11 fev 2019

Hospital em Coronel Fabriciano se destaca na realização de cirurgias eletivas em Minas

Arquivado em Cidade, saúde, SUS

sus3

A Prefeitura de Coronel Fabriciano divulgou o trabalho positivo do município na realização de cirurgias e consultas especializadas, com médicos especialistas em cirurgias. Desde sua reabertura em 2017, o Hospital Doutor José Maria Morais (HJMM) vem se destacando pelo seu perfil cirúrgico e tem sido um dos hospitais que mais realiza procedimentos desse tipo no Leste de Minas Gerais. De acordo com dados do Ministério da Saúde, foram realizadas, nos últimos dois anos, 981 cirurgias, entre urgências e eletivas (programadas). Desse total, 326 cirurgias eletivas foram realizadas no HJMM, que se tornou um dos centros cirúrgicos mais importantes de Minas Gerais.

Segundo o gerente da Secretaria Municipal de Saúde, Mak Lenon, o empenho da administração municipal tem sido crucial para os bons resultados. Do ponto de vista de cirurgias eletivas, entre os hospitais 100% SUS, o HJMM é o terceiro maior das cidades do interior do Estado de Minas Gerais em realizações de cirurgias. Só ficou atrás dos hospitais municipais de Santa Luzia e de Contagem.

Segundo informações da prefeitura, nos próximos meses, depois do processo de credenciamento de profissionais, o hospital vai disponibilizar para a população cirurgias de catarata, cirurgias de otorrino e especialidades cirúrgicas para a mulher. “Estamos felizes pelos bons resultados, o que comprova a eficiência dos serviços prestados pelo hospital municipal da cidade. Apesar das dificuldades financeiras, vamos continuar avançando continuamente, sempre com o objetivo de melhorar o serviço público de saúde em nosso município”, afirma Lenon.

14 jun 2018

Hospital mineiro é o segundo no mundo a realizar transplante de fígado nos casos graves de febre amarela

figado

O Hospital Felício Rocho, localizado em Belo Horizonte (MG), foi o segundo no mundo a realizar o transplante de fígado em casos graves de febre amarela, com sucesso, alcançando o melhor resultado em sobrevida (50%). Pioneiro e inovador na ciência de transplantação, nos últimos dois anos, o Hospital realizou cerca de 442 transplantes. Os órgãos transplantados foram de fígado, rim, pâncreas, coração e medula óssea.

No mês de fevereiro, um grupo de especialistas brasileiros envolvidos nos transplantes de fígado, em parceria com o Ministério da Saúde, definiram critérios específicos para os casos de troca de órgão em pacientes com a febre amarela. Segundo os médicos, a principal diferença entre os pacientes que sobreviveram e os que morreram foi o momento em que o transplante foi realizado.

“Os que tiveram êxito, foram encaminhados para transplante mais precocemente – e quando falo precoce, são apenas um ou dois dias de diferença, o que dá uma ideia do quanto a situação era dramática”, afirma Antônio Márcio de Faria Andrade, responsável técnico pelo transplante de fígado do Hospital Felício Rocho, onde quatro pacientes foram transplantados, e dois sobreviveram.

De acordo com Antônio Márcio Andrade, um dos critérios adaptados para esses pacientes foi referente ao grau de comprometimento cerebral causado pela falência do fígado, a chamada encefalopatia hepática. “Em casos de hepatite fulminante por outras causas, nós indicamos o transplante com comprometimento (máximo) grau 3 ou 4. No caso da febre amarela, o paciente já pode ter indicação com comprometimento grau 1, tamanha a agressividade da doença”, afirma.

De acordo com o boletim divulgado pelo Ministério da Saúde (MS), no dia 7 de fevereiro, foram confirmadas 353 pessoas com febre amarela, totalizando 98 mortes provocadas pela doença entre 1º de julho de 2017 e 6 de fevereiro de 2018. No mesmo período do ano passado, foram confirmados 509 casos e 159 mortes. No Brasil, a febre amarela apareceu pela primeira vez em Pernambuco, no ano de 1685, onde permaneceu durante 10 anos.

13 jun 2017

Voluntárias da Santa Casa de Lagoa Santa incentivam doações para o hospital

Arquivado em Cidade, saúde

IMG_8600
As voluntárias da Santa Casa de Lagoa Santa (ASSANTA) doaram para o hospital 100 toalhas brancas de banho novinhas. Elas compraram com o dinheiro da venda de artesanato. Os produtos são vendidos em uma lojinha dentro do hospital ou encomendados pela comunidade.

Segundo a coordenadora operacional e hotelaria, Franciane Rocha Borges Esteves, a Santa Casa atende pessoas com poucos recursos financeiros e, muitas vezes, as famílias não têm condições de trazer de casa uma toalha para suprir as necessidades do paciente. “Depois de devidamente higienizadas, as toalhas vão estar disponíveis para os pacientes, evitando possíveis contaminações”, esclarece.

As voluntárias não param de trabalhar em favor da Santa Casa. Elas receberam de um hotel da cidade várias roupas de cama, que estão sendo reformadas para o hospital. Tudo é feito com muito carinho e capricho.

A vice-presidente da ASSANTA, Gilcea Guimarães Fonseca, faz um apelo para que a comunidade se mobilize para mais doações de roupas de cama e de banho em prol dos pacientes internados. “Nós trabalhamos aqui na Santa Casa de Lagoa Santa como voluntárias, promovendo atividades que ajudem a suprir algumas necessidades básicas do hospital. É importante a participação e colaboração de toda sociedade. As doações podem ser feitas na loja das voluntárias, que fica no hospital ou na hotelaria do Hospital. O telefone de contato é (31) 3689 5392

IMG_8604

Página 1 de 212