11 nov 2016

Maior parte das mortes súbitas costumam ocorrer fora do hospital

Arquivado em Comportamento, cursos, saúde
parada

Imagem: Google

Por: Rose Leoni

Aproximadamente uma entre cada dez pessoas sobrevive a uma parada cardíaca (em ambiente extra-hospitalar). De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 40% das mortes no mundo estão ligadas ao problema. Mais de 350.000 casos anuais nos EUA (em ambiente extra-hospitalar).

Segundo o médico Hélcio Levindo Coelho Neto, diretor da CUREM – Cursos de Urgência e Emergência, dados atualizados mostram que cerca de 70% das paradas cardíacas ocorrem nas próprias casas das vítimas. Entretanto, a reação das pessoas que presenciam os ataques é de perplexidade seguida de desespero em busca de ajuda. O que as pessoas não sabem é que saber atuar diante de tal emergência pode salvar a vida do paciente, uma vez que a chance de sobrevivência perante o problema é uma verdadeira corrida contra o tempo.

“Tomar as medidas corretas nos primeiros minutos da incidência pode reduzir expressivamente as chances de morte da vítima e, consequentemente, os altos índices de mortalidade por parada cardiorrespiratória”. O médico afirma que com um atendimento correto nos primeiros 10 minutos, as chances de sobrevivência do paciente chegam a triplicar. “Diante deste cenário, o ideal é que todas as pessoas aprendam a lidar com este tipo de emergência, como acontece nos EUA. Cursos de primeiros socorros em casos de paradas cardíacas deveriam ser obrigatórios em escolas e instituições”. Infelizmente, somente cerca de 45% das pessoas que presenciam uma PCR tomam as medidas corretas antes do serviço médico de emergência chegar.

Pensando nisto e já tendo passado por tal situação duas vezes com parentes próximos, o médico idealizou o Projeto Amigo do Peito. Pioneiro no Brasil, o projeto visa capacitar pessoas leigas (através de escolas e empresas) para lidar com emergências médicas – principalmente paradas cardiorrespiratórias. O processo, já implementado no colégio Santa Dorotéia, em Belo Horizonte, ensina os alunos a reconhecerem e tratarem uma parada cardiorrespiratória, além do momento exato para acionar o serviço de emergência, o SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). De acordo com Zuleica Reis Ávila, diretora Administrativa do Colégio Santa Dorotéia, sabe-se que o salvamento de uma vida nem sempre depende apenas de um médico. Em muitas situações, se existir alguém que conheça as noções básicas dos primeiros socorros no local, as chances de salvar uma vida são muito maiores. “Por isso, o Colégio Santa Dorotéia resolveu ampliar essa capacitação, abraçando como pioneiro, o projeto da CUREM: “Amigo do peito”. Esta capacitação para os nossos jovens alunos, envolvendo áreas do conhecimento e a CUREM fará com que eles possam atuar em situação de emergência contribuindo para salvar vidas”, diz.

O Projeto está sendo desenvolvido esse ano com os alunos do Ensino Médio, e continuará nos anos seguintes. “O arrojado Projeto apresentado pela CUREM é apoiado pela Direção, Equipe técnica e Professores, abordando conteúdos diferentes e de extrema importância para todos. Acreditamos que ampliando a capacitação para os nossos alunos, contribuiremos de alguma forma, para o atendimento momentâneo, e assim faremos a diferença. Com essa capacitação será possível manter os sinais vitais de uma vítima até que o socorro especializado chegue” ressalta.

Segundo Ana Loureiro, coordenadora do Departamento de Educação Física e Artes, do Colégio, “estamos proporcionando aos nossos alunos, além de importante conteúdo, a possibilidade de serem bons cidadãos, capacitados para atuar em situação de emergência, fazendo o bem ao outro”, explica. Ainda de acordo com ela, os alunos têm se envolvido de forma surpreendente. Estão percebendo a importância destes conhecimentos, não apenas no ambiente escolar, mas para a vida, como bem tem sido colocada pela equipe da CUREM. “Em algum momento, todos nós poderemos passar por uma situação destas de emergência, e estarmos capacitados, preparados para ajudar, pode salvar uma vida, e mudar a vida de outras pessoas. Estamos muito satisfeitos com essa primeira fase de implantação do projeto, com a repercussão que teve entre os alunos, e o envolvimento total por parte deles. Agradecemos à Direção do colégio, que abraçou esse projeto, percebendo sua importância para a formação de cidadãos conscientes, comprometidos com a transformação social”, finaliza.

