05 maio 2021

O que é síndrome de burnout? Entenda sintomas e tratamentos

Divulgação

O que é síndrome de burnout? Você provavelmente já ouviu falar da expressão, pois é um tema frequente nos debates da internet ligados à saúde psicológica no trabalho.

Se você já passou por uma situação de estresse e cansaço extremo provocado por pressões do emprego, provavelmente sabe o que é síndrome de burnout e nem se dava conta disso.

Muito recorrente em profissões que demandam muita pressão e responsabilidade, como a de médico, professor e jornalista, essa síndrome pode gerar consequências graves e comprometedoras. Por isso, deve ser tratada e discutida com transparência com o público.

Neste artigo, falaremos um pouco sobre o que é síndrome de burnout, quais são suas principais causas, sintomas e as melhores formas de prevenção e tratamento. Leia até o fim para entender melhor!

O que é síndrome de burnout?

A síndrome de burnout, também conhecida como síndrome do esgotamento profissional, é um distúrbio psicológico causado por um estresse relativo ao trabalho.

Pode ser proveniente de altas demandas de tarefas, jornadas laborais longas, situações de pressão por resultados positivos, relações interpessoais difíceis com companheiros de trabalho ou com clientes e disfuncionalidades em virtude de problemas pessoais ou emocionais diversos na vida pessoal.

Os desgastes emocionais e psicológicos provocados pela síndrome podem transcender o ambiente de trabalho e prejudicar a vida pessoal e cotidiana.

Entender as causas da síndrome de burnout é de fundamental importância, pois o distúrbio pode gerar uma série de consequências mais graves, como depressão profunda e crises de ansiedade.

Segundo pesquisa, as principais profissões vulneráveis ao burnout são as seguintes: profissionais da saúde em geral;

jornalistas;
advogados;
professores;
psicólogos;
policiais;
bombeiros;
carcereiros;
oficiais de Justiça;
assistentes sociais;
atendentes de telemarketing;
bancários;
e executivos.

Tendências para o perfeccionismo também pode ser uma causa relevante para o burnout. É comum o profissional desenvolver auto-cobranças exageradas para provar competência a si mesmo e aos seus superiores.

Dessa forma, o que poderia ser algo positivo, como tratar as funções laborais com esmero e competência, pode se tornar algo negativo e com sérias consequências à saúde mental do trabalhador.

Como prevenir a síndrome de burnout?

Em muitos casos, os profissionais acabam não aproveitando o momento de lazer e descanso de maneira adequada. Dessa forma, acabam sendo consumidos e extenuados de forma exagerada pelo trabalho.

Portanto, é fundamental que o trabalhador saiba dosar sua jornada de trabalho e procure valorizar os tempos de lazer entre família e amigos, como forma de descarregar as tensões do emprego.

Seguem algumas dicas de como prevenir a síndrome de burnout:

Encontrar tempo para praticar atividades físicas; ter tempo de lazer com as pessoas que gosta e te trazem paz;
praticar hobbies prazerosos; evitar ambientes que causam estresse ou mal-estar; desenvolver uma relação humanizada com os companheiros de trabalho; evite o consumo excessivo de álcool e drogas que agravam o problema; cuidar da saúde sexual; e tenha um sono reparador de pelo menos 8 horas por dia.

Portanto, encontrar práticas e pessoas que trazem uma energia leve e positiva para os dias em off é o grande segredo para preservar as emoções e a saúde psicológica no trabalho.

No tópico seguinte, falaremos dos sintomas da síndrome.

Quais os sintomas da síndrome de burnout?

Os sintomas da síndrome de burnout podem ser vários e quando juntos corroboram para gravidade do distúrbio nos profissionais. Não só estresse e cansaço são os sintomas: o problema também pode gerar falta de apetite, problemas na saúde sexual, entre outros.

