26 dez 2018

Vitamina C ajuda na proteção solar e pode prevenir o envelhecimento precoce da pele

Arquivado em Comportamento, saúde

vitamina-c-1024x768

Por Rose Leoni: A hidratação; a ação antioxidante, antirrugas, firmadora e clareadora de manchas; o combate a radicais livres; a proteção contra raios ultravioleta; e o estímulo da produção de colágeno, são alguns dos principais benefícios proporcionados pela vitamina C ou ácido ascórbico para o cuidado e tratamento da pele. Ao proporcionar brilho, viço e elasticidade, a vitamina também pode ser usada no combate ao envelhecimento precoce causado pelos raios ultravioleta.

Tendo em vista, o grande potencial da vitamina C para o aprimoramento e melhora no aspecto da pele, cada vez mais pessoas estão a procura por informações sobre a forma correta de ingestão e uso tópico da vitamina C, prova disso, é um estudo recente da rede social Pinterest, que demonstrou um aumento de 3.379% nas buscas por imagens que ensinam sobre a aplicação da vitamina no rosto.

De acordo com a dermatologista Monalisy Rodrigues, para ter o efeito esperado na pele, a vitamina C deve ser aplicada de forma externa por meio do uso de cremes, óleos, séruns e géis, que tenham a substância em sua fórmula. “Com a orientação de um dermatologista, o paciente pode optar pelo uso de um destes produtos, mas sempre observando as necessidades e características de sua pele. Para o combate aos radicais livres, que são responsáveis pelo ressecamento e o aparecimento de rugas, manchas e flacidez na pele, — comuns ao processo de envelhecimento precoce –, é recomendado que a vitamina C seja combinada a vitamina E, ácido ferúlico ou a retinaldeídos”, ressalta.

Além do uso tópico, uma alimentação rica em vitamina C é essencial para o fortalecimento de nosso sistema imunológico, que por sua vez influi diretamente na saúde e beleza da pele. Podemos encontrar uma maior concentração dessa vitamina em frutas como o camu-camu, acerola, goiaba, kiwi, morango, laranja, goji berry, cranberry e caju, e também em legumes como o pimentão, brócolis e couve-de-bruxelas.

Segundo Monalisy, a aplicação da vitamina C na pele pode ser iniciada a partir dos 25 anos, quando começam a aparecer os primeiros sinais de envelhecimento causado pela exposição contínua a luz solar. Mesmo com essa definição geral quanto ao início do envelhecimento da pele, os pacientes também devem ficar atentos a pequenos sinais, que muitas vezes podem demonstrar que a pele está precisando de vitamina C. “Pele fina e sem elasticidade; o aumento anormal na quantidade de rugas, linhas de expressão e vasos; a aparição de manchas; o escurecimento de regiões da pele; a fragilidade no couro cabeludo; e a demora na cicatrização e recuperação de feridas são alguns dos principais sintomas que devem ser observados”, afirma.

Quanto ao modo correto de aplicação do oxidante na pele do rosto, Monalisy recomenda que ao acordar pela manhã, o paciente lave a área, aplique de 3 a 5 gotas em cada área do rosto; espere que o produto seque ao menos por 20 minutos; e termine o processo de cuidados com a aplicação do protetor solar. “A vitamina C perdura por mais ou menos 24 horas, sendo assim, a indicação é que ela seja aplicada uma vez ao dia e sem excessos, pois a mesma é melhor absorvida em pequenas quantidades. A substância é uma boa opção para pessoas que não podem fazer uso de ácidos e se expõem com maior frequência ao sol. Mesmo sendo um agente fotoprotetor, a vitamina C sempre deve ser acompanhada pelo uso do protetor solar”, explica.

Monalisy recomenda que antes da compra de algum produto que contenha a vitamina C, o paciente confira a fórmula ou consulte a empresa fabricante para checar a concentração da substância. “No uso tópico, os produtos podem ter diferentes concentrações, que variam entre 6% e 20%. Atualmente, os produtos com 10% de concentração de vitamina C têm apresentado efeitos positivos no tratamento de casos de fotoenvelhecimento. Entretanto, é preciso lembrar que a indicação de produtos que possuem essa taxa de concentração, somente deve ocorrer mediante prescrição médica”.