O curso tem o objetivo de ensinar os alunos a atuarem sozinhos e/ou em equipe diante da maior emergência médica do mundo, a parada cardiorrespiratória, até que chegue o atendimento especializado. “O nosso objetivo é tornar o pronto-atendimento a estes casos de emergência corriqueiros e comuns às pessoas a fim de reduzir a incidência dessas mortes. A capacitação engloba técnicas de ressuscitação cardiopulmonar, massagem cardíaca e desfibrilação”. Para que as simulações sejam reais, a CUREM conta com equipamento de última geração, com manequins que permitem autênticas simulações.

SERVIÇO

CUREM – Cursos de Urgência e Emergência
Rua Montes Claros, 1410 – Anchieta, Belo Horizonte – MG
Telefone: (31) 2573-2599

02 ago 2016

Inscrições para o curso Técnico em Enfermagem da Santa Casa de BH com estágio no próprio hospital

Arquivado em cursos, saúde

santa casa

Estão abertas as inscrições para o curso técnico em enfermagem da Santa Casa BH para os turnos da manhã, tarde e noite. Com carga horária de 1.200 horas, para as aulas teóricas, e 600 horas de estágio, o curso tem duração de 26 meses e ocorre em dias alternados para os turnos da manhã e noite. As aulas da tarde são diárias, com duração de 19 meses letivos, também com estágio curricular. O grande diferencial deste curso é oferecer estágio no maior hospital de Minas Gerais, a Santa Casa BH, com o intuito de integrar a teoria das aulas com a prática hospitalar.

Mais informações pelos telefones: (31) 3238.8601 | (31) 3238.8672.

Grupo Santa Casa BH

(31) 3238-8280

Portal: santacasabh.org.br

30 jan 2016

Ministério da Saúde recebe inscrições para cursos gratuitos a distância sobre Chikungunya e dengue

Arquivado em saúde, SUS
aedes_dengue_zika

Arquivo/Agência Brasil

CHIKUNGUNYA

Interessantes para todos os profissionais de saúde e para a população, estes cursos são gratuitos e totalmente a distância.

O curso Manejo Clínico de Chikungunya recebe inscrições até 30 de junho de 2016.

Por se tratar de uma doença introduzida recentemente no Brasil, o objetivo é capacitar os profissionais de saúde para que desenvolvam competências para realizar ações de atenção à saúde da população. Dessa forma, o curso aborda as três patologias, a partir do diagnóstico diferencial e respectivos protocolos de atendimento. O conteúdo aponta ainda para a importância da realização da anamnese e exame físico que irão auxiliar no diagnóstico.

É composto por duas unidades. A primeira traz informações sobre a epidemiologia, quadro clínico, diagnóstico, ações de vigilância, organização do serviço de saúde, além de apresentar a importância da educação permanente em saúde.  A segunda unidade aborda casos clínicos, nos quais o profissional poderá refletir sobre a melhor conduta para realizar o manejo de pacientes com suspeita desta doença.

O curso é oferecido pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), integrante da Rede UNA-SUS. A iniciativa é fruto da parceria com a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) e Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), Secretaria Executiva da UNA-SUS e Fiocruz Mato Grosso do Sul (Fiocruz MS).

Público: Médico; enfermeiros; assistentes sociais; fisioterapeutas; psicólogos e cirurgiões dentistas.

Carga horária: 30 horas

Inscrições: AQUI

DENGUE

Já a atualização do Manejo Clínico da Dengue recebe inscrições até 15 de maio de 2016. O curso é fruto da parceria entre a Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS) e o Ministério da Saúde, por meio das Secretarias de Vigilância em Saúde (SVS) e de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES). A iniciativa educacional tem como objetivo familiarizar os alunos com as recomendações atuais Ministério da Saúde no que tange o manejo clínico da doença. O enfoque do conteúdo é prático, baseado na análise de casos clínicos.

Em julho de 2015, o curso passou por uma atualização, com a inclusão de mais quatro casos clínicos, novo layout e vídeo que aborda a diferenciação do diagnóstico da febre chikungunya e da dengue.

Carga horária: 10 horas

Público: O curso é aberto para todos os profissionais de saúde de nível superior. É aberto também a demais interessados no tema.

Inscrições: AQUI

Página 4 de 512345