14 nov 2020

O enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes ainda não está na agenda de prioridades do Brasil

O Brasil possui uma população de 210.869 milhões de pessoas, segundo dados do segundo trimestre de 2020, dos quais cerca de 50 milhões têm menos de 18 anos de idade, o que equivale a quase um terço de toda a população de crianças e adolescentes da América Latina e do Caribe. São dezenas de milhões de pessoas que possuem direitos e deveres e necessitam de condições para se desenvolverem com plenitude todo o seu potencial.

As crianças e os adolescentes são especialmente afetados pela violência. O “Disque 100” é um serviço de atendimento telefônico gratuito que recebe denúncias sobre violações dos Direitos Humanos em todo o país e em todas as áreas. Os dados são compilados pelo Governo Federal e divulgados desde 2011.

O último relatório anual sobre violações de direitos humanos, divulgado em maio de 2020, apontou recebimento de 86.837 denúncias relacionadas a crianças e adolescentes no país em todo o ano de 2019, aumento de 14% em relação a 2018. As principais violações foram negligência (62.019), violência psicológica (36.304), violência física (33374) e violência sexual (17.029). As denúncias podem conter mais de um tipo de violação.

A violência contra crianças e adolescentes é uma preocupante realidade em nosso país. Segundo dados da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, no ano de 2018 as principais denúncias de violações de direitos humanos recebidas foram de situações envolvendo crianças e adolescentes, representando média de 209 denúncias por dia e 55,28% do total das denúncias realizadas aos canais. Os dados são do documento Parâmetros de atuação do Sistema Único de Assistência Social no sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência

O número de denúncias de violência contra crianças e adolescentes no Brasil caiu 12% durante os meses da pandemia em 2020 em comparação ao mesmo período do ano passado. Segundo dados do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, foram registradas 26.416 denúncias pelo canal “Disque 100” entre março e junho deste ano, contra 29.965 no mesmo período de 2019. 

A redução do número de denúncias, durante a pandemia, pode ser um reflexo do fechamento das escolas por conta da quarentena obrigatória contra a pandemia Covid-19. A subnotificação das denúncias, segundo alguns especialistas, acaba sendo um efeito colateral do isolamento social e da suspensão de aulas para conter as contaminações por Covid-19. A maioria dos casos de violência contra crianças e adolescente é descoberto por meio dos professores e servidores do ambiente escolar. 

O cenário envolvendo a violência contra crianças e adolescentes pode ser ainda mais grave, se levarmos em consideração que muitos crimes contra meninos e meninas com menos de 18 anos nunca chegam a ser denunciados. 

A infância e a adolescência são fases da nossa existência que geram muita ansiedade, mas também muita sede por conhecimento e por reconhecimento social. Pensando na agenda 2021  para o enfrentamento das várias formas de violência: física, psicológica, social, cultural, sexual, moral, financeira contra crianças e adolescentes, acredito que os novos gestores, após as Eleições Municipais 2020, precisam investir em ferramentas digitais, inspiradas na Cultura de Paz e Não Violência, no sentido de frear números tão assustadores contra os nossos jovens. Os meninos e meninas devem buscar nas tecnologias novas formas de engajamento social. 

O conceito de cultura de paz e não violência é um termo que se refere a uma série de conceitos sobre moralidade, poder e conflitos que rejeitam completamente o uso da violência nos esforços para a conquista de objetivos sociais e políticos. 

Geralmente usado como sinônimo de pacifismo, a partir do meio do século XX passou a ser aplicado também a confrontos sociais que não usem violência, bem como movimentos políticos e filosóficos que tenham aderido aos mesmos conceitos. 

Em 10 de novembro de 1998, a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou a primeira década do século XXI (de 2001 a 2010) como o Decênio Internacional da Promoção de uma Cultura da Não-Violência e da Paz em Prol das Crianças do Mundo.

A luta pela prevenção da violência deve ser uma tarefa contínua, especialmente porque inúmeras de suas modalidades podem trazer como consequência a morte para suas vítimas. 

A violência sexual que aparece habitualmente como uma modalidade menos relevante na verdade pode ter índices bem superiores uma vez que é um dos fenômenos mais escondidos nas estatísticas não só brasileiras como mundiais pelo complô de silêncio que usualmente a cerca.

A violência psicológica que mais recentemente nos anos 90 tem chamado a atenção de pesquisadores da área aparece nestas estatísticas e convoca os pesquisadores à realização de estudos mais consistentes sobre ela em nosso meio, uma vez que os traumas dela decorrentes são considerados bem significativos.

Portanto, as estatísticas frias com seus números devem ser bem analisadas, pois podemos perceber que através delas é preciso uma ampla revisão do trabalho que vem sendo feito nesta área para que se reduzam os casos de violência.

O tema “Violência” é compreendido em nossa contemporaneidade como um importante problema de saúde pública, uma vez que as causas externas, representadas pelas violências e acidentes, constituem umas das principais causas de morbimortalidade da população brasileira e o perfil epidemiológico de Minas Gerais acompanha essa tendência. O enfrentamento das violências e acidentes, por sua magnitude e complexidade, representa um dos principais desafios do sistema de saúde e, para a sua abordagem, exige- se a implementação articulada de políticas públicas de forma intersetorial.

Que os candidatos eleitos e novos gestores da administração pública possam buscar soluções integradas para reduzir os índices de violência contra crianças e adolescentes e promover a Cultura de Paz e Não Violência!!!

Que assim seja!