25 nov 2016

“Diabetes na Praça” alerta sobre a doença e orienta sobre prevenção

diabetes3Evento terá atrações como food trucks de comidas saudáveis, degustação de doces diet, demonstração do dispositivo que emite alertas em casos de crises de hipoglicemia, mediação de glicose, aferição de pressão, apresentações musicais, palhaços e malabares.

Você sabia que dirigir um carro automático pode levá-lo a engordar até quatro quilos por ano? Que deixar de subir e descer o vidro do seu carro pode levar você a adquirir 360 gramas no mesmo período? E que 80% dos casos de hemodiálises poderiam ser evitados se as pessoas fossem menos sedentárias e tivessem uma alimentação mais saudável? O sedentarismo e o ganho de peso podem ter como consequências o adoecimento por diabetes.

Para alertar o cidadão sobre esses riscos é que neste sábado (26.11), de 10 às 16 horas, na Praça Floriano Peixoto, Bairro Santa Efigênia, em Belo Horizonte, será realizado “Diabetes na Praça – Encerramento do Mês de Prevenção à doença”.

No local estarão disponíveis dez food trucks, com alimentos saudáveis. Também haverá uma tenda, a “Vovó Diet, para degustação de doces sem adição de açúcar, além de atividades lúdicas, com a apresentação de palhaços, malabares, danças, atividades físicas. No estande de prestação de serviços estarão voluntários farão aferição de pressão, glicemia capilar, orientações sobre saúde bucal e atividade física, além da coleta de exames de PSA e DST/AIDS.

Artistas também se apresentarão voluntariamente ao longo do dia. Além da dupla Carlos e Roberta, do cantor Vine Fonseca, haverá aula de rumba e de exercício funcional com o professor Marcílio.

Botão do pânico – Em outra tenda estará será feita a demonstração de um dispositivo de alerta destinado a socorrer diabéticos durante as crises de hipoglicemia. O dispositivo funciona como um botão de pânico. Quando acionado, o emite um sinal que é captado pelo cuidador, pelo familiar ou até mesmo por um serviço de urgência, previamente cadastrados. O dispositivo, criado pelo designer de interação Vitor Moura a partir de uma demanda do deputado Antônio Jorge, foi doado à Associação de Diabetes Infantil, que busca um parceiro privado que produzir o equipamento em escala industrial.

O evento é promovido pela Sociedade Brasileira de Diabetes, Associação de Diabetes Infantil (ADI), Federação Nacional das Associações de Diabetes (Fenad) e tem o apoio do deputado Antônio Jorge (PPS), membro da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), da Associação dos Food Trucks de Belo Horizonte e da UniBH.

Cenário diabetes no Brasil e no mundo – No mundo, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, há 422 milhões de adultos diabéticos, dos quais, 14 milhões são brasileiros, número que corresponde a 7% da população total. Neste universo, 46,3% têm diabetes tipo 2 e não sabem que têm a doença. Hoje, 72 mil pessoas morrem por ano no País em decorrência do Diabetes. Estudo conduzido no Brasil, envolvendo mais de seis mil pacientes, mostrou resultados preocupantes: 90% de pessoas com diabetes tipo 1 e 73% de pessoas com diabetes tipo 2 não fazem controle da doença. Amputação, cegueira e problemas de circulação são os danos mais conhecidos. A relação com doença cardíaca e AVC – duas das maiores causas de morte no mundo – aparecem em 11º e 12º lugar em uma lista dos maiores prejuízos.

O diabetes – Trata-se de uma doença crônica metabólica caracterizada pelo aumento da glicose no sangue. O distúrbio acontece porque o pâncreas não é capaz de produzir a insulina em quantidade suficiente para suprir as necessidades do organismo. A insulina promove a redução da glicemia ao permitir que o açúcar presente no sangue possa penetrar as células, para ser utilizado como fonte de energia. Se não tratado, o diabetes pode causar insuficiência renal, amputação de membros, cegueira, doenças cardiovasculares, como AVC (derrame) e infarto.