18 mar 2021

Zé Gotinha: exemplo de comunicação em saúde pública no Brasil

Zé Gotinha já é um “balzaquiano. Como amo o Zé! São 35 anos de muitas histórias boas para contar. O eterno garotão foi criado, em 1986, durante o governo de José Sarney, no primeiro mandato democrático após a terrível Ditadura Militar. O personagem mais amado do Brasil foi idealizado pelo artista plástico, Darlan Manoel Rosa.

A iniciativa foi parte da soma de muitos esforços de uma bem sucedida campanha de vacinação contra o vírus da poliomielite, criada pelo Ministério da Saúde e apoiada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Seu principal objetivo era tornar as campanhas de vacinação mais atraentes para as crianças. Por isso, o nome Zé Gotinha foi escolhido, democraticamente, por meio de um concurso promovido pelo Ministério da Saúde, envolvendo alunos de escolas de todo o Brasil.

O personagem também é “convocado” para outras missões, no sentido de alertar sobre a prevenção de doenças, como, por exemplo, sarampo.

Pensando aqui com os meus neurônios já cansadinhos de tanto pensar sobre estratégias de comunicação…

Qual a razão da falta de investimento em projetos coletivos que incentivam a comunicação nas campanhas de saúde pública?

Por que as assessorias de comunicação das instituições governamentais preferem nomear assessores que desconhecem os princípios da mobilização social ou desconhecem o próprio sistema de saúde pública (SUS)?

Enfim, as considerações finais são apenas um desabafo sincero de uma comunicadora que sente falta das boas iniciativas de comunicação e saúde pública.

Vida que segue… sempre na esperança da criação de novos personagens ou estratégias de comunicação mais eficientes.

 

30 maio 2020

Você sabe os prejuízos da Infodemia na saúde?

Arquivado em Comportamento

Informações falsas e excesso de informações proliferam como vírus em tempo de pandemia (covid-19), provocando agitação social, desconfiança, pânico, ações governamentais desastrosas e até a morte. Nas sociedades, cada vez mais digitais, os prejuízos ainda são maiores.

Profissionais da saúde do Brasil e de outros 16 países somaram esforços e produziram um documento online na Avaaz.org, uma rede para mobilização social global através da Internet, pedindo ações mais severas contra a circulação de informações falsas sobre o novo coronavírus na internet. Segundo o documento, as informações falsas sobre a covid-19 que circulam no Brasil, especificamente no Twitter, têm forte impacto nas decisões políticas.

O médico angiologista e cirurgião vascular, especialista pela SBACV (Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular), Guilherme Jonas, alerta que a veiculação e compartilhamento de informações falsas na área da saúde, por meio de redes sociais, blogs, sites ou aplicativos de mensagens, podem trazer consequências sérias à saúde individual e coletiva. “A circulação de notícias sobre medicações, dietas milagrosas, alimentos que curam doenças graves e tratamentos alternativos para essas doenças faz com que as pessoas acabem abandonando tratamentos que são comprovadamente eficazes. E passam a experimentar outros, que não têm comprovações científicas”, diz o especialista.

O médico esclarece que é muito importante prestar atenção na credibilidade dos sites e dos bogs encontrados na internet e, na medida do possível, consultar sempre o site do Ministério da Saúde. Para enfrentar as Fake News sobre saúde, o Ministério disponibilizou um canal de comunicação, via WhatsApp para, com o objetivo de receber e apurar informações virais, que serão apuradas pelas áreas técnicas e respondidas oficialmente se são verdade ou mentira. O serviço é gratuito pelo número (61)99289-4640 “Curas milagrosas, mágicas, de baixo custo, terapias alternativas, promessas exageradas devem sempre ser avaliadas e questionadas com especialistas da área”, finaliza o Dr. Guilherme Jonas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que há um excesso de informações sobre a covid-19, algumas são precisas e confiáveis, outras não. A palavra infodemia se “refere a um grande aumento no volume de informações associadas a um assunto específico, que podem se multiplicar exponencialmente em pouco tempo devido a um evento específico, como a pandemia atual. Nessa situação, surgem rumores e desinformação, além da manipulação de informações com intenção duvidosa. Na era da informação, esse fenômeno é amplificado pelas redes sociais e se alastra mais rapidamente, como um vírus” (PAHO)

Por que a infodemia pode agravar a pandemia?

*Dificulta o acesso às informações confiáveis e oficiais;
* Pode afetar a tomada de decisões políticas como a relação à saúde pública
*Gera pânico na população
*Pode provocar desconfiança ou apatia da população, prejudicando a adesão dos cuidados necessários no enfrentamento de qualquer doença altamente transmissível

Como podemos nos proteger de notícias falsas sobre saúde?

*Acessar informações disponibilizadas nos site oficiais de saúde (Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde, sociedades científicas, sites acadêmicos)
*Ler a reportagem do início ao fim, ou seja, completa e não apenas o título.
*Conferir a data de publicação das postagens
*Observar o endereço do site, e quando citados nomes de profissionais médicos, deve-se verificar a existem dos nomes e registros nos conselhos médicos (CRM, CFM)
*Duvide sempre das notícias muito polêmicas ou estranhas demais. Consulte sempre outras fontes, especialmente as oficiais.
*Evite espalhar informações polêmicas.

30 out 2019

Resenha: Comunicação médico-paciente no tratamento oncológico

A comunicação entre médico e paciente é fundamental para o sucesso do tratamento. Quando o assunto é o câncer, ela é ainda mais vital. Partindo da experiência de mais de 30 anos em oncologia, o médico Ricardo Caponero criou um guia de orientação sobre como estabelecer, de forma respeitosa e franca, uma comunicação efetiva e terapêutica com os pacientes que enfrentam o câncer.

No livro “A comunicação médico-paciente no tratamento oncológico – Um guia para profissionais de saúde, portadores de câncer e seus familiares”, publicado pela MG Editores, o médico  explica como estabelecer e manter uma comunicação respeitosa e franca e, ao mesmo tempo, efetiva e terapêutica.

Confira o meu vlog

 

Página 1 de 212