14 jan 2020

Receita caseira de laxante bomba na internet e preocupa profissionais de saúde

Arquivado em Comportamento

Reprodução Youtube

Maria da Paz, conhecida como Dona Diva, é muito carismática e já conquistou milhares de seguidores no Youtube com o canal Diva aos 50. Ela publica vídeos sobre dicas caseiras de emagrecimento. No entanto, um vídeo, em especial, está bombando nas redes sociais e já alcançou, até o momento, mais de 3 milhões de visualizações. Na postagem, Dona Diva ensina preparar um suco “milagroso” de sene com ameixas, passas e água, prometendo eliminar até 20 kg, mas alerta sobre o efeito laxante da receita.

Os comentários são divertidos e preocupantes ao mesmo tempo, porque revelam os efeitos colaterais – que podem prejudicar o intestino, além de desencadear uma desidratação severa.

A nutricionista Patrícia Soares alerta que o emagrecimento não significa somente perda de peso: “isso é um erro comum no imaginário das pessoas. Emagrecer significa perder gordura corporal.  As antraquinonas são substancias presentes na planta sene  podem provocar efeitos indesejados, como diarreia, cólicas intensas e desidratação”.

Ela acrescenta: “utilizar produtos que melhoram o trânsito intestinal pode ser benéfico e até necessário, mas temos que ter muito cuidado, pois, a crença de que medicamentos à base de plantas são isentos de riscos à saúde faz parte da bagagem cultural da população afeita ao seu uso: “o que vêm da terra não faz mal”. No entanto, o potencial tóxico, as características específicas do usuário, a possibilidade de contaminação e a falta de regulamentação constituem fatores de risco para a ocorrência de reações adversas, intoxicações e outras complicações decorrentes de seu uso.

Cristiane Koizimi, coloproctologista dos Hospitais Biocor, Mater Dei, Vera Cruz e Hospital Municipal de Contagem, alerta que os laxantes, mesmos os caseiros, não podem ser usados como emagrecedores: “dependendo do tipo de laxante, pode provocar dependência e constipação intestinal refratária, dismotilidade intestinal e  distúrbios hidroeletrolíticos.

27 mar 2017

Especialista alerta sobre os benefícios e riscos do Balão Intragástrico

Arquivado em saúde

OBESIDADE2

A OMS prevê que em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estejam com sobrepeso e mais de 700 milhões, obesos

Atualmente, o mundo possui mais pessoas acima do que abaixo do peso de acordo com análise das tendências globais do índice de massa corporal (IMC) organizado pelo periódico médico “The Lancet”, em parceria com a Organização Mundial de Saúde (OMS).  A organização prevê que em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estejam com sobrepeso e mais de 700 milhões, obesos. Ainda segundo a OMS, se nada for feito, a obesidade pode atingir 75 milhões de crianças no mundo.

Com este cenário, a busca por emagrecimento se tornou uma corrida pela saúde. Para a rápida perda dos quilos a mais, a maioria das pessoas recorrem a remédios e procedimentos clínicos e cirúrgicos.

Segundo o cirurgião bariátrico e diretor do Instituto Mineiro de Obesidade, Leonardo Salles, um dos métodos de emagrecimento é o Balão Intragástrico, que se apresenta como uma alternativa eficaz e não invasiva.  “O dispositivo consiste em um balão de silicone, que é introduzido no estômago, por via endoscópica e é preenchido com solução salina e azul de metileno estéril (400 a 700ml). O dispositivo aumenta a sensação de saciedade e limita a ingestão excessiva de alimentos, proporcionando a perda média de 20% do peso corporal em seis meses e de 30% em um ano”, ressalta.

No entanto, Leonardo Salles alerta que é necessário pensar que os resultados deste método podem ser temporários, caso não exista a adoção de uma alimentação saudável e a prática de exercícios físicos. “Durante o tratamento é preciso manter o acompanhamento junto a especialistas das áreas de nutrição, psicologia, psiquiatria, endocrinologia para contribuir para tratarmos não só o sintoma peso, mas principalmente a causa da obesidade”, comenta.

Leonardo Salles explica que o método não é indicado para todas as pessoas e é preciso ficar atento quanto as contraindicações. A inserção do dispositivo não é aconselhada a pessoas com IMC abaixo de 27; doenças gástricas; esofagite grau III; hérnia de hiato grande; cirrose; insuficiência renal crônica; gravidez em curso; dependência química e outros.

O procedimento é indicado para pacientes com sobrepeso ou obesidade, com peso acima de 10% do seu peso normal e com dificuldades de emagrecimento por métodos convencionais; mães com dificuldade na perda de peso após a gravidez; Diabetes tipo 2; no tratamento da apneia do sono em obesos; obesidade na adolescência; e pré-operatório de pacientes obesos em cirurgias.

APLICATIVO
O IMO possui aplicativo tanto para Android quanto para Iphone que ajudam na monitoração dos pacientes e acompanhamento dos resultados. O programa de emagrecimento do hospital visa uma mudança efetiva de hábitos de vida, para alcançar o bem-estar e a manutenção de resultados.