Entre os principais sintomas, estão:

Desânimo e apatia; dores de cabeça e no corpo; negatividade constante; sentimentos de derrota, de fracasso e de insegurança; isolamento social; pressão alta; tristeza excessiva; cansaço mental e físico excessivos; insônia;
dificuldade de concentração; perda de apetite; irritabilidade e agressividade; lapsos de memória; depressão;
problemas de ereção; perda de libido; ejaculação precoce; e baixa autoestima.

Apesar de gerar inúmeros sintomas e de algumas vezes se transformar em um distúrbio grave, a síndrome de burnout tem tratamento e pode ser superada com práticas adequadas.

Quais os tratamentos para a síndrome de burnout?

Primeiramente, cumpre destacar que diagnosticar o que é síndrome de burnout e sua manifestação em pacientes deve ser a ação de um profissional competente de saúde mental, seja um psicólogo ou um psiquiatra.
Dessa forma, a melhor forma de tratamento, além de seguir as dicas de prevenção listadas mais acima, é se dedicar a um procedimento psicológico constante e efetivo.

Caso seja necessário, um psiquiatra pode diagnosticar medicamentos antidepressivos ou ansiolíticos de forma a aliviar os sintomas e tornar o profissional mais funcional e menos vulnerável ao estresse e ao cansaço extremo.
Para alguns sintomas específicos da síndrome de burnout, como as disfunções sexuais (problemas de ereção, ejaculação precoce e perda de libido), é sugerido também buscar a ajuda de um urologista.

Inclusive, se você deseja atendimento com um urologista para acompanhamento da sua saúde sexual, existem plataformas de telemedicina disponíveis que oferecem consultas discretas, efetivas e seguras com profissionais capacitados registrados no CRM (Conselho Regional de Medicina).

Gostou do conteúdo? Esperamos que tenham entendido a importância de saber o que é síndrome de burnout e como o problema, além de recorrente, pode ser grave e trazer consequências extremamente negativas para a saúde psicológica da pessoa.

*Esse artigo foi escrito pela Omens, plataforma direta, online e segura de acompanhamento da saúde sexual. Nossa equipe é formada por médicos urologistas certificados pelo CRM e especificamente qualificados para teleconsulta

12 fev 2021

Querida Dee, como é difícil atravessar a noite escura da alma em tempos virtuais!

Reprodução/Instagram

A morte prematura da bela jovem Dazharia Shaffer, conhecida como Dee, de 18 anos, mexeu muito com as minhas emoções. Ela foi encontrada morta, na última terça-feira (09/02) em Louisiana, nos Estados Unidos. Dee era uma influencer com  1,7 milhão de seguidores na rede social Tik Tok, além de milhares de fãs no Instagram e no YouTube.

A informação sobre a morte  foi confirmada pelo pai da jovem, Joseph Santiago. Segundo a perícia, as evidências apontam para um caso de suicídio. Não tem como ficar indiferente, depois de ler uma notícia trágica sobre a morte de uma pessoa tão jovem. Sou mãe de um rapaz de 19 anos e nem consigo imaginar a dor da família diante de um caso de autoextermínio. Dee poderia ser a minha filha. Ela poderia ser a sua irmã. Você poderia ser avó ou avô da jovem. Ela poderia ser a sua melhor amiga.

Um dia antes de sua morte, Dazharia publicou uma série de Stories em seu Instagram, com o título “últimas postagens”. Tudo indica, que a Dee estava profundamente mergulhada na depressão e não conseguia administrar os próprios sentimentos, apesar da fama nas redes sociais. Como dizem por aí: “é difícil atravessar a noite escura da alma”, principalmente em tempos virtuais.

Talvez o excesso de exposição prejudicou o equilíbrio emocional da jovem influencer, que, provavelmente, já apresentava alguns traços de depressão. Afinal, uma pessoa pública também passa por situações delicadas como: comentários grosseiros, ofensas virtuais, comparações desnecessárias, assédios, cancelamentos, mentiras, ataques pessoais e, até mesmo, ameaças. Não é nada fácil manter a sensatez quando somos o alvo da vez. É mais difícil ainda atravessar a noite escura da alma, quando estamos despreparados, desamparados, perdidos e desprotegidos.

