29 jan 2018

Escola Técnica Santa Casa BH oferece curso de Socorrista

Arquivado em Cidade, cursos

socorrista2

O curso de Socorrista é uma das muitas novidades da Escola Técnica Santa Casa BH neste 1º semestre de 2018. Com duração de 40 horas (pouco mais de um mês), o participante se capacita a salvar vidas em situações de emergência. Além de prestar atendimento pré-hospitalar com excelência, o aluno sai preparado para atender chamados de resgate e socorro. Qualquer pessoa com idade a partir de 18 anos pode fazer o curso.

A Escola Técnica também oferece os seguintes cursos de qualificação: Cuidados com Recém-nascidos e Crianças; Cuidador de Idosos; Terapia Intensiva de Alta Complexidade Neonatal; Terapia Intensiva de Alta Complexidade Adulto; Nefrologia Aplicada para Enfermagem; Urgência e Emergência. Todos com início previsto para março.

Mais informações pelo (31) 3238-8601 ou 3238-8672

06 jul 2015

Empresas mineiras investem em educação a distância com foco em acidentes de trabalho

Arquivado em Saúde do Trabalhador

ACIDENTES DE TRABALHO

O Brasil é o 4º país do mundo em número de acidentes de trabalho. Aqui, há uma média de oito mortes por dia provenientes de acidentes no ambiente profissional.  Cerca de 40 trabalhadores ficam inabilitados para o trabalho, a cada dia. O índice de acidentes medido entre 2008 e 2012 tem superado 700 mil anuais, de acordo com dados da Previdência Social. Esses números não incluem motoboys, militares, trabalhadores informais, domésticos e servidores públicos. A incidência de acidentes é maior entre os colaboradores no trabalho terceirizados. Segundo a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), quatro em cada cinco mortes no trabalho acontecem na terceirização.

Minas Gerais é o Estado do Sudeste onde há o maior índice de ocorrências de acidentes de trabalho que deixaram sequelas ou incapacidades entre pessoas com mais de 18 anos, de acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2013, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na tentativa de conscientizar empresários e trabalhadores sobre a importância da prevenção de acidentes, empresas mineiras oferecem serviços de consultoria em planejamento e desenvolvimento de programas de educação e treinamentos técnicos na modalidade a distância, envolvendo profissionais dos mais diversos segmentos industriais e pedagogos. Conversei com Marcos Aires, diretor da Datte Educação & Treinamentosobre direitos e prevenção. Confira:

Adriana Santos: “Pago porque a lei me obriga, mas não concordo. A desatenção dele foi o que provocou o acidente. Porque sou eu o responsável?”  Esta reação por parte dos empresários é bem comum por não se sentirem responsáveis pela causa do acidente e, tampouco, serem condenados ao pagamento de indenização por dano moral ou material ao empregado acidentado. Por que as empresas brasileiras ainda acreditam que a responsabilidade do acidente de trabalho é sempre do empregado?

Marcos Aires – Sócio – Diretor da empresa mineira Datte Educação & Treinamento: Basicamente, porque a fiscalização do ministério do Trabalho ainda é mínima. Faltam auditores fiscais para realizar as inspeções e fiscalizações em campo e as ações indenizatórias ainda são morosas na justiça. Desta forma muitos empresários acreditam que não serão responsabilizados quando da ocorrência de acidentes e acreditam que qualquer ação pode ser imputada ao trabalhador acidentado, eximindo-os de suas responsabilidades.

Adriana Santos: Como reduzir os acidentes no ambiente de trabalho?

Marcos Aires: Investindo em capacitação e qualificação, orientação e conscientização. O empregador precisa cumprir e evidenciar suas obrigações legais e exigir de seus empregados que façam a sua parte.

Adriana Santos: Qual a responsabilidade da empresa que contrata funcionários que trabalham em casa? Quando ocorre um acidente, a empresa pode ser responsabilizada pela Justiça do Trabalho?

Marcos Aires: Sim, se for contrato via Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) é obrigado, além da legislação previdenciária, a cumprir todos os requisitos previstos nas normas do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Adriana Santos: O que o trabalhador deve fazer para que todos os direitos sejam cumpridos, caso ele tenha sofrido um acidente dentro da empresa?

Marcos Aires: Caso a empresa se negue a abrir a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) o próprio empregado pode fazê-lo ou solicitar a seu sindicato de classe que comunique o fato através da abertura da CAT.

Adriana Santos: Como prevenir os acidentes ocorridos dentro do ambiente de trabalho?

Marcos Aires: Promovendo um ambiente seguro, cumprindo as determinações do empregador com relação às questões de saúde e segurança, realizando sempre a análise prévia dos riscos da atividade e adotando os controles necessários.

Adriana Santos: A empresa pode alegar que o empregado não cumpriu as exigências de segurança, por isso que ocorreu o acidente de trabalho?

Marcos Aires: Sim. Mas é preciso que ela tenha evidências das informações e treinamentos repassados ao empregado, do cumprimento de suas obrigações como empregadora e da forma como ela faz a gestão da segurança em suas instalações.

Página 3 de 3123