03 abr 2019

Co-wash: O que é e como usar a técnica que limpa o cabelo sem danificar

Arquivado em Beleza, cabelo, Comportamento

co-wash_o_que_e_e_como_usar_a_tecnica_que_limpa_o_cabelo_sem_danificar

Cabelos cacheados e crespos tendem a ser naturalmente secos. Logo, o uso excessivo de alguns shampoos que prometem limpeza profunda pode ser agressivo a eles. Não raro, há quem opte por reduzir a frequência de lavagem durante a semana a fim de eliminar por completo a oleosidade natural dos fios. A notícia boa é que já existe no mercado um produto específico para cuidar de todos os tipos de curvas, evitando qualquer prejuízo: trata-se do Condicionador Co-Wash.

Sentiu o couro cabeludo ressecado? É hora de ele entrar em ação, limpando com delicadeza, condicionando e definindo o cacheado ou o crespo em um único passo. Vem saber mais!

O que é o co-wash?

Em um esquema dois em um, o condicionador co-wash foi desenvolvido para limpar e condicionar, dispensando o uso de um shampoo. Esse é o caso do Condicionador Co-Wash Curvas Envolventes, de Plant, rico em óleo de macadâmia e livre de sulfato, parabeno e petrolato.

Apesar de homônimos, o condicionador co-wash não deve ser confundido com um condicionador comum. A farmacêutica bioquímica Marcela Buchain explica:

Se ele tiver na composição petrolato – também conhecido como vaselina ou silicone -, parafinas, ceras ou óleos vegetais, como é o caso dos comuns, e for aplicado no couro cabeludo, vai obstruir o folículo. Isso exige o uso de um shampoo de limpeza profunda, que tende a ser agressivo aos fios ressecados.”

Como usar o co-wash?

Prático, o co-wash é usado como um shampoo, ou seja, direto no couro cabeludo. A diferença está na fórmula, que não tende a espumar. Assim que depositado, basta massagear e enxaguar em abundância. A quantidade ideal equivale ao dobro daquela usada para o shampoo de costume.

Não existe regra, porém, na hora de incluí-lo na rotina de beleza. Segundo Clarissa Romeu, pesquisadora e desenvolvedora de produtos Natura, algumas pessoas preferem adotá-lo como único passo na hora de lavar o cabelo. “Já outras sentem a necessidade de intercalar o uso com o de um shampoo tradicional”, diz. Uma ótima opção é combiná-lo com uma máscara de tratamento, caso haja necessidade de turbinar os cuidados.

Para quem o co-wash é indicado?

Como os cabelos cacheados e crespos são mais ressecados que os demais, são eles os mais beneficiados pelo produto. “O shampoo convencional pode reduzir demais a oleosidade natural dos fios. Com o uso do co-wash, isso não acontece”, explica Clarissa.

Marcela o indica também para fios tingidos de loiro e alerta que quem tem caspa ou algum tipo de alteração no couro cabeludo deve evitar e procurar um especialista.

16 maio 2017

Cerca de 10% do peso de um travesseiro se deve à quantidade de ácaros

frio

Imagem Google

Gosta de descontos? Clique na imagem e saiba mais.

descontos3

O Início do Inverno acontece normalmente em 21 de junho no hemisfério sul. A estação mais fria do ano se aproxima e já chegou o momento de tirar do armário agasalhos e roupas de cama mais quentinhas. São casacos, jaquetas, blusas de malha e de lã, cachecóis, luvas, gorros, cobertores e edredons que precisam estar limpos e higienizados, evitando complicações respiratórias. Não podemos esquecer também de deixar limpos os bichos de pelúcia, tapetes, almofadas, travesseiros. São artigos que normalmente são utilizados por muito tempo sem lavar, por isso acumulam um número enorme de ácaros.

O clínico geral do Hospital Bom Jesus de Congonhas, Dr. Wagner Pereira de Souza, alerta que  o quarto de dormir precisa de um cuidado especial. “A poeira doméstica é um dos principais responsáveis  pelos problemas respiratórios dos pacientes. O local deve ser bem limpo. Evite tapetes, cortinas e objetos em cima dos armários”, diz o clínico.

Não imaginamos que algo tão pequeno e, até mesmo invisível ao olhar humano, pode fazer tanto estrago. Presente, principalmente, em nossos colchões e travesseiros, o ácaro é um dos principais responsáveis pelas alergias. De acordo com pesquisa realizada pela UNICAMP, após seis ou oito anos de uso, 10% do peso de um travesseiro se deve à quantidade de ácaros e seus detritos. Assustador, não é mesmo?

Diante deste dado e por estarmos no outono/inverno, período em que há maior incidência de casos de alergias e problemas respiratórios, Ana Paula Prates Borlido, diretora industrial da Orthocrin,  alerta a população para a necessidade da troca periódica do colchão e travesseiro. “Essa atitude, além de contribuir para um sono de saúde, evita problemas de saúde, ou até mesmo dores nas costas. É muito importante prestarmos atenção no colchão e travesseiro que usamos. O ideal é trocar a cada dois anos os travesseiros e, a cada cinco anos em média, o colchão”, orienta a diretora.

Confira algumas dicas

Depois de limpos, edredons, cobertores e agasalhos  precisam ser guardados com proteção adequada, Os sacos de TNT são os mais aconselháveis. Evite os sacos plásticos porque provocam umidade e mofo;

Roupas pesadas devem ser lavadas assim que apresentarem qualquer tipo de sujeira, pois tecidos guardados logo depois do uso adquirem manchas de oxidação, mofo e ácaros e atraem traças;

Travesseiros, almofadas, tapetes e cortinas: essas peças acumulam muitos ácaros, causando alergias. Travesseiros devem ser lavados a cada quatro meses, para que não se respire sujeira durante o sono. Quanto às almofadas, tapetes e cortinas, a sugestão é a limpeza a cada seis meses;

Bichos de pelúcia, dependendo do material que são feitos, podem ser colocados na máquina de lavar a cada três meses.