30 jan 2018

Confira algumas dicas de cursos e palestras na área da saúde

Arquivado em Cidade, cursos

curso2

A Pós-graduação do Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH (IEP SCBH) promove diversos workshops gratuitos

As palestras serão realizadas em dois sábados consecutivos: em 24 de fevereiro, Gestão em Saúde, às 8h30. No dia 3 de março, Estética em Saúde, às 8h30. E no período da tarde, às 13h30, Farmácia: Gestão, Marketing e Auditoria; e Educação em Saúde.

Os eventos serão realizados no Centro de Especialidades Médicas SCBH, na Rua Domingos Vieira, 416, Santa Efigênia. Mais informações pelo e-mail latosensu@santacasabh.org.br ou pelo telefone (31) 3238-8974.

Rediama lança curso em procedimentos minimamente invasivos em mastologia e imaginologia mamária 

O crescimento da medicina diagnóstica no Brasil desperta novas oportunidades de trabalho e passa por constante atualização de conhecimento, movimentando o segmento de saúde e a economia. Conforme dados de um estudo realizado pelo jornal Valor Econômico, o setor movimentou cerca de R$ 25 bilhões com exames diagnósticos em 2015, sendo 40% desse total decorrente de exames ligados à área de imagem, segundo a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed). A mineira Redimama, com apoio da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) – Regional Minas Gerais, lança curso inédito em Procedimentos Minimamente Invasivos e Imaginologia Mamária para ginecologistas, mastologistas, radiologistas e imaginologistas do Brasil.

A programação é dividida em dez módulos com cinco horas de aula teórica e dez horas de aula prática cada, durante dois dias (sexta-feira e sábado) por mês. Dentre os temas a serem abordados no cronograma estão: marcação (agulhamento) de lesões mamárias por estereotaxia e ultrassom; mamotomia por estereotaxia computadorizada em mesa dedicada e ultrassom; Core Biopsy de lesões mamárias e linfonodos axilares; e clipagem tumoral e de linfonodos axilares pré QT NEO.

A iniciativa surgiu a partir de uma demanda observada pelos médicos Henrique Lima Couto e Tereza Cristina Ferreira de Oliveira, diretores da Redimama. “Trata-se de uma proposta inovadora, profissional e com treinamento teórico-prático hands on no modelo de educação continuada”, afirma Couto, um dos idealizadores do projeto.

Para concorrer a uma das dez vagas disponíveis para alunos e participar do processo seletivo, os interessados devem enviar currículo pelo e-mail contato@redimama-radiomed.com.br, até 19 de março. O resultado da seleção será divulgado em 26 de março e o curso terá início no dia 6 de abril. Mais informações e dúvidas pelo telefone (31) 3273-0443 ou no e-mail contato@redimama-radiomed.com.br .

Café & Conhecimento oferece palestras gratuitas na área de saúde

Promovido pelo Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa BH (IEP SCBH), o Café & Conhecimento é um ciclo de eventos gratuitos, que tem por objetivo apresentar e discutir temas relevantes e atuais da área de saúde entre acadêmicos e profissionais das diversas áreas.

Entre os dias 3 de fevereiro e 5 de março serão oferecidas 11 palestras sobre os mais diversos temas. O cronograma está disponível no site http://santacasabh.org.br/ver/cafe-e-conhecimento.

As palestras são realizadas no IEP e no Centro de Especialidades Médicas Santa Casa BH (CEM SCBH), ambos localizados à Rua Domingos Vieira, Bairro Santa Efigênia. As vagas são limitadas e os participantes recebem certificado após o evento.

As inscrições devem ser feitas via internet, no mesmo site do cronograma. Mais informações pelo (31) 3238-8974.

OMS oferece cursos gratuitos sobre epidemias, pandemias e emergências de saúde 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou neste ano uma série de cursos em vídeo sobre epidemias, pandemias e emergências de saúde. Adaptado para aqueles que trabalham em emergências, os cursos também são acessíveis a qualquer pessoa interessada.

Os cursos – conhecidos como ‘openWHO’, ou ‘OMS aberta’ – transformam conhecimento científico complexo em aulas de vídeo introdutórias fáceis de entender, usando uma largura de banda menor. As versões off-line estão disponíveis para dispositivos IOS e Android.

A plataforma pode hospedar um número ilimitado de usuários e está aberta a qualquer pessoa que queira se registrar.

A plataforma possui três canais principais:

O canal ‘Surtos’ (outbreaks) se concentra em doenças que são epidêmicas ou propensas a pandemia, como ebola, febre amarela e gripe pandêmica.

O canal GetSocial! abrange intervenções de ciências sociais, tais como comunicação de risco, envolvimento da comunidade e mobilização social.

Ready For Response (‘Pronto para resposta’) oferece cursos sobre o quadro de resposta de emergência da OMS, o Sistema de Gerenciamento de Incidentes e treinamentos pré-implantação para pessoas que podem ser enviadas para os países para resposta de emergência.

Além disso, um canal é voltado aos parceiros na Rede Global de Alerta e Resposta a Emergências (GOARN), que fornece o treinamento necessário para participar das respostas.

Todos os cursos estão em inglês e muitos também estão disponíveis em árabe e francês. Para garantir que todos os envolvidos em resposta de emergência tenham as últimas informações científicas e operacionais, a OMS disponibiliza alguns cursos em línguas e dialetos locais durante epidemias e emergências.

Por exemplo, durante o recente surto de ebola na República Democrática do Congo (RDC), a OMS traduziu o curso introdutório sobre ebola na plataforma em lingala, o principal idioma da região mais afetada.

Acesse a plataforma OpenWHO: https://openwho.org.