12 fev 2021

Querida Dee, como é difícil atravessar a noite escura da alma em tempos virtuais!

Reprodução/Instagram

A morte prematura da bela jovem Dazharia Shaffer, conhecida como Dee, de 18 anos, mexeu muito com as minhas emoções. Ela foi encontrada morta, na última terça-feira (09/02) em Louisiana, nos Estados Unidos. Dee era uma influencer com  1,7 milhão de seguidores na rede social Tik Tok, além de milhares de fãs no Instagram e no YouTube.

A informação sobre a morte  foi confirmada pelo pai da jovem, Joseph Santiago. Segundo a perícia, as evidências apontam para um caso de suicídio. Não tem como ficar indiferente, depois de ler uma notícia trágica sobre a morte de uma pessoa tão jovem. Sou mãe de um rapaz de 19 anos e nem consigo imaginar a dor da família diante de um caso de autoextermínio. Dee poderia ser a minha filha. Ela poderia ser a sua irmã. Você poderia ser avó ou avô da jovem. Ela poderia ser a sua melhor amiga.

Um dia antes de sua morte, Dazharia publicou uma série de Stories em seu Instagram, com o título “últimas postagens”. Tudo indica, que a Dee estava profundamente mergulhada na depressão e não conseguia administrar os próprios sentimentos, apesar da fama nas redes sociais. Como dizem por aí: “é difícil atravessar a noite escura da alma”, principalmente em tempos virtuais.

Talvez o excesso de exposição prejudicou o equilíbrio emocional da jovem influencer, que, provavelmente, já apresentava alguns traços de depressão. Afinal, uma pessoa pública também passa por situações delicadas como: comentários grosseiros, ofensas virtuais, comparações desnecessárias, assédios, cancelamentos, mentiras, ataques pessoais e, até mesmo, ameaças. Não é nada fácil manter a sensatez quando somos o alvo da vez. É mais difícil ainda atravessar a noite escura da alma, quando estamos despreparados, desamparados, perdidos e desprotegidos.

As redes sociais são formadas, na maioria das vezes, por pessoas anônimas que não conhecem a nossa verdade, apenas fragmentos de um cotidiano real ou imaginário. Geralmente, publicamos a nossa melhor versão, de preferência com muitos filtros e efeitos digitais. São fotos e vídeos impecáveis, mas que não refletem, necessariamente, o nosso estado de espírito presente.

Quem nunca publicou imagens de sorrisos e de momentos felizes no trabalho, por exemplo, quando na realidade, a nossa vontade seria socar a cara de um colega traidor? Parece bizarro, mas é o que acontece. Por isso, muitas pessoas encontram nas redes sociais um refúgio. No entanto, não percebem que, na real, entraram na toca do lobo ou que foram lançadas aos leões.

Nesses momentos, o melhor é focar no bem, no belo e no bom! Ninguém está sozinho no mundo. Muitas pessoas são gentis e querem o nosso bem. Verdade! No planetinha Terra há vários anjos sem asas que nos ajudam a atravessar a noite escura da alma. No Centro de Valorização da Vida (CVV), você vai encontrar vários deles. Procure ajuda, quando necessário. Entre em contato, pelo telefone 188 ou acesse o site AQUI

Por: Adriana Santos