mito ou verdade? Não vou revelar. Vale a pena ler e descobrir as verdades e mentiras sobre a depressão. O capítulo sobre medicamentos é muito esclarecedor.

Compreendendo a depressão desperta no leitor um entendimento de como a depressão nos afeta para, dessa forma, poder lidar com a própria depressão ou ajudar outras pessoas a lidar com a sua doença, principalmente crianças e adolescentes.

A publicação é dividida em seis partes e a conclusão final. São 191 páginas, além das indicações de outros livros. Vejam algumas perguntas que o autor responde com profundo conhecimento clínico e sem mimimi: Qual a diferença entre tristeza e depressão? Os medicamentos antidepressivos realmente funcionam? A depressão desaparece por si só? É preciso fazer psicoterapia por anos para melhorar? Os medicamentos antidepressivos causam dependência? As pessoas devem falar abertamente sobre sua depressão com amigos e família? Crianças podem tomar antidepressivos? A depressão é transmitida nas famílias? Como alguém pode saber quando precisa da psicoterapia? A taxa de depressão é igual entre homens e mulheres?

O livro está disponível no Livraria do Psicólogo, em Belo Horizonte, por apenas 19,90 reais. Veja o site: AQUI