As redes sociais são formadas, na maioria das vezes, por pessoas anônimas que não conhecem a nossa verdade, apenas fragmentos de um cotidiano real ou imaginário. Geralmente, publicamos a nossa melhor versão, de preferência com muitos filtros e efeitos digitais. São fotos e vídeos impecáveis, mas que não refletem, necessariamente, o nosso estado de espírito presente.

Quem nunca publicou imagens de sorrisos e de momentos felizes no trabalho, por exemplo, quando na realidade, a nossa vontade seria socar a cara de um colega traidor? Parece bizarro, mas é o que acontece. Por isso, muitas pessoas encontram nas redes sociais um refúgio. No entanto, não percebem que, na real, entraram na toca do lobo ou que foram lançadas aos leões.

Nesses momentos, o melhor é focar no bem, no belo e no bom! Ninguém está sozinho no mundo. Muitas pessoas são gentis e querem o nosso bem. Verdade! No planetinha Terra há vários anjos sem asas que nos ajudam a atravessar a noite escura da alma. No Centro de Valorização da Vida (CVV), você vai encontrar vários deles. Procure ajuda, quando necessário. Entre em contato, pelo telefone 188 ou acesse o site AQUI

Por: Adriana Santos

01 jan 2020

Como o Mulungu me ajudou no controle do estresse

Imagem: Universidade Federal de Uberlândia

O mulungu (Erythrina velutina), também conhecido como canivete, bico-de-papagaio e corticeira, é uma planta típica da Caatinga, encontrada do Ceará, passando por Minas Gerais, Rio de Janeiro, até São Paulo. Além de muito linda, o mulungu é uma planta medicinal que nos ajuda no tratamento de problemas psicológicos relacionados ao estresse, depressão, agitação causada por Alzheimer, convulsão, palpitação, tensão muscular, hipertensão e fibromialgia. Tudo é aproveitado: flores, sementes, cascas e frutos podem ser utilizados no preparo de chás e tinturas.

Confesso que o mulungu foi o meu grande achado, em 2019. Prefiro as 20 gotas de tintura, antes de dormir, mas o chá, feito com as cascas da planta, também é uma boa pedida. Atualmente, não tomo medicamentos controlados para amenizar os sintomas da ansiedade. As gotinhas mágicas do mulungu são suficientes para relaxar e até garantir algumas horas de sono reparador.

A nutricionista vegetariana Mônica Vitorino explica que o mulungu apresenta vários benefícios em prol da nossa saúde emocional, em especial a casca da planta: “para o chá de mulungu, utilizamos as cascas na medida de 4 gramas (uma colher de sobremesa) para uma xícara de água fervente. As cascas devem ser fervidas por três minutos. O chá deve ser utilizado duas vezes ao dia em caso de ansiedade e uma vez, antes de dormir para insônia. Pode também ser usada a tintura e em cápsulas”.

Mônica alerta que o mulungu não deve ser consumido mais de três dias seguidos, porque o uso excessivo pode causar paralisia muscular e depressão do sistema nervoso central. “Quem usa medicamento anti-hipertensivo assim como quem sofre de pressão baixa, gestantes, lactentes devem evitar o uso”, conclui a nutricionista.

Mulungu na Universidade Federal de Uberlândia

“Atualmente, a mestranda Karina Cavallieri, orientada pelo professor e pesquisador Marcos Pivatto, do Programa de Pós-Graduação em Química da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), está concluindo um estudo que irá trazer mais informações sobre a planta e os compostos existentes na casca do tronco da árvore. O foco da pesquisa é a descoberta e o isolamento de novos compostos bioativos, ou seja, substâncias que possam ser úteis no tratamento de doenças, dentre elas, aquelas negligenciadas, como a malária”. Saiba mais AQUI

Página 1 de 6123456